Página 1 de 3 123 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Prezados,

    Uso Nanostations há cerca de 3 anos, para uso pessoal (PTP dentro da minha empresa).

    Trata-se de um ótimo produto, mas acho que estou fazendo algo errado, e queria a ajuda de vocês.

    Hoje tenho cerca de 10 antenas, e a cada 3-5 meses tenho uma queima de POE. O que ocorre, é que o conector que liga na porta POE sai queimado (escuro), e a porta POE da fonte também fica danificada. Em todos os casos a antena resetou sozinha (factory defaults).

    Alguns dados:

    * Todas as antenas indoor (que ficam dentro da varandas, janelas, etc) , nunca tiveram problemas deste tipo

    * Este problema só ocorre nas antenas externas, que ficam em mastros

    * A queima sempre ocorre no conector e na fonte POE. Nunca queimou nem danificou na antena em si, sempre na fonte.

    * As fontes são originais da Ubnt, padrão de fábrica. Não sei quantos volts, mas são as que vieram com o equipamento.


    * Nunca usei nobreak nem estabilizador para elas.

    * Em um caso queimou uma que tinha ao lado um para-raio alto e bem dimensionado. Em 2 casos queimou uma em um local aonde não havia para-raios.

    * Em 2 casos a queima ocorreu em uma casa aonde a energia flutua com certa frequencia, pois tem 3 chuveiros eletricos. A caixa trifasica, mas quando se liga um chuveiro sempre baixa a tensão.

    * Uso cabos e conectores comuns. Não uso blindados nem nada.

    * Não uso aterramento.

    É claro que vocês vão dizer que é necessario usar um cabo blindado, etc.. Concordo plenamente.. Mas não queria gastar tanto $ nestes links PTP.

    Então pergunto: será que alguem sabe se este tipo de queima pode ter sido por flutuações na rede eletrica, picos de luz, etc ?

    O que me intriga, é por que os nano's indoor NUNCA queimaram ?

    Pras estações servidoras (AP) mais importantes, estou providenciando agora nobreaks. Mas queria uma luz sobre o que posso fazer pra melhorar esta rede sem gastar tanto $.

    Muito obrigado!!

  2. Esse seu problema pode ser umidade dentro dos cabos. Pequenos cortes podem deixar agua entrar. Revisa o cabeamento. Logo após detectar a queima, descasca o cabo, uns 30-50 centímetros antes do conector, se for umidade voce verá os cabos internos molhados.



  3. Citação Postado originalmente por robertof Ver Post
    Esse seu problema pode ser umidade dentro dos cabos. Pequenos cortes podem deixar agua entrar. Revisa o cabeamento. Logo após detectar a queima, descasca o cabo, uns 30-50 centímetros antes do conector, se for umidade voce verá os cabos internos molhados.
    Uma vez até aconteceu isso, choveu muito e entrou agua. Mas das outras vezes estavam 100% secos!

  4. Uma coisa que todos deveriam fazer, mas não fazem. ATERRAR, isso mesmo, sem aterramento nos mastros a queima é notória e sua tomas precisam obrigatoriamente ter um aterramento. No meu imóvel(comércio e residencia) é todo aterrado. Tomadas, chuveiro, quadro de distribuição, mastro telescópico, antena parabólica etc



  5. A vantagem de usar 127V é ter o neutro, que é aterrado mais adiante, na fonte. Muito transiente vai pro neutro, enquanto numa ligação 220V são 2 fases então os transientes da fonte ficam na fonte, aí sim é fundamental aterramento nesse equipamento (Na fonte, e no mastro da CPE, nem precisa aterrar a CPE (Com cabo e conector blindado).

    Aqui no interior isso ocorre muito, nobreaks ou estabilizadores não fazem diferença (Afinal eles não manda pra terra quaisquer sobrecargas ou transientes, eles só atuam na tensão, e tensão variando ou acabando não cria esse seu problema), as vezes um simples par de astes de 2m fincadas no gramado (Evita local seco, tipo interno, coloca onde tem umidade, terra umida é melhor condutora) acabam com as queimas de fontes e sai mais barato.

    Eu evitaria ligar aterramento de para-raios com carcaça de equipamento, mas tem que insista que isso deva ser feito. Prefiro mesmo um aterramento insuficiente do que não ter aterramento.

    Te o processo quimico que é eletron (Negativo) saindo e criando oxidação, um dos fios é o anodo, é a situação em que só 1 de 2 fios oxida (Em telefone ocorre, tem malha de carro que passa por isso, malha de soldador de arco voltaico também ), o aterramento meia-boca visa eliminar isso, a carga estática negativa segue pelo aterramento e portanto deixa de criar oxidação (Ou anodização?) nos terminais de alimentação.
    Numa anodização pra preservar metais você coloca um fio de cobre como catodo e o cobre sai do catodo e vai pro anodo, por algum meio liquido geralmente. Em fios no ar quem vai pro anodo é o oxigenio, aí oxida bem rapidamente o fio. Nunca analisei se isso ocorre em cabos de rede mesmo, mas em outros fios com DC ocorre, e o aterramento reduz muito isso.






Tópicos Similares

  1. Respostas: 3
    Último Post: 12-02-2015, 19:59
  2. Cabo para fonte POE da Ubiquiti
    Por Luspmais no fórum Sistemas Operacionais
    Respostas: 15
    Último Post: 11-12-2010, 00:18
  3. Tabela com Frequência 5.8Ghz, com os canais.
    Por messiassiq no fórum Redes
    Respostas: 1
    Último Post: 15-07-2009, 17:26
  4. Fonte de 12V com Saída para Bateria Selada-Nobreak .
    Por FEenuX no fórum Sistemas Operacionais
    Respostas: 2
    Último Post: 08-04-2008, 11:05
  5. Problemas com frequencia do monitor
    Por diogoucam no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 4
    Último Post: 21-10-2005, 08:11

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L