Página 2 de 3 PrimeiroPrimeiro 123 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Trabalhar em G é possível, mas a garantia de sinal excelente é pré-requisito, pois a sensibilidade neste modo é muito ruim e a potência de transmissão cai. Um cartão R52H, por exemplo, tem 25 dBm de potencia e -87 dBm de sensibilidade em 802.11B (11 mbps); operando em 802.11G (54 mbps) cai para 20 dBm de potencia e -70 dBm de sensibilidade.

    Um enlace que estivesse funcionando bem em 802.11b com R52H nas duas pontas e que estivesse com um sinal de -60 dBm dos dois lados, teríamos uma margem de 27 dB e o enlace funcionaria perfeitamente. Operando em modo G, teríamos o sinal em -65 dBm chegando em um rádio cuja sensibilidade é -70 dBm, ou seja apenas 5 dB de margem (fading), a qual, para esse tipo de equipamento é totalmente inviável.

  2. é por isso que os Nano estão se dando tão bem, a sensibilidade deles é de -74 dBm em G e -92dBm em B.



  3. Peguei este texto como referência do amigo Maia em outra lista para explicar de maneira clara como funciona os modos B e G. Mas é é isto 1929, se o fabricante se preocupa em melhorar o seu produto, logicamente poderemos, cada vez mais, melhorar nossas redes e serviços. Acredito que a UBNT está se tornando uma referência em produtos de baixo custo e alta qualidade.

  4. Muito obrigado a todos pelas explicações!

    Eu sempre usei minha rede em modo B, pois não tive boas experiências com G. Mas afinal o problema é a sensibilidade, pois aqui na minha região existe muita interferência, tanto é que já migrei mais de 80% da minha rede para 5.8 Ghz.

    EU acho que confundi o G com largura de banda maior por causa dos equipamentos "turbo", esses sim usam uma largura de banda maior!



  5. Esta ai um assunto que não quer calar e que muitos ficam em duvidas... Usar B+G, somente B ou Somente G?

    Se formos analisar bem de perto ,temos q analisar cenario(nivel de poluição), equipamento usado para transmitir(torre),equipamento usado para receber(cliente) e por ai em diante.

    Vou passar um pouco da minha experiencia em Modo G que venho enfrentando...

    Atualmente trabalhamos com vendas de Planos 300kbps,600kbps e 1024kbps, onde 90% dos planos são 1024kbps e gerando assim alto trafego na rede,pois a provedor tem um porte médio baixo de clientes ,então normalmente em um cartão bate trafego de 5M ~ 6M. Precisamos abandonar o modo B e fixar somente o modo G. Particularmente sou muito rigoroso quanto a nível de sinal,então instalamos somente o cliente se tiver com 100% de Cobertura(visada) e em distâncias maximas de 1,5km por repetidora. Fixamos os Rates no Ap do cliente em 24MB e Potência de 63mw e nos cartões em 24MB somente, e potência de 13db (Cartão R52H).Sendo assim o Overall Tx CCq fica em acima dos 90% e os clientes fecham 24/24, pings abaixo dos 10ms com média de 5ms.Realmente o colega citou que vem descrito "Fixado em 100mw para o OFDM em alguns firmewares e ja outros permitem que façamos alterações.Como quase 100% dos aps clientes(firmwares) não permitem a alteração de potência para o OFDM então aqui estão quase todos em 100mw.Quando visto em Registration, e selecionado um cliente na aba Signal possui :
    1Mbps -X
    24Mbps -X

    Sendo que o melhor valor sempre fica para o 1Mbps,ai é olhado o sinal do cliente e quase sempre esta batendo no melhor valor que no meu caso aqui seria 1Mbps. Naverdade oscila entre 1 e 24 nesta aba de signal, ja na janela do registration fica fixo 24/24 e não a desconexão do ap do cliente em nenhum momento.

    Estou ja ha uns 5 meses fazendo testes com o modo G em outdoor,o nível máximo que toleramos para trabalhar em G é de até -60.

    Estamos trabalhando desde fevereiro com novas instalações somente em 5.8 e com nanostation, e realmente acaba indo por água a baixo muitas teses que são levantadas na frequencia 2.4GHz.

    Até o momento estou chegando a uma seguinte conclusão:

    Em 2.4GHz é indispensável um otimo sinal no cliente dentre outros fatores,principalmente se for trabalhar como modo G,mas ai me vem uma pergunta... Tanta rigorosidade na frequencia 2.4 seria devido ao alto risco de instabilidade causada por poluição de mesma frequencia? Se o cenário fosse em 5.8 o nível de poluição fazeria o mesmo efeito que faz na 2.4? Resumindo... A rede em 5.8 é mais estavel que a rede 2.4,assumindo o mesmo cenário em ambas ou seja, se tivessemos um cenario poluido em 5.8 ele seria mais estavel que um cenario poluido em 2.4?

    Temos muitos clientes em 5.8 e ha varias redes em 5.8 concorrentes/outros pela região, porem até o momento (4 meses) não tivemos nenhum problema de interferencia na rede 5.8.

    Deixo com a palavra os nossos colegas mais experientes, pois frequento o under desde o início de 2009 e o sucesso do provedor aqui é devido ao auxilio de vocês meus grandes amigos.
    Última edição por BillGates; 22-05-2010 às 23:07.






Tópicos Similares

  1. A antena implica alguma coisa na largura de banda?
    Por Carlos Picioli no fórum Redes
    Respostas: 10
    Último Post: 01-02-2010, 20:40
  2. Enlace de largura de banda
    Por gallyleus no fórum Redes
    Respostas: 7
    Último Post: 24-09-2009, 21:29
  3. Largura de banda em PTP de 6,5KM
    Por nixrider no fórum Redes
    Respostas: 17
    Último Post: 27-01-2009, 20:03
  4. Calculando a largura de banda por cliente
    Por Magal no fórum Redes
    Respostas: 2
    Último Post: 09-12-2008, 10:11
  5. Respostas: 0
    Último Post: 14-04-2006, 15:42

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L