Página 3 de 3 PrimeiroPrimeiro 123
+ Responder ao Tópico



  1. Citação Postado originalmente por mathcardoso Ver Post
    o que transmite pode ser 2x2 e o que recebe pode ser tanto 2x2 como 1x1. Agora se o que transmite é 1x1, o que recebe tem quer ser 1x1. Se for 2x2 ele vai ter uma polarizaçao boa de sinal e a outra pessima.
    Exatamente, aqui levei uma surra ate descobrir esse "detalhe".

  2. Corretissimo, essa é a resposta.



  3. Agradeço a atenção de todos ai em cima, quero dizer que ja resolvi o prolema era o output power do nano que estava setado 12dbm automático, ai foi so setar manual e aumentar a potencia para 22 dbm que o sinal no groove de -78dbm passou para os lindos -60 dbm, obrigado desde já, abraço a todos

  4. Calma aí que a "sofrência" do chipset com sinais em 1T2R depende do equipamento.

    Primeiro que equipamento high-end sempre foi 1T2R muito antes de N existir, pra ter alta performance existia 1T2R até em B, simplesmente pro chipset não perder nenhum pacote de tentativa de comunicação, um dos grandes tchãs de roteadores caros que trabalham com sinais bem baixos (Smartphone chega com -80 mas ainda assim a conexão não cai em um Linksys, mas num Encore mesmo se chegar -70 cai toda hora) sempre foi ter mais ADC's e mais RX's.

    CPE barata tipo a TL-WR5210G tem 2 antenas, o chipset tem 1T2R, tem 1 chain de TX e 2 de RX, na saída de cada chain ele tem um switch de RF simples, um switch de 5 ou 6 pinos que simplesmente define se a antena vai estar em RX ou em TX, pra conexão simples (Como cliente, ou como AP com poucas conexões tipo 3 ou 4) isso funciona ok. Mas CPE's mais trabalhar, tipo um Nanostation M2, tem um switch mais complexo, até nem é chamado de simplesmente switch, é chamado de modulo de front-end (FEM), é um CI mais complexo, com mais de 20 pinos, ele tem TX1, TX2, RX1, RX2, controle de entrada de RX ou TX, por isso precisa tanto pino. Mas o NS M2 tem 2 CI's, pra que? Porque CADA chain tem 2TX e 2RX, e o chipset do NS M2 tem 2 chain. Se tem só 2 antenas que diferença isso faz? A diferença é que cada RX de cada chain vai pra um conversor analogico digital diferente, depois desse ADC o sinal de CADA RX vai pra um mixer diferente, e é entregue já livre de sinais de canais indesejados (Isola uns 25-30dB dos canais adjacentes), livre dos sinais do TX (Isola uns 40dB do TX), já feito o batimento com a moduladora (Então sinais em outras modulações não entram).

    Quer dizer, um NS M2 vai ter 4 RX sendo selecionados, cada um vai pra um ADC, cada um pra um mixer, e chega o sinal limpo em cada um dos 2 chains do Atheros usado nele.
    Já em roteador/cpe comum com antena de dupla polarização mas que não faz mimo (Só diz suportar 150M) são só 2 RX e os 2 vão pro mesmo ADC e pro mesmo mixer, estes irão ter um mistura de sinais na saída do mixer, o desempenho vai ser mais de 4x pior.


    Esse tipo de seleção ("Vai usar RX0 ou RX1?") é feito em nível mais baixo que o firmware, é feature que o processador do chipset seleciona por programação propria, o firmware não influencia nessa parte, o que o firmware consegue é dizer pra usar somente 1 (Só horizontal, só vertical, só externa) ou pra "Ficar a vontade, fazer de conta que a casa é sua" usando o modo adaptative.

    Tem funções que o firmware manda pro chipset e o chipset sabe o que fazer com elas, tipo: Short-GI. O firmware não precisa ficar avisando a cada pacote: Espera 400ns. Ele diz que está em modo de short-GI e pronto, o chipset sabe que short-gi é 400ns e sempre vai esperar esse tempo, isso é instrução do processador, é um comando que consta no instruction set do chipset que manda (AR7240, no caso do NS Loco) e no que recebe (AR9280 no caso do NS Loco), transação essa feita sem intervenção do software rodando.
    (Por isso as vezes o roteador trava, você não acessa, não dá ping, mas ele continua com SSID propagada, as funções de nível mais baixo não dependem do kernel linux que está rodando no chipset)

    Então se usar hardware decente na torre (Nada de equipto pra cliente) pode fazer 1T2R ou 1T3R tranquilo, hardware pra torre (Cartões bons, roteadores bons tipo rocket e RB's integradas com rf) sempre tem multiplos ADC's pra multiplos RX's, cada um pro seu mixer, de modo que o chipset de RF (AR92xx na maioria dos bons hardwares) já recebe tudo muito mais limpo que o chipset de RF de CPE pra cliente (Bullet, NS Loco, SXT Lite, WOM/WOG, etc).
    (De um NS M pra um NS Loco M muda o tipo de switch usado, o chipset de RF pode ser similar mas um tem instruction set pra habilitar ou não a antena externa (SMA), isso exige um modulo de front end maior, e já que ele será maior porque não colocar logo um que sofre menos com harmonicas, com menores perdas, com menos consumo (Rele tem consumo, seja mecanico ou eletronico), que aceita tensão menor (Os baratos exigem 2,5 a 3V, tensão muito alta pra etapa de RF de alto desempenho)? Enfim, você tem uma bela mudança na saída (Ou entrada) da etapa de RF comparando um NS com um NS loco, não é só diferença de antena, ou de amplificador de TX, a parte de RX também tem muita diferença, o desempenho total depende tanto de um power amplifier sem distroções como de um RX multiplo com conversores analogico-digitais e mixers separados, porque na prática sempre existirá duzias de dados conflitantes chegando na etapa de RF, o fato de a contra-parte da conexão estar usando antena de dupla-polarização não pesa nada nessa hora, tem ruídos piores chegando.


    (Ah, no modo adaptative uma coisa que roda abaixo do nível do firmware é a escolha de qual TX usar pra transmitir. O equipto envia pacotes iniciais de comunicação (Probe packets), se não tiver resposta (E não vai ter, porque o sinal vai chegar no destino com 30dB a menos que devia, por isso defendo trabalhar com datarate baixo que exija SNR menor que 20dB, e trabalhar com SNR's entre 20 e 30dB, pra caber 50 clientes num AP sem problemas) o chipset simplesmente não vai usar esse TX, os packet probe não pesam. Quem usa sinal tipo -40 em datarate tipo 65M e 1T2R merece sofrer se for hardware bom, porque terá sensibilidade em 65M de algo tipo -72, claro que o sinal da polarização vizinha chegará acima da sensibilidade (A antena isola 25-30dB da outra polarização), vai ficar gastando tempo da polarização única responde ok pros probe packets e mandando ele esperar (Um probe packet é um "Posso conectar?", a resposta é algo tipo "Pode conectar, vou estar esperando pelo proximos 150ns", a resposta chegará 25-30dB menor, mas ainda estará na sensibilidade do RX, e aí sim será feita um multipla conexão que não devia. Então trabalhem com sinal decente pra sensibilidade do datarate usado, não muito alto nem muito baixo. Vai usar 65M? Trabalhe com -40 a -45 em hardware típico (Cuja sensibilidade em 65M é de uns -68). Vai usar 39M? Reduza o sinal pra -50 a -60, porque esse datarate tem SNR mínimo menor (Menos de 20dB) e a sensibilidade típica nesse datarate é de uns -76. Se a sensibilidade for -75 e tiver sinal -50, vai ter 50dB de SNR, se a antena escolhida tem rejeição de polarização cruzada de 25dB você estará por um triz, então tem que ver CADA CASO, a sensibilidade cada datarate, a rejeição de polarização de cada antena, mas por precaução é só optar por datarates menores que tem SNR requerido menor, pra poder trabalhar com sinais mais baixos que nunca vencerão a rejeição de polarização da antena)



  5. @mathcardoso,resposta está mais que correta.







Tópicos Similares

  1. ACK e qualidade de sinal
    Por Bender no fórum Redes
    Respostas: 25
    Último Post: 09-08-2009, 23:36
  2. Respostas: 10
    Último Post: 10-10-2008, 09:52
  3. Respostas: 33
    Último Post: 20-01-2008, 16:11
  4. Dúvida - Desvio de sinal c/ antena omini.
    Por LaGatz no fórum Redes
    Respostas: 3
    Último Post: 07-03-2006, 07:03
  5. Dúvida sobre a qualidade do sinal
    Por renanmathias no fórum Redes
    Respostas: 4
    Último Post: 25-07-2004, 10:17

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L