+ Responder ao Tópico



  1. #151

    Padrão

    Filzek, eu preciso entender uma coisa.

    O Cordeiro tem o produto, e diz que é homologado pela Livetch Bahia. Lá mais atras voce disse que WDC=Livetech Bahia. É isso?
    Então se a WDS é autorizada Ubiquiti e a Usaimport também, eu já começo a não entender mais nada.

    E se o produto está lá no site da Anatel para todo mundo ver, posso até concordar que um determinado número de equipamentos passem a revelia das autoridades, mas aí é mais uma questão de quem me vendeu por homologado e usou de outros meios.Eu, desde que tenha a nota fiscal discriminando o equipamento, nº série, etc. etc... não tem Anatel que possa complicar comigo. Não por isso. Pode até querer me marcar e ser super exigente em outros detalhes, mas neste não tem como. Quem tem a autoridade e o direito de fiscalizar pela lisura das operações comerciais é a fiscalização , não nós.
    Ou então não adianta nada ter publicado a homologação no site da Anatel.

    Agora, outra coisa que não bateu bem ainda é que a WDC fica em São Paulo e o Cordeiro está convidando a visitar a empresa em João Pessoa.

    Nâo estou aqui duvidando de ninguém. Só quero entender os tramites. Já temos tantos problemas para tocarmos um provedor e mais um , ninguém merece.
    Se os dois tiverem o produto homologado, melhor para a comunidade.

    Editando: Onde está WDS leia-se WDC. Já estou ficando pirado.

  2. #152

    Padrão

    Citação Postado originalmente por filzek Ver Post
    Amigo, acho que voce entendeu errado o conceito, para a ANATEL toda mercadoria ainda que seja igual a HOMOLOGADA se não for comercializada por quem HOMOLOGOU não tem valor LEGAL e JURIDICO perante a LEI. Vivemos num pais de burocracia, é assim que vivemos e não vai mudar nunca, esse é um pais ruim de se trabalhar que nos tarifa em mais de 86% de impostos de importação, que diz que faz muito e não faz nada pelo povo, sempro foi assim desde o império.

    Agora, quem homologou assumiu uma responsabilidade junto ao governo, imagina uma NS5 derrubar um sistema de radar, é você quem vendeu que vai responder? o importador informal ou o executivo de fronteira? se a NS queimar ou falhar, aquela mesma velha historia de que o problema foi do cliente e não do produto, que todos conhecem, vai reclamar para quem, ir no procom? comprou sem nota, de palavra e a empresa não cumpre o que prometeu, isso é o mais comum, por isso, a Anatel junto do Ministerio Publico Federal exigem que quaisquer produtos que vierem a ser homologado passam a ser tratados em carater primario de controle, isso requer garantias de funcionamento, risco, segurança, qualidade, na qual a Empresa que realizou a Homologação assume perante a sociedade brasileira referente ao produto.

    Desta maneira, é impossivel dizer, OH, MAIS É O MESMO PRODUTO! não, não é o mesmo produto, não será e será julgado pela Anatel como não Homologado e acarretará as sansões explicitas nos regimentos, o que inclui de imediato a lacração da torra e crime federal.

    É simples, uma empresa assume todo o risco de comercializar um produto, e os muambeiros e importadores informais aproveitam-se disso e andam na sombra dela, viva o brasil, via a anarquia, porém, errado, da mesma forma que não se pode mais importar um carro zero sem ter que refazer a homologação novamente do mesmo, gastando mais de 15 mil reais no processo todo, não se pode importar um produto de telecomunicacao e usar no brasil.

    Uma coisa vai ser boa, ja esta na pauta da CACEX e do Ministerio de Ciencia e Tecnologia a proibição da Importação de quaisquer dispositivos de radiofrequencia acobertados pela resolucao 506 da Anatel que não sejam por Empresas que tiverem homologados os produtos, isso vai acabar de vez com a "putaria" do mercado informal e também os importadores que vivem de sombras e nunca se responsabilizam por nada, o custo vai ficar mais barato e garantido pelos Importadores Oficiais, sendo assim, cumprido o que a Lei obriga a fazer.

    Acho que agora da pra entender o que os Importadores legais sofrem em relação aos executivos de fronteira que não pagam impostos, e os Importadores Alternativos que não garantem nada no final.

    Atenciosamente

    Paulo Filzek
    Gerente de Grandes Empresas
    USAImport
    [email protected]

    Quem disse que estamos sonegando impostos...



  3. #153

    Padrão

    Citação Postado originalmente por filzek Ver Post
    Amigo, acho que voce entendeu errado o conceito, para a ANATEL toda mercadoria ainda que seja igual a HOMOLOGADA se não for comercializada por quem HOMOLOGOU não tem valor LEGAL e JURIDICO perante a LEI. Vivemos num pais de burocracia, é assim que vivemos e não vai mudar nunca, esse é um pais ruim de se trabalhar que nos tarifa em mais de 86% de impostos de importação, que diz que faz muito e não faz nada pelo povo, sempro foi assim desde o império.

    Agora, quem homologou assumiu uma responsabilidade junto ao governo, imagina uma NS5 derrubar um sistema de radar, é você quem vendeu que vai responder? o importador informal ou o executivo de fronteira? se a NS queimar ou falhar, aquela mesma velha historia de que o problema foi do cliente e não do produto, que todos conhecem, vai reclamar para quem, ir no procom? comprou sem nota, de palavra e a empresa não cumpre o que prometeu, isso é o mais comum, por isso, a Anatel junto do Ministerio Publico Federal exigem que quaisquer produtos que vierem a ser homologado passam a ser tratados em carater primario de controle, isso requer garantias de funcionamento, risco, segurança, qualidade, na qual a Empresa que realizou a Homologação assume perante a sociedade brasileira referente ao produto.

    Desta maneira, é impossivel dizer, OH, MAIS É O MESMO PRODUTO! não, não é o mesmo produto, não será e será julgado pela Anatel como não Homologado e acarretará as sansões explicitas nos regimentos, o que inclui de imediato a lacração da torra e crime federal.

    É simples, uma empresa assume todo o risco de comercializar um produto, e os muambeiros e importadores informais aproveitam-se disso e andam na sombra dela, viva o brasil, via a anarquia, porém, errado, da mesma forma que não se pode mais importar um carro zero sem ter que refazer a homologação novamente do mesmo, gastando mais de 15 mil reais no processo todo, não se pode importar um produto de telecomunicacao e usar no brasil.

    Uma coisa vai ser boa, ja esta na pauta da CACEX e do Ministerio de Ciencia e Tecnologia a proibição da Importação de quaisquer dispositivos de radiofrequencia acobertados pela resolucao 506 da Anatel que não sejam por Empresas que tiverem homologados os produtos, isso vai acabar de vez com a "putaria" do mercado informal e também os importadores que vivem de sombras e nunca se responsabilizam por nada, o custo vai ficar mais barato e garantido pelos Importadores Oficiais, sendo assim, cumprido o que a Lei obriga a fazer.

    Acho que agora da pra entender o que os Importadores legais sofrem em relação aos executivos de fronteira que não pagam impostos, e os Importadores Alternativos que não garantem nada no final.

    Atenciosamente

    Paulo Filzek
    Gerente de Grandes Empresas
    USAImport
    [email protected]


    Boa pra quem???

  4. #154

    Padrão

    Citação Postado originalmente por 1929 Ver Post
    Filzek, eu preciso entender uma coisa.

    O Cordeiro tem o produto, e diz que é homologado pela Livetch Bahia. Lá mais atras voce disse que WDC=Livetech Bahia. É isso?
    Então se a WDS é autorizada Ubiquiti e a Usaimport também, eu já começo a não entender mais nada.

    E se o produto está lá no site da Anatel para todo mundo ver, posso até concordar que um determinado número de equipamentos passem a revelia das autoridades, mas aí é mais uma questão de quem me vendeu por homologado e usou de outros meios.Eu, desde que tenha a nota fiscal discriminando o equipamento, nº série, etc. etc... não tem Anatel que possa complicar comigo. Não por isso. Pode até querer me marcar e ser super exigente em outros detalhes, mas neste não tem como. Quem tem a autoridade e o direito de fiscalizar pela lisura das operações comerciais é a fiscalização , não nós.
    Ou então não adianta nada ter publicado a homologação no site da Anatel.

    Agora, outra coisa que não bateu bem ainda é que a WDC fica em São Paulo e o Cordeiro está convidando a visitar a empresa em João Pessoa.

    Nâo estou aqui duvidando de ninguém. Só quero entender os tramites. Já temos tantos problemas para tocarmos um provedor e mais um , ninguém merece.
    Se os dois tiverem o produto homologado, melhor para a comunidade.

    Editando: Onde está WDS leia-se WDC. Já estou ficando pirado.
    Muito boa, assino em baixo. Isso não pode ser assim, pelo menos nunca ouvi essa história, que amigo mostre então onde está na LGT, porque o provedor ser obrigado a comprar do homologante impede a concorrência.



  5. #155

    Padrão

    Será que o NS2 é melhor do que o SWL-3300 para servir como AP bridge?

  6. #156
    xargs -n 1 kill -9 Avatar de sergio
    Ingresso
    Jan 2004
    Localização
    Capital do Triângulo
    Posts
    5.202
    Posts de Blog
    9

    Padrão

    Pessoal, não quero defender nem apedrejar ninguém, mas o que o Filzek postou faz todo o sentido, inclusive é uma reivindicação das empresa que homologam os equipamentos, junto a Anatel, faz tempo.

    Tanto que algumas dessas empresas como a Livetech/WDC sempre que faz a homologação coloca marca própria para se proteger das "empresas que vivem às sombras"... E estão certissimos, pois tem todo o trabalho e custos para um "cidadão" qualquer vender o produto e não ter responsabilidade nenhuma sobre o mesmo?

    Quando se homologa um produto de telecom é necessário um documento do fabricante permitindo que o distribuidor/revenda brasileiro faça a comercialização e é realmente responsável pelo mesmo em território nacional.

    Isto não é a toa, concordam? Em caso de qualquer processo contra tal equipamento, por qualquer motivo que a lei brasileira permita, é preciso de um "cristo" para crucificarem e este "cristo" é justamente a empresa que homologou o produto.

    Agora como é que verifica-se se o "cristo" foi realmente quem vendeu o equipamento? Da forma como o Filzek comentou e para isto é preciso um sistema que garanta que foi esta empresa que vendeu o equipamento.


    A Anatel, a cada dia, está se aperfeiçoando na fiscalização e esta "farra" de "provedor via rádio" vai acabar. Vejam a última:

    Após a res. 506 todos achavam que estavam livres, leves e soltos, para usarem equipamentos wifi, registrando apenas a base que faz o entrocamento/interconexão com a rede pública, pois em todas as estações que utilizam-se de equipamentos de radiação restrita estava liberado o registro da mesma... Ledo engano.

    Já começaram a fiscalização e adivinhem o que está acontecendo?

    LACRE!!

    Porque?

    Simples, nenhuma antena até o momento foi homologada como equipamento de radiação restrita e de acordo com os OCDs, nenhuma será homologada, pois antena não é radiação restrita.

    Então é simples, não adianta sua estação possuir um equipamento de radiação restrita se a antena não é... (salvo casos como NS, CANOPY, entre outros, que a antena é integrada ao rádio, então consider-se o equipamento todo).

    Por que mencionei isto, se está fora do contexto do tópico?

    Porque as regras estão mudando, sem ninguém falar nada ou se preocupar em organização e defender os interesses comuns. A Anatel simplesmente estão "editando" a legislação.

    Então o que o Filzek menciona faz todo o sentido. Se será ruim ou bom cabe a sociedade se organizar e buscar seus interesses junto aos órgãos competentes e não apenas ficar "chorando o leite derramado".
    Última edição por sergio; 20-12-2008 às 13:32.