• Hacker Highschool: Maneira Prática de Redesenhar o Futuro

    Você sabe o que é o Hacker Highschool? Caso ainda não saiba, trata-se de um programa escolar inovador e muito interessante, que ensina aos alunos as melhores práticas de hacking com total confiabilidade e responsabilidade. Esse programa é open source, e as escolas de ensino médio em todos os estados norte-americanos, principalmente em Nova York e no Texas, começaram a oferecê-lo gratuitamente aos estudantes. Um dos pontos relevantes apresentados pelo Hacker Highschool, foi o reconhecimento em relação a visão distorcida que grande parte dos adolescentes possuem sobre as práticas de hacking. Na mente de um imenso percentual desses jovens, a palavra "hacker" ou mesmo "técnicas de hacking", estão ligadas ao cibercrime ou outras atividades nefastas que vem sendo praticadas na Internet.

    Por causa disso, o programa tem a intenção prioritária de reverter esse estereótipo negativo do hacking, incentivando os adolescentes a abraçar estas práticas combinadas à ética, além de assumir uma atitude totalmente responsável. Por mais incomum que pareça, as organizações corporativas podem muito bem se beneficiar das habilidades de um determinado funcionário que faça parte de seus quadros. O funcionário a quem nos referimos possui a criatividade aguçada, uma enorme facilidade para invenções, é sagaz e bastante motivado. Estamos falando de um hacker. Muita gente nem imagina, mas os hackers podem ensinar, com maestria, de qual forma as coisas funcionam e como os elementos funcionam em conjunto.


    Hackers Combinam Cautela, Inteligência, Responsabilidade e Ética

    Além do que já foi falado, os hackers sabem a maneira exata e inteligente de modificar muitas situações, tendo o expediente de ajustar, personalizar e até mesmo melhorá-las. Entretanto, as habilidades de um hacker são diversas, seu comportamento é único e poderoso o suficiente para tornar-se perigoso, caso seja exercido pela pessoa errada.

    De acordo com estudos realizados, há uma demonstração de que um indivíduo amador ( atuante em qualquer área em particular), está muito mais propenso a cometer o auto-engano de que ele sabe o suficiente para dominar uma determinada atividade. Mas, a partir do momento em que ele recebe alguma formação profissional, certamente começa a compreender que a aprendizagem é um processo contínuo e ninguém possui o conhecimento em sua totalidade.

    Nesse contexto, um estudo semelhante orientado pelo ISECOM, intitulado Hacker Profiling Project, mostra que os indivíduos amadores, levados pelo impulso, pela empolgação, pela falta de profissionalismo e sem o mínimo senso de ética e responsabilidade, são justamente os que ocasionam os maiores danos à programas de computadores e sistemas operacionais. E isso resulta em dores de cabeça às pessoas que são atingidas por esses atos inescrupulosos.



    Inovação, ética e seriedade são as tônicas do projeto Hacker Highschool, cujo objetivo é preparar, de forma íntegra e correta, os jovens que queiram ingressar na área de Segurança da Informação



    Em virtude de todos esses fatores, fica muito claro o quanto é importante mostrar aos adolescentes uma forma de adquirir conhecimentos e habilidades, podendo superar o nível amador. Existe uma necessidade muito grande de jovens que tenham percepção sobre como eles próprios são "pequenos" quando comparados ao grandioso mundo dos hackers. Dessa forma, é essencial que exista uma maneira bem sucedida de torná-los responsáveis acima de qualquer coisa, imaginando a possibilidade de introduzir, corretamente, esses adolescentes no fascinante "universo hacker". Isso os deixará mais seguros quando estiverem on-line, além de mostrar-lhes novas formas de pensar e fazer com que tenham a desenvoltura necessária para melhorar qualquer área profissional, dentro da qual estiverem atuando.

    O projeto Hacker Highschool agora oferece licença livre de segurança, privacidade e material de ensino voltado para a conscientização de que os alunos possam seguir por conta própria, sem a necessidade de instrução extra de profissionais liberais ou professores. As aulas serão ministradas a partir de qualquer CD "Linux Live", que irá funcionar, obviamente, em um computador que possua um drive de CD-ROM. Além disso, haverá a disponibilidade de um laboratório de testes "web-based", com criação e manutenção específica para o projeto Hacker Highschool.


    Abordagens e Elementos Primordiais Relacionados ao Hacking

    No contexto dos ensinamentos sobre as práticas de hacking, há alguns tópicos importantes que fortalecem o curso ministrado, favorecendo o aprendizado dos alunos e/ou compondo as atividades after-school. As abordagens englobam: Ser um Hacker; Comandos Básicos em Windows, Linux e Mac OS X; Portas e Protocolos; Serviços e Conexões; Identificação do Sistema; Ocorrências de Malware; Análise de Ataques Cibernéticos; Computação Forense Digital; Segurança e Privacidade nos E-mails; Segurança e Privacidade na Web; Senhas (proteção e relevância); Legalidade e Ética na Grande Rede; Computação em Nuvem; Engenharia Social; Conexão Wireless e Hacktivismo.

    O ensino e a explanação sobre cada um desses tópicos mencionados acima, começa de maneira formal (como lições e livros para estudantes do ensino médio), tirando proveito dos estudos que mostram como os adolescentes colocam em prática o aprendizado e como os hackers são capazes de fazer suas descobertas.

    O que mais prevalecia como questão preocupante, era o fato dos adolescentes estarem cada vez mais envolvidos com o universo on-line; porém, eles não estavam preparados para o que esse universo reservava: scammers, malware, worms, práticas cibercriminosas realizadas por bankers, carders e demais atacantes, além de empresas atuando sem nenhum vestígio de ética. E alguns desses jovens já foram descobrir o lado inseguro da Web utilizando, arbitrariamente, ferramentas de hacking, e através de algumas dicas divulgadas por veículos de comunicação, sites públicos e até mesmo utilizando mensageiros on-line.

    Assim, enquanto a motivação dos jovens em relação ao aprendizado dava sinais positivos, essa mesma motivação era incoerente com o que eles estavam tentando fazer. Em suas mentes, não havia uma noção dos transtornos que poderiam causar ao usar as técnicas de hacking de forma aleatória. Chegava a hora de ensiná-los da maneira certa, de explicar minuciosamente "o que é" e "como age" um verdadeiro hacker. Sendo assim, os jovens receberam um ambiente seguro, com um grupo de servidores vulneráveis ​​a partir do qual eles puderam testar seus novos conhecimentos, sem causar danos a ninguém.


    Professores, Desafios e Aprendizado Sobre a Mentalidade Hacker

    O primeiro objetivo com o Hacker Highschool, era explicar "como funciona a mentalidade de um hacker" para os professores. Era uma situação similar a ensiná-los como "treinar ginastas". Portanto, foi explicado, em detalhes, que eles precisavam dar a seus alunos as ferramentas necessárias para as práticas de hacking e educá-los, rigorosamente, sobre a forma de utilização. Este foi um dos maiores desafios do projeto, mas graças aos esforços e a todo o empenho da equipe, os resultados foram positivos.

    Os próximos dois passos foram um pouco mais desafiadores. Primeiro, porque a maioria dos professores não sabia o suficiente sobre hacking para ensiná-lo a nível técnico. Em segundo lugar, a maioria das administrações escolares achavam que o projeto Hacker Highschool era uma espécie de "brincadeira com fogo", passando a ver com "maus olhos", uma iniciativa brilhante e tão valorosa.

    Em face desse cenário, foi criada uma metodologia bastante sólida. O desenvolvimento de um Contributor Guide, que se tornou leitura obrigatória para todos os voluntários e professores, destacando um ponto valioso para os alunos: o hacking não é inerente à maldade ou ao perigo, mas é preciso ter cuidado ao colocá-lo em prática; é preciso que ele nunca seja praticado por indivíduos sem escrúpulos. Além disso, a equipe do Hacker Highschool jamais incentivaria o uso das expressões "hacker do mal", "bandido virtual" ou termos similares em suas explicações sobre as várias atividades de hacking.

    Isso foi feito com a intenção de evitar que os adolescentes tenham uma imagem errada do cenário em questão, o que poderia lhes causar um sentimento de medo ao tentar lidar com as ferramentas de hacking ou exercer outra atividade afim. Vale ressaltar que todos os aprendizes tem a consciência de que são hackers em formação, e caso venham agir na contramão da legalidade, certamente serão considerados cibercriminosos.


    Saiba Mais:


    [1] Hacker Highschool http://www.hackerhighschool.org/
    [2] OpenSource.com http://opensource.com/life/12/8/hack...edesign-future
    [3] ISECOM - Hacker Profiling Project http://www.isecom.org/research/hpp.html
    [4] Slashdot News http://news.slashdot.org/story/12/08...ign-the-future

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L