• Reformulação nos Trabalhos Relacionados à Evidências Forenses

    Está na hora de ocorrer uma mudança na forma como a aplicação da lei trabalha com provas forenses digitais. Cada investigador de polícia precisa ser capaz de rápida e facilmente, analisar evidências forenses digitais relacionadas a seus casos criminais de - fotos, vídeos, e-mail , mídias sociais e uso da Internet para áudio e documentos. E a cada um computador ou dispositivo móvel está inserido na esfera de um departamento de polícia à espera da abertura de processo, enquanto as autoridades se empenham em prender os cibercriminosos que foram responsáveis pelo delito usando tais equipamentos.


    Os aparelhos eletrônicos contêm rotineiramente, evidências relacionadas, de alguma forma, para o planejamento, para a coordenação, a comissão ou o testemunho de crimes. E a informação digital contida nos dispositivos apreendidos, é tipicamente enviada para os especialistas em laboratórios de análise forense digital a serem processadas. Dessa forma, a explosão de provas forenses digitais nos laboratórios forenses da atualidade, não podem mais gerenciar o grande volume de evidências digitais em casos criminais.

    O acúmulo do número de casos de agências de aplicação da lei, cresceu de semanas a meses em todo o mundo. Dessa forma, especialistas forenses digitais não podem ser treinados suficientemente rápido e o número de especialistas necessários para analisar as montanhas de evidências digitais em crimes comuns, é simplesmente além de restrições orçamentárias. Segundo Luc Beirens, Superintendente da Federal Computer Crime Unit (FCCU ) na Bélgica, "o número de computadores apreendidos é uma infinidade em relação ao número que foi apreendido há dez anos.

    Cada pessoa que se busca, provavelmente, possui um computador desktop, um laptop, um iPad e um smartphone e, além disso, você pode ver uma pilha de discos rígidos externos. Todos esses sistemas precisam ser investigados. Normalmente, a informação digital relacionada a um caso, requer conhecimento do investigador forense para determinar que informação pode ser relevante, e o que claramente não é. Novas ferramentas para triagem de evidências digitais no campo já existem sim, mas os recursos para isso ainda são limitados e os investigadores têm de lidar com as dificuldades de explicar a evidência para os especialistas forenses digitais.


    Saiba Mais:

    [1] Net Security http://www.net-security.org/article.php?id=1932

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L