+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Post O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Pessoal passando por experiências cheguei a uma conclusão:
    O que é mais vantajoso em um provedor?
    Muitos pensam que é colocar super antenas, equipamentos robustos, servidores, etc... etc...(Mas neste meio tempo de troca os clientes é que são prejudicados pela falta de serviço da rede "Internet").
    O segredo é pensar como o cliente pensa. Ele chega do trabalho, escola, liga o pc, o que ele quer é ligar e funcionar, se não funcionar ele ja começa a fica irratado com o serviço e cancela a vai para concorrencia.
    Para eles só importam 1 coisa, ligar o pc e estar FUNCIONANDO!
    Pensando nisso o melhor para prestar serviço é fazer um projeto de equipamentos que o serviço não para, tipo não adianteauma super antena mas se ela vive com instabilidade no sinal.
    As empresas de telecom grandes só pensam (deveriam) é o serviço estar funcionando.
    Equipamentos tem que ser de QUALIDADE! Tanto na transmissão quanto o tempo de vida util, todo mundo esta reclamando das UBNTs por queima de porta LAN, não adiante ter um equipamento bom (Rocket M5 e Basestation) Sendo que quando queimar o serviço vai FICAR PARADO! o que adiantou ter o Rocket! Nada!
    Pensar em montar uma torre para ficar rodando a longo prazo é melhor, equipamentos que suportam chuva, não queimam facil.
    O pessoal também quer espetar clientes mas do que o equipamento aguenta, se suporta 60 eles colocam 70, 80. (Claro que vai dar zebra); Se as fabricantes falam que suportam 60 é testado em ambiante propicio para mostrar o "poder" dos seus equipamentos, mas no ambiente real não é assim.
    Então pense, foque em ESTABILIDADE! Como disse o cliente só quer ligar a estar conectado o resto é resto.
    Muitos clientes reclamam do 3g 4g pq??? Mesmo falando que passa banda de 15 megas bla bla bla mas só passa nervoso, não funciona!
    Se for vender planos de 15 mega no 5.8Ghz e for sobrecarregar sua rede, NÃO VENDA!. (Se não todos os clientes vão ser prejudicados) depois falam de interferência, é nada, o Hardware que esta no limite.
    Invista em alguma tecnologia que poderá suprir a demanda, (Fibra)

    Obs:
    É MELHOR 2 MEGAS ESTÁVEL DO QUE 20 MEGAS CAINDO!!!!
    Uma SXT funcionando é melhor que uma nanobridge queimada!
    Melhor uma torre com radios Nano M5 bem configurado do que Basestation sem ajuste.

    A UBNT os equipamentos são um luxo, mas do que adianta não aguenta pau, Rbs tem mostrado melhor nisso.
    Eu compararia a UBNT como se fosse o Windows Server e o Mikrotik como se fosse um Linux e é .
    Mesmo o Linux sendo mais complicado, ele tem muito recursos e adapta melhor com o hardware.

    Qual é o sistema mais usado em servidores? R: RED HAT
    Porque esta empresa foca nisso, não lança produtos na correria, testam primeiro só depois disponibilizam no mercado, Então o CRU e BRUTO PARA EMPRESAS! se sai melhor do que o RÁPIDO e COMPLETO. Se é instável nem entra.

    Se algo você não sabe se fica bom, não coloque em campo, teste primeiro em laboratório;

    Como relatos que o pessoal falam por aqui eu vou evitar equipamentos problemáticos (Nano Loco, Airgrid, Rocket).
    Se o serviço para!!! A EMPRESA PARA!!!!

  2. #2

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por marcelorodrigues Ver Post
    Pessoal passando por experiências cheguei a uma conclusão:
    O que é mais vantajoso em um provedor?
    Muitos pensam que é colocar super antenas, equipamentos robustos, servidores, etc... etc...(Mas neste meio tempo de troca os clientes é que são prejudicados pela falta de serviço da rede "Internet").
    O segredo é pensar como o cliente pensa. Ele chega do trabalho, escola, liga o pc, o que ele quer é ligar e funcionar, se não funcionar ele ja começa a fica irratado com o serviço e cancela a vai para concorrencia.
    Para eles só importam 1 coisa, ligar o pc e estar FUNCIONANDO!
    Pensando nisso o melhor para prestar serviço é fazer um projeto de equipamentos que o serviço não para, tipo não adianteauma super antena mas se ela vive com instabilidade no sinal.
    As empresas de telecom grandes só pensam (deveriam) é o serviço estar funcionando.
    Equipamentos tem que ser de QUALIDADE! Tanto na transmissão quanto o tempo de vida util, todo mundo esta reclamando das UBNTs por queima de porta LAN, não adiante ter um equipamento bom (Rocket M5 e Basestation) Sendo que quando queimar o serviço vai FICAR PARADO! o que adiantou ter o Rocket! Nada!
    Pensar em montar uma torre para ficar rodando a longo prazo é melhor, equipamentos que suportam chuva, não queimam facil.
    O pessoal também quer espetar clientes mas do que o equipamento aguenta, se suporta 60 eles colocam 70, 80. (Claro que vai dar zebra); Se as fabricantes falam que suportam 60 é testado em ambiante propicio para mostrar o "poder" dos seus equipamentos, mas no ambiente real não é assim.
    Então pense, foque em ESTABILIDADE! Como disse o cliente só quer ligar a estar conectado o resto é resto.
    Muitos clientes reclamam do 3g 4g pq??? Mesmo falando que passa banda de 15 megas bla bla bla mas só passa nervoso, não funciona!
    Se for vender planos de 15 mega no 5.8Ghz e for sobrecarregar sua rede, NÃO VENDA!. (Se não todos os clientes vão ser prejudicados) depois falam de interferência, é nada, o Hardware que esta no limite.
    Invista em alguma tecnologia que poderá suprir a demanda, (Fibra)

    Obs:
    É MELHOR 2 MEGAS ESTÁVEL DO QUE 20 MEGAS CAINDO!!!!
    Uma SXT funcionando é melhor que uma nanobridge queimada!
    Melhor uma torre com radios Nano M5 bem configurado do que Basestation sem ajuste.

    A UBNT os equipamentos são um luxo, mas do que adianta não aguenta pau, Rbs tem mostrado melhor nisso.
    Eu compararia a UBNT como se fosse o Windows Server e o Mikrotik como se fosse um Linux e é .
    Mesmo o Linux sendo mais complicado, ele tem muito recursos e adapta melhor com o hardware.

    Qual é o sistema mais usado em servidores? R: RED HAT
    Porque esta empresa foca nisso, não lança produtos na correria, testam primeiro só depois disponibilizam no mercado, Então o CRU e BRUTO PARA EMPRESAS! se sai melhor do que o RÁPIDO e COMPLETO. Se é instável nem entra.

    Se algo você não sabe se fica bom, não coloque em campo, teste primeiro em laboratório;

    Como relatos que o pessoal falam por aqui eu vou evitar equipamentos problemáticos (Nano Loco, Airgrid, Rocket).
    Se o serviço para!!! A EMPRESA PARA!!!!


    Sábias Palavras, Equilibrio traz riquezas, ganância traz miséria, para ser inteligente paga-se um preço , estudemos !



  3. #3

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    O enfoque é altamente positivo, mas não entendi onde você quer chegar.... que temos equipamentos "meia boca" também concordo. Mas o que você sugere então?

    Precisamos levar em conta um fator: estamos falando de equipamentos eletronicos. Todos um dia param.. Alguns muito frequentemente, outros nem tanto.
    Um dia desses li um comentário de um provedor que usa em todos os seus enlaces equipamentos em frequencia licenciada.
    O que encontramos neste tipo de rádio são preços altos dos rádios e antenas... A confiabilidade é maior sem dúvida... Mas também param, também queimam.
    Se um rádio de 10 mil ou mais queimar, você vai precisar ter de reserva outro. Então o investimento já é bem maior.
    Pois não dá para esperar por um RMA para trocar o rádio. E o cara não tinha rádio de reserva em casa, pois era caro....

    Já ter reserva para rádios baratos é "moleza" do ponto de vista financeiro.

    O único equipamento que vi você elogiando é o SXT. Um "pequeno grande" equipamento. Mas não está com toda esta bola. Ele também dá problemas. Aliás, todos os novos lançamentos mikrotik não tem se comportado como os mais antigos. As RBs, principalmente as com cartão integrado perderam aquela robustez que havia nas séries mais antigas onde você podia até escolher o cartão de outro fabricante.... e aguentavam mais o 'pau'.
    Seria este SXT então que você sugere que reflitamos?

    Vou então mais além. Não dá para pensar em confiabilidade se não tiver redundância.... Tudo que está na torre teria que ser instalado em dobro e com a quantidade de clientes projetada para a metade da real capacidade. Pois se um painel parar, precisaria ter outro painel funcionando com o mesmo SSID, para assumir os clientes. E daí já vejo alguns problemas de cliente ficar saltando de um painel para o outro, o que também causa instabilidade.
    A bem da verdade nunca li nada a respeito de montar uma célula com redundância, mas logo vai aparecer alguém com uma sugestão, se for tecnicamente possível.

    Só vejo falar em redundância para os enlaces que transportam links e não para atendimento ao cliente.

    Outro fator de instabilidade é a instalação no cliente. Acho até que é muito mais crítico lá do que na torre. Na torre ainda podemos manter um controle melhor sobre a energia, mas no cliente, quando muito tem um estabilizador mixuruca. Dá muito mais problema de fonte queimada.
    E ainda tem o uso descontrolado pelo usuário que dá pau em todos os navegadores e o cara liga reclamendo que está sem internet. Chega lá e vai ver, o "windows" dele nem abre nada e o cara querendo colocar a culpa na internet.
    Tem cliente que não sabe nem usar um antivirus, não sabe fazer uma manutenção básica na sua máquina. Só sabe abrir facebook e quer se achar o tal... O famoso problema de "BIOS"

    Então para refletir: são muitos os fatores negativos. Estamos pisando em terreno pantanoso...

    Sob estes aspectos concordo contigo... temos que refletir...

  4. #4

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por 1929 Ver Post
    O enfoque é altamente positivo, mas não entendi onde você quer chegar.... que temos equipamentos "meia boca" também concordo. Mas o que você sugere então?

    Precisamos levar em conta um fator: estamos falando de equipamentos eletronicos. Todos um dia param.. Alguns muito frequentemente, outros nem tanto.
    Um dia desses li um comentário de um provedor que usa em todos os seus enlaces equipamentos em frequencia licenciada.
    O que encontramos neste tipo de rádio são preços altos dos rádios e antenas... A confiabilidade é maior sem dúvida... Mas também param, também queimam.
    Se um rádio de 10 mil ou mais queimar, você vai precisar ter de reserva outro. Então o investimento já é bem maior.
    Pois não dá para esperar por um RMA para trocar o rádio. E o cara não tinha rádio de reserva em casa, pois era caro....

    Já ter reserva para rádios baratos é "moleza" do ponto de vista financeiro.

    O único equipamento que vi você elogiando é o SXT. Um "pequeno grande" equipamento. Mas não está com toda esta bola. Ele também dá problemas. Aliás, todos os novos lançamentos mikrotik não tem se comportado como os mais antigos. As RBs, principalmente as com cartão integrado perderam aquela robustez que havia nas séries mais antigas onde você podia até escolher o cartão de outro fabricante.... e aguentavam mais o 'pau'.
    Seria este SXT então que você sugere que reflitamos?

    Vou então mais além. Não dá para pensar em confiabilidade se não tiver redundância.... Tudo que está na torre teria que ser instalado em dobro e com a quantidade de clientes projetada para a metade da real capacidade. Pois se um painel parar, precisaria ter outro painel funcionando com o mesmo SSID, para assumir os clientes. E daí já vejo alguns problemas de cliente ficar saltando de um painel para o outro, o que também causa instabilidade.
    A bem da verdade nunca li nada a respeito de montar uma célula com redundância, mas logo vai aparecer alguém com uma sugestão, se for tecnicamente possível.

    Só vejo falar em redundância para os enlaces que transportam links e não para atendimento ao cliente.

    Outro fator de instabilidade é a instalação no cliente. Acho até que é muito mais crítico lá do que na torre. Na torre ainda podemos manter um controle melhor sobre a energia, mas no cliente, quando muito tem um estabilizador mixuruca. Dá muito mais problema de fonte queimada.
    E ainda tem o uso descontrolado pelo usuário que dá pau em todos os navegadores e o cara liga reclamendo que está sem internet. Chega lá e vai ver, o "windows" dele nem abre nada e o cara querendo colocar a culpa na internet.
    Tem cliente que não sabe nem usar um antivirus, não sabe fazer uma manutenção básica na sua máquina. Só sabe abrir facebook e quer se achar o tal... O famoso problema de "BIOS"

    Então para refletir: são muitos os fatores negativos. Estamos pisando em terreno pantanoso...

    Sob estes aspectos concordo contigo... temos que refletir...
    Entendo, mas você percebeu que os equipamentos "se não a maioria" vendidos por ai são (réplicas) Made in China dos Originais???
    É muito dificil achar vendedor de equipamentos originais do fabricante, a não ser que comprar de longe mesmo.
    Ja vi equipamentos abertos, nano loco 5 original e réplica, cara da para nota a diferença do material de longe.
    Mesmo que fica um pouco mais caro, é melhor encomendar de longe equipamentos originais da fabrica, nem que sendo só para torre, concerteza compensa. Todo mundo se quiser tirar a prova pode: todos equipamento que nós usamos são réplicas idênticas dos originais, pega um por um e ve a etiqueta atras, e como vomos tirar satisfação com as empresas (Ubnt, Routerboard, etc..) sendo quando eles perguntar, vc responde China, não tem nem como eles prestar suporte.
    Só aqui no Brasil, claro! porque la nos EUA tem facilidade de comprar barato e com poucos impostos.
    Brasil sempre com o mercado negro importando da China e passando para o Paraguay e entrando aqui.
    Vou pesquisar algum site que vendem 'SÓ ORIGINAL" e ver preços, e comprar por la mesmo.
    Minha OMNITIK atras estão escrito (Made in china) Meu Nano (Made in China), acho que não tem como confiar. Por isso da pau!
    Isso serve para todos: Eletrodomesticos, celulares, tv, sempre os de fabrica duram muito mais.
    O Barato sai Caro!



  5. #5

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Achei pertinente esse debate. Queria sugerir algumas soluções possíveis.

    Administrativamente:
    Conheci um engenheiro que mantinha um planilha onde ele tinha controle dos "incidentes" que ocorriam em sua rede, ele matematizou e criou uma fórmula onde era possível saber para cada tipo de equipamento adquirido qual seria seu percentual de RMA.
    Na pratica seria algo como, para cada 20 unidades compradas uma se queima em menos de x tempo, então ele adicionava este fator ao seu custo e agregava no preço do serviço, desta forma um % do seu ganho era destinado somente a RMA.

    Tecnicamente:
    - Um registro de incidentes no mapa da rede já permite detectar áreas mais críticas e elaborar plano de contingência mais eficiente.
    - Parte elétrica: na alimentação do equipamento DPS (Protetor Contra Surto Elétricos E Raios) e aterramento.
    - Cabeamento de Rede: Protetor De Surto P/ Cabo Utp / Par Trançado.

    Porque ainda fala-se em estabilizador, existem inúmeras explicações comprovando que ele não server para nada (modelos domésticos vendido nas lojinhas).

    Será que investir um pouco mais em proteção no cliente inicialmente, ao longo do tempo não se torna uma economia maior?

    Redundância no mínimo representa: gasto x 2.

    Proteger a rede atual e ter um plano de contingência eficiente não seria uma solução mais barata?


    Algo para se pensar.


    []'s

    KP

  6. #6

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por 1929 Ver Post
    O enfoque é altamente positivo, mas não entendi onde você quer chegar.... que temos equipamentos "meia boca" também concordo. Mas o que você sugere então?

    Precisamos levar em conta um fator: estamos falando de equipamentos eletronicos. Todos um dia param.. Alguns muito frequentemente, outros nem tanto.
    Um dia desses li um comentário de um provedor que usa em todos os seus enlaces equipamentos em frequencia licenciada.
    O que encontramos neste tipo de rádio são preços altos dos rádios e antenas... A confiabilidade é maior sem dúvida... Mas também param, também queimam.
    Se um rádio de 10 mil ou mais queimar, você vai precisar ter de reserva outro. Então o investimento já é bem maior.
    Pois não dá para esperar por um RMA para trocar o rádio. E o cara não tinha rádio de reserva em casa, pois era caro....

    Já ter reserva para rádios baratos é "moleza" do ponto de vista financeiro.

    O único equipamento que vi você elogiando é o SXT. Um "pequeno grande" equipamento. Mas não está com toda esta bola. Ele também dá problemas. Aliás, todos os novos lançamentos mikrotik não tem se comportado como os mais antigos. As RBs, principalmente as com cartão integrado perderam aquela robustez que havia nas séries mais antigas onde você podia até escolher o cartão de outro fabricante.... e aguentavam mais o 'pau'.
    Seria este SXT então que você sugere que reflitamos?

    Vou então mais além. Não dá para pensar em confiabilidade se não tiver redundância.... Tudo que está na torre teria que ser instalado em dobro e com a quantidade de clientes projetada para a metade da real capacidade. Pois se um painel parar, precisaria ter outro painel funcionando com o mesmo SSID, para assumir os clientes. E daí já vejo alguns problemas de cliente ficar saltando de um painel para o outro, o que também causa instabilidade.
    A bem da verdade nunca li nada a respeito de montar uma célula com redundância, mas logo vai aparecer alguém com uma sugestão, se for tecnicamente possível.

    Só vejo falar em redundância para os enlaces que transportam links e não para atendimento ao cliente.

    Outro fator de instabilidade é a instalação no cliente. Acho até que é muito mais crítico lá do que na torre. Na torre ainda podemos manter um controle melhor sobre a energia, mas no cliente, quando muito tem um estabilizador mixuruca. Dá muito mais problema de fonte queimada.
    E ainda tem o uso descontrolado pelo usuário que dá pau em todos os navegadores e o cara liga reclamendo que está sem internet. Chega lá e vai ver, o "windows" dele nem abre nada e o cara querendo colocar a culpa na internet.
    Tem cliente que não sabe nem usar um antivirus, não sabe fazer uma manutenção básica na sua máquina. Só sabe abrir facebook e quer se achar o tal... O famoso problema de "BIOS"

    Então para refletir: são muitos os fatores negativos. Estamos pisando em terreno pantanoso...

    Sob estes aspectos concordo contigo... temos que refletir...



    Só o microndas nos salvará....



  7. #7

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por marcelorodrigues Ver Post
    Entendo, mas você percebeu que os equipamentos "se não a maioria" vendidos por ai são (réplicas) Made in China dos Originais???
    É muito dificil achar vendedor de equipamentos originais do fabricante, a não ser que comprar de longe mesmo.
    Ja vi equipamentos abertos, nano loco 5 original e réplica, cara da para nota a diferença do material de longe.
    Mesmo que fica um pouco mais caro, é melhor encomendar de longe equipamentos originais da fabrica, nem que sendo só para torre, concerteza compensa. Todo mundo se quiser tirar a prova pode: todos equipamento que nós usamos são réplicas idênticas dos originais, pega um por um e ve a etiqueta atras, e como vomos tirar satisfação com as empresas (Ubnt, Routerboard, etc..) sendo quando eles perguntar, vc responde China, não tem nem como eles prestar suporte.
    Só aqui no Brasil, claro! porque la nos EUA tem facilidade de comprar barato e com poucos impostos.
    Brasil sempre com o mercado negro importando da China e passando para o Paraguay e entrando aqui.
    Vou pesquisar algum site que vendem 'SÓ ORIGINAL" e ver preços, e comprar por la mesmo.
    Minha OMNITIK atras estão escrito (Made in china) Meu Nano (Made in China), acho que não tem como confiar. Por isso da pau!
    Isso serve para todos: Eletrodomesticos, celulares, tv, sempre os de fabrica duram muito mais.
    O Barato sai Caro!
    Marcelo, creio eu que todos os UBNT pelo menos são terminados na China. Por isso a referencia. Os primeiros NanoStation que comprei não fazia esta referencia e tem rádio até hoje rodando. Depois que a UBNT terceirizou parte da montagem, acabou abrindo para os chineses a oportunidade da réplica.
    Por ultimo a UBNT chegou a criar um tal de "selo" no firmware para garantir sua autenticidade. Ficou muito complicado agora dar fé a estes produtos. Estamos no interior. Fazemos um pedido e nem sabemos o que vai vir. Se vier uma fraude, já imaginou o quebra-cabeças para devolver?
    E pior ainda é que com a Mikrotik também temos encontrado produtos que não aguentam o pau.

    Porque será que ninguém usa os equipamentos da Motorola por exemplo? Ah! são caros... uma CPE fica em mais de 700 reais.
    Um rádio para torre com painel integrado é mais de 4.000 reais. Se colocar 4 na torre já viu.
    Mas daí sim podemos dizer que teríamos uma segurança relativa... Vai queimar? vai, um dia vai. Mas aguenta mais.

    Enquanto isso, o que podemos fazer? Voltando a questão que voce levantou no início: o cliente quer chegar as 18hs em casa e ver sua net funcionando... Para azar do provedor 5 minutos antes uma RB trava.. e só vai se perceber isso algum tempo depois. Enquanto isso o cliente furioso...
    Pintei o pior cenário, mas tenho a certeza que seja mais comum do que se pensa. Como se resolver a questão da redundância nas torres?
    Uma coisa que imagino possa dar certo é utilizar um desses bloqueadores via celular. Dá para cortar a energia e reiniciar sem precisar ir lá. Mas ainda assim precisa de um monitoramento constante via Dude por exemplo.
    Antigamente se colocava uma RB com um cartão lá em cima e se esquecia.
    Sabe o que já vi acontecer com RB? Fica emitindo o SSID, o cliente conecta mas não navega. Se ficar muito tempo nesta situação, vai que até deixa de responder pela porta lan, o que dificulta o acesso remoto para reiniciar.
    E não é nada com energia pois tudo é com bateria nova

    A saída é fazer uma redundância em ponto multi-ponto.. Como? não tenho ideia formada sobre isso. Quem sabe alguém sugere uma maneira.

  8. #8

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por Kernel Panic Ver Post
    Achei pertinente esse debate. Queria sugerir algumas soluções possíveis.

    Administrativamente:
    Conheci um engenheiro que mantinha um planilha onde ele tinha controle dos "incidentes" que ocorriam em sua rede, ele matematizou e criou uma fórmula onde era possível saber para cada tipo de equipamento adquirido qual seria seu percentual de RMA.
    Na pratica seria algo como, para cada 20 unidades compradas uma se queima em menos de x tempo, então ele adicionava este fator ao seu custo e agregava no preço do serviço, desta forma um % do seu ganho era destinado somente a RMA.

    Tecnicamente:
    - Um registro de incidentes no mapa da rede já permite detectar áreas mais críticas e elaborar plano de contingência mais eficiente.
    - Parte elétrica: na alimentação do equipamento DPS (Protetor Contra Surto Elétricos E Raios) e aterramento.
    - Cabeamento de Rede: Protetor De Surto P/ Cabo Utp / Par Trançado.

    Porque ainda fala-se em estabilizador, existem inúmeras explicações comprovando que ele não server para nada (modelos domésticos vendido nas lojinhas).

    Será que investir um pouco mais em proteção no cliente inicialmente, ao longo do tempo não se torna uma economia maior?

    Redundância no mínimo representa: gasto x 2.

    Proteger a rede atual e ter um plano de contingência eficiente não seria uma solução mais barata?


    Algo para se pensar.


    []'s

    KP
    Isso mesmo essa margem de erro sempre tem que ser vista, se de 100 equipamentos 60% dão problema para que continuar com estes?
    "É melhor um fusca andando do que uma ferrari parada"
    Sempre fazer coisas pensando a longo prazo, porque hoje é hoje, se tiver vivo daqui a 3 anos você vai estar la (vivendo naquele dia) com os problemas que poderiam ser evitados agora.

    Então planejar, fazer escolhas certas, pensar em segurança isso tudo é importante.
    Acho que coisas como "gambiarra" "dar um jeito" isso pode resolver na hora, mas depois só lamentos.

    Teriamos que tirar experiências de empresas que estão no mercado ha muitos anos.
    Porque se elas conseguiram sobreviver??? porque elas sabem como agir.(Estudam antes de colocar em pratica)
    Tecnologia não é tudo para a empresa sobreviver.
    Boa administração, planejamento tem que ter.
    Aqui todo mundo foca em equipamentos, e os outros setores como fica??????

    Pensem: A outras empresas no ramo de internet: GVT, Vivo, Claro, Vivo, etc.. os usarios NÃO estão satisfeitos com elas, sempre alguma coisas para reclamar.
    Então mesmo se você for pequeno, e prestar um "ÓTIMO" serviço você pode ser bem mais visto do que elas.

    "MELHOR EMPRESA É AQUELA QUE O TELEFONE NUNCA TOCA, SE SE FOR PARA ELOGIOS"



  9. #9

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por 1929 Ver Post
    Marcelo, creio eu que todos os UBNT pelo menos são terminados na China. Por isso a referencia. Os primeiros NanoStation que comprei não fazia esta referencia e tem rádio até hoje rodando. Depois que a UBNT terceirizou parte da montagem, acabou abrindo para os chineses a oportunidade da réplica.
    Por ultimo a UBNT chegou a criar um tal de "selo" no firmware para garantir sua autenticidade. Ficou muito complicado agora dar fé a estes produtos. Estamos no interior. Fazemos um pedido e nem sabemos o que vai vir. Se vier uma fraude, já imaginou o quebra-cabeças para devolver?
    E pior ainda é que com a Mikrotik também temos encontrado produtos que não aguentam o pau.

    Porque será que ninguém usa os equipamentos da Motorola por exemplo? Ah! são caros... uma CPE fica em mais de 700 reais.
    Um rádio para torre com painel integrado é mais de 4.000 reais. Se colocar 4 na torre já viu.
    Mas daí sim podemos dizer que teríamos uma segurança relativa... Vai queimar? vai, um dia vai. Mas aguenta mais.

    Enquanto isso, o que podemos fazer? Voltando a questão que voce levantou no início: o cliente quer chegar as 18hs em casa e ver sua net funcionando... Para azar do provedor 5 minutos antes uma RB trava.. e só vai se perceber isso algum tempo depois. Enquanto isso o cliente furioso...
    Pintei o pior cenário, mas tenho a certeza que seja mais comum do que se pensa. Como se resolver a questão da redundância nas torres?
    Uma coisa que imagino possa dar certo é utilizar um desses bloqueadores via celular. Dá para cortar a energia e reiniciar sem precisar ir lá. Mas ainda assim precisa de um monitoramento constante via Dude por exemplo.
    Antigamente se colocava uma RB com um cartão lá em cima e se esquecia.
    Sabe o que já vi acontecer com RB? Fica emitindo o SSID, o cliente conecta mas não navega. Se ficar muito tempo nesta situação, vai que até deixa de responder pela porta lan, o que dificulta o acesso remoto para reiniciar.
    E não é nada com energia pois tudo é com bateria nova

    A saída é fazer uma redundância em ponto multi-ponto.. Como? não tenho ideia formada sobre isso. Quem sabe alguém sugere uma maneira.
    Ótima sugestão: Redundância, empresas grandes SEMPRE usam, até 02 ou mais "saidas".
    Para não ficar caro colocaria um Omni Dupla Pol. e deixava ela desligada, só ligaria quando desse problema nos outros equipamentos, ela seguraria até eu conseguir achar o defeito, depois desligava. Ela serviria apenas para isso, segurar enquanto descubro o problema. (Pelo menos os clientes não ficariam sem net nesse tempo). E colocaria um monitoramento em todas as torres, porque caso para, eu to sabendo antes mesmos dos clientes ligarem. (se achasse um meio de ter redundância automática fica 100%)

  10. #10

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por marcelorodrigues Ver Post
    Ótima sugestão: Redundância, empresas grandes SEMPRE usam, até 02 ou mais "saidas".
    Para não ficar caro colocaria um Omni Dupla Pol. e deixava ela desligada, só ligaria quando desse problema nos outros equipamentos, ela seguraria até eu conseguir achar o defeito, depois desligava. Ela serviria apenas para isso, segurar enquanto descubro o problema. (Pelo menos os clientes não ficariam sem net nesse tempo). E colocaria um monitoramento em todas as torres, porque caso para, eu to sabendo antes mesmos dos clientes ligarem. (se achasse um meio de ter redundância automática fica 100%)
    Desculpa, não conheço esse ambiente MK, mas se for possível levantar a redundância logando via terminal, é só usar SHELL SCRIPTS e EXPECT.

    Tipo:
    Script testa se esta tudo certo a cada X minutos.
    |
    |_ esta OK! Sai
    |
    |_ esta FORA --> roda script que conecta remotamente e realiza os procedimentos de redundância e avisa Admin (email, sms,etc.).

    Eu já fiz em ambiente *nix monitorando e conectando roteadores Cisco, roda belezinha.

    []'s

    KP



  11. #11

    Padrão Re: O que é Melhor para o Provedor, Refletir!

    Citação Postado originalmente por 1929 Ver Post
    O enfoque é altamente positivo, mas não entendi onde você quer chegar.... que temos equipamentos "meia boca" também concordo. Mas o que você sugere então?

    Precisamos levar em conta um fator: estamos falando de equipamentos eletronicos. Todos um dia param.. Alguns muito frequentemente, outros nem tanto.
    Um dia desses li um comentário de um provedor que usa em todos os seus enlaces equipamentos em frequencia licenciada.
    O que encontramos neste tipo de rádio são preços altos dos rádios e antenas... A confiabilidade é maior sem dúvida... Mas também param, também queimam.
    Se um rádio de 10 mil ou mais queimar, você vai precisar ter de reserva outro. Então o investimento já é bem maior.
    Pois não dá para esperar por um RMA para trocar o rádio. E o cara não tinha rádio de reserva em casa, pois era caro....

    Já ter reserva para rádios baratos é "moleza" do ponto de vista financeiro.

    O único equipamento que vi você elogiando é o SXT. Um "pequeno grande" equipamento. Mas não está com toda esta bola. Ele também dá problemas. Aliás, todos os novos lançamentos mikrotik não tem se comportado como os mais antigos. As RBs, principalmente as com cartão integrado perderam aquela robustez que havia nas séries mais antigas onde você podia até escolher o cartão de outro fabricante.... e aguentavam mais o 'pau'.
    Seria este SXT então que você sugere que reflitamos?

    Vou então mais além. Não dá para pensar em confiabilidade se não tiver redundância.... Tudo que está na torre teria que ser instalado em dobro e com a quantidade de clientes projetada para a metade da real capacidade. Pois se um painel parar, precisaria ter outro painel funcionando com o mesmo SSID, para assumir os clientes. E daí já vejo alguns problemas de cliente ficar saltando de um painel para o outro, o que também causa instabilidade.
    A bem da verdade nunca li nada a respeito de montar uma célula com redundância, mas logo vai aparecer alguém com uma sugestão, se for tecnicamente possível.

    Só vejo falar em redundância para os enlaces que transportam links e não para atendimento ao cliente.

    Outro fator de instabilidade é a instalação no cliente. Acho até que é muito mais crítico lá do que na torre. Na torre ainda podemos manter um controle melhor sobre a energia, mas no cliente, quando muito tem um estabilizador mixuruca. Dá muito mais problema de fonte queimada.
    E ainda tem o uso descontrolado pelo usuário que dá pau em todos os navegadores e o cara liga reclamendo que está sem internet. Chega lá e vai ver, o "windows" dele nem abre nada e o cara querendo colocar a culpa na internet.
    Tem cliente que não sabe nem usar um antivirus, não sabe fazer uma manutenção básica na sua máquina. Só sabe abrir facebook e quer se achar o tal... O famoso problema de "BIOS"

    Então para refletir: são muitos os fatores negativos. Estamos pisando em terreno pantanoso...

    Sob estes aspectos concordo contigo... temos que refletir...
    concordo com o amigo mas por favor não me juguem pelo que vou falar tive experiencias com rocket m5 e base station realmente queima, mesmo usando nobreak legal não? vc paga uma grana legal em um equipamento que é ótimo mas queima fácil.
    sou um dos muitos servidores piratas que tem por ai mas para fins de teste em uma região onde o cliente mais distante esta a 2km bem no interior praticamente no meio do mato em um buraco, instalei uma omnitik 5.8 e clientes com kozumi afo5, não é uma opção para servidores licenciados, mas vou afirmar que hoje tenho todos os clientes acima de -50db sem perda de pacotes e sem instabilidade não são muitos clientes a media de 30 simultâneo com 2mb rodando show de bola fiquei imprecionado com a competência da mikrotik no meu caso, nao estou querendo o apoio de ninguem sei que usar uma antena omini é um assassinato mas como eu disse estou no meio do mato.
    acredito que cada um deve encontrar sua melhor opçao na base de erro e acerto e nao se basear pelos comentarios de curiosos, ou seja teste, teste e re-teste se for bom. bom pra vc! quero dizer que venho ja a tempos querendo trocar para antenas setoriais da computech super pop mas é que ferra bastante o custo uma antena custar 800 reais e vc precisar de 4 para atender 360 mas logo eu chego la... quero fazer o certo e por favor não me critiquem por estar usando estes equipamentos sei que não são aprovados pelos protetores do da santa interferência mas aqui eu sou um dos poucos que usam 5.8.



    fica minha experiencia virei fã de mikrotik tanto para servidor quanto para os Aps não importa o que vc vai usar no cliente não exagere na potencia faça uma instalação bem feita tanto na torre quanto no cliente, tenha radios reserva e atenda bem o cliente que no fim tudo vai dar certo... O cliente acima de tudo ele quer ligar o pc e a net funfar mas, ele fica muito mais fiel quando te liga e vc atende ele com respeito e atenção mesmo que o problema não seja seu, pensem nisso. obrigado a todos ...