+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Padrão Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    BRASÍLIA - Pressionado pela queda na arrecadação e pela necessidade de fechar o projeto de Orçamento de 2016 com superávit, o governo estuda a volta da CPMF. Ciente de que o tributo enfrenta grande resistência no Congresso, a equipe econômica estuda uma forma de torná-lo palatável e uma alternativa em discussão é a partilha com estados e municípios. Os técnicos avaliam que a volta da contribuição seria uma fonte importante de receitas num momento de dificuldades e ainda ajudaria no trabalho de controle e fiscalização da Receita Federal.
    — A CPMF é um tributo muito eficiente, tanto do ponto de vista arrecadatório, quanto do ponto de vista de fiscalização — destacou um técnico do governo.
    As discussões em torno do projeto de lei orçamentária de 2016, que será encaminhado ao Congresso na próxima segunda-feira, acentuaram as divergências no governo. De um lado, o Ministério da Fazenda defende que a proposta venha com um corte significativo nas despesas, tanto as discricionárias quanto os gastos obrigatórios, embora estes dependam de lei para serem cortados.
    ALTERNATIVA É SUBIR IMPOSTO
    Caso isso não ocorra, a equipe do ministro Joaquim Levy avalia que será preciso fazer um forte aumento de impostos. Do outro lado, os demais ministros reclamam da falta de recursos em 2015 e temem que cortes mais profundos em 2016 aprofundem a crise na economia.
    No próximo ano, a meta de superávit primário (economia para o pagamento de juros da dívida pública) é de 0,7% do Produto Interno Bruto (PIB, soma de bens e serviços produzidos no país), bem maior que a de 0,15% de 2015, que dificilmente será cumprida.


    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/economia/gov...#ixzz3jz8JVAHv
    © 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

    Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.glo

  2. #2

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Caraca, esta gente nem sabe o que falam... Administrador eficiente pensa em reduzir despesas... mas eles logo pensam no aparentemente mais fácil...
    Eles não devem conhecer a estória da Galinha dos Ovos de Ouro.

    Vão acabar matando a galinha ( o povo ) e o caixa do Governo vai ficar pior ainda.
    Voces acham que eles estão trabalhando sério.? Dia desses foi anunciado o fechamento de 10 ministérios e mais de mil cargos de indicação política... Isso faz tempo que os sérios tem falado... pode ser pouco, mas seria um sinal de um rumo novo. Com isto o exemplo seria dado e poderia se espalhar pelo país a fora nas esferas estaduais e municipais...
    Se não houver economia séria e justa não tem ajuste fiscal que resolva... não é aumentando impostos que se governa.... Assim como não era com as isenções de pouco tempo atrás para alguns setores que iria resolver.. Taparam o sol com a peneira. Agora o rombo está aí....
    O desespero é tanto que nem o ministro do Planejamento soube dizer quanto haveria de economia no fechamento de 10 ministérios e 1000 cargos indicados...
    Putz! que ministro é esse que lança a ideia sem ao menos saber o impacto positivo disso?
    O único fato concreto disso é que num dia o Planalto anuncia este "suposto" corte em despesas e no outro o vice-presidente dá um "beijinho, beijinho, tchau, tchau" para a articulação política...
    Daí já se vê se vai a frente a proposta de corte nas despesas, duvido... até nem falaram mais no assunto e agora lançam esta ideia absurda de arrecadar 80 bi para a saúde...
    Quando o então ministro da Saúde Adib Jatene lancou a ideia no tempo do FHC ainda, choveu críticas de quem hoje manda no país. Agora estão abraçando a ideia.
    E lá naquela época o desvio destes recursos para a saúde foram tão grandes que o ministro, homem sério que nunca deveria ter deixado seus ideais profissionais para se enfiar neste covil, acabou pedindo para sair, descontente com o destino dos recursos.

    O país não tem crise de arrecadação... tem crise de administração consciente dos recursos públicos.
    Se tem dinheiro mais desrespeitado é dinheiro público. Se não mudar isso, não tem governo, não tem plano econômico, nada vai dar certo.

    Ninguém sabe quanto o Planalto, os Estados e os Municípios gastam só em pessoal pelo país afora. Se não começar por aí, na gestão eficiente, já era...

    Olá Grécia...estamos chegando para fazer companhia.



  3. #3

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    kkkkkkk falou tudo amigo.
    O problema é a merda da politica mesmo.Os caras estão lá por indicação e não tem a ideia do que estão administrando.
    Quando tem um que não é politico e quer só fazer o trabalho dele acaba não indo a frente.
    Mas ...
    Até onde sei a cpmf é a que impacta mais sobre as grandes movimentações e de certa forma justa,pois tem poucos ganhando muito sem trabalhar,ganham somente com especulações e sonegação.
    Não sou contra ricos e diferenças,o mundo é assim.Mas acho injusto um cara ganhar dinheiro sem trabalhar.

  4. #4

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Nos moldes antigos da CPFM do Adib Jatene o impacto era sobre toda movimentação, eu recebia o salário mínimo depositado em conta no banco e qualquer movimentação me atingia, o percentual era o mesmo.

    (Obviamente R$ 0,35 pra mim não pesava, pesaRIA mais pra quem fizer uma transação grande e ter descontado R$ 3,5 mil. Mas... precisa 35 centavos de 10 mil Rubem pra chegar nos R$ 3,5 mil, isso é dinheiro que deixa de circular no comércio e vai pra orgão público, centavos não pesam pra quem ganha pouco, mas são milhões de pessoas, logo milhões de centavos)

    A China tem um hábito cultural de fazer poupanças, com saúde pública meia-boca é bom ter dinheiro guardado, é gente bem humilde que a longo prazo junta R$ 30 mil em poupança, e aí, taxar poupança acima de R$ 30 mil atinge só os ricos? Essa dicotomia de "ricos e pobres" é bem ineficiente, na teoria é lindo sobretaxar o rico, mas como põe isso na prática? Imposto sobre movimentações? E se a aposentada precisou vender o único bem, a casa própria, porque uma neta/filha precisa algum tratamento caro, a CPMF vai incidir em cheio na coitada hora que o dinheiro da transação passar na conta dela. Se for uma venda de carro (E pobre tem carro hoje) idem, dar um piso alto pra CPMF tipo R$ 20 mil não garante que vai taxar só quem tem renda alta ou muitos bens. Taxação sobre poupanças maiores existe e isso é um problema, ao invés de investir em poupança e se manter num nível de riqueza estável, o rico é "obrigado" a investir em outros locais, colocar dinheiro em corretora pra investir na bolsa e etc, e ai invés de ter os 4 ou 5% ao ano, terá as vezes 20 a 30% ao ano (Se der sorte nuns investimentos), é um tiro que sai pela culatra graças a esses papinhos Marxistas de sobretaxar ricos, acaba é simplesmente incentivando OUTRAS formas de investimento MAIS rentáveis e NÃO-TAXAVEIS.

    (Compra uma casa e aluga, aqui o aluguel é 1% do imóvel ao mes, 12% ao ano, o imóvel se valoriza uns 10% ao ano e rende em aluguel mais 12%, ele se paga em 4 anos! Mas aí vem os malditos populistas e dizem que a casa própria é inalienável e bla-bla-bla e tá cheio de gente (Aqui ao menos) que fez casa grande e aluga por R$ 2 mil, e mora numa casa alugada por R$ 500, lucra a diferença todo mes, e por sem bem único é isento de IPTU nalguns casos, taxação ZERO sobre uma renda advinda sem trabalho, mas os populistas vão continuam insistindo que moradia é bem primordial então taxação sobre alugueis (E fiscalização!) com a cultura do jeitinho brasileiro ainda não funcionaria (Precisaria mais funcionalismo público pra fiscalizações, isso significa mais gasto, aumentar ainda mais o estado, o que implica ainda mais carga tributária))

    O imposto de renda poderia ser mais duro com altas rendas, mas... elas não são tantas, não impactaria tanto na arrecadação (E talvez muito nas prestações de serviços). E... com a RFB mais dura com grandes rendas, é só burlar isso fazendo investimentos picados.
    Aqui no interior é normal rico ter casas alugadas, terra arrendada, multiplas culturas em fazenda, gado, sociedade em empresas, é tudo coisa que dá lucro picado, recebe um pouco aqui e alí e não movimenta tudo isso em banco, troca soja por trator ou paga casa com gado e CPMF não incide nisso, a RFB nem fica sabendo. No fim quem é mais afetado pela CPFM e RFB é funcionário público ou privado com alto salário, porque o resto sempre tem como movimentar dinheiro de outra forma.

    (Exemplo: Empresa participante do lucro real, você pega pro-labore de salário mínimo, mas pra ter crédito tributário compra TUDO o que der pela empresa, combustível, super-mercado, farmácia, etc, o imposto de renda vai ter dar alguma restituição talvez, a empresa vai ter alguns créditos tributários, e a CPMF nunca te atingiria, mas quem pode fazer isso é o rico dono de empresa grande o suficiente pra entrar no lucro real, o MEI, ME ou autonomo vai movimentar talvez mais que salário mínimo via banco e vai pagar CPMF mais alta apesar de ter renda e riqueza acumulada menor!)

    Tem mil jeitinhos pra cada imposto, e todos eles só são possíveis pra investidores e grandes empresários, esses jeitinhos existem por falta de fiscalização, e isso existe por falta de mais servidores públicos dedicados exclusivamente a isso, e essa falta existe por falta de recursos do estado, e o círculo reinicia.

    Os casamentos de dados na RFB vão melhorando com o tempo, a sonegação vai diminuindo aos poucos, não dá pra resolver esse estado inflado, paternalista, populista e intrusivo em poucos anos, metade do problema é cultural, de achar "justo" sonegar (Muambas do Paraguai são a ponta do iceberg), jeitinho em outros países existe, e o pente fino é tão ineficiente quanto no brasil, mas em alguns lugares há a cultura da denúncia, que no brasil é rara (Mas já foi pior). Em países meio pobres ela nem é lá tão eficiente, provavelmente só vai ser funcional quando a economia crescer uns 100% (Daqui 10 a 20 anos, dependendo dos energúmenos eleitos por eleitores energúmenos).

    Com ou sem CPMF a crise está aí, se for nos moldes de antigamente ela vai atingir uns R$ 40 a 60 por ano pra assalariado, é a cerveja de 1 dos 52 fins de semana do ano, não é um peso tão grande exceto pra economia de superfluos (Azar de quem investe em futilidades tipo futebol, cerveja, roupas chiques, comidas caras, os superfluos são os primeiros a deixar de serem consumidos por quem tem a cabeça no lugar (Que não é o caso de boa parte da população, que passa fome mas não deixa de comprar camiseta oficial de time ou pagar R$ 200 em ingresso de show, essa parte do povão corta é a informação e a educação, tranca faculdade e passa a gastar o que sobrou na balada, belo investimento no futuro...)).



  5. #5

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Agora se foi o boi com as cordas...

  6. #6

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Eles pensam que mais impostos vai resolver a situação econômica do Pais, vai apertar mais ainda o povo!

    Que partido "dos trabalhadores" é esse?! Que até os outros partidos trabalhistas de esquerda também o rejeitam! Se diz um partido dos trabalhadores e apóiam aumento de imposto pra ferrar mais ainda o povo, já passou da hora desses políticos e ministros safados que só pensam em si, em roubar, e fazem tudo sem ter um mínino conhecimento das consequencias caírem fora. O BRASIL NÃO COBAIA, não é país pra AMADORES! Parlamentarismo Já



  7. #7

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    So observando!

  8. #8

    Padrão

    Citação Postado originalmente por brunocemeru Ver Post
    kkkkkkk falou tudo amigo.
    O problema é a merda da politica mesmo.Os caras estão lá por indicação e não tem a ideia do que estão administrando.
    Quando tem um que não é politico e quer só fazer o trabalho dele acaba não indo a frente.
    Mas ...
    Até onde sei a cpmf é a que impacta mais sobre as grandes movimentações e de certa forma justa,pois tem poucos ganhando muito sem trabalhar,ganham somente com especulações e sonegação.
    Não sou contra ricos e diferenças,o mundo é assim.Mas acho injusto um cara ganhar dinheiro sem trabalhar.
    Entendo sua colocação... e acho que a solução para o problema estaria aqui...
    http://jornaldehoje.com.br/flavio-ro...-vida-publica/

    Este cara é empresário, presidente do Grupo Riachuelo.... e sabe o que diz.
    Alguns anos atrás, no tempo do Itamar Franco ele apresentou um projeto de imposto único.
    Foi na época até apoiado pelo Jô Soares em anúncios de publicidade sobre o assunto.

    Porque o Imposto Único é mais justo? Porque até o traficante vai pagar de uma forma ou de outra. Todo dinheiro que passa pelo banco seria taxado com 1%. Se o traficante e o colarinho-branco que lavam dinheiro mexerem com recursos este cairá de uma forma ou de outra no sistema e gerará o imposto.
    Tinha mais um detalhe, dinheiro depositado em espécie teria uma tributaçaõ de 4% visando reforçar o sistema e evitar que a circulação extra banco ganhasse força.

    Por outro lado todos os outros impostos seriam zerados... sabe o que é isso? Sem icms, IR, Pis, cofins e o diabo a quatro..
    O sistema proposto não faz milagres, mas simplesmente amplia a base de arrecadação e traria justiça fiscal.
    Segundos estudos que ele teria feito junto aos dados do banco central na época, a arrecadação teria como triplicar.
    Só que o Planalto não comprou a ideia alegando que seria impossível estabelecer um mecanismo confiável de arrecadação...pura balela. Com a CPMF ficou provado que o sistema bancário é eficiente nisso.

    A repercussão nas contas do governo teria ainda outro impacto... diminuição de funcionários públicos. E pelo que se observa ai é o ponto fraco do caixa do governo. A folha do funcionalismo é astronômica. E principalmente nas contas da aposentadoria. Já está provado hoje que o grande furo na Previdência não é a iniciativa privada, pois nesta o Planalto já botou bem fundo. Todas as reformas tiveram por objetivo tirar parcelas dos vencimentos dos que iam se aposentando.
    Enquanto que no serviço público o servidor se aposenta com o último salário....
    Ah! alegam os servidores, nós quando nos aposentamos não temos fundo de garantia...é verdade, não tem. Mas também para que receber fundo de garantia defasado, já que a correção é bem abaixo da inflação? É preferível receber seu dinheirinho quentinho, sem queda na sua qualidade de vida.... é uma classe privilegiada.

    Mas voltando ao Flávio Rocha, ele estava se articulando para ser futuro candidato a Presidente. Tinha na época cerca de 2% das intenções. Mas com um projeto que poderia lançar ele no foco da nação....e isso preocupava os políticos de profissão...
    Resultado: furungaram a vida do sujeito e supostamente acharam alguma irregularidade na vida dele em anos anteriores... E foram rápidos em queimar a imagem do sujeito.
    Ele se retirou da vida pública e como vemos na notícia publicada, não tem mais intenção de retornar.

    Mas a ideia dele foi absorvida no Planalto tanto é que a CPMF foi originalmente baseada na proposta do Imposto Único. E o Dr. Jatene levado por falsas promessas embarcou na ideia. E como era muito respeitado o projeto teve um transito muito rápido com a alegação de "ajuda" para a saúde.
    No decorrer do tempo as verbas anteriores para a saúde foram diminuindo na suposição de que a CPMF iria cobrir tudo... Ledo engano. Grande parte da CPMF nem chegava à saúde.... o que criou uma decepção enorme em Jatene que pediu as contas desiludido.

    É como você disse Bruno, "o problema é a merda da política"



  9. #9

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Falar de política sempre é complicado,pois sempre em decisões afetamos alguém negativamente ou positivamente.
    Ai vem o maldito politico fazer a politicagem,jogando a sujeira para baixo do tapete.
    Usa-se a maquina pública como manobra e as coisas ficam como estão e se arrastando até não dá mais.
    Eu não culpo a elite por se aproveitar.Para ser franco se estivesse no lugar deles talvez faria o mesmo.
    Como podemos confiar no estado e nas pessoas que o gere.Nos dão exemplos diários de incompetência.
    As pessoas são incentivadas a acreditar que o funcionário público é o cara e o intelectual anti-partidário é o mal.O empresário é o mal.
    São tantas coisas que nem sei.............

  10. #10

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Citação Postado originalmente por gerlandoprado Ver Post
    Eles pensam que mais impostos vai resolver a situação econômica do Pais, vai apertar mais ainda o povo!

    Que partido "dos trabalhadores" é esse?! Que até os outros partidos trabalhistas de esquerda também o rejeitam! Se diz um partido dos trabalhadores e apóiam aumento de imposto pra ferrar mais ainda o povo, já passou da hora desses políticos e ministros safados que só pensam em si, em roubar, e fazem tudo sem ter um mínino conhecimento das consequencias caírem fora. O BRASIL NÃO COBAIA, não é país pra AMADORES! Parlamentarismo Já
    Ah, mas aí é só nome mesmo.

    Não confundir o nome com a linha Trabalhista de uns partidos. O trabalhismo no brasil é representado pelo PDT, é mais forte nalguns cantos da Europa, mas não tem nada a ver com o PT.

    Se for por linha, o PT devia ser PSMNI, Partido Sindicalista do Marxismo não-Intencional, porque ele namora pouco com o trabalhismo, é mais adepto do sindicalismo mesmo, e apesar de negar ser Marxista intencionalmente, é sim.

    O PT foi fundado no embalo da social democracia, mixou social democracia com sindicalismo como os partidos trabalhistas fazem, mas parou por aí, criticou logo cedo umas posturas trabalhistas e sociais democraticas, e uns revisionismos socialistas, então é meio complicado rotular ele porque ele mudou desde 80, ultimamente por conta da briguinha política com o PSDB ele se declara crítico à social democracia e seus reformismos, mas... essa postura deve ter uns 10 anos no máximo, no fundo ambos são farinha do mesmo saco (A social-democracia foi taxada faz décadas como terceira via (Entre socialismo e capitalismo), mas uns asnos entenderam que ele seria a ÚNICA via, por isso você tem no MUNDO tanto trabalhistas como sociais democratas desde a extrema esquerda até a extrema direita, tem essas 2 correntes misturadas com Marxismo (No brasil), com Verdes na Europa, com troskistas no leste europeu, e por aí vai.

    O PT tentou se fechar em sí mesmo pra não parecer social-democrata (Porque boa parte dos seus membros é desinformado e acredita que a sigla diz o que o partido é) e perdeu a identidade, virou um culto de Lulismo, qualquer coisa em torno dessa figura analfabeto-funcional vale.

    O problema maior no PT a meu ver não é a social democracia (Que eu odeio), é essa babaquice de criança criada em carpete de cidade grande do SINDICALISMO. Isso só existe no mundinho minúsculo de uns idiotas que nunca saíram das suas capitais, só funciona no berço do PT nas grandes empresas ao redor das caítais, no resto do país não faz sentido.

    Exemplo de um sindicalismo idiota que não funciona: Sinteps, os sindicatos de professores de redes estaduais. Cada estado tem o seu, é um poço de marxismo e filosofias de extrema esquerda (Leia-se MST!), olha a zona de desigualdade que os espertos criam no país com suas greves e revindicações:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         salario-professor-estadual.jpg
Visualizações:	60
Tamanho: 	196,8 KB
ID:      	60777


    É um tipo de sindicato que PRECISA ser regional (Já que falamos de redes estaduais de ensino), mas eles não conseguem equalizar nada, nos estados onde há bom salário e carga horária perene não são os estados com mais greves, e não necessariamente isso foi implantado em governo do PT (Exceto MS), isso no fim das contas dependendo muito mais de disposição política do que da "luta" desse sindicatinho marxista (E é assim que eles definem o que fazem, luta e enfrentamento, se isso não é implantar política de ódio, não sei o que é. Eles não falam em negociação, é luta e enfrentamento mesmo, tipo o que o MST faz, e depois a esquerda é VÍTIMA do ódio né...).

    Pra 90% da população o sindicalismo não tem nem meia utilidade, haveria motivo pra sindicalização nacional de cada setor? Não porque o brasil é continental, em alguma coisa do tamanho de uma ervilha tipo Alemanha Oriental, Coreia do Norte ou Cuba isso talvez funcione, mas o brasil é grande demais, tem muitas diferenças nos produtos e serviços em 400 ou 500Km de distancia, que dirá nos 3,6 mil Km pra atravessar o brasil, precisaria um sindicato por cidade por setor, seria um GIGANTESCO cabide de empregos, angariando benefícios excelentes tipo 1% de desconto nas 2 farmácias conveniadas e etc, tudo isso pela bagatela de 1 dia de trabalho descontado em folha por ano.

    Em paisecos minúsculos tudo funciona, a Islândia está a ponto de chegar num tipo de socialismo com padronização salarial e cia, mas... o país chegou num nível de a polícia nem disparar arma por anos, de ter ZERO crimes violentos em décadas, num nível de informação por parte da população (Que não se alcança assistindo futebol ou novela) a ponto de promover prisões de políticos e banqueiros corruptos sem depredar nada, sem saquear comércio, enfim, é um nível de civilidade tão alto que eles podem pensar seriamente em adotar políticas socialistas daqui pra frente. Mas... aplicar essas políticas em países cheios de analfabetos e com tantos criminosos (Acho que 0,1% do brasil está na cadeia, inocentes não são, são é elementos sem ética mesmo) é impossível, vira a Coreia do Norte mesmo, só com extremo autoritarismo pra controlar as massas semi-analfabetas e ignorantes, medo aliado a políticas assistenciais de fachada (Dá sustento básico pra não morrer de fome, sem compromisso de dar formação ou algo pra mudar a situação a longo prazo), isso funcionou enquanto a Russia e Cuba tinham dinheiro, quando acaba o dinheiro público isso cai. A China tem esse socialismo de mercado, é mais capitalista que partes do leste europeu, e enquanto ela tiver esses crescimentos de 4 a 10% ela vai bem, dia que ela deixar de ter 600 milhões de analfabetos funcionais ela cai, enquanto o pobre está iludido ele mantém o governo, mas quando a ilusão acaba (No brasil está acabando) não tem "Lula 2018" que salve uma reeleição.

    (E o duro é isso, o Lula disse que "se for preciso" ele se candidata em 2018 só pra enfrentar a oposição, ou seja, só por birra! Não falou em prosseguir governo, falou em simplesmente fazer birra nas eleições, tipo criança imbecil que chora no supermercado porque não ganhou o doce que queria. Bem coisa de trabalhador essa postura (Só se for de trabalhados sindicalizado e mimado esse negócio de greve por não ter o aumento que quer. Trabalhador que tem cérebro no lugar se forma e se informa, troca de emprego pra conseguir salário menor, mas... sindicatos incentivas a ignorância, fazem campos de futebol e churrasqueias mas NUNCA fazem uma biblioteca, arranjam descontos em lojas de esportes mas não em faculdades ou livrarias, se isso não é incentivar a futilidade, e desincentivar a informação, não sei o que é)



  11. #11

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Ah, mas aí é só nome mesmo.

    Não confundir o nome com a linha Trabalhista de uns partidos. O trabalhismo no brasil é representado pelo PDT, é mais forte nalguns cantos da Europa, mas não tem nada a ver com o PT.

    Se for por linha, o PT devia ser PSMNI, Partido Sindicalista do Marxismo não-Intencional, porque ele namora pouco com o trabalhismo, é mais adepto do sindicalismo mesmo, e apesar de negar ser Marxista intencionalmente, é sim.

    O PT foi fundado no embalo da social democracia, mixou social democracia com sindicalismo como os partidos trabalhistas fazem, mas parou por aí, criticou logo cedo umas posturas trabalhistas e sociais democraticas, e uns revisionismos socialistas, então é meio complicado rotular ele porque ele mudou desde 80, ultimamente por conta da briguinha política com o PSDB ele se declara crítico à social democracia e seus reformismos, mas... essa postura deve ter uns 10 anos no máximo, no fundo ambos são farinha do mesmo saco (A social-democracia foi taxada faz décadas como terceira via (Entre socialismo e capitalismo), mas uns asnos entenderam que ele seria a ÚNICA via, por isso você tem no MUNDO tanto trabalhistas como sociais democratas desde a extrema esquerda até a extrema direita, tem essas 2 correntes misturadas com Marxismo (No brasil), com Verdes na Europa, com troskistas no leste europeu, e por aí vai.

    O PT tentou se fechar em sí mesmo pra não parecer social-democrata (Porque boa parte dos seus membros é desinformado e acredita que a sigla diz o que o partido é) e perdeu a identidade, virou um culto de Lulismo, qualquer coisa em torno dessa figura analfabeto-funcional vale.

    O problema maior no PT a meu ver não é a social democracia (Que eu odeio), é essa babaquice de criança criada em carpete de cidade grande do SINDICALISMO. Isso só existe no mundinho minúsculo de uns idiotas que nunca saíram das suas capitais, só funciona no berço do PT nas grandes empresas ao redor das caítais, no resto do país não faz sentido.

    Exemplo de um sindicalismo idiota que não funciona: Sinteps, os sindicatos de professores de redes estaduais. Cada estado tem o seu, é um poço de marxismo e filosofias de extrema esquerda (Leia-se MST!), olha a zona de desigualdade que os espertos criam no país com suas greves e revindicações:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         salario-professor-estadual.jpg
Visualizações:	60
Tamanho: 	196,8 KB
ID:      	60777


    É um tipo de sindicato que PRECISA ser regional (Já que falamos de redes estaduais de ensino), mas eles não conseguem equalizar nada, nos estados onde há bom salário e carga horária perene não são os estados com mais greves, e não necessariamente isso foi implantado em governo do PT (Exceto MS), isso no fim das contas dependendo muito mais de disposição política do que da "luta" desse sindicatinho marxista (E é assim que eles definem o que fazem, luta e enfrentamento, se isso não é implantar política de ódio, não sei o que é. Eles não falam em negociação, é luta e enfrentamento mesmo, tipo o que o MST faz, e depois a esquerda é VÍTIMA do ódio né...).

    Pra 90% da população o sindicalismo não tem nem meia utilidade, haveria motivo pra sindicalização nacional de cada setor? Não porque o brasil é continental, em alguma coisa do tamanho de uma ervilha tipo Alemanha Oriental, Coreia do Norte ou Cuba isso talvez funcione, mas o brasil é grande demais, tem muitas diferenças nos produtos e serviços em 400 ou 500Km de distancia, que dirá nos 3,6 mil Km pra atravessar o brasil, precisaria um sindicato por cidade por setor, seria um GIGANTESCO cabide de empregos, angariando benefícios excelentes tipo 1% de desconto nas 2 farmácias conveniadas e etc, tudo isso pela bagatela de 1 dia de trabalho descontado em folha por ano.

    Em paisecos minúsculos tudo funciona, a Islândia está a ponto de chegar num tipo de socialismo com padronização salarial e cia, mas... o país chegou num nível de a polícia nem disparar arma por anos, de ter ZERO crimes violentos em décadas, num nível de informação por parte da população (Que não se alcança assistindo futebol ou novela) a ponto de promover prisões de políticos e banqueiros corruptos sem depredar nada, sem saquear comércio, enfim, é um nível de civilidade tão alto que eles podem pensar seriamente em adotar políticas socialistas daqui pra frente. Mas... aplicar essas políticas em países cheios de analfabetos e com tantos criminosos (Acho que 0,1% do brasil está na cadeia, inocentes não são, são é elementos sem ética mesmo) é impossível, vira a Coreia do Norte mesmo, só com extremo autoritarismo pra controlar as massas semi-analfabetas e ignorantes, medo aliado a políticas assistenciais de fachada (Dá sustento básico pra não morrer de fome, sem compromisso de dar formação ou algo pra mudar a situação a longo prazo), isso funcionou enquanto a Russia e Cuba tinham dinheiro, quando acaba o dinheiro público isso cai. A China tem esse socialismo de mercado, é mais capitalista que partes do leste europeu, e enquanto ela tiver esses crescimentos de 4 a 10% ela vai bem, dia que ela deixar de ter 600 milhões de analfabetos funcionais ela cai, enquanto o pobre está iludido ele mantém o governo, mas quando a ilusão acaba (No brasil está acabando) não tem "Lula 2018" que salve uma reeleição.

    (E o duro é isso, o Lula disse que "se for preciso" ele se candidata em 2018 só pra enfrentar a oposição, ou seja, só por birra! Não falou em prosseguir governo, falou em simplesmente fazer birra nas eleições, tipo criança imbecil que chora no supermercado porque não ganhou o doce que queria. Bem coisa de trabalhador essa postura (Só se for de trabalhados sindicalizado e mimado esse negócio de greve por não ter o aumento que quer. Trabalhador que tem cérebro no lugar se forma e se informa, troca de emprego pra conseguir salário menor, mas... sindicatos incentivas a ignorância, fazem campos de futebol e churrasqueias mas NUNCA fazem uma biblioteca, arranjam descontos em lojas de esportes mas não em faculdades ou livrarias, se isso não é incentivar a futilidade, e desincentivar a informação, não sei o que é)
    Ótima texto cara Quando tiver no PC te dou uma estrela

  12. #12

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Rubem é cara mesmo kkk.
    Sempre pensei assim.
    Mesmo na época lá de moleque nunca pensei que reformas vindas de sindicatos eram significativas e trariam algum retorno positivo.
    Cada um busca o seu.Mas sempre se focam em coisas que os fazem ficar menores.Nada que os façam evoluir.
    Com relação ao socialismo só pela força mesmo rs.
    Como falo com amigos.As pessoas só sabem reclamar na porta do bar rs..
    Com relação a situação do PT em si penso que eles deram muito mole.Eles poderiam tiveram a oportunidade de ser os salvadores do Brasil.
    Tiveram a oportunidade de fazer varias reformas significativas para o pais,o momento era favorável mas deixaram de lado e preferiram cair na natureza política brasileira de empurrar p depois.



  13. #13

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    No passado tínhamos a dificuldade da distância mas hoje temos a tecnologia.
    Podemos ter categorias unificadas,imposto único,todos os funcionários e instituições serem federais etc.Nada de fazer divisões de estados e municípios.
    Ex:já pensou um colégio pequeno do interior pedir algum recurso direto a Brasília.

  14. #14

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Essa decepção com o PT acho que é geral.

    Engraçado que em 2002 havia o MEDO do PT, tanto que teve aquela carta do Lula pra acalmar o mercado (Porque a impressão era de uma guinada radical pra esquerda), pra quem não lembra:
    http://noticias.uol.com.br/inter/reu...t27u27443.jhtm
    Foi nessa época que o dolar chegou a R$ 4 (Numa época que o salário mínimo estava uns R$ 200), tudo medo das besteiras que o Lula poderia fazer.

    Não fez grandes besteiras.
    Não fez nada na verdade... e o medo virou decepção de não terem feito nada.


    Agora sobre a parte de carga tributária unificada, tem o problema da implantação, o processo e não o fim último é que pode ser uma tragédia.
    Na Revista Época de amanhã ( Ja temos a versão digital :P Azar de quem vive de papel ainda, só vai ver ela amanhã ou 2ª-feira) tem uma reportagem sobre a unificação do PIS e Cofins, que já são cobrados juntos nas contas mesmo, nos moldes do projeto de unificação a previsão é de um aumento de 50 bilhões ao ano na tributação, e naturalmente aumento em carga tributária vira corte de gastos tipo diminuir empregados e fazer o mínimo possível (Não fazer brindes fim de ano, não trocar letreiro, não repintar prédio, não trocar frota, tudo é dinheiro que deixa de circular 2 vezes, pela carga tributária que deixa de circular e pelo freio que o comércio e industria dá ao se reorganizar pra absorver o aumento do pequeno gasto).

    Eu particularmente vejo muitos problemas devido ao tamanho do país, por isso acho mais útil diminuir o poder federal e aumentar as instituições estaduais. Eu vivo num estado muito afetado pelo ICMS (17%, contra 8% em outros), como a produção agrícola é grande há ICMS sobrando a ponto de precisar fazer alguns programas de "retorno" de ICMS. Assim como SP teve sempre maior crescimento que outros estados devido a industria, outros estados podem crescer mais se focarem mais em agronegócio, em turismo, em extrativismo, em industrias, mas isso deve ser decisão local baseada em zoneamento bem detalhado, acho que esse detalhismo não funciona com órgãos federais (Aqui os órgãos federais são bem problemáticos, os maiores desperdícios que vejo são neles, carro oficial viajando 10.000Km por mês levando funcionários em pleno 2015 como se não existisse internet, entre outros desperdícios).

    Engraçado que as sec. de educação já entregam computadores em várias escolas (Aqui até pra uns professores!), já pagam fortunas em conexões de internet (Aqui é LINK DEDICADO!) em escolas, tá tudo PRONTO pra um sistema de prestação de contas bem detalhado, mas... a transparência com gastos na educação é quase nula, o pouco que você consegue é saber sobre a alimentação quando as prefeituras tem essa incumbencia, mas sobre os gastos gerais das escolas, ou mesmo ver necessidades, isso não existe, transparência zero e não falta absolutamente nada em matéria de tecnologia ou tempo pra implantar essa transparência.

    (Alias, tem uns colégios me devendo, não querem fazer licitação ou fazem tudo errado aí tem que fazer tudo "por fora", levam meses pra levantar dinheiro e vão usando o dinheiro daqui pra tapar o buraco dalí, na parte de TI é tudo falta de planejamento e não de dinheiro, as licitações funcionam se forem bem feitas, mas... fazem descrições escrotas, trocam micros toda hora, não cuidam direito, esperam ter problemas pra só então licitar manutenção, tem que fazer maracutaia não porque o sistema não funciona, mas porque os próprios funcionários públicos não souberam planejar nada com antecipação (E na hora de fazer concurso ou entregar currículo todos se dizem aptos pro emprego, depois de conquistado o cargo é quenem casamento, relaxam e não fazem mais nada direito)



  15. #15

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Então Rubem, o que falta pelo país a fora é isto mesmo, gerenciamento do dinheiro público...
    A grande maioria dos administradores não tem o preparo necessário, e quando tem não conseguem montar uma boa equipe...
    Isso a nível municipal já é problema, agora imaginem a nível nacional, como deve se multiplicar o desperdício...

    O Brasil é lindo de se falar sobre ele quando se refere as características do seu povo.
    Mas como Estado, estamos num patamar subdesenvolvido... Seria pelo seu próprio tamanho? Talvez...

    Vivemos num sistema federativo, mas isso só no título. Cada ente federado precisa pedir a benção ao poder central se não não vai adiante.
    Vejam o caso do RS. O Estado está quebrado, os problemas não são de hoje, vem se arrastando ao longo dos anos.
    Para piorar as coisas, na última administração também foi pintado um quadro de euforia...que passou após o momento eleitoral...tanto que o antigo governador que foi meu colega de aula no 2º grau "bandidamente" conseguiu passar alguns aumentos que só comprometeram mais ainda a folha.
    Logo em janeiro quando o Sartori assumiu ele botou a boca no trombone, e já avisou que não ia ter dinheiro para governar....
    8 meses se passaram e o funcionalismo quer ver a caveira dele....por isso que eu digo que o grande mal de todo administrador é a folha de pagamento. Se pagar em dia é um excelente, caso contrário é o próprio diabo.
    o Rio Grande não sai sozinho do buraco.... Agora o RS entra no Supremo contra os contratos com a União, contratos leoninos todos nós sabemos... A União já na metade do mês fez um bloqueio das contas do Estado até tirar sua parte em uma parcela a receber por conta desses contratos. E ameça intensificar esta política endurecida. Enquanto que nos últimos anos vimos vários processos de anulação de empréstimos que o país fez a outros co-irmãos africanos e cubanos. Vários desses países tiveram sua conta zerada.. enquanto aqui dentro a lei do facão está pegando.

    E o mais gozado nisso é que a União também deve para os estados, mas só paga quando quiser e os estados não podem bloquear as contas da União...

    O que dizer da Lei Kandir? Os Estados estão ficando no prejuízo e de mãos amarradas. O que dizer dos repasses para os programas de educação e saúde que também atrasam para os estados?

    Por outro lado, Minas Gerais tem um comprometimento de 110% da arrecadação com a folha de pagamentos, segundo notícias que circularam no início do ano. Mas até hoje não quebrou. Como não quebrou? Está tecnicamente quebrado... mas lá a corrente partidária é afinada com o Planalto... deve ser isso que segura a barra...

    Porque comento isso? Vejo o sistema federativo como está no Brasil, condenado ao fracasso.... O que une o país é a brasilidade. Mas os interesses regionais, as diferenças culturais e muitos outros fatores acabam se tornando bairristas e isso pode levar a movimentos separatistas. Logicamente que nenhum movimento desses vai vingar, mas serve para os administradores refletirem sobre o real significado de Federação.

    E se fossemos afundo em Transparência, uma única vez que visitei o Portal da Transparência, fiquei decepcionado pela dificuldade de entrar informações claras.

    Mas para eles tudo isso é balela...

  16. #16

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    E falando em RS e falta de autonomia dos estados: Quem matou o federalismo no brasil foi a revolução de 30 que empossou o ditador mais populista do país, Getulio Vargas.

    (Alias, moro na Rua São Borja, eu não poderia falar mal dele...)

    Tá certo que o sistema anterior a Vargas era problemático, mas o problema não era o modelo (Com presidentes estaduais e etc) e sim as oligarquias que centralizavam o poder (MG e SP), mas... trocou b*sta por m*rda, trocou 36 anos de oligarquias SP/MG por 15 anos ininterruptos de Vargas, ou 34 anos de populismo (Até 1964 com Janio e sua vassoura (Tem algo mais ridículo que um presidente com uma vassoura? Com um referencial desse só podiam eleger o Jango mesmo, deu no que deu)), uma bela revolução de 360º!

    O federalismo funciona lindamente em países grandes como Eua (Exceto 2 ou 3 estados sem muitos recursos), Canada e Australia. No Mexico isso não anda tão bem porque são estados pequenos e pobres demais (Tipo Alagoas, Acre ou Roraima, o custo dos representantes políticos desses estados é um percentual enorme do PIB local, não são muito sustentáveis), são mais estados que no brasil mas o país tem 1/5 do tamanho do brasil, nesse caso acho que o problema são os estados-anões e não o modelo. Já em outros países problemáticos como Espanha a FALTA do federalismo é um problema, o país basco vive em pé de guerra por falta de autonomia, que existiria se fosse uma federação.

    Até a China "comunista" tem uma forma de federalismo, suas províncias são bastante autônomas, mais que os estados brasileiros, só na parte militar que elas não tem autonomia nenhuma (Normal isso). Apesar de eles terem umas províncias pequenas, as 2 mais pobres ainda tem o dobro do PIB do Piauí ou Maranhão, com população 10% maior apenas, e áreas similares.

    Alias, as provincias da Holanda ("Países baixos", o nome diz tudo, uma união de pequenas provincias cada um do tamanho de meia ervilha) são pequenas mas tem dinheiro, a autonomia por lá também funciona bem, então concluo que não é questão de tamanho, mas sim de um orçamento a gerenciar. Pode ser pequeno, desde que seja rico (E a maioria dos estados no brasil e méxico ou são pobres demais ou são pequenos demais).

    A parte ruim é que a previsão é que a população do brasil cresça só mais uns 20% antes de começar a decrescer, então esses estados pobres teriam que enriquecer muito com os cidadãos que já tem, e isso só se faz com educação e informação, como os estados mais pobres do brasil não estão investindo nisso (Ou porque tem populistas no poder, ou porque tem gerentes que não sabem dialogar com o gov. federal) essa situação não deve mudar nesse século, só hora que outros estados ricos começarem a exportar industrias e moradores porque já estarão superlotados (Tipo o boom na Alemanha Oriental, atrasada por anos de comunismo, a região cresceu horrores porque ficou décadas empacada no atraso socialista sem investimentos).

    Dito isso: Torço pra que um dos 10 ministérios a sumir do mapa nessa mini-reforma seja o da "Integração nacional", se ele tivesse alguma utilidade não haveria essa sensação de separatismo (Que não existia 20 anos atras, digamos), melhor investir essa grana em outras áreas.
    (Ou melhor não arrecadar essa grana, já que o governo desistiu da CPMF agora, é um bom motivo pra extender o corte nos gastos. Diminuir a carga tributária pra no futuro aumentar (Países desenvolvidos tem carga maior que a do brasil) não é vantajoso, acho mais interessante manter a carga mas reformar os gastos, cortando ministérios e orgãos públicos de pouca utilidade)



  17. #17

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Sei q o assunto é cpmf mas de diante de tanta informação gostaria de saber um pouco mais sobre a questão dos juros e quanto o governo gasta para manter modelo financeiro atual.
    Eu entendi que é algo insustentável.Sendo dessa forma cria ciclos.No caso FH e mais recente de Lula.
    Mestre Rubem.
    Mas uma para vc.

  18. #18

    Padrão Re: Governo estuda recriar CPMF e dividir com estados

    Tem o teto de juros que o BC estabelece (E o BC indiretamente é mandado pelo governo), se você abrir seu banco o juro máximo que você pode cobrar será esse teto. Ele serve pra que ninguém legalmente lucre demais em cima da necessidade alheia.

    Tem vários limites, o que um cartão de crédito pode cobrar, atrasos de contas, juro-base pra emprestimos e financiamentos, etc.

    Pra atrair mais gringo investindo aqui esse teto é meio alto, o juro-base brasileiro está chegando em 15% ao ano. No primeiro mundo isso fica na casa dos 2 ou 3% ao ano, então é lucrativo investir dinheiro no brasil.

    O problema é que esse teto afeta empréstimos PARA pessoa física ou jurídica no brasil, não só atrai o investimento de fora.

    Agora, o que o governo tem a ver com a gente são os juros de empréstimos a empresas, pelo BNDES especialmente. É um juro sustentável pro governo já que o BNDES dá muito lucro, está na casa dos 1,1% ao mes se não me engano, é interessante pro governo porque ele dá bem mais que a inflação, e... a poupança rende mal e mal 0,5 a 0,7% ao mês.
    (1,1% ao mês, como é juro composto dá mais de 14% ao ano, nada camarada! A poupança a 0,5% ao mês dá pouco mais de 6% ao ano, mesmo que seja 0,7% ao mês ainda não cobre a inflação prevista de 9% no ano)

    O que o BNDES faz não é tão camarada, em teoria só financia produtos com X% de nacionalização (Em mão-de-obra ou partes nacionais), mas... o juro nunca foi interessante pra quem pega o empréstico, quando ele esteve baixo era 0,7% ao mes, mas era época de poupança rendendo 0,4% ao mes, de qualquer forma ele estava perto do limite do que o BC regula!

    Idem pra juros pra casa própria, seja por parcela fixa ou pela tabela price os juros se você financiar casa pela CEF (Instituição estatal, com carater social) vai pagar juros bem perto do limite estabelecido pelo BC.
    (Aquele percentual abatido pelo Minha-Casa-Minha-Vida pode tornar interessante, mas aqui é dinheiro de fundo perdido do governo, a CEF lucra pra caramba no juro, ela não cobra um "jurinho camarada, de pai pra filho")

    É uma bela propaganda governamental (E todo governo fez isso ultimamente) dizer que o BB, CEF ou BNDES deram lucro. Mas... esse lucro saiu das empresas ou pessoas físicas que financiaram ou emprestaram algo, se elas tiveram lucro então elas agiram exatamente IGUAL qualquer instituição particular: Visando lucro.

    Juro pequeno na construção, ou imposto menor nos materiais, ia dar lucro tanto pra senhorinha construindo a casinha como pra multinacional construindo sua sede de 80 andares, então nessa área um programa tipo o Minha-Casa-Minha-Vida realmente é interessante, os detalhes acho que podiam ser melhorados (Teto na renda ou no valor da casa podiam ser maiores) mas a base do projeto é boa porque há incentivo pra construção e ele atinge só quem tem renda mais baixa, é a função de todo programa social.

    Agora o BNDES... não sei se tem como ele ser mais "social", incentivando só a pequena/media empresa, porque internacionalmente falando é um grande problema você ter 200 mil micro-empresas e só 2 empresas de grande porte no brasil, a pequena empresa é interessante mas como sempre existem grandes obras ou grandes inovações precisando grandes investimentos também precisamos grandes empresas, então o problema do BNDES talvez seja dosar quanto emprestar às pequenas e às grandes, ou com que juros (E se aumentar o juro pra empresa grande ela tem cacife pra emprestar lá fora, americano ganha quando muito 3% ao ano lá, seria interessante ele emprestar pra uma empresa grande no brasil a 9% ao ano, juro 3x maior, mas... aos poucos isso criaria a intrusão de investimentos estrangeiros no brasil, o gringo vai querer meter o bedelho no investimento, se for empresa de capital aberto ele vai ter direito a voto e etc, enfim, juro alto pra grandes empresas cria a desnacionalização delas a longo prazo).

    Em resumo o juro que mais afeta tudo é o que o Banco Central estabelece como juro-base, ele não afeta em cheio os juros das financeiras particulares, só indiretamente.

    Tem setor que é arriscado, financiar automóvel é complicado porque tem muito roubo, gente que não consegue pagar, enfim, risco grande de calote, então tem juro de financeira na casa dos 50% ao ano, enquanto banco de montadora, tipo se você conseguir financiar caminhão da Mercedes Benz, vai ficar nuns 10%. O Banco Central não pode intervir nisso porque o risco da Mercedes é muito menor que digamos da Omni, que financia qualquer um que aparecer na porta por isso tem risco gigante e precisa juro gigante. Construção é mais complicado roubar ou fazer refin, então o risco é bem menor, menos de 10% ao ano em quase toda financeira (Tendo garantias e etc, obviamente alguém sem histórico e com renda comprometida vai ter risco maior, e juro maior, mas não costuma passar de uns 10 a 15% ao ano hoje).

    Outra coisa arriscada: Emprestar pra empresa!
    É tão arriscado quanto financiar carro, por isso tem taxas numas modalidades tipo 50% ao ano mesmo!
    Porque? Porque 1/3 das empresas duram acho que 1 ou 2 anos no brasil, falência, e deixam as dívidas pra trás. 1/3 de risco de calote? Não tanto, mas é um risco muuuuuuuito maior que o risco de financiar casa própria (Afinal geralmente se financia o bem onde se vai morar, largar ele e ir pagar aluguel é raro ser vantajoso).

    Essa parte o governo pouco pode fazer também, empresa mal-montada tem mais é que falir mesmo, o Sebrae e sec. municipais tem muito curso e etc ao longo dos anos, quem se planeja estuda isso com tempo, não decido da noite pro dia abrir uma paleteria porque está na moda, ou abrir provedores porque leu que não precisa mais SCM, precisa mais informação PRÉVIA, ter curso oferecido pelo governo todo mes ainda ia gerar muuuuita empresa falindo, hoje não falta informação mas sim falta vontade de ir atrás dela. Então pra pequeno provedor e cia acho que os juros não são um bicho-papão, se eles forem menores nem tudo se resolve, juro baixo tipo um "juro social" cria uma situação de endividamento, o pobre compromete a renda com empréstimo e aí é que ele deixa de contratar internet porque financiou um Gol 1000 94/95 por R$ 5.000 e vai levar 5 anos pra pagar, vão ser 5 anos sem internet, comprando o mínimo no super-mercado, não rebocando a casa mal-terminada, nem trocando colchão ou sequer lençol, juro baixo incentiva consumo mas ele pode ser impensado (E geralmente é!), hoje temos muita gente que saiu a pouco das classes D, E e F, gente que ainda não aprendeu a lidar com dinheiro, que se seduz pela possibilidade de pegar R$ 5 mil emprestado mesmo sem precisar, e sem certeza que vai conseguir pagar depois sem ter que passar anos comendo só arroz e farinha.

    Tem que ir testando as taxas conforme o estado atual da economia, mas quando tem "sensação" de futuro ruim, tipo agora, não pode ter nada brusco, porque você está lidando com planejamentos, com taxa alta é fácil você abandonar novos projetos ou cancelar projeto em andamento, com taxa baixa idem já que pode aparecer muito concorrente ou então pode haver muito endividamento que no futuro diminua a contratação de serviços mensais.

    É uma dosagem pros economistas do BC e Min. da Fazenda. E por isso precisa especialistas nos ministérios, mas... temos coisa absurda tipo funcionários de petroquímica e político no ministério da Defesa (Lá é lugar de militar), filho de político famoso no ministério da pesca (Lá seria lugar de pescador ou empresario da area), um velho/gagá nacionalista-ferrenho sem segundo idioma no ministério da ciência, tecnologia e INOVAÇÃO (Lá seria lugar de quem conhece de tecnologia), entre tantos. Acho que os 2 casos menos escrotos são do ministro da fazenda (Economista) e do ministro de minas e energia (Engenheiro elétrico), mas os outros são pessoas sem formação no setor que atuam, não conhecem os detalhes técnicos da área. Ah se todo ministério fosse bem fiscalizado e criticado como o da Fazenda é.