Página 8 de 14 PrimeiroPrimeiro ... 345678910111213 ... ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Citação Postado originalmente por JorgeAldo Ver Post
    Cara, quando se fala de lugar com interferencia, estamos falando de INTERFERENCIA PRA CARA.....

    Por exemplo, passar um cabo de rede numa subestação, ou numa usina hidrelétrica, ou numa estação de transmissão de rádio FM, lugares assim (Proximo a um elevador por exemplo, por causa do motor) no geral coisas de alta potencia, pois sua comutação gera EMI potente. Ai o investimento justifica.

    Mas wireless tá longe de ter potencia para significar qualquer coisa. E os processadores dos radinhos idem.

    Seu pc gera muito mais EMI do que eles.
    REALMENTE você não quer entender ! Mas quem sabe um dia passe por isso e resolva usar cabos blindados !

  2. Citação Postado originalmente por leandrolopeswifi Ver Post
    Jorgealdo,tudo bem?
    Bom, até entendo teu pensamento ou opinião quanto ao cabo, sabemos que tu não é um fã de ubiquiti, mas tens que entender que este produto será mais uma opção pra quem quer um ótimo cabo pra ser usado com a linha ROCKET M.
    Não estamos discutindo se eles foram o primeiros ou segundos a lançarem o produto e sim que é um bom produto.
    Tente visualizar desta forma,ok.

    Só não convém é comentar.. "gastar dinheiro com moda" , esse cabo não é moda , é realidade e tecnologia melhorada.é simples. compra quem quer e quem pode. se não usas esse tipo de cabo, então nem precisarias comentar no post, não é mesmo?

    Concordo com o pkmc, pois os rádios da linha Airmax tem suas particularidades, e uma delas pra um enlace fechar em 100% é o cabo utilizado. só quem usa sabe disso.
    Abraço.
    E ísso aí leandrolopeswifi só quem passou pelo problema e achou a solução sabe o valor de usá-la !
    A prática faz a diferença da teoria !
    Grande Abraço ! Espero encontrá-lo aqui dia 1º na convenção !



  3. Muito bom o debate, mas eu votei na Dilma.
    Acho que esse tipo de discurção só gera informção adicional a nossas mentes de menor conhecimento e nos engrandece.
    Parabens aos dois pelo tanto de conhecimento passado.

  4. Depois de analisar os prós e contras apresentados e pensando em alguns episódios inexplicáveis que de vêz em quando acontece em uma das torres, vou trocar os cabos para blindados e conectores aterrados.
    Porque isso? Mesmo os Nano estando rendendo muito bem, eu tenho um hábito de ficar monitorando e já peguei os mesmos em algumas ocasiões com alguma instabilidade. Nunca pude descobrir o que poderia ocasionar isso, mas agora começo a entender.
    Seja defeito de projeto ou não, eu vou pagar para ver.
    A experiencia dos companheiros com cabos blindados talvêz me ajude a eliminar esta instabilidade.



  5. Níveis de EMI (Eletromagnetic Interference).

    Uma nova diretiva cujo objetivo é estabelecer um padrão europeu único para controle de interferência eletromagnética (EMI -- Electromagnetic Interference) gerada pelos equipamentos elétricos está acabando com os planos dos projetistas de redes de instalar cabos UTP que acomodem tráfego LAN de alta velocidade. O maior problema levantado pelas novas regulamentações que entraram em vigor no início de 1996 diz respeito ao par trançado não blindado Categoria 5, que surgira até então como o meio de transmissão de mais baixo custo capaz de comportar tráfego de alta velocidade como FastEthernet ou ATM [GRE96].

    Cada parte de um equipamento eletricamente carregado transmite e recebe EMI porque todos os condutores tem a potencialidade de agir como antenas de rádio, sejam eles finos filamentos em uma placa de circuito ou extensões de cabos. Em geral, em freqüências elevadas, os condutores se aproximam ainda mais do comportamento de uma antena, o que explica porque os problemas de emissão de EMI se agravam em redes que operam em altas velocidades. Quando a emissão de EMI ultrapassa determinados limites ela pode causar uma série de problemas que nunca são notados de imediato, tais como degradação de desempenho, falhas em software, corrupção de dados. Deve-se observar no entanto que, apesar de indesejável, pesquisas concluíram que as emissões de EMI da maioria dos equipamentos elétricos estão bem abaixo de níveis que poderiam ser considerados prejudiciais à saúde.
    As novas normas, especificadas como parte das diretivas de compatibilidade eletromagnética (EMC -- Eletromagnetic Compatibility) da Comissão da Comunidade Européia (CEC), impuseram limites para a quantidade de EMI gerada por equipamentos elétricos incluindo cabeamento de prédios.
    A medição dos limites de EMI para o cabeamento não é uma tarefa fácil visto que, sendo o cabo um elemento passivo, este irradia EMI somente quando sinais são transmitidos por equipamentos conectados a uma de suas extremidades. As diretivas de EMC exigem que o cabeamento seja testado junto com os equipamentos. Isto faz com que, caso os usuários optem por um tipo de cabeamento, tenham de adquirir os equipamentos que foram aprovados para o tipo que escolheram.
    No entanto, nem sempre a aquisição de equipamentos aprovados para um determinado tipo de cabo garante emissões de EMI abaixo do permitido, já que a fiação utilizada nos testes nunca é exatamente igual à utilizada no mundo real. Isto é particularmente verdadeiro para cabos UTP -- cabos compostos de 4 pares trançados de fios de cobre com impedância característica de 100 Ohms, protegidos por um revestimento de PVC. A fim de suprimir as emissões de EMI, estes cabos utilizam somente o efeito de cancelamento balanceado no qual sinais de polaridade oposta são enviados pelo cabo. Caso os sinais sejam perfeitamente balanceados, eles se cancelam mutuamente eliminando a tendência do cabo de agir como uma antena de rádio.
    Cabos UTP fornecidos por fabricantes interessados em conseguir o selo de conformidade do CEC podem possuir um balanceamento perfeito para a extensão testada, que desapareceria frente a testes em um ambiente real onde objetos metálicos próximos ao cabo poderiam causar desbalanceamento nas linhas de transmissão. Além disso, outros parâmetros poderiam variar do ambiente de teste para o mundo real, tais como conectores e comprimento do cabo. Por fim, uma má instalação dos cabos também poderia provocar futuras perturbações no balanceamento e criar níveis mais altos de EMI.
    Assim, sem uma forma de se medir as emissões de EMI dos cabos UTP antes de toda a infra-estrutura estar pronta, os projetistas não têm condições objetivas de averiguar se uma determinada planta de cabeamento está dentro das especificações. Para agravar a questão, as diretivas de EMC da CEC permitem que fiscais coloquem fora do ar as redes que excederem os limites de EMI.
    Ainda há bastantes dúvidas sobre o desempenho real de cada um dos tipos de cabeamento. Parece haver um favorecimento por parte dos vendedores, quando o assunto é a emissão de EMI de seus produtos. Os resultados encontrados pelos fabricantes para diferentes tipos de cabeamento não concordam entre si. A AT&T, grande fabricante de UTP Categoria 5, diz ser capaz de suportar tráfego ATM a 155 Mbit/s sobre seus produtos sem exceder os limites de EMI. Já os resultados da European Network Laboratories (ENL, Paris) afirmam o contrário atestando que, sob tráfego FastEthernet 100 Mbit/s o nível de radiação EMI emanada pelos UTP Categoria 5 ultrapassa o limite de 40 db permitido, enquanto que o nível de radiação para os STP se situa na casa dos 20 db. Embora a ENL seja uma organização independente de vendedores, os testes foram encomendados pela Alcatel Cable S.A., fabricante de cabeamento STP. Outros resultados que vão contra as conclusões dos testes da AT&T são os fornecidos pela ITT Network Systems and Service, indicando a impossibilidade para os cabos UTP Categoria 5 de suportar tráfego ATM 155 Mbit/s sem exceder os limites de EMI ditados pelas diretivas EMC [GRE96].

    Problemas com a verificação de uma instalação de UTP Categoria 5.

    Os primeiros problemas levantados para o cabeamento UTP Categoria 5 começaram a surgir em 1994, quando usuários, ao tentar trafegar dados FDDI a 100 Mbit/s sobre estes cabos, observaram uma degradação do desempenho causada por interferência eletromagnética excessiva - EMI (ver texto acima). Os motivos apontados foram técnicas de instalação imprópria para este tipo de cabo. A controvérsia sobre instalações de UTP Categoria 5 incitaram os fabricantes de equipamentos de teste a lançarem vários produtos no mercado. Estes produtos tinham como propósito eliminar as incertezas sobre problemas no cabeamento UTP Categoria 5 ao permitir aos usuários que se certificassem sobre seu parque instalado. No entanto alguns destes produtos só pioraram a situação ao fornecerem informações equivocadas, que foram causas muitas das vezes de onerosos gastos com reinstalações desnecessárias [PRE95].
    Os analisadores de instalação não se deram muito bem ao tentar levar uma política de testes feitas sob condições de laboratório especificadas pelo TIA para o mundo real. Visando esclarecer o assunto de verificações de instalações o TIA publicou o documento TSB67 cujo objetivo era definir o conjunto de testes a ser executado pelos dispositivos e o grau de acuidade exigido pelos testes. Até agosto de 1995, data da publicação da referência bibliográfica utilizada para construir este parágrafo, a nenhuma conclusão tinham chegado os debates acerca do nível de precisão dos equipamentos de teste. Alguns vendedores de equipamentos argumentam que mesmo o nível de maior precisão estabelecido pelo TSB67 não é suficiente quando o assunto são redes ATM de alta velocidade [PRE95].
    De fato, a questão ATM vai bem além dos equipamentos de teste quando se trata de exigências de desempenho por parte do cabeamento. As especificações de desempenho TIA/EIA 568 para o UTP Categoria 5 cobrem somente frequências de até 100 MHz, o que, sendo suficiente para lidar com protocolos de 100 Mbit/s como FDDI, 100BaseT e 100VG-AnyLAN, não é para as exigências dos novos adaptadores e switches ATM que utilizam frequências mais altas.
    Um pequeno estudo sobre Par Trançado

    o.O






Tópicos Similares

  1. Cabo UTP blindado Ubiquiti Não usem !
    Por Reinan no fórum Redes
    Respostas: 7
    Último Post: 09-03-2014, 18:55
  2. Respostas: 6
    Último Post: 10-06-2011, 07:08
  3. Passagem de cabos [ethernet+energia]
    Por brwireless no fórum Redes
    Respostas: 4
    Último Post: 19-01-2008, 09:06
  4. Conexão Cabo Ethernet
    Por marcelocbf no fórum Redes
    Respostas: 9
    Último Post: 08-08-2007, 20:57
  5. Cabo Ethernet ou RG 213
    Por doidoht no fórum Redes
    Respostas: 10
    Último Post: 27-04-2004, 02:48

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L