+ Responder ao Tópico



  1. #21

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    precisa de tudo isso mesmo de banda nesse cliente? Se nao precisa baixa mais o mcs dele.

    A vizada desse cliente como esta?

  2. #22

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Também acho que é bom diminuir esse MCS, afinal MCS11 tem sensibilidade segundo o datasheet na casa dos -80, isso dá só 10 a 16dB de SNR.

    Ou aumentar esse nível de sinal.

    Noise floor ultimamente é informado usando a maior sensibilidade do aparelho, que é o menor MCS, não dá mais pra confiar no SNR informado, tem que ver a sensibilidade de cada MCS e largura de canal no datasheet.

    (Afinal um MCS15 tem sensibilidade tipo -75, se fixar nisso o SNR marcará 50dB igual está agora, mas o CCQ vai cair ainda mais, precisaria sinal tipo -50 pra ter SNR real de 25dB. A sensibilidade informada no datasheet não é sem motivo, é dado útil)



  3. #23

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Rubem, parabéns pela explanação sobre as boas práticas sobre a correta utilização das modulações.

    Vai ajudar muito ao pessoal entender o Trade-Off (relação perde-ganha) existente entre nas comunicações digitais, onde as taxa de transimissões estão em conflitos com o SNR requerido.

    Nem sempre utilizar o maior o DATA RATE é melhor...

    Porém, acho que precisamos debater sobre uma colocação sua: "10 Mhz é gambiarra". Qual o motivo para afirmar isso? Seria simplesmente porque a utilização canais de 10 Mhz não foi padronizado pela IEEE quando da elaboração dos padrões?

    É que eu tenho na minha rede um case onde consegui ótimos resultados usando canais de 10 Mhz, sendo que a utilização de canais mais estreitos aliados a altos níveis de SNR foram os pontos chaves para o sucesso.

    Na minha avaliação, assim como a escolha da modulação correta é fundamental, a escolha da largura do canal correta também é primordial, pois a escolha da largura correta do canal também remete a uma relação de conflito entre: Maior largura de banda X maior recepção de ruído e maior consumo de espectro.

    Portanto, poderia falar um pouco mais sobre a sua não recomendação da utilização de canais de 10 Mhz?

  4. #24

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Pois eh, eu também fiquei pensando o porque de 10 Mhz seria "gambiarra", pois aqui em minha rede uso a quase 3 anos e sempre funcionou legal, porem para planos menores que 2 Mbps.

    Em 10 Mhz o hardware é: RB433AH + Cartão R52HM + Painel UBNT (Nas conexões uso pigtail de boa qualidade e 1,5 Metro de Cabo LMR-400 hyperlink)

    Com a necessidade de atender os cliente com maiores planos instalei a uns 2 meses RB912 c/ Painel UBNT em 20 mhz e estou MUITO satisfeito com o resultado, estou finalizando as migrações dos planos maiores e alguns clientes de maior uso para elas e até agora a qualidade esta MUITO SUPERIOR!!

    Tava pensando em até colocar umas RB912 em 10 Mhz só pra tirar a prova.

    Sei que o hardware da RB912 é muito superior e também sei das perda nas conexões, mas dai fiquei na dúvida:

    A melhoria significativa foi pelo HARDWARE ou LARGURA DE CANAL ??



  5. #25

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Olivionet, tbm tenho 1 painel em 10mhz dentro da cidade a 3 anos sem problema algum. Na zona rural uso 10mhz e 2.4 só alegria.

    Essa semana tbm subi 912 c/ basestation é absurda a diferença de Noise Floor se comparado a ubnt.

  6. #26

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Tenho ambas nas torres, mas no caso da rb912 estou usando com 17dbi 90º



  7. #27

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Isso isso isso, insisto que 10MHz é gambiarra porque não está no padrão 802.11n de 2009.
    Tem chipset que não aceita canal de 5MHz em N, tem uns que aceitam, com 10MHz não é diferente, eu até tentei usar 10MHz, mas parece que nenhuma CPE barata não tem mais suporte a isso (NS, SXT e Airgrid não tem nada de baratas).

    A melhoria que 10MHz traz com relação a 20MHz é uns 10dB a mais de sensibilidade, ao trocar MCS7 por MCS5 geralmente muda algo proximo dos 10dB de sensibilidade. Canal mais estreito perde o que? Perde capacidade. Diminuir o MCS diminui o datarate em 20%, diminuir a largura do canal diminui o datarate em 50%!

    Exemplo:
    Um NS Loco M5
    - Sensibilidade de -74 em canal de 20MHz em MCS7. Datarate de 65M
    - Sensibilidade de -86 em canal de 20MHz em MCS4. Datarate de 39M
    São 12dB de diferença na sensibilidade, são 40% a menos no datarate (65 - 40% = 39).

    - Sensibilidade de -74 em canal de 20MHz em MCS7. Datarate de 65M
    - Sensibilidade de -84 em canal de 10MHz em MCS7. Datarate de 32,5M
    São só 10dB de diferença na sensibilidade, são 50% a menos no datarate (65 / 2 = 32,5) porque você usa metade da frequencia, metade das portadoras.

    O datarate e o throughput não tem relação exata, mas datarate maior implica througput maior quando tem sinal suficiente.

    Nesse caso, melhor reduzir o MCS ou melhor usar canal mais estreito?


    O datasheet nem sempre informa, mas praticamente em todo datasheet que informa a diferença de sensibilidade de 5 pora 10MHz informa que é de 10dB, de 10 pra 20MHz mais 10dB, de 20 pra 40MHz mais 10dB. A pouca variação que ví foi 9 ou 11dB em um ou outro equipamento, tomo como universal os 10dB a mais de sensibilidade ao usar canal com metade da largura.

    O throughput com canal mais estreito será menor (Se tiver sinal suficientemente limpo) que a metade porque com mais pacotes você desperdiça mais espaço útil em cabeçalho de pacote, acho que chamam de mac overhead. Algo assim: Em MCS7, 20MHz, você tem 64 portadoras, cada portadora leva um trafego X por segundo, cortando o canal pela metade, passando pra 10MHz, o numero de portadoras cai pela metade (Apesar de tanto material na web não consigo confirmar essa info, de 20 pra 40MHz (O padrão) o numero de portadoras dobra, em A/G de 5, 10 e 20MHz o numero de portadoras tambem dobra quando dobra a largura do canal, só posso presumir que de 20 pra 10MHz em N a portadoras são cortadas pela metade), cada portadora vai usar os mesmo 135,7KHz de largura, cada portadora vai levar o mesmo numero de bits (Se usar a mesma modulação no comparativo), ou seja, com metade das portadoras terá metade do trafego, pra transmitir os mesmos dados (O mesmo 2MB de um upload, por exemplo) você vai precisar simplesmente mais pacotes, cada rajada de pacotes informa destino e cia no cabeçalho, o espaço ocupado por dados de destino e origem, de modulação/datarate usados, de largura de canal e cia, é tanto que quando você muda o intervalo de guarda (GI) de 800 pra 400nS (Diminui 50%!) o datarate sobe 11%. Também entra a quebra de pacotes, com mais mac overhead você tem que quebrar os pacotes em partes cada vez menores, SE ocorrer erro de 1 portadora esse erro pode comprometer partes quebradas que já chegaram no roteador de destino na rajada anterior, vai ocupar memoria por mais tempo, então a capacidade de ter mais clientes trafegando dados simultaneamente cai.

    Claro que isso é uma analise bem resumida/porca, cada caso é um caso, mas a tendência de canais mais largos tem a intenção de aproveitar melhor o espectro, na verdade a diferença de 10 pra 20MHz deve ser mais de 100% de aumento no datarate, já que de 20 pra 40MHz em N, ou de 40 pra 80, ou de 80 pra 160 em AC, o aumento é de uns 107% na verdade, ou seja, ao comparar 10MHz (802.11n não padrão) com 80MHz (802.11AC) você passa por: 3,25M em 10MHz, 6,5M em 20MHz, 13,5M em 40MHz e 29,3M em 80MHz, enquanto se não houvesse economia no cabeçalho seria 6,5, 13 e 26M, a melhoria é de mais de 12%.

    Eu entederia se estivesse usando MCS6 ou 7 com canal de 10MHz pra ter um PTP mais estável com sinal ruim ou coisa assim, afinal com mais portadoras (32 em MCS6 ou 7 em 10MHz, comparado a 16 em MCS3 em 20MHz) você consegue datarate melhor e mais throughput real, mas deixar no modo auto com multiplas modulações possíveis em 10MHz não dá lucro, vai pular entre modulações de 32, 8 ou 4 portadoras, vai "ocupar" o espectro e o hardware com datarates dignos de 802.11A ou G.

    Channel overlapping é um problema? Num lixinho de 2002 tipo RTL8186 sim, num chipset de 2012 ou 2013 isso não é mais problema, o mixer e o ADC terão muitos pacotes pra lidar de qualquer forma, se ele tem que analisar sinal com 6dB de resolução ou com 20dB dá na mesma, então um segundo SSID com sinal -70 por perto incomoda tanto quanto um overlap do canal vizinho em algumas portadoras. Colocando um profile de 10MHz talvez tenha gente que se engane com o scan, como não escaneia praticamente nenhum SSID com canal tão estreito talvez ache que isso isola de alguma forma os outros SSID's, mas parece que isso não confere, pelo visto os mixers e ADC's processam tudo pra só depois separar, ou seja, um canal vizinho de 20MHz ou de 10MHz vai entrar junto no mixer de qualquer forma, o noise floor não comtemplará ele, o nível de sinal não mudará (Logo o SNR também não muda) mas o throughput (Ou o CCQ) não melhora tanto.

    Deve ter chipset com suporte a N com canal de 5MHz, uns 1,6M de datarate em MCS0 provavelmente (Ví isso alguma vez, não lembro onde). Qual a sensibilidade disso? Uns -116dB, é o que os MK em geral mostram como noise floor. Opa, então o noise floor exibido não é o limiar inferior da sensibilidade da modulação usada? Nops, a sensibilidade da modulação e largura de canal está só no datasheet (Nem em todos infelizmente), e me parece que tem gente que não leva esse dado a serio. Se a sensibilidade em MCS7 com canal de 20MHz é de -74 num NS Loco M5, e precisa uns 25dB de SNR, que sinal precisaria? -49! Putz, um NS Loco com sinal -49 tem que estar meio colado na torre né! Se o sinal é apenas -60 isso dá só 14dB de SNR, aí o CCQ fica baixo, imagino que uns 75-80%. Ao cortar o canal pra 10MHz o CCQ sobe pra quase 100%. Porque? Oras, a sensibilidade subiu de -74 pra -84, o SNR de 14dB subiu então pra 24dB. Mas... e o throughput geral? MCS7 em 10MHz dá 32,5M de datarate, chutemos 25Mbps de throughput (Já que ter 50Mbps em MCS7 com canal de 20MHz é possível). Mas... e se tivesse baixado pra MCS4? A sensibilidade seria -86, melhor que -84, datarate de 39M com canal de 20MHz, e em MCS4 dá pra conseguir 30Mbps. São só 5Mbps de throughput, mas em rede grande isso significa poder atender 5 a 10 clientes a mais sem que o CCQ de todos caia demais, isso dá uma bela diferença no bolso.


    Quem é feliz com 10MHz continue usando, não tem problema de espectro nem nada, mas essa é a motivação pra eu chamar isso de gambiarra, isso não está no padrão (E nem é suportado pelos chipsets e firmwares comuns) porque aproveita mal o espectro, canal mais largo gera mais channel overlapping mas os chipsets e S.O. de hoje sabem lidar muito bem com isso, digo, não perdemos mais muito troughput por isso (Comparado ao channel overlapping em 802.11G em chipset lixo de 2002).

    802.11AC não está nem aí pra sobreposição de canal porque os chipsets não estão nem aí pro aumento de processamento que isso gera, eles estão com tudo no modo auto (Não tem mais seleção de modulação ou largura de canal em alguns) porque confiam muito na propria capacidade de processamento, e dá pra entender, lidar com 256 portadoras (MCS8 e 9 em AC) de uma conexão única não é pra qualquer um, o processamento MÍNIMO pra AC é um patamar muito superior do habitual de chipsets N.

  8. #28

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Como é agradável ler um tópico assim!

    @rubem , algumas duvidas:

    1. Por qual motivo o cliente com sinal muito alto irá reduzir o ccq dos demais conectados na base?
    2. Em caso onde se pode escolher configuração de modulação até somente certo ponto, tipo UBNT (MAX TX rate), é importante para o AP que todos os clientes estejam nivelados ou ele consegue lidar com MCS 8, 9, 10, 15, tudo junto? (sem denigrir capacidade e qualidade)
    3. Um cliente que não consegue modular ao máximo mesmo com sinal dentro do padrão, ocupando mais tempo no ar por estar em AUTO devido ás varias tentativas, força os demais clientes à caírem em nível de modulação? Nesta questão vale considerar RX/TX, imaginando que o AP analisado seja misto 802.11a/n



  9. #29

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Cliente com sinal alto acho que só é problema no modo AUTO, ele vai ter sinal suficiente pra digamos MCS7 e os outros só pra MCS3, mas o software nem sempre é inteligente o suficiente pra separar as conexões, ele acaba respondendo em datarate alto pra cliente com sinal baixo, e precisa repetir o envio usando datarate menor até "aprender" o datarate correto, mas é só o cliente de sinal alto conversar com a torre que todo o aprendizado é perdido, o software é meio lerdinho ainda.
    (AC melhorou muito isso, meu roteador 1200AC lidava até bem com modo auto mesmo em A, B ou G, melhor que roteadores caríssimos ABG de 2009)

    Minha conexão está bem limitada essa semana pra eu conseguir postar mais, mas pode acompanhar os CCQ's dos clientes baixos e altos, conecta uma antena com sinal alto depois vira ela pra baixar e acompanha o CCQ exibido por todos, qualquer um desequalizado pra mais ou pra menos altera CCQ dos outros, e não é só a exibição do CCQ, se mantiver um ping rumo a eles verá jitter acompanhando CCQ baixo, se for muita diferença gera muita perda de pacote, porque o software no chipset não consegue acompanhar as variações nos sinais, sinal alto e baixo vai tudo pro mesmo misturador pra ser demodulado da portadora pra ser lido, se tiver outros SSID's perto mesmo em canal diferente você terá perda de desempenho também (Pouca, mas tem), tem que ver como é a etapa de RF, pra transmitir um mixer mistura modulação e pacotes, pra receber um demodulador usa outro sinal de modulação de modo que uma modulação "abata" a outra (Tipo afinar violão, quando as 2 cordas tem o som no mesmo tom o som de uma abafa o da outra, quase cancela se forem sinais iguais) e só reste pacotes de wifi, sinal fraco é distorcido pelos sinais fortes nessa hora, a distorção é pequena, e ter 2 ou 3 conexões muito diferentes não tem problema, mas quando tem 20 aí começa a ter perda de pacotes, o CCQ cai, as repetições de pacotes tomam tempo, as propria repetições geram trafego extra (Uma conexão boa trafega 10 pacotes, uma ruim tenta trafegar os mesmos 10 mas repete CADA pacote umas 2 ou 3 vezes até que recebe uma confirmação de recebimento legível, uma conexão ruim vale por 3 boas então, mas bom ou ruim depende do nível medio de todos, eu falo sempre em padronizar em algo tipo -55 a -65 pra ter alcance, -65 é sinal baixo e baixo assim permite muitos Km de alcance com datarate baixo, quem tem densidade grande e só clientes proximos não precisa se preocupar com isso e pode usar datarates altos, mas quem atende grandes distancias vai ter sinal baixo, o jeito de viver bem com isso é ter todos com sinal baixo e datarate baixo, pra que um sinal forte ou datarate alto no demodulador não torne sinais fracos ilegíveis, alias... mais ilegíveis ainda, afinal uma ou outra portadora sempre se perde em grande distancia, o negócio é diminuir as perdas, e não trabalhar com perda zero.

  10. #30

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Valeu pelos esclarecimentos @rubem, boas festas!



  11. #31

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Boa noite pessoal,

    Encontrei este tópico hoje estava procurando sobre o assunto.

    Fiquei com uma duvida é melhor utilizar mcs de 16 QAM ou 64 QAM no caso de ubnt dá pra escolher ex mcs 5 - 64QAM e mcs 11 - 16 QAM ambos de mesmo data rate 26mb em 10 mhz ou 52 em 20 mhz.

  12. #32

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    MCS8 a MCS15 são basicamente 2 (dois) MCS0 a MCS7, o datarate é o dobro porque de MCS0 a 7 você tem 1 chain (1 antena, 1 canal, 1 radio, 1 "via", enfim, tem 1 meio de envio) enquanto em MCS8 a 15 são 2 meios, o datarate é exatamente o dobro.

    MCS16 a 23 são basicamente 3 (tres) MCS0 a 7, e MCS24 a 31 são 4 (quatro) deles, cada meio (antena, chain, radio, cada meio) opera isolado do outro, por isso se chama MIMO (Multiple-in Multiple-out), os roteadores de mesa com 1 antena não fazem mimo então são vendidos como "150M" (Porque MCS7 em 40MHz com tempo de guarda (GI) curto de 144,4M (Arredonda pra 150M), já os roteadores com 2 antenas são vendidos como "300M" porque tem 2 meios de trocar dados (2 antenas, que podem estar na mesma polarização ou não), eles tem 2 MCS7, ou seja, MCS15, que em 40MHz e GI curto tem 288,9M (Arredondado pra 300M), roteador com 3 antenas é vendido como "450M" porque tem 3 meios de 150M cada, roteador com 4 antenas é vendido como "600M", e por aí vai, são 150M por antena.

    A tabela "oficial" fica em www.mcsindex.com
    Vejam que pra 802.11N é uma numeração e pra 802.11AC é OUTRA numeração. MCS8 em N é uma coisa e em AC é outra.
    Pode notar que os datarates em 20MHz são metade dos em 40MHz. Se usar canal de 10MHz terá datarates que são exatamente metade dos valores em 20MHz. 20MHz é o padrão, é o que 802.11A, B e G usaram por isso ele ainda é referencia, MCS7 tem 64 portadoras só em 20MHz, em 40MHz ela tem na verdade 128 portadoras.


    Já com canais de 10, 20 ou 40MHz você também tem o dobro ou a metade do datarate porque CADA portadora (16QAM tem 16 portadoras, 64QAM tem 64 portadoras) tem uma largura fixa, aumentando a largura do canal você pode aumentar o numero de portadoras.

    Se com 64 portadoras em 20MHz você tem datarate de 52M, ao dobrar o canal pra 40MHz terá 128 portadoras e datarate de 104M.
    Já se usar canal de 10MHz será metade disso, "só" 32 portadoras, aí o datarate nominal será de 26M.

    A modulação escolhida (MCS) não tem relação com a largura do canal, existem coincidencias porque além do numero de portadoras (8, 16, 64) o que conta é o numero de bits por cada simbolo enviado, é aquele numero depois do 16QAM ou 64QAM. Essa nomeclatura (symbol rate de 1/2, 3/4, 5/6) não permite uma conta fácil de cabeça, mas o que importa é que o tipo de codificação usado não tem relação com a largura do canal, é meio que coincidência alguns datarates em uma largura de canal baterem certinho com o de outra largura de canal porque se usa 2, 4, 16 ou 64 portadoras, e o numero de bits por simbolo (Visto no symbol rate) é fixo também.



    O datasheet não traz todas as potencias e senbilidades, mas o equipto trabalha com sensibilidade por datarate, se selecionar um MCS11 em 20MHz você terá o mesmo alcance, sensibilidade, potencia, e throughput se selecionar MCS9 em 40MHz, diminuindo o datarate a sensibilidade aumenta, mas aumentando a largura do canal ela diminui, não tem como fazer mágica com um determinado sinal o único jeito de aumentar banda é colocando mais portadoras (Que 802.11AC fez, 256 portadoras) e colocando mais chains (Mais meios de transmissão, mais antenas com radios, 802.11N suporta 4 chains enquanto 802.11AC suporta 8), se você tem digamos um sinal -65 não tem muito o que tirar disso, é sinal suficiente pra digamos 25Mbps em datarate de certa de 50M, seja MCS9 de 54M em 40MHz, MCS11 de 52M em 20MHz, ou 52M em 10MHz (MCS14 com canal de 10MHz), por isso insisto que usar 40MHz é desperdício de espectro quando se usa modulação abaixo de MCS12, se pode conseguir os mesmos throughputs com canal de 20MHz (Ou até 10MHz, mas aí não sei como fica a fiscalização da Anatel, já que nas homologações constam modos de uso tipo 16QAM 1/2, mas colocando canal de 10MHz (Que seria muito bom pro espectro) teria na verdade 8QAM 1/2, se bem que dia que Anatel chegar com espectrografo pra verificar isso deve chover canivete).

    A explicação pode ser complexa, mas o que é impornte reter é que o conta é o datarate, se você tem sinal insuficiente pra digamos 54M em 40MHz, não terá sinal suficiente pra digamos 52M em 20MHz, em um ou outro caso de zona de fresnel comprometida você pode ter melhora, mas com instalações decentes (Visada total, zona de fresnel 100% limpa, sem ruído demais no canal) você pode testar de 10, 20, 30 ou 40MHz que obterá estabilidade em datarates similares com o mesmo nível de sinal, não tem como extrair muita coisa de sinal baixo.
    (E MCS8 a 15 é mais fácil, é MIMO, enquanto MCS0 a 7 é SISO, é só sempre olhar o mcsindex.com, de preferencia imprimir e colar na parede)



  13. #33

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Rubem, muito boa a explicação é isso mesmo. A escolha entre a combinação entre a largura de canal, modulação, capacidade de transmissão e sensibilidade é relação de conflito, é uma relação de perde-ganha. Aumentando a largura de canal e a taxa de modulação aumenta-se a taxa de transmissão, porém perde em sensibilidade e necessita de um sinal mais forte (maior SNR). Diminuindo-se a largura de canal e a modulação, diminui-se a taxa de transmissão, porém aumenta-se a sensibilidade e pode-se trabalhar com sinais mais fracos (menor SNR).


    Esse tema da modulação é um pouco complexo pro pessoal que tá começando, mas recomendo a todos que estudem bem, pois a melhora nos enlaces é impressionante.

    Mas Rubem, gostaria somente de fazer uma correção no que vc tem dito sobre a modulação. Notei que você tem mencionado que 16QAM trabalha com 16 portadoras, 64 QAM trabalha com 64 portadoras, 256QAM trabalha com 256 portadoras e assim por diante e ainda que o número de bits enviado por símbolo, como vc mesmo disse "é aquele numero depois do 16QAM ou 64QAM"

    Na verdade não assim não, o correto é o seguinte:

    16QAM não quer dizer que trabalha com 16 portadoras ou subportadoras. É possível trabalhar com 16QAM e ter 10, 20, 30 ,40, centenas, ou até milhares de subportadoras, como é o caso das transmissões de TV Digital no padrão ISDBTb, que é o padrão adotado no Brasil para TV Digital. Ou seja, a nomemclatura 16QAM não guarda relação nenhuma com o número de portadoras ou subportadoras.

    A nomemclatura 16QAM, 64QAM e 128QAM quer dizer que cada simbolo transmitido contém respectivamente: 16, 64 e 128 combinações diferentes de Amplitude e Fase da portadora. Não é algo simples de entender, levei um tempo pra entender isso. Na verdade pra entender a modulação QAM, tive que compreender primeiramente como funciona a modulação por Amplitude e depois a Modulação por Chaveamento de fase, pois a modulação QAM é uma mistura das modulações por amplitude e fase, ou seja, numa transmissão QAM a portadora sofre alteração de amplitude e fase simultaneamente, sendo que uma portadora em modulação 16QAM pode assumir 16 combinações diferentes de amplitude e fase, a portadora modulada em 64 QAM pode assumir 64 combinações diferentes de amplitude e fase e assim por diante. É um pouco desafiador entender isso aí, mas é muito interessante.

    Com relação ao número de bits transmitidos por símbolo, funciona assim na transmissão digital:

    BPSK-
    Cada símbolo pode assumir 02 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 1 bit

    QPSK- Cada símbolo pode assumir 04 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 2 bits

    8 QAM - Cada símbolo pode assumir 08 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 3 bits

    16 QAM - Cada símbolo pode assumir 16 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 4 bits

    32 QAM - Cada símbolo pode assumir 32 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 5 bits

    64 QAM - Cada símbolo pode assumir 64 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 6 bits

    128 QAM - Cada símbolo pode assumir 128 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 7 bits

    256 QAM - Cada símbolo pode assumir 256 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 8 bits

    512 QAM - Cada símbolo pode assumir 512 combinações diferentes de amplitude e fase, portanto cada símbolo transmite 9 bits

    e assim, por diante.

    Note que o aumento no número de bits transmitidos não é proporcional ao aumento no número QAM. Exemplo, aumentando-se a modulação de 16QAM para 64QAM, aumenta-se quatro vezes o número de diferentes combinações de amplitude e fase, porém aumenta-se somente em 50% a taxa de transmisão.

    Essa é a explicação para a dificuldade de se transmitir dados a longas distancia e com estabilidade, em modulações superiores ao 16QAM, pois acima disso já é considerado uma modulação de alta ordem, com um número muito grande de combinações de amplitude e fase da portadora, exigindo altíssimo nível de sinal, baixo ruído e circuitos de rádio muito bem elaborados.

    Na prática, como esses rádios Mikrotik e Ubiquiti que trabalhamos, somente conseguimos um bom resultado e estabilidade usando as modulações até 16QAM, que seria: 162 Mbps em 40 Mhz, 81 Mbps em 20 Mhz e 39 Mbps em 10 Mhz.
    Vejam o fracasso que tem se mostrado a linha AC que tenta usar modulação 256QAM.


    Bom, é isso. Desculpem pelo tamanho do texto, mas é que não tinha como ser menor, na verdade esse é o resumo do resumo. Quem gosta de estudar Telecomunicações esse é um tema muito interessante e com muita aplicação prática.

  14. #34

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Tá certo, nunca achei uma tradução boa (Nem ruim) pra explicar isso. Tá ótimo o modo colocado.



  15. #35

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Boa noite amigos.

    De uns dias pra ca venho tendo problemas de conexão com meus clientes, ja havia trocado radio, antena, pigtail, fonte e nada esta resolvendo, eles ficam associados na antena de transmissão só que do nada começam a cair e voltar.
    Comecei dar um procurada do que poderia ser e cheguei até esse tópico, creio que com a ajuda de vocês eu consiga resolver meu problema.
    Equipamentos que utilizo: RB 912UAG-2HPND + Basestation 5G20 20DBI 90º 5GHZ + SXT 5NDR2 (lite 5) em todos os clientes.
    Faz 1 mes que estou com essa nova base, quando tinha uns 5 clientes transferidos para ela, estava tranquilo, agora que ja está chegando a 20 comecei a ter esse problemas citados acima.
    Comercializo links de 1mb à 4mb (upload de 300k a 600k).
    Minha idéia é somente utilizar esses equipamentos, não vou misturar fabricantes, por isso gostaria de uma idéia também de como tirar o maximo de rendimento deles, usa-los com nv2 por ex?
    Lendo sobre o que foi postado pelos amigos, principalmente pelo rubem, vi que o que pode estar me prejudicando (ou uma das possibilidades) é a configuração correta de MCS, já que não estou utilizando nenhuma configuração setada, esta default.
    Já estava cogitando voltar para minha antiga base esses meus clientes migrados para essa novo ambiente quando cheguei até esse tópico.
    Por favor, peço a ajuda de vocês para uma correta configuração desse ambiente, sendo essa relação de equipamentos e links de 1mb a 4mb, como devo deixar meu MCS na base e nos clientes? Que velocidade devo setar em Data rates (hoje estão marcadas A/G 18/24/36/48/54)? Coloca-los tb em nv2 como um print postado acima por um colega?

    Segue imagem de como está o sinal desses clientes na base.

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         base58N.png
Visualizações:	1015
Tamanho: 	18,2 KB
ID:      	57925

    OBS: Não gosto de pedir esse tipo de ajuda mastigada, gosto de entender o que estou fazendo e colocar em prática, no entanto, devida a minha urgência pelo menos com essa base de acesso, gostaria dessa ajuda de vocês.
    Estou lendo, relendo o tópico e procurando mais material para estudar.

    Desde já, muito grato a quem puder me ajudar.

  16. #36

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Olhando a imagem, a torre está transmitindo pra uns em SISO e pra outros em MIMO, é isso mesmo?

    65M é MCS6 somente 1 polarização com GI curto.
    72M é MCS7 somente 1 polarização com GI curto.
    144M é MCS15 dupla-polarização com GI curto.

    Se tem antena de dupla-polarização tanto na torre como nos clientes tem que usar ela. SE fosse em Mikrotik seria só marcar os MCS HT de dupla-polarização, tipo MCS8 até MCS15. UBNT é mais limitada e você tem que escolher 1 (Um) datarate apenas, te recomendaria colocar o Max TX Rate em MCS12, que com GI curto vem a ser 86M. Na real vai ter throughput agregado de 40-50Mbps, mais que suficiente pra 30 clientes de 4Mbps cada (Metade costuma ter consumo, e metade dessa metade tem consumo alto, e metade dessa metade da metade costuma usar a banda toda (4Mbps).

    Mas uma coisa que não tem muita utilidade é MAX TX rate alto no cliente. Na imagem tem cliente transmitindo (TX no cliente é RX na torre) em 6M (MCS0) e outros em 65M (MCS7 com GI longo), como o upload de todos é o mesmo, e com upload baixo tipo 1 ou 2Mbs pode usar nos clientes MCS9 (26M) tranquilo! A sensibilidade dos hardwares com esse datarate baixo é bem alta, com sinal -71 é quase impossível não ter CCQ de 95% com MCS9.

    Então na torre marque MCS12 pra testar (Caixa automatic desmarcada, senão vai continuar como está, com varios datarates diferentes), e nos clientes marque no MCS-HT apenas rates de dupla-polarização, como o upload é baixo poderia usar MCS8, mas acho exagero, tem sinal suficiente até pra MCS10 na verdade, tanto faz o que colocar (MCS8 a 11), o que importa é não deixar cliente chegar com MCS15 quando o sinal dele é tão baixo tipo -70, esse tipo de sinal não está uns 20dB acima da sensibilidade do datarate, tem SNR mas não tem margem suficiente com relação a sensibilidade (Vide datasheet, lá tem as sensibilidades, cada datarate tem sensibilidade diferente).

    Quanto a aba DATARATES dos SXT, não marca nada lá, aquilo é pra quem vive em 2007 e ainda usa 802.11A. Se marcar datarates A e deixar o modo em A/N (Automatico) em algum momento pode cair em A, que é um belo desperdício de equipamento! Se o equipto suporta N use N que o rendimento (Bits por hertz ocupado) é muito melhor que no antiquado e velho A, e se o equipamento tem dupla-polarização FORCE ele a usar isso (Com max tx rate fixo de dupla polarização, e com MCS-HT de dupla-polarização).

    (O default no SXT é vir só com chain0 ativo, tem que marcar o chain1, na imagem só ví RX de 6M a 65M, PARECE que eles estão usando só 1 polarização, que é um belo desperdício de equipamento. Tem que marcar chain0 e chain1, e marcar APENAS MCS rates de dupla-polarização, que são MCS8 a 15, mas recomendo ficar em 9 a 11, TESTE)



    Tenho a impressão que está subutilizando o equipto que tem, tem datarates de polarização simples na imagem, modos automaticos fazem essas bobeiras por isso digo pra NÃO usar NADA automatico, pra polarização simples poderia ter comprado setorial de metade do preço, e usado airgrid baratinha ao invez de SXT. Se tem dupla-polarização aproveite e use.

    (E não use largura de canal em 20/40MHz. Pra essa banda pequena 20MHz dá e sobra, é desperdício de espaço gastar 40MHz pra apenas 4Mbps. Use fixo em 20MHz, tanto na torre como nos clientes. Quanto ao modo, UBNT tem a porcaria do modo A/N que não muda, mas SXT tem somente N (N-Only), use esse modo pra não ter risco da comunicação ser feita no antiquado e pouco produtizo modo A.)

    Tenta manter os clientes com CCQ acima de 90%, mas enquanto ainda tiver 1 cliente transmitindo com MCS7 porém com sinal baixo (RX na torre) tipo -70 ele vai piorar o CCQ dos outros. Baixar o datarate de transmissão dos clientes é o mais importante pra começar, não precisa exagerar e baixar pra MCS0 (Que só usa 1 polarização) só porque o upload é de 600K, existe muito trafego de broadcast além do upload, usando dupla-polarização o menor datarate é MCS8, 13M, já é suficiente, mas você tem sinal suficiente pra mais que isso, MCS9 ou MCS10 acho que te dará o melhor desempenho (TESTE! Todos com o mesmo tx rate, veja CCQ's, depois teste o outro tx rate e veja CCQ's, mas fique sempre em dupla-polarização, e não exagere com MCS14 ou 15).



  17. #37

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Muito obrigado pela ajuda Rubem.

    Referente ao SISO, vou repassar a configuração das SXT e habilitar o chain1, algumas estão somente com o chain0 marcado.
    Em Wireless estou utilizando 20MHz com Only-N (tanto na torre quanto nos clientes)

    Torre de Transmissão

    Para ativar/desativar determinados MCS, somente consigo colocando o Data Rates e Configured, caso fique em Default não consigo depois manusear os MCS.
    No caso do Data Rates, deixo como está na imagem abaixo?

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         dataRates.png
Visualizações:	339
Tamanho: 	8,6 KB
ID:      	57928

    Indo agora para as guias HT e HT MCS, creio que a HT esteja ok, conforme primeira imagem abaixo, no entanto, a HT MCS pelo que eu entendi, ficara como a segunda imagem (não irei utilizar UBNT em minha rede, somente Mikrotik SXT)?

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         ht1.png
Visualizações:	306
Tamanho: 	7,4 KB
ID:      	57929 Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         ht2.png
Visualizações:	369
Tamanho: 	8,7 KB
ID:      	57930

    Configurações Clientes (SXT)

    Também não consigo definir o MCS sem ter que configurar/setar o Data Rates (pelo menos eu não encontrei uma outra forma de setar sem retirar a opção de default do Data Rates)
    No caso dos clientes, deixo a configuração de Data Rates igual está na da Torre de Transmissão informada em imagem acima?
    Em HT marquei a opção chain1 e habilitei todos os HT AMPDU, ficando idêntica a configuração da Torre de Transmissão
    Depois, em HT MCS, pelo que você disse para ativar, tenho que deixar conforme imagem abaixo?

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         ht3.png
Visualizações:	441
Tamanho: 	9,3 KB
ID:      	57931

    Desculpe caso esteja fazendo algo errado, é que como falei, nunca havia feito essa configuração com MCS.

    E novamente, grato pelo tempo que está dispondo em me ajudar.

    Abçs

  18. #38

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Ah, agora ví que você tem MK tanto na torre como nos clientes, putz, não sei como entendi que tinha Rocket M5 na torre.

    Bom, na aba DATARATES não marque nenhum datarate. CASO algum SXT não conecte marque apenas o datarate de 54M, isso vai forçar ele a não usar modo 802.11A.
    (Em N-only não tem esses datarates, só tem os MCS, é bug isso de uns MK precisar marcar pelo menos 1 datarate, as minhas RB's não precisam disso mas tem gente relatando que sem nenhum datarate marcado ninguém conectava mesmo em N-only, testa aí se precisa, mas se precisar marque apenas 54M, tanto suportado como basico).


    Quanto a aba HT MCS, você marcou todos os "suported rates", desde polarização única (MCS0 a 7), até os de 3 chains (MCS16 a 23). Pra usar apenas 1 datarate marque apenas MCS12, tanto no suported MCS como no basic MCS (O basic é o mínimo, e o "suported" é por onde o datarate vai variar).

    Na aba HT o "HT Guard Interval" é o GI, que tem na tabela www.mcsindex.com , um intervalo curto otimiza a banda, mas com zona de fresnel ruim ele costuma atrapalhar, como parece ter instalações ótimas nos clientes teste intervalo de guarda curto mesmo.

    Nos SXT mesma coisa na aba HT MCS, marque um MCS tanto no "suported" como no "basic", MK tem a vantagem de permitir um "range" como você fez (9 a 11), não gosto de UBNT porque ela te obriga a usar apenas 1.

    Eu até prefiro mais de um datarate, mas na torre. Nos clientes acho que o desempenho fica melhor com todos com datarate bem mais baixo que o da torre, e com todos os clientes com o mesmo datarate, pra você ter noção exata da qualidade do sinal de cada um.

    Se tiver cliente gritando com sinal alto (-40 a -50) tem que baixar a potencia dele, 1dBm a menos na aba TX Power faz muita diferença! Já tem tiver cliente sussurando com sinal baixo (Tipo -70) o jeito é usar datarate mais baixo tipo apenas MCS9 nele (Deixa a torre sempre com MCS12), e talvez subir a potencia em 1dBm. Mas o ideal é pegar um patamar de sinal, tipo -55 a -65, ou talvez -70, e começar nos clientes com potencia alta, e ir baixando até que o sinal desse cliente chegando na torre seja uns -60 a -65, em alguns clientes você vai usar potencia baixa tipo 10dBm, e nem por isso vai ter CCQ tipo 98%, isso é coisa que se faz em cada instalação, a potencia e MCS da torre você não mecher, mas nos clientes você COMEÇA com apenas MCS9 e potencia tipo 20dBm, aí acessa a torre a partir do cliente e vai baixando a potencia (Ou sobe o MCS pra 10 ou 11) atpe usar a mínima potencia necessaria, potencia alta atrapalha os vizinhos e a própria torre (Sinal a -45 tem uns 30dB de atenuação ao virar a polaridade, ele chega então como -75 na outra polarização, ainda dentro da faixa de sensibilidade, fora os reflexos, o sinal pode refletir num predio o mesmo num telhado na zona de fresnel e chegar com 50uS de atraso (Aí que aumentar o ack-timeout ajuda) e com uns 30dB de atenuação, então só use sinal alto se usar datarate alto, afinal datarato alto tem sensibilidade menor.

    Algo assim: Use pelo menos 20dB a mais que a sensibilidade do datarate (Link margin, MK e UBNT pouco falam disso mas recomendam 20dB pelo menos), e no máximo 30dB a 35dB a mais que a sensibilidade do datarate porque esse é o isolamento entre uma polarização e outra (Antena ruim talvez tenha só 25dB de isolamento).




    O que você pode testar pra subir CCQ e melhorar ping é o ACK Timeout, ou distance dependendo da versão do MK. Na torre deixa ele em automatico (Afinal a torre transmite pra gente em tudo que é distancia), mas nos clientes coloque um valor 20 a 30% maior que a distancia real. Se a distancia real é 1Km teste 1.2Km, quando a zona de fresnel não está 100% livre isso diminui os pings demorados e de quebra melhora o CCQ, já tive aumento de quase 20% em throughput simplesmente colocando ack-timeout fixo 20% maior que o correto (Geralmente no "automatic" é exibida a distancia correta ou pouco maior, se ela é exibida muito maior é porque tem algo na zona de fresnel provavelmente).



  19. #39

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Boa tarde Rubem,

    Novamente, muito obrigado pelas orientações.

    OBS: Após eu ativar o chain1 nos SXT clientes que estão na minha nova relatada acima, a 002, a queda de conexão parou de acontecer e por isso resolvi subir uns 3 clientes para uma outra nova base, a 001, e nela fazer esses testes e ajustes de conexão, pois como minha base 002 vinha a semanas com problemas, vou fazer esses testes na 001 com 3 clientes que tenho facil acesso e aplicar posteriormente na 002.
    Estou dando essas explicações porque nas imagens que vou postar o SSID estará como WISP-NS-58-001 e não WISP-NS-58-002 como as anteriores.

    Apliquei suas orientações em meu ambiente, no entanto ao desmarcar os Data Rates nas SXT (clientes), o cliente não associa mais na Torre.
    - Ativo a opção de 54M na SXT mesmo assim não associa.
    - Ativo a opção de 54M na SXT e também na Torre e também não associa.
    - Marco a opção default no Data Rate na SXT e o cliente volta associar (Data Rates na torre estão todas desmarcadas).

    Seguem abaixo os prints de tela da configuração da minha Torre e também de um SXT cliente.
    Da forma que as configurações estão abaixo, a SXT não associa na torre. Para ele voltar associar eu tenho que voltar o Data Rates da SXT para default.

    Torre de Transmissão:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         clientesConectados.png
Visualizações:	203
Tamanho: 	12,0 KB
ID:      	57949Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         base1.png
Visualizações:	191
Tamanho: 	27,8 KB
ID:      	57941Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         base2.png
Visualizações:	226
Tamanho: 	22,2 KB
ID:      	57942Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         base3.png
Visualizações:	176
Tamanho: 	20,8 KB
ID:      	57943Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         base4.png
Visualizações:	194
Tamanho: 	21,9 KB
ID:      	57944

    Cliente SXT (é o primeiro cliente associado no Registration, conforme primeira imagem da Torre de Transmissão, com CCQ 97/56):

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         cliente1.png
Visualizações:	225
Tamanho: 	28,1 KB
ID:      	57945Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         cliente2.png
Visualizações:	165
Tamanho: 	22,1 KB
ID:      	57946Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         cliente3.png
Visualizações:	160
Tamanho: 	20,7 KB
ID:      	57947Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         cliente4.png
Visualizações:	190
Tamanho: 	21,7 KB
ID:      	57948


    Mesmo você detalhando bem o que era para ser feito, posso ter entendido bem errado em alguma configuração.

    Abçs!

  20. #40

    Padrão Re: Duvdas sobre MCS PTMP

    Hum, esse CCQ de RX de 56 e 76% tá péssimo, teria que testar outras coisas nos SXT.

    Testa na torre o HT guard interval em long, o datarate fica menor mas acho talvez MK tenha melhor desempenho com ele já que NV2 usa isso (O TX rate vai cair de 86M pra 78M).

    Nos SXT testa também o HT guard interval em long.

    Na aba Advanced tanto da base como dos SXT pode sempre marcar o HW Protection mode em RTS CTS, e a opção em Adaptavie Noise imunity em Acess point and Client mode.

    Está usando superchannel na base, mas precisa mesmo? 5820MHz é tão diferente de 5825MHz? Não sei se tem relação com seu problema, mas testa o frequency mode em Manual TX-Power, não devia ter nada a ver mas a única diferença com relação ao que configuro é isso pelo que notei.

    (Se a aba Datarates precisou ficar em "default", beleza, muita gente comenta isso, não tenho idéia do porque pra alguns em "Configured" com todos os datarates desmarcados conecta normal)

    Não sei porque o RX rate na base é 76/86M (MCS12) e não o MCS9 que configurou nos SXT.

    Eu configuro tudo, tipo ganho da antena, wireless protocol similar nos 2 lados, configuro o país correto, e na aba TX Power coloco a opção "all rates fixed" e potencia baixa tipo 15 a 20dBm. Não sei se isso faz diferença, mas o HT MCS configurado em estação (cliente) é o RX Rate na base.
    (Nunca usei superchannel, não sei se ele influencia nisso)

    Alias, eu também coloco o canal igual em ambos, por mais que colocando canal diferente a estação conecta eu sempre tive a impressão que demora mais pra associar (Parece que escaneia de 5 e 5 ou de 10 em 10MHz até achar em que canal está o SSID, scan list grande pra mim sempre gerou demora em conexão, uso scan list pequeno, seja MK ou UBNT, e sempre canais padrão (Multiplos de 20MHz).