+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Padrão Aterramento Equipamentos UBNT

    Olá pessoal do fórum, gostaria da ajuda de vocês aí para sanar uma dúvida.
    Busquei em diversos lugares, inclusive aqui no fórum e não consegui chegar numa conclusão.
    Irei colocar uma rocket M5 + RocketDish de 30dBi numa torre de 20m. Irei usar cabeamento blindado no PoE, conforme recomendação do fabricante. Pelo que li, se eu ligar o fio dreno do cabo no conector, ligando assim a malha do cabo ao conector, eu estarei aterrando o equipamento no PoE assim como a antena, pois o aterramento do equipamento é ligado, pelo que li, aos conectores de RF do Rocket. O PoE por sua vez estará fazendo seu aterramento na rede elétrica.
    Portanto, se eu aterrar a rede elétrica, está tudo resolvido.
    A idéia é evitar ou minimizar problemas de indução de eletricidade estática da torre no cabo, assim como outras interferências.
    Porém, através desse aterramento da elétrica eu estaria aterrando também a torre, pois a antena é ligada diretamente à torre através das abraçadeiras metálicas.
    Minha dúvida é: se eu fizer como citei acima, aterrando apenas a rede elétrica, estarei realmente minimizando os efeitos citados? E em caso de eu colocar um para-raio na torre, o correto seria fazer um aterramento para a rede elétrica e um para o para-raio? Eu fazendo esse aterramento da rede elétrica apenas, não posso ter problemas de DDP pelo fato de a torre estar ligada diretamente à terra (através da sapata e dos pés da torre)?
    Obrigado a todos que me derem uma mão aí =)
    Última edição por marlondomenech; 02-06-2011 às 16:13.

  2. #2

    Padrão Re: Aterramento Equipamentos UBNT

    Caro colega,

    Conforme vc mesmo deve ter percebido em outros topicos que eu respondi, o seu circuito de aterramento esta correto. Uma vez aterrado a rede eletrica, conectando a malha do cabo ao conector, vc realmente esta aterrando todo o circuito, incluindo a antena. Em teoria, vc ja deve ter aterrado sua torre, pois ela com certeza tem as sapatas que a fixam no chao, e caso nao tenha, (seja fixado sobre base de concreto), vc deve aterra-la juntamente com o aterramento eletrico, para que vc nao tenha diferença de potencial entre os circuitos. O para-raios é uma coisa totalmente a parte. Primeiro, o captor franklin a ser posicionado na ponta da torre deve ter isoladores de porcelana, e o cabo malha q ira descer dele até o aterramento de dispersão, deve ser isolado tambem da torre, através de separadores de porcelana tambem. Alem disso, as hastes de dissipação do para-raio, devem estar situadas no sentido contrario a do aterramento eletrico e distantes o maximo possivel uma da outra. Quanto a questão do retorno da carga eletrica dissipada atraves do circuito do para-raio, ela pode acontecer realmente. Para evitar esses problemas, existem algumas soluções, sendo a primeira delas, a medição da capacidade de dissipação do seu terreno, através de um equipamento chamado aterrometro. Essa é a solução complicada. A solução mais simples, e funcional em mais de 90% dos casos, é, aplicar um protetor klamper de 24k por exemplo, em todas as fases, e no aterramento. Isso ira evitar o retorno de uma descarga, caso o seu terreno tenha baixa condutividade (areas rochosas, ou platôs de arenito tem esse problema... se vc pesquisar um pouco, descobre facilmente qual o perfil geologico da sua regiao). Caso o seu terreno seja de alta condutividade, isso nao é preocupante, pois a massa da terra com certeza sera muito maior que a da sua torre para dissipar a descarga, mas, caldo de galinha e precaução nao fazem mal... (eu sempre uso os protetores klamper, mesmo em areas onde sei q nao tenho esse problema...)

    Duvidas, basta postar..


    Amplexos.



  3. #3

    Padrão Re: Aterramento Equipamentos UBNT

    acompanhando...

  4. #4

    Padrão Re: Aterramento Equipamentos UBNT

    Atualmente todas as "grandes operadoras", não estão utilizando mas cabo de descida para o aterramento do captador franklin, o mesmo é acoplado diretamente a estrutura da torre, senda a própria torre o "cabo" condutor, e já a algum tempo, estão usando a interligação da malha de terra dos eqto com a malha de terra do neutro, ou seja todo e qualquer tipo de aterramento em um site são interligados em malha única.
    É claro que nestas condições as malhas tem que ter uma resistividade/condutividade apropriada para tal situação, mas isto é o padrão normal de um bom aterramento, se a malha não for bem feita o melhor a fazer é deixar tudo em terra flutuante, pois um aterramento mal feito é pior do que não ter nada.



  5. #5

    Padrão Re: Aterramento Equipamentos UBNT

    Citação Postado originalmente por rfmedeiros Ver Post
    Caro colega,

    Conforme vc mesmo deve ter percebido em outros topicos que eu respondi, o seu circuito de aterramento esta correto. Uma vez aterrado a rede eletrica, conectando a malha do cabo ao conector, vc realmente esta aterrando todo o circuito, incluindo a antena. Em teoria, vc ja deve ter aterrado sua torre, pois ela com certeza tem as sapatas que a fixam no chao, e caso nao tenha, (seja fixado sobre base de concreto), vc deve aterra-la juntamente com o aterramento eletrico, para que vc nao tenha diferença de potencial entre os circuitos. O para-raios é uma coisa totalmente a parte. Primeiro, o captor franklin a ser posicionado na ponta da torre deve ter isoladores de porcelana, e o cabo malha q ira descer dele até o aterramento de dispersão, deve ser isolado tambem da torre, através de separadores de porcelana tambem. Alem disso, as hastes de dissipação do para-raio, devem estar situadas no sentido contrario a do aterramento eletrico e distantes o maximo possivel uma da outra. Quanto a questão do retorno da carga eletrica dissipada atraves do circuito do para-raio, ela pode acontecer realmente. Para evitar esses problemas, existem algumas soluções, sendo a primeira delas, a medição da capacidade de dissipação do seu terreno, através de um equipamento chamado aterrometro. Essa é a solução complicada. A solução mais simples, e funcional em mais de 90% dos casos, é, aplicar um protetor klamper de 24k por exemplo, em todas as fases, e no aterramento. Isso ira evitar o retorno de uma descarga, caso o seu terreno tenha baixa condutividade (areas rochosas, ou platôs de arenito tem esse problema... se vc pesquisar um pouco, descobre facilmente qual o perfil geologico da sua regiao). Caso o seu terreno seja de alta condutividade, isso nao é preocupante, pois a massa da terra com certeza sera muito maior que a da sua torre para dissipar a descarga, mas, caldo de galinha e precaução nao fazem mal... (eu sempre uso os protetores klamper, mesmo em areas onde sei q nao tenho esse problema...)

    Duvidas, basta postar..


    Amplexos.
    Bom dia,

    Li sim seus outros post rfmedeiros. Me ajudaram bastante a formar o conceito de um aterramento bem feito, haja visto que não tenho noção nenhuma de como fazê-lo (sou razoavelmente novo na instalação de equipamentos em torres). Muito obrigado pela resposta, mas tenho mais uma dúvida.
    No meu caso, a torre é fixada pelas sapatas, o que já aterra a torre. Porém, se eu fizer um novo aterramento para a rede elétrica, como citei, aterrando equipamentos e a antena, não estarei criando um segundo referencial de terra, através da ligação da torre com a estrutura metálica da antena?
    Obrigado =)

  6. #6

    Padrão Re: Aterramento Equipamentos UBNT

    Pois é pessoal, alguma resposta para a minha dúvida no post acima?



  7. #7

    Wink Re: Aterramento Equipamentos UBNT

    Boa Noite Marlon...

    Então eu tenho caso semelhante ao seu...

    Tenho uma torre estaiada de 18 metros, nela eu tenho 5 rocket e 1 bullet alimentados por painel solar e baterias.
    Na base fiz um aterramento com 6 hastes de cobre em forma de triangulo, como se fosse 2 triangulos.
    Estas hastes estão interligadas entre si e ligadas em cada canto da torre formando uma malha ou rede.
    Lembrando que a distancia entre uma haste de cobre e a outra, deve ser o mesmo comprimento dela mesma.
    Para interligar estas hastes utilizei uma cabo de cobre nú de 36mm, que é o mais utilizadado.
    No alto da torre fixamos um captor, daqueles tipo espeto, sendo que a torre é proprio cabo de descida até o terra.
    As operadoras que projetam suas torre hoje estão fazendo da mesma maneira.
    Perguntei a um engenheiro sobre porque não usar um cabo de descida, e ele me disse:
    A massa da torre é maior, não tem a necessidade de utilizar o cabo, a propria torre conduzirá a corrente.
    Lembre-se que a corrente sempre passa pelo o caminho de menor resistencia.
    Sobre o aterramento dos radios, não os isolei da torre totalmente.
    Os cabos e conectores são blindados, porem para descer os cabos isolei totalmente da torre
    Utilizei um duto flexivel emborrachado por fora e metálico por dentro.
    O nono fio do cabo de rede soldei nas capas metálicas do conector.
    Sendo que aterrei tudo num unico terra.
    Nos POE, Baterias, controlador de carga e panéis solares colocamos protedores de surto.
    Esta estrutura passou por toda prova com as tempestades de verão no litoral de floripa sem problemas.
    E até hoje não houve 1 travamento se quer.
    Isto se faz quase 1 ano.

    Se quiseres maiores detalhes sempre subo a serra aí para Videira.
    Minha esposa era dessa terrinha, mas a familia dela ainda está aí.
    Se interessar estou a disposição.
    Segue meu e-mail:
    [email protected]

    Att.
    Guilherme Soares

  8. #8

    Padrão Re: Aterramento Equipamentos UBNT

    Citação Postado originalmente por gsoares Ver Post
    Boa Noite Marlon...

    Então eu tenho caso semelhante ao seu...

    Tenho uma torre estaiada de 18 metros, nela eu tenho 5 rocket e 1 bullet alimentados por painel solar e baterias.
    Na base fiz um aterramento com 6 hastes de cobre em forma de triangulo, como se fosse 2 triangulos.
    Estas hastes estão interligadas entre si e ligadas em cada canto da torre formando uma malha ou rede.
    Lembrando que a distancia entre uma haste de cobre e a outra, deve ser o mesmo comprimento dela mesma.
    Para interligar estas hastes utilizei uma cabo de cobre nú de 36mm, que é o mais utilizadado.
    No alto da torre fixamos um captor, daqueles tipo espeto, sendo que a torre é proprio cabo de descida até o terra.
    As operadoras que projetam suas torre hoje estão fazendo da mesma maneira.
    Perguntei a um engenheiro sobre porque não usar um cabo de descida, e ele me disse:
    A massa da torre é maior, não tem a necessidade de utilizar o cabo, a propria torre conduzirá a corrente.
    Lembre-se que a corrente sempre passa pelo o caminho de menor resistencia.
    Sobre o aterramento dos radios, não os isolei da torre totalmente.
    Os cabos e conectores são blindados, porem para descer os cabos isolei totalmente da torre
    Utilizei um duto flexivel emborrachado por fora e metálico por dentro.
    O nono fio do cabo de rede soldei nas capas metálicas do conector.
    Sendo que aterrei tudo num unico terra.
    Nos POE, Baterias, controlador de carga e panéis solares colocamos protedores de surto.
    Esta estrutura passou por toda prova com as tempestades de verão no litoral de floripa sem problemas.
    E até hoje não houve 1 travamento se quer.
    Isto se faz quase 1 ano.

    Se quiseres maiores detalhes sempre subo a serra aí para Videira.
    Minha esposa era dessa terrinha, mas a familia dela ainda está aí.
    Se interessar estou a disposição.
    Segue meu e-mail:
    [email protected]

    Att.
    Guilherme Soares
    Opa Guilherme...

    Valeu as dicas aí...
    Irei aplicar no nosso projeto o seu case, sem duvida. Valeu aí