Você só controla o TX rate num roteador. Pelo setup do roteador A não tem como controlar o RX rate (TX rate do roteador B).

Você pode setar no roteador A um MCS6, esse será o TX rate do A, no roteador B o RX rate será MCS6 (É o TX do A), e nesse B você pode setar MCS2 como TX rate. O roteador A receberá um RX rate de MCS2.

É o que está ocorrendo na propria imagem enviada no começo do post, TX feito a 65M, mas o RX é de 6M.
Se "todos" trocam dados no TX rate configurado no roteador A, porque o RX Rate não é 65M também?

No mundo da fantasia todo mundo tem sinal suficiente, SNR suficiente, ruído baixo, aí sim o modo auto troca modulações a vontade.
No mundo real tem ruído, tem zona de fresnel limpa só pela metade, e o nível de sinal não é confiável, aí o sfotware do roteador se baseia em nível de sinal e aceita perdas percentuais enormes tipo 30% sem baixar o datarate. TODO roteador sobe o datarate quando tem sinal, mas só alguns BAIXAM quando o sinal é insuficiente. O que mais tem em wifi é sinal chegando por reflexo, por culpa de zona de fresnel com objetos de densidade grande que refletem e chegam com nanosegundos de atraso (Depois do sinal que chegou em linha reta sem refletir em nada), um ack time maior ajuda nessa hora, mas existem reflexos pra tudo que é lado, e não dá pra confiar em nível de sinal medido, software que se apega a nível de sinal fica idiotamente insistindo em datarate alto, e a conexão CAI sem antes ter baixado o datarate.

- Se você usar antena de alto ganho, e radio de potencia baixa, o sinal vai chegar baixo ao cliente, este vai responder num datarate baixo, mas devido ao ganho da sua antena esse sinal será suficiente. Conectará mesmo com 6M de datarate (SE o cliente tiver sinal bom ele vai usar datarate maior, mas não tem).

- Se você tem antena de ganho baixo, mas usa potencia alta, o sinal vai chegar em alto no cliente, este vai responder num datarate alto (Afinal tem sinal bom, oras! É tudo festa! "Tá sobrando dinheiro então vamos gastar"), mas... em datarate alto a potencia de transmissão é menor, e o sinal do cliente chegará baixo até você, mas num datarate alto.

Faz um teste com um MK em AP, seta pro menor datarate, tipo 6M em G, e conecta seu smartphone nele, como terá sinal bom e o smartphone busca o maior datarate, você terá TX rate de 6M, e RX rate de 54M, o smartphone idiotamente responderá em 54M. Vai afastando o smartphone pro sinal reduzir, provavelmente chegará um ponto que a conexão vai cair, mas o smartphone continuará idiotamente com datarate de 54M, porque essa porcaria é incapaz de alterar modulação rapido, pode ir movendo o celular aos poucos, 5 minutos por metro, a porcaria vai cair igual sem baixar de 54M!

CPE é mais esperta que smartphone? Nem sempre, dependendo do chipset ela vai se comportar da mesma forma idiota: Recebe sinal alto? Então transmite com datarate alto, sem negociar com a contraparte se o sinal que ela manda é suficiente ou não.

No mundo da fantasia é só ter casas da mesma altura, com terreno plano, aí uma torre de 30m alcança 7Km tranquilo, e todas as CPE's vão responder com sinal limpo, sem obstrução na zona de fresnel, aí o ack time automatico vai funcionar, aí o datarate automatico vai funcionar, etc.

Mas no mundo real o a torre transmite com 40dBm EIRP (Um Rocket em MCS6 tem 25dBm de potencia, soma 16dBi de antena), e a CPE responde com só 28dBm EIRP (Um NS Loco tem 20dBm em MCS6, soma 8dBi da antena), então não é uma conexão com RX e TX em níveis iguais, RX e TX TERÃO níveis diferentes, então é natural que se usem datarates diferentes.

Pode analisar trafego (Faz teste ponta-a-ponta, com hardware nas portas lan, não usando os testes do setup do roteador), usando digamos MCS6 num lado e MCS2 no outro (TX rate de ambos), terá um transferencia de arquivo de um pro outro em uns 25Mbps, e "do outro pro um" de uns 6Mbps, pode fazer a transferencia simultanea que verá isso de trafego também (Se for hardware decente, claro, não trato como "decente" velharias tipo Bullet 2 ou intelbras wog212 B/G).

Só num PTP você tem antenas e radios iguais nos 2 lados, ou pelo menos potencias EIRP iguais nos 2 lados, só assim pra ter TX rate igual o RX rate. Em PTMP as CPE's quase sempre vão responder com sinal mais baixo, se deixar elas num datarate alto elas vão ter potencia bem limitada (Pra isso serve o datasheet, lá tem a potencia em CADA datarate, e a sensibilidade da torre pra CADA datarate que a CPE do cliente usar. MCS6 num NS Loco deve ter uns 20dBm de potencia, e na torre um Rocket deve ter sensibilidade -80, já se a CPE usar MCS3 a potencia de transmissão sobe pra 23dBm (E cada 3dB significa 100% a mais), e a sensibilidade no Rocket na torre é de uns -90 em MCS3, você tem então 3dBm a mais na transmissão (E isso é muita coisa, na escala decibélica cada 3dB a mais é o DOBRO da intensidade) e tem sensibilidade 10dB melhor (Denovo, se 3dB são o dobro, 6dB é o dobro do dobro, e 9dB é o dobro do dobro do dobro, ou seja, 400%! Dá pra dizer que tem uma melhoria de 500% no sinal se usar uma matematica simples.

SE o modo auto sempre funcionasse não precisaria ter configuração manual no setup. SE todos os datarates tivessem mesma sensibilidade e potencia não precisa ter datasheet com dados técnicos.

Pra que gastar com setup esmiuçado e com datasheet ou especificação técnica detalhada se SUPOSTAMENTE o modo auto sempre funciona??? É só pensar um pouco, e botar a mão na massa testando as coisas em ambiente no mundo real, com obstaculos, com rede de alta tensão, com CPE barata tipo WOM5000 ao lado de CPE cara tipo Airgrid, etc.