Página 2 de 2 PrimeiroPrimeiro 12
+ Responder ao Tópico



  1. #21

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Recomendo MIMO mesmo. 2Mbps em polarização simples dá pra 10 ou 15 clientes mesmo em N. Poderia usar canal de 40MHz, mas isso é poluir o espectro a toa.

    Com polarização simples em 802.11N (Com Groove A52HPN ou com Bullet M2HP), usando MCS4 pra transmitir da torre, o trafego agregado torre>clientes seria de uns 20Mbps, coom vender planos de 5Mbps com trafego agregado tão baixo?

    Se partir pra MCS6 ou MCS7 vai poder chegar nuns 30Mbps agregado, mas... vai precisa sinal bem alto, algo tipo -50 chegando nos clientes.
    Uma omni Hyperlink 15dBi com radio (Groove ou Bullet M2) transmitindo a 18dBm faz o sinal chegar em torno de -75 a 2Km, se colocar nos clientes antena de 15dBi terá sinal então de -60, suficiente pra MCS5. Se colocar nos clientes antena de 20dBi (Airgrid, por exemplo) terá sinal de pra MCS6. Então tudo se resumo a o que você vai colocar a 2Km.

    Se usar MCS6 vai poder usar NS Loco ou CPE pequena tipo 10-12dBi apenas até uns 1000m, de 1 a 1,5Km vai precisar CPE com antena de 15 ou 16dBi, e de 1,5 a 2Km antena de quase 20dBi. Só assim pra atender 10 clientes simultaneos de 5Mbps cada usando polarização simples.

    Encare o throughput conseguível como metade do datarate. MCS3 é 26M, pense no throughput disso como 13Mbps, não dá pra atender mais de meia duzia de clientes de 2Mbps com isso. MCS6 é 58M, pense no throughput um pouco abaixo de 30Mbps, dá tranquilo e calmo pra 10 clientes de 3Mbps (Que eu já acho banda ótima, 3M pra mim dá e sobra, e olha que uso p2p e assino 50 canais do YT e baixo em 480p!).

    Dupla polarização simplesmente dobraria esse numero de clientes.
    O problema é que omni dupla-polarização 2,4GHz sai caro, então te recomendo tacar fogo nas omni e partir pra setorial.
    Mas setorial complica porque vão 3 ou 4 (De 120° ou 90°).

    A diferença entre SISO com omni barata e ALGUMA opção dupla-polarização é tão grande que compensa você passar logo pra 5GHz com Omnitik, é uma solução barata (R$ 500) já com antena integrada, se usar MCS12 (78M) com ele vai poder colocar NS Loco M5 até 1,5Km que poderá ter 20 deles com planos de 5Mbps simultaneamente, e em cliente mais distante poderá usar Nanobridge/Nanobeam até uns 3Km (Mas se baixar pra MCS10 poderá ir pra uns 5Km, e 2Km com NS Loco M5).

    Não vejo como vender plano maior que 1Mbps com SISO em 2,4GHz, nessa faixa o uso de canal de 40MHz polui demais o espectro então não recomendo de jeito nenhum, com 20MHz o trafego nem é tão limitado mas exige sinal muito alto.

    Eu recomendo ficar em MCS4 na torre, e clientes transmitindo com MCS1, atendendo 20 clientes simultaneos com Groove A52HPN, e já comprar um Omnitik 5hnd pra colocar acima e ir instalando os clientes de 5Mbps em 5GHz, uma omnitik 5hnd custa mais barato que só uma omni dupla-polarização 2,4GHz custaria.

    Foi a minha ideia inicial, colocar um omnitik na torre e no clientes colocar sxt. Vou fazer isso mesmo, comprar a groove para manter aqueles que querem internet de até uns 2MB e depois coloco a omnitik para alguns clientes que querm maior velocidade, mas como você mesmo disse não tem necessidade de 5MB, acredito que com 3MB já é o suficiente, ainda mais que vou implantar o thundercache, já dá mais uma ajuda na rede.

    Hoje tive um enorme aprendizado, muito obrigado pelas dicas Rubem.

  2. #22
    Avatar de SanchezMT
    Ingresso
    Jul 2014
    Localização
    São josé dos Quatro Marcos MT
    Posts
    156

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    o groove tem de ser level 4 viu!!!



  3. #23

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    Só mais uma pergunta, preciso utilizar cabos blindados? Vi que a fonte não tem pino de aterramento.

  4. #24

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    Pro Groove? Ele não tem aterramento pelo RJ45, mas sim pela antena.

    Cabo blindado nesse caso serviria pra diminuir a indução de alta tensão quando houver algum raio por perto (O cabo exposto se comporta como bobina, um campo eletromagnético atravessa ele (Campo gerado por raio em 50 a 1000m) e induz tensão, se a tensão for alta queima a lan, mas isso ocorre com groove, omnitik, rocket, cpe's, roteadores de mesa...).

    Quanto ao omnitik, o contato com o RJ45 blindado é feito pelas latinhas laterais:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         omnitik.jpg
Visualizações:	143
Tamanho: 	77,2 KB
ID:      	58616
    Quanto a fonte não ter aterramento, é um injetor POE então isso é normal, o jeito mais fácil é soldar um rabicho no RJ45 blindado e prender ele no aterramento (Fontes UBNT tem aterramento passando reto até a tomada, te obriga a aterrar a tomada, é incomodo de qualquer forma). Falo de fazer isso no RJ45 blindado:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         TC-GND-20PK.jpg
Visualizações:	112
Tamanho: 	9,6 KB
ID:      	58617



  5. #25

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    fora que cabo normal na rua com o tempo resseca, fica quebradisso, cria fenda, entra agua pra dentro, essa agua desce muitas vezes até o POE causando uma "baixa isolação" entre os contatos, oxidando tudo e algumas vezes estragando o POE. E isso acontece sem ninguém nem encostar no cabo.

  6. #26

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Pro Groove? Ele não tem aterramento pelo RJ45, mas sim pela antena.

    Cabo blindado nesse caso serviria pra diminuir a indução de alta tensão quando houver algum raio por perto (O cabo exposto se comporta como bobina, um campo eletromagnético atravessa ele (Campo gerado por raio em 50 a 1000m) e induz tensão, se a tensão for alta queima a lan, mas isso ocorre com groove, omnitik, rocket, cpe's, roteadores de mesa...).

    Quanto ao omnitik, o contato com o RJ45 blindado é feito pelas latinhas laterais:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         omnitik.jpg
Visualizações:	143
Tamanho: 	77,2 KB
ID:      	58616
    Quanto a fonte não ter aterramento, é um injetor POE então isso é normal, o jeito mais fácil é soldar um rabicho no RJ45 blindado e prender ele no aterramento (Fontes UBNT tem aterramento passando reto até a tomada, te obriga a aterrar a tomada, é incomodo de qualquer forma). Falo de fazer isso no RJ45 blindado:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         TC-GND-20PK.jpg
Visualizações:	112
Tamanho: 	9,6 KB
ID:      	58617

    Perfeito, vou aterrar pra mais segurança, vou aterrar os cabos do groove e da omnitik tb. Vou colocar fonte 24v da volt com duas baterias em série. Vai ficar show.



  7. #27
    Avatar de SanchezMT
    Ingresso
    Jul 2014
    Localização
    São josé dos Quatro Marcos MT
    Posts
    156

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    relatei problema com bullet logo acima, e tendo problema na nanobeam que chega o link de 13km, puxa vida.. internet caiu umas 4 vzs hj.. tenho de vir na torre, tirar e reconectar cabo lan pra voltar tudo. torre 36Mts, fonte VA conversores tensão de 27V. nao dá p entender.. energia estabilizada e ficar com essa oscilação

  8. #28

    Padrão

    Tem um engodo dos vendedores aí, "energia estabilizada" é um péssimo termo, a referencia pra "estabilidade" é medir no voltimetro, mas... voltimetro é um bicho lerdo, seja voltimetro analogico ou digital eles não enchergam variação rápida, que é o ripple.

    Toda fonte chaveada tem ripple, ela é rápida a ponto de só aparecer em osciloscópio:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Electrical-Ripple-and-Noise.jpg
Visualizações:	541
Tamanho: 	84,3 KB
ID:      	58618
    Na esquerda 5V sem ripple, na direita 5V com 97mV de ripple. Tem sempre não apenas a variação rapida mas esses picos esquisitos pra cima de pra baixo, são spikes.

    O equipto de rede tem um modulo regulador de tensão interno, um VRM, ele passa de 9 a 27V pra 5V internamenta (Ou 3,3V, depende do equipto), esse circuito absorve variação lenta (Que aparece num voltimetro), então uma fonte "regulada" é completamente inútil pra equipto de rede. É igual estabilizador pra fonte chaveada, estabilizador regula a tensão com base em rele, mas rele leva ao todos até 10ms pra ser fechado e alterar efetivamente a tensão de saída, 10ms é muito tempo, nesse tempo a eletricidade na velocidade da luz viajou centenas de quilometros.
    O que o VRM dos equiptos de rede não sabe lidar bem é com variação rápida, que é justo o que fonte chaveada mais tem.

    Fonte "regulada" tem que ser ridicularizada pela falta de utilidade (Igual estabilizador AC), o que temos que achar é fonte com pouco ripple.

    Nobreak DC enquanto está carregando as baterias (Não em flutuação, falo da carga inicial) pode ter mais ripple que o normal, mas se não tem queda de energia então ou a fonte está mesmo com mais ripple que devia OU esses NanoBeam estão mais frescos que deviam.

    Um filtro LC ajuda a diminuir ripples e spikes, eu colocaria (E já coloquei) entre fonte/nobreak e o equipto isso:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         lc.dc.jpg
Visualizações:	467
Tamanho: 	40,8 KB
ID:      	58619
    O diodo evita que a carga do capacitor volte pra fonte, o primeiro capacitor armazena energia, a bobina (Pegue de fonte ATX pifada, qualquer bobina de saída de fonte ATX serve, não é crítica) atenua os spikes, o capacitor logo depois desacopla as altas frequencias (Spike na bobina pode gerar harmonicas, o capacitor filtra elas), e o capacitor de saída armazena o grosso da tensão já "limpa" pra variação rapida de consumo.

    Se conseguir um osciloscopio e medir a tensão da fontes talvez você se assuste com o ripple delas, com consumo baixo (Nanobeam consome o que, 4W?) os spikes são bem grandes as vezes, com carga resistiva (Uma lampada, digamos) os spikes somem, sobra só a variação rápida (Ripple).



  9. #29

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Tem um engodo dos vendedores aí, "energia estabilizada" é um péssimo termo, a referencia pra "estabilidade" é medir no voltimetro, mas... voltimetro é um bicho lerdo, seja voltimetro analogico ou digital eles não enchergam variação rápida, que é o ripple.

    Toda fonte chaveada tem ripple, ela é rápida a ponto de só aparecer em osciloscópio:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Electrical-Ripple-and-Noise.jpg
Visualizações:	541
Tamanho: 	84,3 KB
ID:      	58618
    Na esquerda 5V sem ripple, na direita 5V com 97mV de ripple. Tem sempre não apenas a variação rapida mas esses picos esquisitos pra cima de pra baixo, são spikes.

    O equipto de rede tem um modulo regulador de tensão interno, um VRM, ele passa de 9 a 27V pra 5V internamenta (Ou 3,3V, depende do equipto), esse circuito absorve variação lenta (Que aparece num voltimetro), então uma fonte "regulada" é completamente inútil pra equipto de rede. É igual estabilizador pra fonte chaveada, estabilizador regula a tensão com base em rele, mas rele leva ao todos até 10ms pra ser fechado e alterar efetivamente a tensão de saída, 10ms é muito tempo, nesse tempo a eletricidade na velocidade da luz viajou centenas de quilometros.
    O que o VRM dos equiptos de rede não sabe lidar bem é com variação rápida, que é justo o que fonte chaveada mais tem.

    Fonte "regulada" tem que ser ridicularizada pela falta de utilidade (Igual estabilizador AC), o que temos que achar é fonte com pouco ripple.

    Nobreak DC enquanto está carregando as baterias (Não em flutuação, falo da carga inicial) pode ter mais ripple que o normal, mas se não tem queda de energia então ou a fonte está mesmo com mais ripple que devia OU esses NanoBeam estão mais frescos que deviam.

    Um filtro LC ajuda a diminuir ripples e spikes, eu colocaria (E já coloquei) entre fonte/nobreak e o equipto isso:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         lc.dc.jpg
Visualizações:	467
Tamanho: 	40,8 KB
ID:      	58619
    O diodo evita que a carga do capacitor volte pra fonte, o primeiro capacitor armazena energia, a bobina (Pegue de fonte ATX pifada, qualquer bobina de saída de fonte ATX serve, não é crítica) atenua os spikes, o capacitor logo depois desacopla as altas frequencias (Spike na bobina pode gerar harmonicas, o capacitor filtra elas), e o capacitor de saída armazena o grosso da tensão já "limpa" pra variação rapida de consumo.

    Se conseguir um osciloscopio e medir a tensão da fontes talvez você se assuste com o ripple delas, com consumo baixo (Nanobeam consome o que, 4W?) os spikes são bem grandes as vezes, com carga resistiva (Uma lampada, digamos) os spikes somem, sobra só a variação rápida (Ripple).
    Tu é o cara rubem, parabéns, sucesso!!

  10. #30
    Avatar de SanchezMT
    Ingresso
    Jul 2014
    Localização
    São josé dos Quatro Marcos MT
    Posts
    156

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    eita Rubem.. vou ter de fz um curso de eletronica só p entender os termos técnicos q vc usa!!!rsrs

    "O diodo evita que a carga do capacitor volte pra fonte, o primeiro capacitor armazena energia, a bobina (Pegue de fonte ATX pifada, qualquer bobina de saída de fonte ATX serve, não é crítica) atenua os spikes, o capacitor logo depois desacopla as altas frequencias (Spike na bobina pode gerar harmonicas, o capacitor filtra elas), e o capacitor de saída armazena o grosso da tensão já "limpa" pra variação rapida de consumo."

    quero entender direito essa dica.. tipo na saída da fonte devo colocar um diodo, e a parte do capacitor e bobina seriam na linha DC?

    parece q a mikrotik consegue lidar melhor com essas oscilações não é?



  11. #31

    Padrão Re: Velocidade x equipamento - torre e cliente

    Não recomendo fuçar em fonte ou em radio, mas sim colocar algo MODULAR, faz um filtro LC desse tipo e coloca entre a fonte/nobreak/bateria e o radio, pode fazer plaquina:
    http://www.readymaderc.com/store/ind...roducts_id=138
    ou
    http://www.hobbyking.com/hobbyking/S...V_Systems.html
    ou
    http://www.readymaderc.com/store/ind...oducts_id=1205

    Ou como são poucos componentes pode ir emendando um no outro com solda e colocar cola-quente ao redor pra isolar (Ou um bolo de fita isolante...).

    Pra criar modularidade nas coisas é bom ter conectores macho e femea comuns, tipo:
    http://produto.mercadolivre.com.br/M...-10-pecas--_JM
    e
    http://produto.mercadolivre.com.br/M...-seguranca-_JM

    Pluga isso em qualquer injetor POE (poe comum ou poe gigabit), pode plugar nisso qualquer fonte com conector P4, ou se for fonte com saída em borne (Tipo nobreak dc ou fonte industrial) isso facilita a vida de quem usa injetor poe ou liga direto em radio.

    Fazer 1 circuito e soldar em fonte acho uma bobeira, melhor fazer a coisa modular, se der problema numa parte você troca só a parte, sem ter que cortar ou soldar nada.
    (Se soldar coisa em fonte ou radio terá que soldar o cabo de rede, RJ45 com problema de crimpagem existe, se soldar os fios esse problema some, quem solda uma coisa deve soldar tudo, só de castigo :P


    E também vejo mais durabilidade do VRM dos MK, a UBNT geralmente usa só um CI, um conversor dc-dc mais barato, enquanto a MK nas RB's trabalha com 2 ou 3 tensões internamente, isso exige um VRM melhorzinho.
    Mas... RB classica tem um probleminha: Elas vem com capacitor comum de fábrica, estufam depois de pouco tempo em uso outdoor, é comum ver RB com 1 ano e algum capacitor estufado. Mas... isso é componente extremamente fácil de trocar, só sofre com RB instavel quem quer ("Ah, mas não vou comprar uma RB e trocar capacitor", bom... quem prefere a versatilidade de MK não tem opção).

  12. #32

    Padrão

    Muito bom, agora vou executar o processo de instalação dos equipamentos, somente com essas dicas @rubem já se pode montar um provedor.

    Abraços a todos