• Google Versus Censura

    Nem só de China residem os constantes problemas de censura impostos a essa Gigante da Internet. E o Google não pretende ficar calado, e acaba de liberar uma nova ferramenta para mostrar onde ela está enfrentando pressão dos governos para censurar mais material, e para entregar mais informações pessoais sobre os usuários. Na terça-feira, dia 20 de abril de 2010, foi a primeira vez que o líder de buscas na Internet ofereceu um olhar detalhado na censura e pedidos de dados que constantemente e recebe de muitos governos em todo o mundo.

    São entidades reguladoras, tribunais, e diversos outros órgãos governamentais. Atualmente o Google opera em nada menos que 100 países em todo o mundo, e com esta nova ferramenta está abordando todo o último semestre de requisições relacionadas a censura e exigências de dados pessoais. A empresa promete que irá atualizar essas informações acada seis meses.

    O Google havia começado a publicar esses dados quase um mês após ser obrigado a redirecionar seu tráfego na China para seus servidores em Taiwan, como uma saída econômico-jurídica da empresa para não se render as exigências de censura do governo chinês. Quem está recebendo as requisições dos usuários chineses no sistema de busca, é Honk Kong, o que livra o Google de ter de obedecer as leis de censura chinesas do continente.

    Porém, a empresa não está oferecendo detalhes sobre os pedidos de censura, devido as informações rerem sido classificadas como segredo de Estado. E isso, por motivos óbvios, é suficiente para impedir o compartilhamento desses dados para todo o mundo. Já em outros países, o Google está realizando uma divulgação mais ampla sobre as exigências de censura, ou outros pedidos governamentais, para editar seus resultados de busca. Inclusive, o Google está incluindo os pedidos de remoção de material de seus outros serviços, como os do site de vídeos do YouTube. Mas ainda sim, nem tudo está aberto a divulgação dessas informações. Um exemplo: o Google não está incluindo na abertura dessas informações os pedidos de exclusão de remoção de material relacionados as alegações de violação de direitos autorais, um problema recorrente no YouTube.

    Nessa exposição de informações, o Google está mostrando quantas vezes honrou os pedidos, além de apontar quais foram os serviços-alvo das censuras aplicadas pelas entidades governamentais. Nos Estados unidos, por exemplo, a empresa recebeu 123 "pedidos" para a remoção de material de seus servidores durante a última metade de 2009, e cumpriu com aproximadamente 80 por cento dessas requisições. Entre as razões dos "pedidos" incluem violações das políticas do próprio Google em relação à violência extrema, palavras e baixo calão, e discursos de ódio. De acordo com a empresa, mais de 40 desses pedidos incluíam uma ordem judicial.

    É claro que o Google está oferecendo uma perspectiva mais limitada, com relação aos pedidos relacionados a dados pessoais de usuários; Os números são limitados, principalmente às exigências feitas no âmbito de processos penais, deixando de fora questões como o divórcio civil. E, claro, o Google não revela quantas vezes ele colaborou com tal "categoria" de "pedidos". Afinal, seria um verdadeiro "tiro-no-pé" judicial que a empresa estaria cometendo.

    O interessante é que essa abertura de informações sobre censura, vem no exato momento em que o próprio Google é questionado quanto a seriedade com que trava a privacidade de seus usuários. A empresa sempre atestou que a privacidade de seus usuários é uma de suas prioridades mais altas. Ela ainda destaca que, em uma das ocasiões, foi até o tribunal para prevenir que o Departamento de justiça norte-americano colocasse as mãos em informações pessoais de uma grande quantidade de usuários.

    E o Brasil, acreditem se quiser, é um dos países que mais efetuou pedidos ao Google durante esse período de seis meses. A empresa alegou que a maioria dos pedidos estava relacionada a sua rede social Orkut, que, desconhecida em muitos lugares do mundo, é uma verdadeira febre em território tupiniquim. Esse serviço atrai milhões de usuários em todo o brasil, e gera muitos insultos, linguagem depreciativa, e outros materiais mais inflamados, que resultam em alvo do próprio governo brasileiro, nos pedidos de informações e censura, alegando a violação de suas próprias normas.

    Somente no Brasil, nesses seis meses, o Google recebeu 3.663 pedidos relacionados a dados de usuários, e 291 pedidos para retirada de material. E cerca de 200 pedidos estavam envolvendo a rede social Orkut. O segundo país na lista de censura é o Estados unidos, com 3.580 pedidos de informações sobre usuários. Atrás dos Estados Unidos vem o Reino Unido com 1.166 pedidos e Índia com 1.061 pedidos.

    No quesito, "retirada de conteúdo", atrás do Brasil, vem a Alemanha com 188 pedidos. Na Alemanha as Leis impedem que exista conteúdo de cunho nazista na rede. Não muito atrás, vem a Índia com 142 pedidos, sendo sua maioria vindos do Orkut, seguido dos Estados Unidos, onde o foco é o YouTube.

    Acredito que muitos brasileiros estão de queixo caído agora, principalmente depois de todo o alarde sobre os episódios de censura ocorridos na China. Acho que esse foi um verdadeiro "tapa-na-cara" para fazer o nosso povo acordar, e não ficar achando que censura só ocorre nos outros países.


    Links de Interesse:

    - Google discloses demands for censorship, user data


    Sobre o Autor: saryshagan


    Comentários 1 Comentário
    1. Avatar de anonimao
      anonimao -
      Te enganou feio nesses comentários...
      O Brasil é campeão em pedidos principalmente porque tem muito mané postando coisas impróprias no Orkut, difamando, divulgando pornografia (infantil ou não), racismo, etc.
      Daí o Ministério Público (ou a pessoa ofendida) vai lá e aciona o Google.
    + Enviar Comentário

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L