+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Padrão B/G/N

    Pessoal quando eu seliciono no mk

    bgn-so aparelho n conecta
    bg- so aparelho setado em b+g conecta e no modo b sei disso pelo data rate dele mas aparelhos so em b nao conecta de geito nenhum
    b-nao tem problemas qualquer um conecta legal
    g-nao tem problemas qualquer um conecta legal

    esta certo isso?

  2. #2

    Padrão Re: B/G/N

    Citação Postado originalmente por danilocastellobranco Ver Post
    Pessoal quando eu seliciono no mk

    bgn-so aparelho n conecta
    bg- so aparelho setado em b+g conecta e no modo b sei disso pelo data rate dele mas aparelhos so em b nao conecta de geito nenhum
    b-nao tem problemas qualquer um conecta legal
    g-nao tem problemas qualquer um conecta legal

    esta certo isso?
    Danilo, faz tempo que postei alguma coisa a respeito, mas parece que a maioria não testou, pois ninguém me deu alguma resposta.
    Mas é isso mesmo.
    Se setar b/g/n no mikrotik só os clientes que tiverem rádios b/g/n é que conectam.
    Os B/G ficam de fora.
    Para contornar isso você deve deixar o data-rates em default quando configurar em b/g/n. Descobri isso por acaso.

    Mas setando B/G todos conectam mesmo os só B. Só não conecta se o cliente estiver só em N ou não estiver marcados os data-rates correspondentes ao modo B

    Deve ser mais um dos famosos bugs do Mikrotik.
    Famoso mas a cada versão um bug novo. Este já não é tão novo. Mas enfim, compatibilidade com B/G só no papel.



  3. #3

    Padrão Re: B/G/N

    @1929 valeu ai ei me esclarece mais uma duvida eu coloco um data rate de 24mb modo g no mk beleza mas no registration os aps cliente se conectam em qualquer data rate nao vai degradar a rede nao se eles estiverem todos com 1mbzinho no rx pq penso assim se eu tiver 3 clientes no ap um com data rate diferente do outro sabemos que a performaçe geral da rede e a do data rate menor certo?
    agora se eu nao controlar o rx(data rate que ap recebe) se por acaso um cliente estiver com data rate no rx em 1mb significa dizer que se passar mais de 1 mb de upload a net vai ficar ruim? pq a minha duvida surge do seguinte no rate do cliente ele nao precisa se conectar com rx aparecendo auto no registration pq ele nao compartilha seu data rate tipo ele ta com data rate de 1mb e tem um plano de upload de 64k nao tem problema entendeu e assim que eu acho que funciona so que ai eu fico pensando no caso do DATA RATE GERAL do ap da torre se ele tiver 15 clientes com 64k trafegando acho que vai ficar ruim ou nao?

  4. #4



  5. #5

    Padrão Re: B/G/N

    Citação Postado originalmente por danilocastellobranco Ver Post
    @1929 valeu ai ei me esclarece mais uma duvida eu coloco um data rate de 24mb modo g no mk beleza mas no registration os aps cliente se conectam em qualquer data rate nao vai degradar a rede nao se eles estiverem todos com 1mbzinho no rx pq penso assim se eu tiver 3 clientes no ap um com data rate diferente do outro sabemos que a performaçe geral da rede e a do data rate menor certo?
    agora se eu nao controlar o rx(data rate que ap recebe) se por acaso um cliente estiver com data rate no rx em 1mb significa dizer que se passar mais de 1 mb de upload a net vai ficar ruim? pq a minha duvida surge do seguinte no rate do cliente ele nao precisa se conectar com rx aparecendo auto no registration pq ele nao compartilha seu data rate tipo ele ta com data rate de 1mb e tem um plano de upload de 64k nao tem problema entendeu e assim que eu acho que funciona so que ai eu fico pensando no caso do DATA RATE GERAL do ap da torre se ele tiver 15 clientes com 64k trafegando acho que vai ficar ruim ou nao?
    Eu já notei isso.
    Mas atribuo ao rádio no cliente que deixamos em auto... E notei também que esses que aparecem com 1mb, são aqueles que não estão usando a net. Só que deixam o equipamento ligado na energia. Quando eles autenticam o RX vai subir.
    Verifica se acontece isso com você.

  6. #6

    Padrão Re: B/G/N

    Veja bem, você não tem como controlar o data rate dos clientes, você só consegue configurar no WinBox o data rate da RB.
    Você marcou que quer apenas 24MB de data rate na RB, ok, a transmissão será afeita apenas e exclusivamente a 24MB, que deve ser umas 20-25 subportadores (De uns 300KHz cada), a etapa de RF vai ter menos sub-portadoras pra se preocupar (Que se tivesse fixo em 54M). Já a recepção... essa será feita no data rate setado no cliente, se no cliente o roteador ou sistema operacional estiver no modo auto o nível de sinal (Torre>cliente) é que vai determinar que data rate ele usará, se o sinal torre>cliente for alto o roteador é idiota o suficiente pra presumir que o sinal cliente>torre é alto e vai usar um data rate, com muitas subportadoras a toa.
    Ó um exemplo de roteador idiota fazendo besteira no modo auto:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         mk.jpg
Visualizações:	48
Tamanho: 	94,2 KB
ID:      	53123
    O MK transmite a 12M, beleza, mas o cliente (No caso é meu netbook) insiste na idéia idiota de usar quase 50 sub-portaodoras pra transmitir, como o sinal tem obstaculos (Antena fora, netbook dentro de casa) a maioria dessas sub-portadoras perde pacotes, e o troughput fica nessa coisa ridícula de 1Mbps.

    Aqui uma configuração mais consistente:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         mk2.png
Visualizações:	43
Tamanho: 	19,3 KB
ID:      	53124
    Um Kodama lá na garagem, tanto RB como esse AP transmitem em 12M, ajustei potencias pra ficar nuns -55 a -60 (RB a 15dBm, roteadores a 50mW), até tem obstaculos (Telhado) mas não tem muita perda nas sub-portadoras (São umas 10-15, se fossem 45-50 provavelmente perderia muita coisa e teria que reenviar) e o troughput fica nesses 9Mbps.

    Atendendo cliente de internet a coisa muda, se você fica o data rate na RB a 24M, mas "recebe" conexão a 1M, sem problemas, o troughput torre>cliente será razoavel, mas cliente>torre será baixo, o que não é um problema afinal o upload pros clientes é sempre baixo.
    (500Kbps/5Mbps upload/download)
    Se a torre recebe conexão a 1M ela só lucrará, ela terá menos subportadoras com pacotes e analizar, vai consumir menos processamento.

    SE você quer rede equalizada, tipo empresa ou em casa onde trafega muita coisa entre as maquinas, fixa data rates nos clientes e equaliza os sinal pra ter troughput consistente em qualquer origem e destino (Assisto filmes 720p via rede com esses 9Mbps, isso usando RB133, cartão EMP8602 danificado, e kodama/krazer/abocom vagabundo, com antena biquad caseira, equipamento que ia pro lixo fazendo muito mais bonito que Linksys WRT54G de R$ 300 que pela falta de config. de data rate permite uns 1 ou 1,5Mbps (Que mal dá pra filmes 360p em mp4 baixados do youtube...)).

    Não vale a pena configurar velocidade baixa no cliente, digamos fixar em 6M, alguns roteadores ME PARECE que não estabelecem conexão quando tem data rate diferente, nunca tive tempo pra testar isso mas tem situação que roteador não conecta em determinados data rates conforme o nível de sinal, ou conforme a autenticação (WPA2 PSK Tkip me parece mais chato, o padrão inicial pra WPA2 PSK era AES, ME PARECE que TKip é gambiarra nalguns modos).

    ======
    Já ia esquecendo:
    Data rate alto cliente>torre usa mais processamento da torre, se tem TX/RX tipo 24M/54M então a RB estará usando muito mais processamento que se tivesse 24M/6M, e o troughput não será diferente (Se fossem roteadores muito inteligentes seria), um upload teorico de 1Mbps será cerca de 1Mbps tanto em 6M como em 54M, só o que mudará será o uso de processamento e ram da RB (Que se for grande pior a qualidade da conexão de TODOS).

    Se tem RX alto (Maior que 24M) tem que "piorar" essa conexão se não quiser tirar o roteador do modo auto, seja com ack time maior ou com potencia menor. Bons roteadores vão conectar normal mesmo configurador pra digamos 6M, mas em coisa tipo krazer/kodama/abocom/engenius ESR1221/CPE OIW BG/ lembro de ter uns problemas fixando velocidades diferentes, culpa dos roteadores sem capacidade, não de MK.

    Quanto menos sub-portadoras a RB tiver que processar tanto no RX como no TX melhor, o SOFTWARE aumenta a potencia e sensibilidade porque sabe que o processamento estará aliviado. RX a 1M talvez seja exagerado pra upload vendido na casa dos 500Kbps, mas abaixo disso acho que está tranquilo.



  7. #7

    Padrão Re: B/G/N

    Alias... pensando bem, 802.11g não usa nº de sub-portadoras variando, usa 52 fixas. Que burro.
    Bom, sendo o nº de sub-portadoras fixo, o que varia é o numero de simbolos uteis usados, com poucos simbolos úteis seria perda de tempo usar data rate pequeno porque os simbolos e tempos gastos com treino, requisição de espaço e descrição do modo usado não compensaria, mas são apenas 20uS perdidos nisso, o que garante o menor uso de processamento e da etapa de RF é que com menos simbolos o "transformador rapido de Fourier" vai ter que "transformar" menos conteúdo pra entregar pro detector de símbolos, que por sua vez vai ter menos símbolos pra processar.

    Se fossem sub-portadoras a mais ou a menos seria uma diferença física no sinal, como só muda o número de símbolos válidos (Em modo G) o que muda é o tempo gasto na "geração" dos pacotes, na transmissão física, e tempo gasto no hardware de destino pra desempacotar tudo. Então o que faz um sinal pelo meio de uma arvore variar o troughput não é uma ou outra sub-portadora refletida, mas sim uma mudança no reflexo em poucos uS que faz com que os pacotes de identificação (Os primeiros 20uS) sejam bem recebidos mas que os pacotes com simbolos úteis (Digamos 380uS seguintes) percorram trajeto diferente e cheguem com intervalo diferente do esperado, invalidando os pacotes e exigindo seu reenvio. Perder pacote grande (De datarate tipo 54M) gera bem mais tempo perdido que perder pacote pequeno (Digamos 6M), quanto mais tempo gastar sem re-verificar o estado da conexão (Por ficar mandando pacote grande, muito tempo gasto em simbolos úteis) mais "perigo" tem de sofrer alguma mudança, então em distancia grande ou com zona de fresnel parcialmente obstruído o problema é o tempo gasto verificando estado da conexão, com pacotes pequenos a verificação é mais frequente e portanto perde menos pacotes.
    (E isso desafoga o hardware 2 vezes, uma por ter menos transformações e simbolos a verificar, e outra por ter menos pacotes perdidos pra reenviar)

    Agora sobre o primeiro tema do post, modos B/G/N, modo auto exige que o hardware transforme e verifique simbolos de modulações diferentes, provavelmente os hardwares não são otimizados pra analizar pacotes de conexão em modulações diferentes toda hora então as vezes negam conexão devido a erro na transformada de fourrier ou na detecção de símbolo, tipo "Ignora DSSS porque elas chegaram junto com uma rajada de QPSK que já era esperada". Não sei se é bem isso, essa parte é software, não é nem atividade de micon risc, e software não é minha area.
    (Só o que vejo é demora, aquecimento, e maior consumo no hardware por usar todo modo auto... uma coisa é ter roteador domestico com 1 netbook plugado, outro mundo completamente diferente é ter 150 CPE's conectadas na torre e esperar que todas tenham troughput alto com tempos de resposta mínimos)

  8. #8
    Avatar de Nilton Nakao
    Ingresso
    Sep 2013
    Localização
    Carlos Chagas, Minas Gerais
    Posts
    903

    Padrão Re: B/G/N

    Acho que cada fabricante põe um "bug" para nós internautas ficarmos com "cabelo branco" para ter pelo menos com conexão razoável.
    Ficamos programando o roteador para acessar os notes, quando acessa conexão fica instável, affff.
    Vem os celulares, marca x, y ou z não tem criptografia adequada.
    Vem os smarfones, td de novo...
    Mas vc já conseguiu adequar os notes, não vai querer perder e fazer td de novo.
    Amanhã vc compra os 4G, vai ser td de novo com certeza.
    Tenho um roteador, que se tiver um equipamento novo, precisa desligar e ligar de novo do contrário ele desliga a wan(minha filha quem descobriu)
    Tive um que ficava desligando o wireless, as portas de rede normal.
    Nessa brincadeira, acho que em 2 anos tive mais de 10 roteadores, não que não funcionassem; o problema é quando vc tem várias marcas diferentes. Hj os dispositivos móveis são da Motorola(3G), e a placa wireless dos notes são da mesma marca.



  9. #9

    Padrão Re: B/G/N

    e percebi isso mais ou menos alguns na hora que ligam o cabo de rede do pc pegam o ip na cpe e as vezes aumentam o rx mas as vezes nao voutam a ficar com o rate mais baixo possivel sempre...mas valeu ai....

  10. #10

    Padrão Re: B/G/N

    isso mesmo acho que nao da tempo deles testarem tudo e assim um aparelho que eles deixam para ser plug and play sai com configuraçoes automaticas desnecessarias tipo se vc tem um modem mesmo de 4 portas e so tem cabo conectado em 3 portas dpois vc vai uzar a 4 ele desligou por causa do consumo de energia, as veses o cara ta com a cabeça chei de coisa e nao vai achar a soluçao para um problema tao simples negocio mesmo e trabalhar sempre com a parelhos de uma marca só a vc vai ficar afiado....



  11. #11

    Padrão Re: B/G/N

    Esses problemas não são pressa, são questão de custo. Equipamento barato terá chipset lento, terá VRM de potencia pequena que dependendo do ripple da fonte vai travar com multiplas conexões abertas (Culpa de P2P ou sistema operacional no default, o default é modo pra dona-de-casa que olha receita de pão-de-queijo no panelaterapia, qualquer um que se diz "usuario" devia configurar direito os softwares quando opta por hardware barato).

    Hardware barato exige muita configuração, hardware barato é pra usuario que sabe o que faz. Hardware pra quem deixa no default é coisa tipo Linksys ou Apple, que vai se configurar praticamente sozinho.

    Mas brasileiro insiste que "não entende disso então vai comprar o mais barato", ou que "É só pro WhattsApp funcionar no celular" então pega o primeiro DLink de R$ 40 que aparece... consumidor dá um tiro no pé, incentiva equipamentos baratos porque compra por preço, ao invez de incentivar a evolução e melhoria dos fabricantes, comprando baseado em opções de configuração, em desempenho, em durabilidade...