• Relatório da Akamai para o Quarto Trimestre de 2009

    A Akamai acaba de liberar seu relatório, o State of the Internet, sobre o quarto trimestre de 2009. nele a empresa investiga os ataques em computadores através da Internet, além de avaliar o próprio uso da grande Rede em todo o mundo. O relatório indica que o uso do tráfego de rede resultante dos ataques vindos da Rússia, permaneceu estável em 13 por cento, e ainda está no topo da lista. No mesmo relatório, é apontado que cerca de 12 por cento do tráfego é decorrente de ataques originários dos Estados Unidos.

    E isso representa um aumento de 5,1 pontos percentuais em comparação ao trimestre anterior. Esses dois valores somados já representam 25% de todo o tráfego na Internet. A China vem em terceiro lugar com 7,5 por cento, com um aumento de apenas 1 ponto percentual em relação ao trimestre anterior.

    Assim como nos relatórios anteriores, os alvos mais comuns para ataques permaneceu o mesmo, a porta 445. Esses ataques representam 74 por cento das ações, que sempre visam a porta 445 dos computadores, e isso não deve mudar por mais alguns anos. Sabe por que? Pelo menos no caso dos computadores com sistema operacional Windows, que ainda são maioria no mundo, essa porta é utilizada para o compartilhamento de arquivos nesse sistema operacional, e conseqüentemente uma enorme brecha de segurança.

    Se efetuarmos uma associação simples, os softwares da Microsoft são os vetores mais comuns para ataques. Lembramos do conhecido navegador Internet Explorer da Microsoft, que em várias versões, ainda é muito utilizado como vetor de ataques para algumas versões de sistema operacional da Microsoft, como o Windows Vista, Windows 2008, e o Windows 7 Release Candidate.

    A Akamai suspeita que essa alta incidência pode ser obra de uma contínua atividade do worm Conficker. Mas é importante ressaltar que os autores do relatório fizeram questão de deixar claro que não foi possível concluir sobre o problema, pois não tiveram como investigar os respectivos pacotes. Os ataques onde o alvo são outras portas como SSH (porta 22), NetBIOS (porta 139), Microsoft RPC (135) e Telnet (porta 23), foram considerados muito baixos, com valores de porcentagem na casa de um dígito apenas.

    O relatório da Akamai também investiga os endereços IPv4 únicos, que aumentaram em número no quarto trimestre de 2009, se comparados ao terceiro trimestre do mesmo ano. O aumento foi de 4,7 por cento do terceiro para o quarto trimestre, mas representou um aumento significativo de 16% entre o último trimestre de 2009 e o último de 2008. Em termos absolutos, os Estados Unidos utilizam 124.953.865 endereços IPv4. Bem a frente da própria China, com apenas 52.113.869 endereços IPv4 ocupados e em uso. O japão vem logo em terceiro com 32.259.547 endereços IPv4 associados a dispositivos em rede.

    Mas se for comparar a relação per capita entre endereços IP, quem ganha é a Noruega, seguida da Suécia e da Finlândia. Já a Alemanha ocupa a honrosa nona posição da lista. E uma informação, no mínimo curiosa, é com relação a Coréia do Sul. Mesmo perdendo alguns pontos, esse país possui uma inacreditável velocidade média de 11,7 Mbits/s, o que faz a península se manter no topo da lista de conexões de alta velocidade à Internet.


    Links de Interesse:

    - Report: Russia as an origin of attacks


    Sobre o Autor: code

    Administrador e Editor do Portal Under-Linux, desenvolvedor Linux e FOSS para Linux, autor de livros e artigos, atuando na área de Educação Digital e P&D com AI.

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L