+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Padrão Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Olá pessoal.

    Pelo que entendi de rádios licenciados/digitais/profissionais, a principal característica que promove o alto desempenho que possuem é o uso de FDD (Frequency Division Duplex).

    MikroTik consegue fazer isso com o Nstreme Dual, então estou com uma dúvida: é possível conseguir os mesmos resultados, ao menos próximos aos de rádios licenciados usando MikroTik?

    As RBs com rádio integrado ou slot para cartão são bem fracas, mesmo as mais potentes não conseguem passar muita coisa, a solução seria usar x86 (mesmo um bem potente é mais barato que rádio licenciado). Será que teria um bom desempenho? Se o Nstreme Dual funcionar corretamente, acho que a única coisa que limita o desempenho é o hardware, o que não é problema com x86...


    Até logo.

  2. #2

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por Arthur Bernardes Ver Post
    Pode não ser problema com x86, mas precisa escolher uma interface wireless com um ótimo chipset (nada de RTL8186 ou RT3090, rsrs).
    Ah sim, nada de Realtek, no mínimo Atheros.
    Cartão R11e-5HacD em placa mãe com slot MiniPCI-e, um bom FSB igual ao do processador e memória (que imagino que possa ser o mínimo possível - a ideia é ter o desempenho de um rádio licenciado, usado em PTP, onde não há necessidade de roteamento estático, com um monte de rotas consumindo memória. Na verdade, acho melhor que PTP seja em bridge.). Talvez um SSD (ou cartão SD, pendrive...) do menor que encontrar, para colocar o RouterOS (mais rápido para carregar e menos chances de parar de funcionar no meio do nada).

    O componente mais importante, que vai definir a banda que vai passar é o processador. Como x86 é modular (diferente de rádio licenciado, até onde sei), dá para ir fazendo upgrade de processador de acordo com a banda necessária, sem ter que trocar tudo (começa com i3 e vai até Xeon - mais barato para começar e para aumentar a capacidade da rede conforme a demanda).

    Enfim, acho bem interessante fazer isso. Não calculei ainda, mas quase que certamente sai mais barato que um rádio Ceragon, Huawei, Wi2be, etc. O ponto fraco é o RouterOS, que é capaz de não trabalhar com todos núcleos do processador, travar e tal. O ideal seria uma implementação de FDD em outro Linux ou BSD.

    @rubem, você que conhece bastante sobre rádios, o que acha disso? Sera que é possível conseguir um desempenho de rádio licenciado com x86 e FDD do RouterOS?



  3. #3

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Tem RB's mais novas com 64 bits, caso da CCR-1036, CCR1016, e alguma pequena. São um passo rumo a interfaces wireless melhores.

    Realmente tem um problema em RB com enclosure externa com RF, as basebox e QRT tem Atheros 9K de 2010, já as NetMetal pulam pra Qualcomm. (Qualcomm é dona da Atheros HOJE, na época do lançamento dos chipsets mais usados hoje elas eram empresas diferentes). Me parece que essa fusão deu uma atrasada na evolução dos chipsets Atheros, por isso as RB's ethernet evoluiram pra caramba (Vide CRS125-24G) enquanto as externas com RF evoluiram pouco.

    Quanto ao R11e-5Hac, é a princípio a mesma etapa de RF das RB's NetMetal, da RB922 AC, a netmetal usa o mesmo protocolo mini-pcie até o chipset, então suspeito que o thrgouhtput geral será o mesmo que em NetMetal. Teria a RB953 com um Qualcomm levemente anterior, somente N, mas não sei se seria tão melhor.

    Pra se manter em faixa livre (5GHz) não sei se o fabricante pode fazer de tudo, pra ter retrocompatibilidade sei que tem que usar chipsets meio basicos, uma RB feita pra somente um padrão proprietário pra otimizar um PTP ia ter demanda menor (Só teria 1 uso, PTP, enquanto as RB's formais tem uma duzias de usos, ptp, ptmp, com nv2, sem nv2, como cliente, por isso tem demanda maior) e o preço ia subir, ia virar só mais um produto caro exclusivo pra PTP. Somente FDD acho que não faz tanta diferença, radios licenciados tem etapas de RF bem diferentes, com chipsets incompatíveis com os padrões do IEEE.

    Então fora o desempenho baixo do routerOS x86, acho que tem uma limitação nos chipsets em placas pci, pcie ou mini-pcie.

    Enfim, suspeito que o desempenho de netmetal e cia é o limite do que dá pra fazer com chipset comercial, não tem netmetal mais potente porque provavelmente não ia fazer diferença.

    Teria a RB850, ela usa powerPC, num processador com um punhado de instruções 64 bits que suporta minipcie, na familia v500 da freescale tem produto com suporte a AC, que está presente em... radios licenciados de R$ 10 mil. Não sei se a MK vai entrar nesse mercado (De powerpc pra RF, com custo na casa dos US$ 300 (Hoje nada de RF dela passa de uns US$ 150)), essa RB850 parece um passo nesse sentido, agora só ethernet e logo mais uma versão com RF ou mini-pcie.

    Teria o problema de usar o protocolo mini-pcie, na versão 1.0 ele opera como um PCI-E x1, isto dá um datarate no barramento de 2Gbps, bem difícil ter throughput real de 1Gbps com ele (Ethernet pcie x1 1.0 mal chega a 800Mbps). Na versão 2.0 passa pra 4Gbps, AC só é possível graças a isso, e dificilmente terá AC com 4 chains em mini-pcie.
    (Só quando tiver chipset BARATO com mini-pcie 3.0 ou 4.0, provavelmente 2019)

    Comparando os Airfiber: Usa FPGA e não chipsets comerciais, uns fpga Altera Cyclone, poder de processamento enorme, mas com toda uma estrutura diferente, CADA lane do pci-e 3 nesses fpga vai pra um controlador que lida com ethernet via hardware, você tem interfaces dessa, cada um no seu lane pcie, indo pra um processador de capacidade muito maior, na pior das hipóteses você tem uma 4x mais capacidade teorica, na prática o processador fica desafogado. Se cada pcie 2.0 padrão numa RB tem capacidade teorica de 4Gbps, nos fpga Altera você tem os controladores "pcie IP" cuja capacidade sobe pra 50Gbps (E lembrem que são 4 chains, cada um num lane de 50Gbps), um "pacotezinho" de 4000B ou 8000B não esbarra num gargalo no barramento pcie, isso muda bastante a velocidade entre etapa de RF e o processador, só ter um processador potente não ajuda (Caso de um Xeon com routerOS x86 com placa pcie x1 ou minipcie (Que é x1)).

    Hora que tiver placa pcie x8 ou x16 com suporte a AC, aí talvez o gargalo seja denovo o baixo desempenho do routerOS x86, mas hoje o gargalo aparenta estar na interface entre chipset de rf e processador.

  4. #4

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Teria a RB850, ela usa powerPC, num processador com um punhado de instruções 64 bits que suporta minipcie, na familia v500 da freescale tem produto com suporte a AC, que está presente em... radios licenciados de R$ 10 mil. Não sei se a MK vai entrar nesse mercado (De powerpc pra RF, com custo na casa dos US$ 300 (Hoje nada de RF dela passa de uns US$ 150)), essa RB850 parece um passo nesse sentido, agora só ethernet e logo mais uma versão com RF ou mini-pcie.
    Torço para que a MikroTik expanda seu mercado. Há coisas que seria interessante eles produzirem: rádio para concorrer com AirFiber e equipamentos para rede PON (uma OLT semelhante às CCRs ia ser muito interessante e parece ter demanda, pelo que vi nos posts no fórum da MikroTik), por exemplo.

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Comparando os Airfiber: Usa FPGA e não chipsets comerciais, uns fpga Altera Cyclone, poder de processamento enorme, mas com toda uma estrutura diferente, CADA lane do pci-e 3 nesses fpga vai pra um controlador que lida com ethernet via hardware, você tem interfaces dessa, cada um no seu lane pcie, indo pra um processador de capacidade muito maior, na pior das hipóteses você tem uma 4x mais capacidade teorica, na prática o processador fica desafogado. Se cada pcie 2.0 padrão numa RB tem capacidade teorica de 4Gbps, nos fpga Altera você tem os controladores "pcie IP" cuja capacidade sobe pra 50Gbps (E lembrem que são 4 chains, cada um num lane de 50Gbps), um "pacotezinho" de 4000B ou 8000B não esbarra num gargalo no barramento pcie, isso muda bastante a velocidade entre etapa de RF e o processador, só ter um processador potente não ajuda (Caso de um Xeon com routerOS x86 com placa pcie x1 ou minipcie (Que é x1)).
    É uma pena AirFiber ter antena integrada. 23dBi é muito pouco. Poderia ter um modelo sem antena, com dois conectores para colocar por conta própria.

    Então, essa ideia do FDD com RouterOS em x86 é mais uma pro lixo.
    Achei que funcionaria, passando no mínimo uns 250Mbps full...

    Já vi gente mostrando placas Gigabit Ethernet dando throughput de 980Mbps (acho que era em servidor, mas não é tanta a diferença para componentes de PC, certo?), então acho que esse problema aí com PCI não parece ser tão grande.
    Não há nenhuma fabricante de placas wireless de alto desempenho? Talvez alguma pouco conhecida...



  5. #5

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    PCIE gigabit HOJE chega mesmo perto de 1Gbps, são PCIE 2.0 geralmente, não chega é com PCIE 1.0, são chipsets antigos, placa pcie de R$ 18 pode desconfiar que é PCIe 1.0 ainda.

    Uma coisa é a quantidadse de lanes (Ou caminhos, vias), pode ser x1 (Placa pcie menor), x8 ou x16 (Placas de vídeo são todas x16). Outra é a versão do barramento. PCIe surgiu a mais de 10 anos, em 2004 já tinha placa-mãe com isso, na primeira geração eram 2Gpbs por lane, na 2.0 (Lá por 2007, se não me engano, versão da maioria das placas hoje, da maioria das placas de video também) são 4Gbps, na 3.0 (De 2010, mas ainda nem tão comum em motherboards e placas de video) pula pra 8Gbps, e na 4.0 (Bem rara em motherboards ou placas de video, apenas de ser de 2013) são 8Gbps. Placa de video usa 16 lanes, multiplica isso por 16 então, placas de rede ethernet ou wifi usam só 1 lane (É aquele conector estreito, uns 2cm), por mais que pcie 1.0 tem capacidade no barramento pra 2Gbps, o trafego real nos CI's adaptadores geralmente é inferior à metade, em placa pcie 1.0 com interface ethernet geralmente se mede 800-850Mbps de trafego, e é uma conversão simples.

    Todo Atheros 9K suporta pcie 2.0 (Os 7K não), acho curioso ainda ter RB integrada com RF com Atheros 9K usando pcie 1.0, mas isso não deve ser o gargalo.

    Quanto a PowerPC, só o preço de um processador PowerPC poderoso paga uma RB912 com enclosure e tudo, processadores PowerPC são muito caros, a gente tá acostumado a RB de US$ 70 a 150, vai estranhar muito quando ver RB por US$ 400.

    Quanto a Airfiber, a antena está na placa, pra reduzir perdas e facilitar o processo produtivo. Uma antena externa sairia mais cara. Olha como é o emissor que vai pra antena, uma a 90º da outra:
    http://www.digdice.com/2012/06/ubiqu...er-torn-apart/
    SE tivesse conector, e antena a parte, não teria esse custo "baixo" (Ou dá pra dizer: Seria ainda mais caro, se é que é possível)
    Os CI's do RX são diferentes do TX, é tudo preparado pra otimizar trafego, mas em compensação não tem compatibilidade com mais nada no mundo (Enquanto RB foca noutro segmento, que precisa retrocompatibilidade).

    Outro dia ví uns preços de antena Andrew (Direcionais), R$ 4 mil por antena 900MHz dupla até que é comum em marcas tipo Kathrein (São manofaturadas), mas direcional de 7GHz pelo visto também é manofaturada totalmente, US$ 3 mil!

    A gente tá acostumado com preço de Ubiquiti, mas tem que ver que produto tipo basestation Airmax setorial vai de 4,9 a 6GHz pra ter uso no mundo todo, uma mesma linha de montagem atende todos os países do mundo, isso reduz muito o custo de produção. Já uma antena 10GHz, ou 24GHz, não tem como ser barata, demanda baixíssima(Deve vender 1 por semana no brasil todo) cria preços bem altos. A Mikrotik aparentemente foge de produtos despadronizados ou fechados por isso, ela parece que terceirizou toda a produção na Hannstar (Que também faz telas de qualidade meia-boca pra notebooks baratos no brasil tipo STI, CCE, Qbex...), fazer produto em baixa escala tem custo muito alto, o jeito de ter RB por US$ 149 é com escala, e pra ter escala essa RB tem que ter 1000 usos, pra ter 1000 potenciais compradores (E por isso eu prefiro MK sempre que possivel, não é produto preso a uma configuração simplista pra "dona-de-casa conseguir configurar").

    Teria que ver melhor o que se consegue com solução tipo RB912UAG em antena grande, mas tem que testar otimizações tipo NV2 e abusar do MTU que ela aceita de 4000B. É complicado ter OUTRA RB no pé dessa RB912UAG só pra agregar as conexões e tal, pra ter uma bridge simples na RB912UAG, mas isso ainda resulta num custo muuuuuito menor que radio licenciado ou Airfiber (Fora o limite de distancia do Airfiber, bem aquém do que se consegue com direcionais "comuns" com radome em RB912UAG). Mas... 250Mbps é facil conseguir com uma RB boa, metade disso se consegue com uma comunzona de US$ 70.

    Sobre fabricantes de "placas wifi" desconhecidos, o que tem muito são fabricantes de AP's espetaculares de mesa. Tipo Aruba, Buffalo, a propria Linksys que as vezes chega no brasil, marcas como Netgear ou Tenda tem linhas ótimas. São AP's de mesa com os chipsets presentes em RB's e equiptos Ubiquiti, mas são até bem mais caros que UBNT ou MK Po9 conta de suportes tipo a p2p, usb e cia, coisa pra usuario domestico). Isso ajuda e atrapalha, ajuda porque faz os chipsets terem demanda e graças a isso temos RB's baratas (Quanto custava uma RB333 nova quando foi lançada? Lembro de algo tipo R$ 800, isso a muitos anos, aplique correção monetária), mas também cria um abismo de preços entre os chipsets usados por AP's de mesa e os chipsets mais focados em alto trhourghput pra PTP, essa parte não deve mudar, provavelmente teremos algumas RB's com PowerPC por um preço bem alto, e as RB's "normais de sempre" com Qualcomm com desempenho normal mas com preço bem baixo.

  6. #6

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Teria que ver melhor o que se consegue com solução tipo RB912UAG em antena grande, mas tem que testar otimizações tipo NV2 e abusar do MTU que ela aceita de 4000B. É complicado ter OUTRA RB no pé dessa RB912UAG só pra agregar as conexões e tal, pra ter uma bridge simples na RB912UAG, mas isso ainda resulta num custo muuuuuito menor que radio licenciado ou Airfiber (Fora o limite de distancia do Airfiber, bem aquém do que se consegue com direcionais "comuns" com radome em RB912UAG). Mas... 250Mbps é facil conseguir com uma RB boa, metade disso se consegue com uma comunzona de US$ 70.
    250Mbps full? 500Mbps half? Alguma RB consegue isso tudo, mesmo com um enlace super bem feito?
    Não gosto da ideia de usar CSMA ou TDMA em PTP. Parece que por melhor que faça, nunca vai estar bom (nem existe full duplex de verdade com esses sistemas).
    Minha intensão ao criar o tópico era achar alguma forma conseguir um desempenho similar a rádio licenciado, mas sem usar um. Por isso pensei em Nstreme Dual. Cada enlace, de TX e RX, com um throughput de ao menos 200Mbps seria ótimo, verdadeiramente 200Mbps full duplex. Além da latência, que pelo que raciocinei e vi falarem, é melhor e mais estável.

    Será que dá para conseguir algo assim com RB912 + cartão MiniPCI-e, usando o rádio integrado para TX e o cartão para RX (Nstreme Dual), ou vice versa (ou RB800 com 2 cartões), cada um em uma polarização de uma mesma antena? Esses processadores MIPS são muito fracos, mesmo com um enlace impecável, acho que nem a melhor RB para wireless conseguiria passar tamanha banda, por isso pensei em x86, pela possibilidade de processamento alto, mas aí tem os problemas que você citou no outro post.



  7. #7

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    250M half. Teria que fazer RX e TX separados mesmo. Como o roteamento separa isso já não é comigo (Por isso citei uma RB ethernet a mais antes de cada RB com RF).

    Sai caro mas ainda fica bem mais barato que radio licenciado.

    Algo tipo: Se fosse fácil ter desempenho de licenciado, eles não teriam demanda. É difícil, por isso eles são caros.

  8. #8

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    250M half. Teria que fazer RX e TX separados mesmo. Como o roteamento separa isso já não é comigo (Por isso citei uma RB ethernet a mais antes de cada RB com RF).
    Esse limite de 250Mbps é por causa do processador fraco da RB ou pela quantidade de lanes, protocolo, barramento PCIE 1.0, CI do cartão, etc.?



  9. #9

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por TsouzaR Ver Post
    Esse limite de 250Mbps é por causa do processador fraco da RB ou pela quantidade de lanes, protocolo, barramento PCIE 1.0, CI do cartão, etc.?
    Não sei de onde vem, mas é o que tenho visto em RB.

    Uns 100-130Mbps half em RB baratinha, uns 200-250Mbps em RB mais cara, tudo half.

    Talvez dê pra conseguir 200Mbps full com alguma em distancia pequena, nunca esmiucei os testes assim já que internet usa 10x mais download que upload, sempre me foquei mais no ping pequeno e estável, mas o que queria focar é: É facil ter 200Mbps half em RB, com 2 devidamente roteados antes (A RB750G não sei se ia dar conta, talvez quem ajude é a nova RB850G) você poderia então ter 200M full, sai mais barato que radio licenciado.
    (Fora que é modular, troca a antena se a distancia aumentar ou diminuir, usa como ptmp ou cliente se a estrutura no futuro mudar, etc, enquanto radio licenciado só serve pra 1 coisa, PTP)

  10. #10

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Não sei de onde vem, mas é o que tenho visto em RB.

    Uns 100-130Mbps half em RB baratinha, uns 200-250Mbps em RB mais cara, tudo half.

    Talvez dê pra conseguir 200Mbps full com alguma em distancia pequena, nunca esmiucei os testes assim já que internet usa 10x mais download que upload, sempre me foquei mais no ping pequeno e estável, mas o que queria focar é: É facil ter 200Mbps half em RB, com 2 devidamente roteados antes (A RB750G não sei se ia dar conta, talvez quem ajude é a nova RB850G) você poderia então ter 200M full, sai mais barato que radio licenciado.
    (Fora que é modular, troca a antena se a distancia aumentar ou diminuir, usa como ptmp ou cliente se a estrutura no futuro mudar, etc, enquanto radio licenciado só serve pra 1 coisa, PTP)
    Hm. Essas RBs roteadas antes seriam para fazer bonding?

    Outra coisa: além de separar a banda de TX e RX em frequências diferentes, o que proporciona maior banda, já que terá a banda half máxima do cartão em cada sentido, que outras vantagens o FDD traz? A latência é melhor com ele? Eu imagino que o tempo de resposta seja melhor, já que não tem aquele negócio todo de ficar escutando portadora antes de transmitir (CSMA) ou esperando a vez (TDMA), mesmo em PTP, mas não tenho certeza disso.



  11. #11

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Pensei em rota simples mesmo, marcar todos os pacotes, cria um in-interface=eth1 e um out-interface=eth2 e pronto. Teria que ver na prática como fica o desempenho.

    Com nstreme dual você dá um rx-radio=wlan1 e tx-radio=wlan2, hora que der vou testar se tem como colocar eth como "radio", pro protocolo nstrene fazer isso, com rotas nem sempre o desempenho é uma maravilha.

    Ter TX e RX completamente separados só tem como com nstreme dual mesmo, mas do modo que citei (Separando RX e TX ainda em ethernet) você tem as respostas de cada pacote (Ok chegou) na mesma interface, a resposta não precisa ir por outro cartão/interface.

  12. #12

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Ter TX e RX completamente separados só tem como com nstreme dual mesmo, mas do modo que citei (Separando RX e TX ainda em ethernet) você tem as respostas de cada pacote (Ok chegou) na mesma interface, a resposta não precisa ir por outro cartão/interface.
    Quando fiz uns testes com bonding entre duas RBs, com exceção do modo balance-rr e alguns outros (que não fazem balance ou fizeram nada aqui), quase todos fizeram o TX sair por uma interface e o RX entrar por outra.



  13. #13

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Não sei de onde vem, mas é o que tenho visto em RB.

    Uns 100-130Mbps half em RB baratinha, uns 200-250Mbps em RB mais cara, tudo half.

    Talvez dê pra conseguir 200Mbps full com alguma em distancia pequena, nunca esmiucei os testes assim já que internet usa 10x mais download que upload, sempre me foquei mais no ping pequeno e estável, mas o que queria focar é: É facil ter 200Mbps half em RB, com 2 devidamente roteados antes (A RB750G não sei se ia dar conta, talvez quem ajude é a nova RB850G) você poderia então ter 200M full, sai mais barato que radio licenciado.
    (Fora que é modular, troca a antena se a distancia aumentar ou diminuir, usa como ptmp ou cliente se a estrutura no futuro mudar, etc, enquanto radio licenciado só serve pra 1 coisa, PTP)
    O máximo que eu consegui de tráfego real, em campo, em RB Mikrotik foi 160 mbps Half, usando RB912G com antenas Rocket Dish 30 dbi em 4 Km.

    Qual seria essa RB mais cara que suportaria esse tráfego de 200-250 Mbps Half?

  14. #14

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    E a RB800, como ela fica nessa história? Por mais que seja antiga, ela deve ter um desempenho melhor que RB9xx, não?



  15. #15

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    É... a RB800 tem processador com o mesmo core da RB850Gx2, o problema dela sempre foi o preço (O dobro da RB435).
    (E 4 delas, putz, não tenho rins suficientes pra vender e comprar isso...)

    Os cartões R52HN pra mim são ótimos, sempre consegui ótimas bandas com eles, não são baratos. Quem tem potencia melhor pra um PTP mais longo (Precisa potencia, pra ter sinal alto) é o R5SHP, mesmo chipset e cia mas com power amplifer mais potente. Se for como o R52HN dá uns 120Mbps half pra mim, é pouco mas pra época dele era muito. Os novos cartões não são mais mini-pci, mas sim mini-pcie, aí a RB800 não serve mais.

    Eu nem estranho esse desempenho de RB912, afinal ela custa o mesmo preço de RB411 ou Groove. O que estranharia é uma BaseBox 5 (AC) não ter pelo menos o dobro da banda dessas soluções (RB+r52hn, rb411 com RF, RB911, Groove, SXT), e com estes baratos o limite pra mim sempre foi uns 100Mbps (Mas nunca fucei muito, config. normal, sem grandes antenas).

    Se com uma RB911 recente (A RB com RF mais barata) numa antena ProEletronic (A direcional mais barata) dá pra passar de 120Mbps nuns 3Km, qual seria o motivo pra alguém comprar uma BaseBox5 e antenas 30 ou 35dBi? É muita diferença no preço, TEM QUE ter uma banda muito maior.

    Mas... datarate alto precisa sinal alto, tem que meter a potencia lá perto do alto, usar radome, e antena de um ganho bem grande. Pra usar uma MCS15 precisa sinal -50 praticamente, num PTP de alguns quilometros não é fácil conseguir isso. Vejo muita gente insistindo com sinal -60 em datarate alto, aí realmente vai perder desempenho, tem que otimizar muita coisa.

    Quem tem preço bem maior (O dobro da RB911 ou 912) é a RB953, eu apostaria em 4 delas pra um PTP de uns 250Mbps full.
    É caro, mas é mais barato que radio licenciado.

  16. #16

    Padrão Re: Rádio licenciado X Nstreme Dual

    Tem uma melhora, mas o preço do produto indica o preço das partes, a RB411 tinha um hardware comum (De uso domestico, inclusive) na época, e hoje a 912 tem um hardware comum (Também achavel em roteador domestico). Tem melhorias na etapa de RF, mas nada que faça um throughput subir mais que uns 50% comparado a um hardware domestico. Tendo sinal suficiente, pouco ruído e cia, o gargalo do throughput passa a ser o chipset mesmo. Uma etapa de RF simplória serve pra um ambiente mais "limpo" e ideal, as RBs tem uma etapa de RF mais paruda que tolera ambientes mais sujos, mas em ambiente ideal o desempenho não será tão melhor.

    O tchã da MK está mais no routerOS do que nos hardwares usados, ela faz em escala e tem um firmware totalmente flexível então vende pra tudo que é uso (AP, cliente, ptp, ptmp, etc), enquanto um roteador domestico tem uso mais restrito (Soho, small office e residencial geralmente), PRECISA ter suporte ao consumidor final (Leigo mal consegue plugar na tomada e já liga no call-center, esse custo vai pro preço final do produto), e PRECISA ter um setup simplório/capado (Senão o leihgo não consegue configurar, dá má fama ao produto ou liga pro call-center).

    Por enquanto to interessado em como o bonding faria agregação de pacotes com MTU de saída enorme (2000 a 4000B), de modo a usar pacotes maiores e otimizar a banda, entre pacote padrão de 1500 e o limite de 4000 de algo tipo RB912 tem que ter muita diferença na banda, não sei bem como forçar o uso apenas de pacotes grandes (Forçar agregação).