+ Responder ao Tópico

  1. Pessoal se alguem precisar, sou TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES e Atuo em todo brasil, informações.

    jhfaria@hotmail.com


  2.    Publicidade


  3. Citação Postado originalmente por jhfaria Ver Post
    Pessoal se alguem precisar, sou TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES e Atuo em todo brasil, informações.

    jhfaria@hotmail.com
    Caro Colega,

    Eu mandei um Email, te add no msn e não tive resposta. Um cliente que eu passei o seu contato, tb mandou Email, te add no msn e não conseguiu resposta sua.

    Se vc puder colocar o seu nome e telefone de contato aqui no site, facilitaria para a gente.

    Abs

  4. Citação Postado originalmente por jhfaria Ver Post
    Pessoal se alguem precisar, sou TÉCNICO EM TELECOMUNICAÇÕES e Atuo em todo brasil, informações.

    jhfaria@hotmail.com
    Caro Colega,

    Como não tivemos resposta, da a entender que o seu perfil é fake...

  5. Citação Postado originalmente por mascaraapj Ver Post
    Vale ressaltar que é mais facil um CREA aceitar um profissional na area de Telecomunicacao do que Eletrica/Eletronica.
    Ja vi CREA negando Tec. Eletronica, mas aceitando Tec. Telecomunicacao.

    Outro local que sei que te o Curso (Online) é o Colegio Polivalente:
    Curso Técnico em Telecomunicações

    Conforme relato deles, eles possuem cadastro no CONFEA, que da direito ao CREA em qualquer Estado (Algo assim, nao entendi direito quando eles me disseram por telefone).
    Caros colegas gostaria de saber se alguém tem mais informaçoes sobre esse curso do colégio polivalente, ele e válido mesmo? alguém aqui já fez ele? fico grato pela ajuda de voces.

  6. Citação Postado originalmente por alvarocsfilho Ver Post
    Caro Colega,

    De acordo com a Resolução 218 do CONFEA de 1973, a atribuição de projeto é de exclusiva de engenheiro seja qual for a modalidade

    Dentro as 18 atividades que pode ser atribuídas aos profissionais do sistema CONFEA/CREA, os técnico podes exercer as seguintes atividades de (14 a 18):

    Atividade 14 - Condução de trabalho técnico;
    Atividade 15 - Condução de equipe de instalação, montagem, operação, reparo ou manutenção (que na minha opinião é onde podemos enquadrar que o Técnico pode ser RT de emrpesa de SCM);
    Atividade 16 - Execução de instalação, montagem e reparo;
    Atividade 17 - Operação e manutenção de equipamento e instalação;
    Atividade 18 - Execução de desenho técnico.

    Abs,
    Essa informação não é valida.
    Essa resolução é antecendente a esta:
    RESOLUÇÃO Nº 278, DE 27 MAIO 1983.

    A diferença está no tamanho do projeto. Por exemplo: Um tecnico eletrotecnico pode projetar instalaçoes comerciais e residenciais...Este é o limite do tecnico pela sua grade matematica...Obras mais complexas sim são de responsabilidade do eng eletrico.

    ....

    Aproveito e deixo meu email para quem precisar roberto.dantas.sales@gmail.com

    ....


    Dispõe sobre o exercício profissional dos Técnicos Industriais e Técnicos Agrícolas de Nível Médio ou de 2º Grau e dá outras providências.

    O Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, usando das atribuições que lhe conferem as letras "d" e "f" do Art. 27 da Lei nº 5.194, de 24 DEZ 1966,

    CONSIDERANDO que, pelo disposto no Art. 84 e seu parágrafo único da referida Lei, cabe a este Conselho regulamentar o exercício profissional e as atribuições dos Técnicos de Nível Médio, Industriais e Agrícolas, à vista dos seus currículos e graus de escolaridade;

    CONSIDERANDO que, com o advento da Lei nº 5.692, de 11 AGO 1971, os Técnicos de Nível Médio passaram a ser denominados Técnicos de 2º Grau;

    CONSIDERANDO o contido no Parecer nº 45/72 do Conselho Federal de Educação, no sentido de caracterizar o Técnico de 2º Grau como um profissional que desempenha "ocupações que envolvem tarefas de assistência técnica ao trabalho dos profissionais de nível superior";

    CONSIDERANDO, ainda, que o mesmo Conselho Federal de Educação, também no referido Parecer 45/72, considera que o Técnico de 2º Grau só pode desenvolver "independentemente, tarefas de supervisão, controle e execução de trabalhos técnicos especializados";

    CONSIDERANDO que essa orientação foi endossada pela Comissão de Enquadramento Sindical do Ministério do Trabalho em Resolução tomada no Processo MTb 312.568/81 (DOU de 02 SET 1982) onde se declara expressamente que a "profissão de nível técnico" não é "profissão liberal";

    CONSIDERANDO o decidido pelo GT-MEC/CONFEA instituído pela Portaria nº 174, de 16 SET 1982, nos termos do Protocolo MEC/CONFEA de 05 MAIO 1982, publicado no DOU de 07 MAIO 1982, por unanimidade, quanto à abrangência do Art. 87 da Lei nº 5.692, de 11 AGO 1971, dos currículos mínimos e à respectiva capacitação escolar dos Técnicos de 2º Grau;

    CONSIDERANDO a distinta capacitação escolar conseqüente à fixação dos novos currículos dos Técnicos de 2º Grau, pela citada Lei nº 5.692/71 e pela Lei nº 7.044/83,



    RESOLVE:

    Art. 1º - São Técnicos Industriais e Técnicos Agrícolas de Nível Médio os formados em curso de 2º Grau com habilitação curricular específica de nível técnico, de conformidade com o disposto na Lei nº 5.692, de 11 AGO 1971.

    Art. 2º - É assegurado o exercício da profissão de Técnico Industrial e de Técnico Agrícola de 2º Grau ou de Nível Médio:

    I - a quem tenha concluído curso de segundo ciclo do ensino técnico industrial ou agrícola de grau médio anteriormente à vigência da Lei nº 5.692, de 11 AGO 1971, em instituição de ensino de nível médio reconhecida, regularmente constituída nos termos da Lei nº 4.024, de 20 DEZ 1961;

    II - a quem tenha obtido diploma ou certificado de curso de 2º Grau com habilitação curricular específica de nível técnico, em instituição de ensino reconhecida nos termos da legislação vigente;

    III - a quem, após curso regular e válido para o exercício da profissão, tenha sido diplomado por escola ou instituição de ensino técnico estrangeiro, nas áreas da Engenharia, Arquitetura e Agronomia, e revalidado seu diploma no Brasil de acordo com a legislação vigente;

    IV - a quem, não tendo os cursos e a formação referidos nos itens I e II, conte na data da promulgação da Lei nº 5.524, de 5 NOV 1968, cinco anos de atividades integradas no campo da técnica industrial e agrícola de nível médio, reconhecidos pelo órgão de fiscalização profissional.

    § lº - Os diplomas e certificados referidos nos itens I a III deverão estar registrados de acordo com a legislação vigente.

    § 2º - A prova da situação referida no inciso IV será feita por qualquer meio em direito permitido, notadamente por alvará municipal, pagamento de impostos, inscrição na Carteira de Trabalho e Previdência Social e comprovante de recolhimento de contribuições previdenciárias.

    Art. 3º - Sem prejuízo do exercício das mesmas atividades por profissionais de nível superior habilitados na forma da legislação específica, os Técnicos Industriais e Técnicos Agrícolas de 2º Grau, observado o disposto nos arts. 4º e 5º, poderão:

    I - conduzir a execução técnica dos trabalhos de sua especialidade;

    II - prestar assistência técnica no estudo e desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas;

    III - orientar e coordenar a execução dos serviços de manutenção de equipamentos e instalações;

    IV - dar assistência técnica na compra, venda e utilização de produtos e equipamentos especializados;

    V - responsabilizar-se pela elaboração e execução de projetos compatíveis com a respectiva formação profissional.

    Art. 4º - As atribuições dos Técnicos Industriais de 2º Grau, em suas diversas modalidades, para efeito do exercício profissional e de sua fiscalização, respeitados os limites de sua formação, consistem em:

    I - executar e conduzir diretamente a execução técnica de trabalhos profissionais referentes a instalações, montagens e operação;

    II - prestar assistência técnica no estudo e desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas, ou nos trabalhos de vistoria, perícia, avaliação, arbitramento e consultoria, sob a supervisão de um profissional de nível superior, exercendo dentre outras as seguintes tarefas:

    1) coleta de dados de natureza técnica;

    2) desenho de detalhes e de representação gráfica de cálculos;

    3) elaboração de orçamentos de materiais, equipamentos, instalações e mão-de-obra;

    4) detalhamento de programas de trabalho, observando normas técnicas e de segurança;

    5) aplicação de normas técnicas concernentes aos respectivos processos de trabalho;

    6) execução de ensaios de rotina, registrando observações relativas ao controle de qualidade dos materiais, peças e conjuntos;

    7) regulagem de máquinas, aparelhos e instrumentos técnicos.

    III - executar, fiscalizar, orientar e coordenar diretamente serviços de manutenção e reparo de equipamentos, instalações e arquivos técnicos específicos, bem como conduzir e treinar as respectivas equipes;

    IV - dar assistência técnica na compra, venda e utilização de equipamentos e materiais especializados, limitada à prestação de informações quanto às características técnicas e de desempenho;

    V - responsabilizar-se pela elaboração de projetos de detalhes e pela condução de equipe na execução direta de projetos;

    VI - ministrar disciplina técnica, atendida a legislação específica em vigor.

    § 1º - Os Técnicos das áreas de Arquitetura e de Engenharia Civil, na modalidade Edificações, poderão elaborar projetos de detalhes e conduzir equipes de execução direta de obras de Engenharia e Arquitetura, bem como exercer atividades de desenhista em sua especialidade.

    § 2º - Os Técnicos em Agrimensura terão atribuições para a medição, demarcação e levantamentos topográficos nos limites de sua formação profissional, bem como exercer atividade de desenhista de sua especialidade.

    § 3º - Os Técnicos em Mineração poderão conduzir os trabalhos de aproveitamento de jazidas, nos limites de sua formação profissional, bem como exercer a atividade de desenhista de sua especialidade.

    § 4º - Os Técnicos em Eletrotécnica poderão conduzir a execução de instalações elétricas em baixa tensão, com freqüência de 50 ou 60 hertz, para edificações residenciais ou comerciais, nos limites de sua formação profissional, bem como exercer atividade de desenhista de sua especialidade.

    Art. 5º - As atribuições dos Técnicos Agrícolas de 2º Grau, em suas diversas modalidades, para efeito do exercício profissional, e da sua fiscalização, respeitados os limites de sua formação, consistem em:

    I - atuar em atividades de extensão, associativismo e em apoio à pesquisa, análise, experimentação, ensaio e divulgação técnica;

    II - ministrar disciplina técnica, atendida a legislação específica em vigor;

    III - elaborar orçamentos relativos às atividades de sua competência;

    IV - prestar assistência técnica no estudo e desenvolvimento de projetos e pesquisas tecnológicas, ou nos trabalhos de vistoria, perícia, avaliação, arbitramento e consultoria, sob a supervisão de um profissional de nível superior, exercendo dentre outras as seguintes tarefas:




    ...

    Brasília, 27 MAIO 1983.



    ONOFRE BRAGA DE FARIA

    Presidente
    JAIME CÂMARA VIEIRA

    2º Secretário


  7.    Publicidade




Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L