+ Responder ao Tópico



  1. Sobre os blobs do kernel:
    Binary Blob é um termo usado em certos projetos open source para descrever um código objeto para o qual não se disponibiliza o seu código-fonte. EM certos sistemas operacionais como o Linux e BSDs, o termo refere-se a drivers parciais ou completos de determinados dispositivos, provenientes de companhias como ATI Technologies e NVIDIA, manufaturados para funcionamento de certas características do dispositivo (como aceleração de vídeo).
    Tais blobs podem ser um ponto conflitante entre comunidades de software livre e/ou de código aberto e usuários comuns de sistemas operacionais, já que blobs providenciam suporte para hardwares populares e ao mesmo tempo proíbem expressamente o direito de ler, modificar e redistribui-los e, portanto, de ter total controle do sistema operacional.
    Binary blob – Wikipédia, a enciclopédia livre

    Em sua grande maioria, os blobs são drivers para hardware. No modelo de negócios do mundo de produção de hardware( ao qual estamos anos-luz distantes ), o fechamento dos fontes é adotado como uma prevenção à que os concorrentes consigam analisar a estrutura do hardware X seu funcionamento , permitindo que ou sejam copiados seus produtos ou até mesmo que sejam aprimorados pela concorrência. E este modelo se encaixa como uma luva nos moldes dos sistemas Microsoft que já são exatamente assim por natureza. Isso cria um entrave com sistemas que tem por concepção exatamente o contrário, como é o caso do kernel do Linux. Então, como resolver? Pela ótica das grandes companhias, ou se aceita os blobs fechados para que seus produtos funcionem em sistemas diferentes ou "fiquem sem usar". Notem que falamos de gigantes de hardware.

    Mas, uma mudança está ocorrendo com estes conceitos. Antigamente, quando se falava em TI, se referia aos moldes impostos pelo mercado, dominado pelo OS da Microsoft. Hoje, já se sabe que grandes companhias espalhadas pelo mundo olham para o modelo open-source como o próximo modelo de gerenciamento de softwares e plataformas de trabalho. Porque? Porque desonera os custos de desenvolvimento, em vez de ter 20 pessoas trabalhando em um projeto, a empresa pode ter 2.000, com custos quase zero, dependendo do tipo de software. Grandes empresas, como recentemente a Broadcom já firmaram compromisso de desenvolver fontes livres para seus equipamentos. Lógico, isso levará tempo, mas é um processo irreversível. O futuro está nos moldes do cross-computing, do open-source.

    Voltando ao nosso assunto, se você compara seus códigos fechados com blobs, então, você quer proteger seu conteúdo. De quem? Porque? O seu projeto aceitou seus codigos fechados ( que não são blobs para hardware ), significando que, primeiro, dependem de você, porque se você se for um dia, mais ninguém pode dar continuidade ao seu sistema, porque está fechado (tem mais alguém além de você desenvolvendo o sistema em si?) e segundo, indica uma mudança de paradigma, de um sistema totalmente livre para um com conteúdo fechado. Isso indicaria, numa projeção a longo prazo, que o sistema poderá se tornar fechado (isso é uma suposição). E isso explicaria quase tudo, o porque se omitiu fontes até agora, o porque o projeto não tocou no assunto com seus membros até agora e o porque de você, como autor do sistema já começou a inserir códigos fechados nele.
    Claro que nada disso são afirmações, são especulações baseadas no desenrolar da discussão. São questões interessantes, não acha?

    Discussões assim são extremamente sadias, nos dão muito assunto a pesquisar e aumentam o saber, tanto de quem participa quanto de quem acompanha.

  2. Bingo!

    Foi exatamente por este motivo que:

    1) Não participei do desenvolvimento da versão 3.0 do BFW (e que a grande maioria de pessoas que se afastou do projeto nem considera como sendo BFW).

    2) Não continuei no projeto BFW.

    PS.: Acusar alguém pelo uso de engenharia reversa num contexto que aborda a violação de GPLv3 é gerar provas contra si.

    GNU General Public License – Wikipédia, a enciclopédia livre"A liberdade de estudar como o programa funciona e adaptá-lo para as suas necessidades (liberdade nº 1). O acesso ao código-fonte é um pré-requisito para esta liberdade."

    "A licença não permite, por exemplo, que o código seja apoderado por outra pessoa, ou que sejam impostos sobre ele restrições que impeçam que seja distribuído da mesma maneira que foi adquirido."
    Última edição por marcos do vale; 03-11-2011 às 12:46.



  3. Só pra relembrar, qualquer código que "toque" em código GPL, passa a ser desta última licença, não importando o fonte em si.
    No caso tocar, é se integrar a nível de source ou de biblioteca (no caso de LGPL, linkar tá livre).

    (Pizza boa!)

  4. Citação Postado originalmente por osmano807 Ver Post
    Só pra relembrar, qualquer código que "toque" em código GPL, passa a ser desta última licença, não importando o fonte em si.
    No caso tocar, é se integrar a nível de source ou de biblioteca (no caso de LGPL, linkar tá livre).

    (Pizza boa!)
    Vamos lá, o BrazilW 2.x e Brazilfw 3.x é uma distribuição Linux (ou simplesmente distro) e não um software.
    Definição de distro. O que é uma distribuição de Linux

    Atualmente o BFW 3.x estão presentes as seguintes licenças:

    GNU General Public License The GNU General Public License v3.0 - GNU Project - Free Software Foundation (FSF)
    GNU Lesser General Public License GNU Lesser General Public License v3.0 - GNU Project - Free Software Foundation (FSF)
    Expat/MIT-style licenses http://www.jclark.com/xml/copying.txt
    zlib-style licenses zlib License
    Python Software Foundation License Python 2.5 license
    PHP License PHP: License Information
    OpenSSL License OpenSSL: Source, License
    W3C Software Notice and License W3C Software Notice and License



  5. Citação Postado originalmente por marcos do vale Ver Post
    Bingo!

    Foi exatamente por este motivo que:

    1) Não participei do desenvolvimento da versão 3.0 do BFW (e que a grande maioria de pessoas que se afastou do projeto nem considera como sendo BFW).

    2) Não continuei no projeto BFW.
    Você tem certeza do que está falando, que saiu por causa do gpl?
    Não haviamos saido aquela epoca por outros motivos? Ou você não se lembra que também participei de tudo que você fez, sair do bfw e copiar o sistema?






Tópicos Similares

  1. Respostas: 7
    Último Post: 09-12-2013, 08:52
  2. Como Proceder Bloqueio de Url
    Por mpsnet no fórum Redes
    Respostas: 8
    Último Post: 16-08-2012, 15:00
  3. Respostas: 14
    Último Post: 13-04-2009, 02:09
  4. InterBase com o Lazarus? Como proceder? Exemplos de fonte.
    Por Bit no fórum Linguagens de Programação
    Respostas: 2
    Último Post: 19-11-2005, 18:14
  5. Migração de sendmail para o Qmail ??? Como proceder ?
    Por rpapa no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 5
    Último Post: 11-06-2005, 15:43

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L