Página 2 de 3 PrimeiroPrimeiro 123 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico

  1. Não acho anormal -95dBm de ruído mesmo nos XW, em fazenda onde de fato não tem ruído nenhum as vezes eles exibem assim (Seja no chão ou em torre, em qualquer instalação). Umas unidades não dá menos de -100dBm nunca, sei lá que variação na fabricação tem.

    Pra mim tá mais pra ruído nalguma parte do canal de 40MHz, difícil achar uma faixa de 40MHz bem livre, umas de 10, 20 ou 30MHz é mais fácil.

    Eu testaria 20MHz, se estabilizar com CCQ alto (-56dBm dá pra MCS6 tranquilo) então não tem uma faixa de 40MHz de largura limpa o suficiente.

    Se fica variando de -56 a -60dBm pode ter algo móvel na zona de Fresnel, ruído não tem potencial pra atenuar sinal mas obstrução na zona de Fresnel tem.

    Se ficar estável em -56dBm, dá pra usar MCS7 em 20MHz, mas eu testaria MCS5 e MCS6 antes (Com 20MHz), pra ver se estabiliza o CCQ e dá um throughput mais consistente. Se acontecer, então falta uma faixa livre de 40MHz, o Airview em Tools ajudaria a achar.


    ==========================
    Edit:

    Agora vi que o nome do rádio tem "caixa d'agua". Ele não está perto demais da estrutura da caixa? Concreto e aço refletem pra caramba, o Sphreak falou em 1,5m mas se for caixa de aço (Tipo taça) acho que precisa até mais que isso. Ou veja se não tem bomba elétrica ou boia com fiação passando perto do rádio, nessa época do ano tem menos chuva então é capaz de terem colocado bomba extra ou algo elétrico que a meio ano atrás não tinha.

  2. Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Não acho anormal -95dBm de ruído mesmo nos XW, em fazenda onde de fato não tem ruído nenhum as vezes eles exibem assim (Seja no chão ou em torre, em qualquer instalação). Umas unidades não dá menos de -100dBm nunca, sei lá que variação na fabricação tem.
    @rubem, deixa eu pegar uma carona no tópico, montei há alguns meses um POP em alto de serra para atender uma área rural. Ele funciona OK, bem redondo mesmo com cerca de 25 clientes, só que com o Airmax inativo. (É como ele está configurado hoje). Já efetuei alguns testes com Aimax ativo e quando o tráfego aumenta nos horários de pico, o CCQ de alguns clientes chega a bater nos 55% prejudicando o trafego do cliente...(coisa que não acontece com Airmax inativo). Esse POP está montado com Rocket e Powerbeam M5 400 nos clientes (2 clientes próximos só, com Airgrid) o cliente mais distante está a 19km...

    Como disse... Não estou com problemas nesse POP, mas acontece essa bizarrice quando ativo o Airmax... Estranho não é?



  3. Ah, eu não ponho a mão no fogo por Airmax de jeito nenhum.

    Eu até uso como referência (Nem precisa medir throughput se ele estiver com digamos 30%), mas só ativo se a "Capacidade" estiver acima de 50%, porque abaixo de 50% tive várias vezes essas instabilidade, ora tem 50Mbps e ora 20Mbps, enquanto sem Airmax normaliza (No exemplo que lembro que chegava a 50M com ele ativo, mal passa dos 40Mbps desativado, mas pelo menos é estável).

    Quando o Airmax Capacity está lá pelos 70% tudo é lindo, mas quando fica abaixo dos 50% é o SNR variar 2 ou 3dB que ele varia 20%. Como é protocolo proprietário não tem informação de como ele calcula a "capacidade" e "qualidade", mas acho que é num processo falho abaixo dos 50%, o próprio espaço das barrinhas tem aquele quadrado nos primeiros 50% e me parece que é uma indicação de não usar abaixo de 50%, eu comecei a testar o desempenho nesses casos (De qualidade a, digamos, 40%) e notei que varia muito, é a situação onde Airmax piora o PTP.

    Eu resumo: Se a qualidade está acima de 50% o Airmax ajuda. Se está abaixo de 50%, atrapalha.

    Em PTMP talvez a coisa mude, mas em PTP é o que concluo, nunca prestou a longo prazo quando ativei Airmax com 40% de qualidade.

  4. Vou comentar uma coisa, mas não como crítica e sim para provocar uma discussão mais profunda a respeito de TDMA. (Airmax, NV2 e Cia) já que não tenho uma opinião formada sobre isso.

    Será que há indicação para ativação destes protocolos em ponto a ponto? Pela definição do protocolo seria divisão do tempo para atender a cada cliente. E como ponto a ponto o cliente é um só, porque lançar mão de divisão de tempo?

    Esta é a minha dúvida.

  5. TDMA em PTP teria a vantagem do slot de tempo impedir "choque" de pacotes, só há transmissão quando há autorização e quando uma parte autoriza ela fica esperando a transmissão da contraparte, não ocorre chegada de pacotes enquanto um lado está transmitindo.

    O RTS e CTS resolveria isso, mas ele fica perguntando a cada pacote se pode enviar, enquanto no TDMA ele tem todo o slot de tempo pra enviar uma rajada de pacotes.

    Uma coisa é o rádio já estar recebendo, ele não vai fazer nada, a questão é no intervalo de recebimento, em um OFDM comum hora que dá uma folguinha o rádio começa a emitir o que tem na fila, como leva milisegundos pra processar e transmitir ocorre dos 2 lados começarem a transmitir pacotes longos ao mesmo tempo, porque espera alguns microsegundos implica perder throughput (Que é medido em tráfego por segundo). Não tem colisão igual tem em sistema cabeado, mas perde-se tempo igual, uns 10% de perda de tempo caso ocorra, então TDMA em PTP não tem potencial pra muita coisa, vai aumentar o throughput em muito menos de 10%.

    (E PTP é onde chega 1 pacote de 34 bytes, depois um de 1500 bytes, se o tráfego é meio baixo as vezes o rádio tenta enviar uns pacotes pequenos (Ao invés de agregar vários até somar uns 1,5 a 4kB)

    Enfim, ter vantagem teórica tem, e na prática quando o sinal é bom o throughput do PTP geralmente melhora quando ativamos Airmax ou NV2. As vezes aumenta o ping, mas é reflexo dessa espera pra chegar sua vez, num sistema normal um pacote pequeno vai ter ping menor, mas com Airmax com tráfego razoável tudo tende a ter o mesmo delay, tudo vai ser enviado na mesma rajada de vários pacotes (O rádio envia o preambulo, avisa o tamanho do pacote, e vai enviando 4000 a 8000B, um pacote atrás do outro, cada pacote com seu layer2 intocado pra ser "desmontado" no outro lado. Depois é a vez do outro rádio fazer isso, envia uma pancada de pacotes juntos, sem a mínima possibilidade do rádio que acabou de enviar dar uma de esquecido e soltar um "Ops, faltou esse pacotinho de 24B, pega ele aí", se faltou algo esse algo vai ficar pra próxima transação, e como não há na prática um limite de tempo (Apesar de chamar slot) nada fica pra trás, é uma rajadona enorme de dados num sentido, com a garantia que a contraparte não vai "parar de ouvir" e começar a transmitir.






Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L