Página 2 de 4 PrimeiroPrimeiro 1234 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. #21

    Padrão

    Sobre o aterramentos pras fontes UBNT, olha como ele é inútil pra fonte:
    Anexo 57627

    Ele vai direto no pino de entrada (AC) até a parte metalica do jack RJ45.
    Ou seja, se usar plug RJ45 plastica comum não faz diferença aterrar a fonte ou não. Se usar cabo utp08 comum, sem malha aterrada, também não faz efeito pra fonte.

    Em fontes ATX o negativo é ligado no aterramento, na parte quente da fonte (Na parte de alta tensão) tem capacitores ligando cada fase até o aterramento. Em fonte de notebook idem, o aterramento é ligado no negativo e na parte quente tem uns componentes jogando transientes pro aterramento.
    Em UBNT o aterramento tem que ser PRA CPE, e não pra fonte.

    Se pegar fontes de mercas de renome tipo Delta, ou as usadas em equipto de alto padrão tipo Cisco, todas tem um filtro LC antes da retificação, tem mais capacitores pra filtrar transientes entre fase e terra, tem thermistor numa, tem mais varistores (UBNT usa só 1), fonte boa mesmo geralmente tem filtro LC duplo! A UBNT não usa isso porque o problema raramente é na rede AC, o problema geralmente é lá fora na CPE, ou pela extensão do cabo ethernet. Ter uma bela filtagem na entrada da fonte UBNT ia tornar ela mais cara e não ia fazer absolutamente nem meio efeito contra indução de alta tensão no cabo. Pra esse problema a UBNT vende os protetores ethernet, e indica o uso de 2, nos 2 lados do cabo, pra que toda alta tensão induzida no meio seja eliminada pelos centelhadores em cada ponta.

    A indução de um fio esticado capta muita coisa, temos o radio de galena a décadas pra conhecer isso:
    https://www.google.com.br/search?q=radio+galena
    É basicamente um fio esticado como antena, liga ele numa bobina e o outro lado da bobina liga do terra, a bobina faz a sintonia, uma bobina induz um campo em outro, e nessa outra bobina você liga um fonte de cristal (Que emite som com sinal muito mais fraco que um fone comum) e "ouve sons", tudo induzido pela antena.
    Se cair um raio perto (E não NA antena, pode ser a 200m) pode até queimar essa bobina, tamanho o campo eletromagnético que um raio gera, esse campo chega na antena (Que pode ser um cabo UTP08) e se ele chegar em angulo perfeito vai induzir uma tensão que depende do diametro do fio e tamanho do cabo. Fio 24AWG (Usado em cabo de rede) é fino o suficiente pra ser induzido muito bem.
    No caso da antena pro radio de galena, a indução ocorre por toda a antena, você pode ligar o radio em qualquer um dos 2 lados do fio esticado, a indução é feita pelo trajeto do fio, terá diferença de potencia com relação a terra nos 2 lados do fio.
    Com cabo ethernet idem, a indução é feita por todo o trajeto, terá tensão induzida nos 2 lados do cabo, por isso o protetor de surto tem que ficar nos 2 lados do cabo longo.

    (Rede eletrica sofre menos com isso porque a rede sempre sai de um transformador, que é basicamente um fio de bitola bem grossa, indo do fio exposto até o aterramento, transformador com resistencia de 2 ohms, indo pra um aterramento muito bom com resistencia para o solo de mais 2 ohms, ele dissipa qualquer piripaque numa facilidade muito maior que o equipto na casa do cliente, que circula a descarga entre a fase e o neutro (Que é o aterramento lá no poste), é a situação que você tem um loop, um lado do fio está no transformador aterrado, outro está na fonte do cliente que circula tudo da fase pro neutro, e o neutro é basicamente o aterramento do transformador. Ter aterramento a parte só ajuda se ele for bom e se o equipto for efetivo em jogar pra ele as descargas (Precisaria centelhador entre cada ponto sensível e o terra, bem raro fonte comum ter isso))

    A antena patch e o curto cabo entre ela e a etapa de RF da CPE podem induzir muita coisa? Podem, se o campo eletromagnético criado por grande e chegar no angulo certo sim.
    Mas os mosfets, chaveadores e amplificadores pro mercado wifi evoluiram bastante, antigamente (Tempos de A/B/G apenas) queimava cartão e roteador adoidado, um só recebia campo eletromagnético pequeno que induzia tensão baixa a ponto de só alterar resistencia interna de amplificador, só perdia potencia ou sensibilidade mas não queimava. Hoje esses componentes são feitos pra suportar descarga tipo 10KV ou mais, um campo que induza 10KV nos 10cm de vias expostas até chegar no power amplifer tem que ser uma p*t* descarga! Complicado se proteger disso e ao mesmo tempo ter um amplificador de potencia bom (Não essas nhacas de 16dBm em MCS15 que os roteadores de mesa tem), um CI de chaveamento rapido, um chipset de RF barato e bom, e esperar que tudo isso sobreviva bem. Quem está em ambiente assim devia usar antena comum, cabo coaxial com boa malha está menos propenso a indução do tipo, descer um cabo coaxial da antena até dentro de casa tem menos risco de indução que descer um cabo ethernet (A não ser que encontre um cabo ethernet com blindagem decente, mas não uma folha de aluminio de 0,01mm, falo de malha mesmo, igual de cabo RGC58, RGC213 ou LMR400, pode ser malha de aço ou cobreada, podem ser 2 ou 3 fitas de aluminio mais espessos).

    OU blindagem em cabo ethernet, OU protetor de surto ethernet e aterramento, OU equipamento com suporte efetivo a 25 ou 40KV (Radio licenciados tem, pague-se o preço!), ou desistir de ethernet e usar cabo coaxial.
    Por mais que as CPE's digam suportar isso ou aquilo, se tiver muita descarga por perto, num ambiente propício à indução (Ou onde a resistencia do solo é muito alta e portanto uma descarga leva quilometros pra ser absorvida) está claro que elas não aguentam, e as CPE's baratas eu duvido que vão suportar isso um dia.

    (Afinal 80% dos consumidores disso não tem aterramento, nem cabo blindado, nem nada especial, e não tem queima de trafo de lan, de chipset ethernet, ou do power amplifier ou do chaveador de RF. Se 80% estão em areas sem campos eletromagnéticos perigosos, vão produzir produto BARATO com proteção na medida pra esses 80%. Os outros 20% teriam que achar um produto MAIS CARO. Afinal não faz sentido vender mais caro um produto com proteção pra um ambiente que NÃO PRECISA)

    Aí chegamos nos estabilizadores: Proteção pra quem não precisa.
    Sou da opinião que 100% das fontes precisam um filtro LC na entrada. Alguns estabilizadores atuam como filtro LC. Então tá tudo certo?
    Depende, pagar R$ 70 a 100 (Estabilizador bivolt é caro, uns R$ 70 de custo, vendia por R$ 100-130) por um filtro LC é caro demais.

    E tem estabilizador que não atua assim. Tem estabilizador extremamente pobre em materia de "estágios" de tensão, com 2 taps apenas, tipo:
    Anexo 57628

    São 2 reles, um deles ligar ou desliga a saída (Desliga caso a tensão seja menor que uns 100V, ou maior que uns 140V), e o outro rele seleciona entre um tap do autotransformador, ou com 115V ou com 105V.
    É de um estabilizador bivolt, ligando ele em rede 127V o tap de 115V é acionado e ele tem 115V na saída. Caso a tensão suba até 135V quem entra em ação é o tap de 105V, de modo que a tensão de saída seja 115V igual.
    Mas e se a tensão ficar abaixo de 120V? Aí o estabilizador terá menos de 110V. Ele não tem um tap pra elevar a tensão, tem só 2 que REDUZEM a tensão. Como se injetar 90V em fonte ATX meia-boca não pifasse elas!
    A vantagem é que tem aqueles 2 capacitores azuis no canto inferior esquerdo, um deles sempre está paralelo ao sistema, então isso é um filtro LC por 100% do tempo. Custa R$ 100-130, mas... é um filtro LC. Se a tensão variar de 120 a uns 134V o nenhum rele se meche, ele é inútil nessa variação, curiosamente é a variação que tenho aqui em casa, raramente abaixo de 120V e nunca medi acima de 133V.
    Mas tem estabilizador com 2 reles (Sempre 2 estágios, um rele é pra desligar o circuito, com 2 reles podiam ter 4 estágios, mas acham importante proteger a saída, com rele que leva 10ms pra atracar! A luz viaja a 300 mil Km por segundo, 10ms são 0,001 segundo, divide 300 milhões de metros por 0,001 pra ver quantos metros a eletricidade percoreu! Tem rele mais rapido que desarma em 5ms, é só dividir 300 milhões por 0,0005 pra ver que ainda não é rápido o suficiente pra proteção efetiva) que não tem nem aquela coisa pra lá de basica que é um capacitor de filtragem, atuam só na filtragem pela indução do trafo, que não é tão util (Quanto um filtro de linha), geralmente são os sem varistor nem nada especial. Os antigos de 1KVA de lata eram geralmente pobres assim:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         est1v3.jpg
Visualizações:	532
Tamanho: 	105,0 KB
ID:      	57629
    "Ah, mas isso é antigo". É, mas tem estabilizador mais novo péssimo, de marca que muita gente considera, tipo essa nhaca da Sideway:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         9C2C3C4VZ1Reduzido.jpg
Visualizações:	589
Tamanho: 	89,0 KB
ID:      	57630
    Cadê capacitor pra filtagem? Cade varistor pra proteção?
    Ficaram nos sonhos dos engenheiro.
    Um engenheiro fez o projeto, botou um monte de componentes pra filtragem, quebrou a cabeça pra botar tudo numa placa simples, mas aí chegou nos cabeleleiros do marketing e das vendas, que olharam pro custo e definiram que pro produto ser atraente pro povão (E o povão só compra marca desconhecida tipo Ragtech se for barato, e o jeito de ser barato é capando o produto) tem que reduzir custo, tirar capacitor e varistores reduz um pouco mas qualquer R$ 2 a menos faz diferença porque o distribuidor e o lojista geralmente são quem escolhe o que o vendedor irá oferecer pro cliente, e eles são tão leigos quanto o consumidor final, R$ 2 a menos no preço do estabilizador é motivo suficiente pra escolher esse capado.

    Um SMS pequeno as vezes vem meio capado também, não lembro modelo mas já ví capado. Já os de 430VA pra cima geralmente são completos:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         SMSRevolutionVI.jpg
Visualizações:	1028
Tamanho: 	186,0 KB
ID:      	57631
    1 rele seleciona se a sáida vai estar ativa ou não, e os outros 4 reles selecionam qual TAP do transformador vai estar em uso.
    Mas aqui temos um problema, nesses estabilizadores e nobreaks de 4 estágios numa posição geralmente a tensão passa RETO da entrada pra saída, se a tensão de entrada for digamos 112 a 118V não faz sentido ter um enrolamento no trafo pra baixar ou subir só 3 ou 4V, como a tensão ideal SERIA 115V (Pqp... no brasil usamos 127V, porque essas nhacas insistem na porcaria dos 115V? Fonte decente aguenta muito bem 135V, que dirá 127V, o que elas não aguentam são 100V, 115V está mais perto de 100V do que de 135V! O problema NO BRASIL é tensão BAIXA devido a fiação fina, e não tensão alta!) se a entrada tiver algo proximo a 115V será selecionado o rele que deixa a entrada passar reto pra saída. Nessa posição a única função do estabilizador é naqueles capacitores no canto inferior direito, e no varistor de saída.

    Pra esse momento em que saída é igual a entrada, devia ter uma bobina, estabilizador ao contrário do que dizem também existe no primeiro mundo, a APC fabrica eles pros EUA e Europa também, mas... capricha muito mais, faz um filtro LC na entrada e outro na saída, coloca varistor e as vezes até centelhador, fora um circuito comparados mais robusto (Mais CI's rusticos e menos porcarias frágeis e baratas tipo PIC), um exemplo:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         P1000528-0.jpg
Visualizações:	314
Tamanho: 	306,6 KB
ID:      	57632

    Se comparar um nobreak da idade da pedra tipo SMS de 2012 (Ainda não tinha entrado na era SMD, que o mundo tora fora de Sta Rita do Sapucaí entrou nos anos 90) com um APC de 2012 verá essas diferença, um robusto e com varias proteções, e o SMS... com varistor na saída, as vezes sem um mísero capacitor de filtragem, atuando o tempo todo calcado na filtragem por indução do trafo. Ou seja, um produto de R$ 120 ou R$ 300 (Nobreak) com menos proteção que um filtro de linha de R$ 50 (Que tem filtro LC duplo (Portando fator indutivo de 2 bobinas filtrando, não só 1 como é o caso do auto-transformador), varistor e centelhador).

    Se não dá pra confiar em TODOS os estabilizadores eu prefiro chutar o pau da barraca e dizer pra não confiar em NENHUM! Já que 70% deles é mais inútil que um filtro de linha completo fica complicado você comprar uma porcaria de R$ 70 a 130 e abrir pra ver se tem filtragem mesmo.
    Nem comento sobre as sujeiras que os estabilizadores com rele jogam pro equipto, quem fala muito disso e também tem guerra contra a industria inútil dos estabilizadores é o Luiz Faller:
    http://forum.outerspace.terra.com.br...e-do-pc.96802/

    Minha guerra é mais simples: Se é pra ter um equipto de R$ 130 que coloquem filtragem DECENTES, um filtro LC DEPOIS do estabilizador pra limpar uns spikes de rele, um varistor na ENTRADA do estabilizador pra proteger também o estabilizador (Mas ele geralmente fica na saída, pra proteger o equipamento alimentado desses spikes de 800V que o estabilizador cria!). Esse papinho noob de "Usem estabilizadores" criou uma industria que produz esses lixos lerdos que sujam mais do que filtram, o consumidor sempre será uma besta quadrada que vai comprar o que for barato, precisa LEI pra dizer que se não tem 0,5% de polpa de fruta não é suco, precisa LEI pra mudar o NOME, porque o consumidor é desinformado demais e acredita no NOME do produto, ele acredita que com algo que diz ser "estabilizador" terá tensão estável na saída, quando na verdade terá simplesmente uma variação menor (Se entre cada TAP tem 6V, terá pelo menos variação de 6V então), mas não terá energia limpa (Filtrada), terá simplesmente "um pouco limpa".

    Voltando às boas fontes, que dispensam flltro de linha, mais uma:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         100_3275.JPG
Visualizações:	510
Tamanho: 	363,4 KB
ID:      	57633

    De Cisco. Tem logo na entrada uma bobina (L), tem thermistor (Atenuar pico inicial de consumo), aí tem um capacitor de cada fase indo até o aterramento, tem um capacitor (C), tem mais bobina, dessa vez maior (Mais um L), e a ponte retificador está presa no dissipador de calor (Ou seja, ela trabalha mais fria, diodo quente deixa passar spikes e ripple, a ficha técnica fala em funcionamento normal a 25ºC, e spikes aos montes com 50°C, normal vez diodo ou ponte retificadora acima de 50°C em fonte barata), o resto tipo bobina dupla na saída com 2 capacitores (São 2 filtros LC) a UBNT também tem, eu acho que os valores dos capacitores dela são baixos demais (O de 100uF eu trocaria por um de tantalo de 22uF, e o de 330uF eu trocaria por ums de 680uF) mas isso tem a ver com falhas na alimentação e não com sujeira que comprometa a durabilidade, a UBNT tem uma fonte bem em conta, pro preço nos EUA deve ser OK (No brasil UBNT é TOP, nos EUA não).

    Enfim, eu acho que tem gente esperando demais de uma CPE de US$ 49 (Se chega no brasil por R$ 250 azar da importação, a UBNT não tem nada a ver com isso), esperando demais de estabilizadores de R$ 50 (Sideway monovolt cheguei a pagar R$ 35 na Oderço, isso é o preço de um auto-transformador de 300VA, e auto-transformador não tem circuito nem caixa plastica), e sendo muito muquiranas em não colocar protetor de surto (Se é caro comprar então monta em casa, pra POE vai 8 diodos comuns e um zener, com 3 varistores. Se for gigabit vai 16 diodos comuns e um zener, se quiser colocar varistor vai fundo, mas só os diodos são suficientes se tiver um GND basico por perto pra ligar (Pode ser o tubo de aço onde a CPE vai parafusada numa parede de concreto, é uma porcaria de aterramento mas comparado a NADA isso manda pra terra (com quase 1K de resistencia até a terra efetivamente) varias descargas leves).

    Que outras CPE's não tem queimado?
    Tenho Elsys queimada, OIW queimada, GTS queimada, Engenius queimada, TPLink queimada, SXT queimada, Kozumi queimada, PCBA's queimadas... até adaptador USB e placa PCI 5GHz que queimou em dia de tempestade...

    Acho que só sobrevive equipamento que tem custo bem mais alto, um NS Loco M5 está uns R$ 20 a mais que um WOM5000, esse custo está mais por questão de importação do que em custo de componentes, não vejo como proteger uma CPE sem ser com duzias de terras virtuais no circuito e CI's que aguentam tensões maiores, coisas que encareceriam demais a CPE, concordo com a estratégia da UBNT: Queimou algo nalgum cliente? Quer dizer que ELE (E não todos) precisa protetor ethernet e aterramento.

    Eu faço isso até com MINHAS coisas, espero ter danos pra então ver que tipo de prevenção ter. Não vou colocar estabilizador ou filtro LC se não tiver problemas na rede AC, e nunca tive (Só fonte de CPE queima, já fonte de roteador com antena externa nunca queimou, sinal que o problema é alta tensão induzida em cabo e não problema vindo pela rede elétrica), os problemas que eu mesmo tive nas minhas coisas foi tudo relativo a ethernet, com protetor de surto ethernet os problemas sumiram (São uns 8 meses usando protetor com diodos. Antes testei apenas varistores e em 2 ou 3 meses já tinha trocado), se eu CHUTASSE que teria problema na rede AC eu teria (Como 95% dos brasileiros) feito a burrice de comprar estabilizador, ia desperdiçar R$ 130 pra nada, já que onde há indução de alta tensão queimando lan eles não fazem efeito (Acho que uns 70% dos meus clientes sempre tiveram estabilizador, quem perdeu 1 lan perdeu varias mesmo com estabilizador, isso depende do local ter mais descargas e o campo eletromagnético delas chegar no angulo certo).


    Ah, sobre PCBA em caixa hermetica não queimar tanto: Fonte comum tem o negativo da fonte indo via cabo poe até o negativo do circuito, o negativo da fonte geralmente tem capacitor isolando o pino que numa tomada padrão (N.F.T) seria o neutro, ou seja, problema no GND da PCBA? Ele vai pro GND da fonte, que descarrega no neutro por um capacitor. Fonte UBNT tem isso? Num tem... o GND da CPE está ligado no GND da fonte, ambos estão sozinhos no mundo, sem ligação nenhuma com nenhum ponto descarregar. Então... repense esse negócio de "usar fonte UBNT porque são boas". Tá certo que fonte generica de R$ 15 não é nada melhor, mas "boa" as da UBNT não são, eu diria que são "suficientes", e apenas isso. Suficientes pra 90% dos usuarios, insuficientes pra uns 10%. O jeito de descobrir os 10% que precisam fontes melhores é testando, se uma der problea coloque outra melhor, ficar insistindo no erro é... todo mundo sabe o que.

  2. #22

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Citação Postado originalmente por wala Ver Post
    Uma coisa que eu notei em varias antenas que perdem a potencia e tambem o ping que fica oscilando de 5 10 ate 20 ms por cabo direto no pc e uma lentidão enorme para acessar o firmware
    Isso eu sempre estranhei, todas que ví com problema ficaram assim, até funcionam em 10M, mas lerdas e perdendo pacotes.
    Mas aí nos foruns tem um monte de gente com um papinho de "Não queimou nada não, passa pra 10M que funciona normal".
    Esse pessoal não testa ping? Ou usar CPE UBNT pra vender planinho lerdo de 500Kbps? Como eles não percebem?

    Essa lerdeza não é coisa de firmware UBNT, desde placa ISA (Sim, teve placa ISA 10/100M, não ví VESA mas ISA teve), PCI, adaptador USB, roteador de mesa, notebook, placa onboard de desktop, sempre ví isso, depois de raio a rede só é detectada em 10M, até parece funcionar, mas se ver ping e monitorar por tempo suficiente verá que nem em 10M opera direito. As vezes só a troca do chipset de rede resolve, mas nuns casos o trafo/driver tem que ser trocado, provavelmente porque aqueceu e umas espiras entraram em curto ou porque o aquecimento alterou a resistencia do fio fino da bobina. Em roteador de mesa acho que é mais comum queimar apenas o trafo/driver (O comum aqui: Queima o trafo da wan do roteador de mesa, e queima o chipset de rede da CPE, afinal ambos eram os 2 lados de um longo cabo ethernet exposto 5m pra cima e 5m pros lados. Queima de CPE UBNT, SXT, TPLink, etc. Queima trafo de roteador de mesa Linksys, TPLink, Dlink, 3Com/HP, Gothan, etc).

    Chipset de rede de PCBA antiga é mais parudo a meu ver também, provavelmente usam tecnologia de uns 200 nanometros, contra 50nm dos mais novos, isso afeta a robustes por mais que os fabricantes de componentes insistam que não, o componente até aguentaria pico de 10ms a 1KV, mas seria em pinos de alimentação, ele não espera isso de pinos de dados, mas é justamente de onde eles vem hoje, pelo menos no brasil. O problema é que litografia antiquada produz menos CI's por cada wafer, isso faz o custo do CI mais robusto ficar bem mais alto, só caprichar no chipset de rede talvez ia expor outra falha, e se começar a deixar tudo mais robusto você chega numa CPE do dobro do preço, que não ia vender.

    (Se colocar 2 barras de cobre de R$ 30 cada pra um aterramento meia-boca o cliente já não quer, imagina pagar R$ 500 numa CPE sendo que tem outra bem mais em conta por R$ 190! O consumidor ignora durabilidade ou o amanhã e presa o furo no bolso hoje, o fabricante atende a essa demanda: Quer produto barato? Toma aí essa coisa linda por fora que um designer desenhou por US$ 100 mil, quem em teste no mundo da fantasia entrega 99Mbps, mas que tem que ser desplugada da fonte POE me caso de chuva)



  3. #23

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Interessante tudo que vc falou. Uma duvida, trocando as fontes ubnt por outras de melhor qualidade ja seria o suficiente para diminuir as queimas das cpe e da porta lan?
    Que fonte poe vc indicaria que tenha um bom custo beneficio.

  4. #24

    Padrão

    Citação Postado originalmente por jodrix Ver Post
    Amigo emiliano melhore sua oferta e tenho aprox 300 aqui para te vender.
    Da não



  5. #25

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Rubem teria como disponibilizar o esquema do protetor com diodos? poderia me mandar por email? [email protected]
    obrigado

  6. #26

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Citação Postado originalmente por wala Ver Post
    Interessante tudo que vc falou. Uma duvida, trocando as fontes ubnt por outras de melhor qualidade ja seria o suficiente para diminuir as queimas das cpe e da porta lan?
    Que fonte poe vc indicaria que tenha um bom custo beneficio.
    Só a fonte eu duvido que ajudaria muito. Essa parte de ter um capacitor entre fase ou neutro e o GND ajuda pouco a CPE, uma boa filtragem na entrada ia só proteger a propria fonte.
    Lan queimada é quase sempre tensão alta induzida no cabo ethernet, acho que um protetor de surto em cada ponta é, das opções baratas, a menos ineficiente (Mas bom mesmo seria filtro decente na entrada, protetor de surto, e aterramento).


    Citação Postado originalmente por Bendertk Ver Post
    Rubem teria como disponibilizar o esquema do protetor com diodos? poderia me mandar por email? [email protected]
    obrigado
    Teria o sistema que a L-com usa, com ponte retificadora, zener, e centelhador:
    http://www.l-com.com/images/lightnin...-data-line.gif

    Teria o que a Ubiquiti usa, apenas um centelhador entre cada fio e o aterramento:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         savel.jpg
Visualizações:	679
Tamanho: 	53,1 KB
ID:      	57636
    A L-com (Ex-Hyperlink) tem outro modelo com um thermistor (PTC) em serie, é uma boa:
    http://www.l-com.com/multimedia/diag...CAT5EHPW_1.GIF
    (O array de diodos no circuito é o que tem no proximo link)

    Somente com diodos tem opções bem simples, eu estou usando essa:
    http://alter.org.ua/docs/net/thunder/anti-thunder.gif
    (Esse é o array)
    Basicamente 10 diodos 1N4148, e no meio o D11 é um diodo zener de 5 a 10V, a L-com usa se não me engano 6,2V. Eu usei o que tinha, se não me engano 6,7 ou 7,2V.

    Tem outro jeito de esquematizar ou montar, onde fica mais claro o que ocorre:
    http://www.exergia.info/Lightning/li...es/Image89.gif

    Como centelhador anda caro pra comprar, e um monte de diodos pode ter capacitancia parasita, uns protetores de surto estão usando uma técnica interessante:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         surge.protection.jpg
Visualizações:	325
Tamanho: 	27,3 KB
ID:      	57635
    Basicamente um PTC de poucos ohms em serie, e um varistor paralelo. O PTC aquece quando a corrente aumenta, limitando a tensão então, e o varistor entra em curto quando a tensão atingir determinado ponto. O trabalho é achar varistor de uns 15V, e não sei como anda o preço dos termistores, me parece que estão caros igual centelhadores!

    Dá pra juntar tudo, colocar PTC, centelhador, uma ponte retificadora com zener, e ainda por cima varistor. Mal não faz, proteção completa se faz com muitos componentes. Mas a venda não sei se tem algo barato, os protetores baratos são simples, UBNT é só centelhador, L-com é centelhador + diodos mas fica mais cara, tem protetor chines baratinho mas que só tem diodos, tem protetor nacional nem tão barato mas que é esse circuito final com PTC + varistor. Complicado escolher, mas qualquer um é melhor que nada.


    Ah... e eu falei que os equiptos nunca teriam proteção em rede, mas... já temos no mercado de componentes algumas partes que encapsulam numa peça só uma meia duzia de proteções, tipo:
    http://www.umdcorp.com/03-2.htm
    Alguns deles já são usados em circuito HDMI (Que são basicamente uma rede 10Gbps, com 4 pares de dados), são protetores a base de diodos + zener (Por isso optei por fazer desse jeito pro meu uso).
    O problema está em a industria começar a usar isso, e o consumidor aceitar pagar R$ 20 ou 30 a mais por modelo de produto com proteção melhor. R$ 30 é o preço da barra de cobre 1/2" de 2,4m pra um aterramento mínimo, nunca ví cliente se preocupando com aterramento, mesmo que levem choque em desktop todo dia.



  7. #27

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    O uso de eletroduto de pvc em paralelo a torre passando os cabos de rede por dentro deles diminuiria a indução de raios pelo cabo de rede? Ou assim mesmo teria problema?

  8. #28

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Citação Postado originalmente por wala Ver Post
    O uso de eletroduto de pvc em paralelo a torre passando os cabos de rede por dentro deles diminuiria a indução de raios pelo cabo de rede? Ou assim mesmo teria problema?
    Não colega,
    Em relação a dutos o que resolveria seriam aquelas mangueiras corrugadas com cobre interno que as telecom usa. Se vc passar perto de uma torre de celular das grandes vc vai ver varios dutos pretos que sobem, chegando perto deles vc verá que são mangueiras corrugadas (internamente tem cobre) e eles aterram essas mangueiras quando chega no chão... é um ótimo sistema ma$$$$$....além de não ter conseguido achá-las pra venda ainda devem ser caras paca....aliás, se alguém souber onde compra favor informar.



  9. #29

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Isso, é eletroduto metalico flexivel.
    Tem de varios metais, cobre mesmo acho que fica caro demais, o processo mais fácil hoje é com aço mesmo.
    http://indelflex.com.br/site/produto...tos-flexiveis/
    e
    http://www.ekoflextubos.com.br/efm-e...-metalico.html

    Quem quer coisa mais em conta, tem os dutos pra ar-condicionado, tipo:
    http://www.novaexaustores.com.br/eco...minizado-Metro
    Tem mais em conta, acho que uns R$ 6 por metro. Não é tão eficiente (Onde aluminio barra 10dB o aço inox barra 50db!) e duvido que aguente sol e chuva por muitos anos, mas é mais barato.

    Mas quem coloca cano de PVC também coloca duto rígido metálico, acho que a tubo de 6m, chapa 18, diametro de 1", deve estar uns R$ 35, num tubo de 1" passam 5 cabos UTP08 tranquilo. Daria pra incluir na construção da torre já que é aço pode soldar, deixa uns 3 ou 4cm mais curto que o modulo da torre pra não ter que ficar ajustando muito na hora de montar a torre, depois "tapa" esse espaço com luva metalica presa com fita (Corta um pedaço de cano de 1 e 1/4" de uns 10cm, corta no meio, e junta enrolando com fita. Existe fita isolante branca e vermelha se for pra ficar na cor dos modulos, uns 10 anos elas seguram).

    Pra usar PVC teria que aplicar alguma coisa nele, só PVC não atenua quase nada (Senão as antenas não teria involucro de pvc ou plastico), tem tinta epoxi especial pra microondas, R$ 15 a lata de spray que deve dar pra 1m de cano de 2". Tinta epoxi comum não ajuda muito, as especiais pra EMI (Shielding coating) tem limalha de metais no meio, tinta metalica automotiva não sei se ajuda, mas tudo isso de qualquer forma chega no preço de tubo de aço e se brincar o trabalho que dá compensa o uso de eletroduto metalico flexível, ou mesmo de cabo de rede blindado.

    Se levar DC por um cabo PP e usar rede 10/100M pode usar cabo blindado de só 2 pares, são bem mais em conta que os de 4 pares (Pra que 4 se não vai usar os 4?). A LanExpert tem uma versão do Hercules (Blindado) de 2 pares, última vez que ví preço era menos da metade do preço da caixa do de 4 pares

  10. #30

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Citação Postado originalmente por gabrielest Ver Post
    Não colega,
    Em relação a dutos o que resolveria seriam aquelas mangueiras corrugadas com cobre interno que as telecom usa. Se vc passar perto de uma torre de celular das grandes vc vai ver varios dutos pretos que sobem, chegando perto deles vc verá que são mangueiras corrugadas (internamente tem cobre) e eles aterram essas mangueiras quando chega no chão... é um ótimo sistema ma$$$$$....além de não ter conseguido achá-las pra venda ainda devem ser caras paca....aliás, se alguém souber onde compra favor informar.
    Mais aquilo não são os cabos rf das proprias antenas, cabo tipo celflex
    http://www.kerax.com.br/produtos-ker...orrugado-1-5/8

    O que eu quis dizer era se aquele conduite de pvc evitaria de pegar indução de raio no cabo pois seria um material isolante a mais e ja ouvi relatos de pessoas aqui no forum usar desse eletroduto de pvc ao lado do de aço para isolar mais o cabo de rede e não ter mais perda des radios por porta lan queimada ou por cpe queimada



  11. #31

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Não colega,
    TEm os eletrodutos metálicos, como o amigo Rubens cistou acima, isso resolveria na maior parte dos casos.

  12. #32

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Pessoal, alguém tem o regulador de tensão Z1212AI para vender ???



  13. #33

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Boa Noite Gente Blza? que a UBNT fabrica pensando em paises com aterramento e desenvolvidos isso nao eh segredo a ninguem. O que penso por exemplo uma CPE barata, é dificil ver queima de porta lan, normalmente queima a fonte e pronto.

    As fontes originais UBNT, vem com aterramento da LAN no Pino terra.

    Se nao tiver aterramento nao vale nada.

    Estou com uma teoria e se tirar esse jumper do RJ45 ate o pino terra, nao seria melhor?

    pois pelo pouco que entendo se der qualquer probleminha, o terra nao tem saida e joga pra rj45, queimando ou enfraquecendo a porta (ficando em 10mb)..

    Aproveitando o gancho, quando da pau em porta Troca o KEDIN??

    Abracao a todos

  14. #34

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Quem dá problema é o chipset mesmo.

    Olha o preço de um AR7240 ou AR7241 pra troca:
    http://produto.mercadolivre.com.br/M...ctedFromParent

    É metade do preço de uma placa de rede pci-e queimada num desktop!
    (Só é mais difícil trocar)


    Pra queimar o trafo/driver ("Kendim" era marca, e ela nem existe faz mais de uma década) precisa uma paulada e tanto, é um transformador mesmo, fio 40AWG ou pouco mais fino, não queima tão fácil hoje.

    Em produto antiquado se usava chipset com tecnologia de digamos 180nm (Coisa de Pentium2 ou Pentium3). Os Atheros AR7xxx dos Ubiquiti mais comuns (Os anterior a M tem AR2xxx, e os mais novos antes da Qualcomm tem AR9xxxx) tem litografia de 90 a 100nm.

    Tem coisa tipo Intelbras que pode ter resistência maior, mas tem que ver a "idade" dos componentes, me parece que usam uns Ralink da era dos 130nm.
    (Pra comparar, um processador Intel da familia Core recente usa 22 ou 14nm)

    Produtos mais novos Qualcomm/Atheros tem tudo junto, a CPU e a parte de wifi no mesmo chipset, eles só precisam ram, vrm pra alimentação, e uns filtros pra saída de RF (Nuns 15dBm provavelmente, se quiser mais tem que colocar amplificador, que é o que os melhores roteadores tem feito, e os amplificadores antigamente queimavam muito, começaram a ficar decentes faz poucos anos, a campanha dos cartões XR2 e XR5 era "Suporta até 15KV de descarga", era por ter amplificador melhor, e CI de RF mais protegido, abre um cartão o conta o numero de componentes passivos e compara com o setor de RF duma RB ou UBNT moderna, tem 1/5 dos componentes, mas custa 1/5 do preço (Cartão hoje custa US$ 49, e CPE completa uns US$ 59, e não tem roubo nisso, o cartão tem até MAIS componentes!))


    Complicado conseguir alto clock, baixo consumo, e muita velocidade, sem ser usando núcleos grandes (E um wafer tem tamanho fixo, nucleo grande significa menos nucleos por wafer, o custo de produção de um wafer é o mesmo tendo 50 ou 500 nucleos nele) ou litografia menor. E litografia tão pequena tipo 14nm torna o produto frágil demais a ESD, a distância entre as trilhas internas é muito pequana, qualquer tensão mais alta pula de uma trilha pra outra.

    O num wafer você faz digamos 200 nucleos de um chipset:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Intel_8742_153056995.jpg
Visualizações:	22
Tamanho: 	411,1 KB
ID:      	61825

    O processo de fabricação com milhares de "etapas" é igual ao que a Intel e AMD gostam de exibir, só muda as dimensões:


    Um dano num setor do chipset não necessariamente mata ele inteiro, dependendo de por onde a alta tensão passou pode danificar só parte do setor de ethernet (Perde rede 100M full, ou rede 100M), pode danificar todo o setor (Não funciona nem a 10M, ou nem acende led), ou pode queimar todo o chipset (Nem funciona wifi).

    Infelizmente não tem muito o que fazer, dá pra dividir tudo, colocando CI's por função (Radios digitais de 6GHz pra cima tem muito disso, tem 20 CI's pra algo que uma CPE tem só 1), mas aí o custo sobe muito, se um chipset custa R$ 30, 20 mais simples custam R$ 5 cada, de cara passa de R$ 30 pra R$ 100, mas a placa também aumenta (Passa de R$ 12 pra R$ 22), e tem mais componentes ao redor de cada CI (Filtros, divisores), mais uns R$ 10 ou 20 em componentes menores, e tambem precisa mais alimentação (O VRM de 10W não serve, tem que fazer um maior, pra uns 30W, sobe o preço dessa parte de R$ 10 pra R$ 20), e por fim, ocupa mais tempo na insersora, se a insersora colocar os componentes numa placa comum de CPE a cada 40 segundos, numa placa mais complexa vai passar pra 80 segundos, e com muito CI com solda BGA tem um índice de erros em solda POR CI, cada CI a mais aumenta o índice de erros, se tem 1 o índice fica digamos em 2%, passando pra 2 vai pra 4%, isso são placas perdidas que exigem reparo manual ou serem destruídas, quem paga isso é o consumidor, ele paga o custo total de produção dividido pelo nº de produtos, e não o custo dos componentes + hora de cada maquina ou funcionário.

    Ou usa componente antiquado que é mais resistente porque é mais grande, ou põe mil proteções e cobra do consumidor, ou põe aterramento.
    A UBNT produz pra quem põe a aterramento.

    Os EPMP tem umas proteções a mais, vai resistir mais. Mas o custo sobe.

    Pra ter todas as proteções possíveis acho que um NS Loco M5 tinha que custar quase o dobro. Então... sai mais barato colocar um aterramento simples.


    E o aterramento pelo RJ-45 vai até a fonte, e na fonte ele passa reto do jack RJ-45 até a tomada, se a tomada não tem aterramento tão faz, a malha do cabo é completamente desligada do resto da fonte, não tem nem um capacitor de isolamento.

    A queima costuma ocorrer no ponto de maior sensibilidade, alguém tem que dissipar a tensão se não houver aterramento.

    Se tem aterramento, a tensão vai pro terra e tudo se resolve por lá.

    Se não tem, isso vai ser dissipado em algum lugar. Se a fonte for frágil, a diferença de potencial entre o neutro ou uma fase (E o neutro é aterrado no transformador lá na rede elétrica, e se usar fase+fase tem aterramento no transformador IGUAL) vai se dissipar sobre o mosfet de chaveamento da fonte e uns diodos retificadores de entrada. Se essa parte for resistente (Fontes de 2015 dão show em fontes de 2005) ela vai aturrar isso. E a parte disso pode ter a queima do chipset por falta de umas proteções ao redor dele, um capacitor de desacoplamento ou resistor de carga em vários pontos, uns filtros LC, uns centelhadores e varistores, tudo ao redor do chipset pra absorver diferenças de potencial internas na CPE, mas isso significa uma centena de componentes ao redor, e não só 20 como tem em CPE barata. Sem esses componentes, o chipset é quem dissipa isso, e eles tem trilhas finas, transistores minúsculos, não suportam muita coisa (Não que um chipset feito com 180nm suportaria tudo, mas suporta MAIS), como temos visto muita lan biruta quer dizer que não tem TANTA coisa pra ele dissipar, são descargas pequenas, que qualquer aterramento porco tipo 1 mísera haste de cobre de 1,5m resolveria!

    A descarga tem que ir pra algum lugar, ou virar calor em varistores e centelhadores (Que custam caro pra serem colocados no circuito), ou ir pro aterramento.

    UBNT e MK tem suas proteções, mas tem o mínimo possível pra serem baratas (Consumidor compra por PREÇO ou por "velocidade" e não por DURABILIDADE). Intelbras pode sobreviver melhor nuns pontos mas tem que ver o desempenho, com chipset mais pobre o preço não seria tão menor (A diferença de preço de um chipset pro outro não é tão grande), tem economias noutros componentes, podem investir mais numa proteção no ponto A mas negligenciar componentes no ponto B aí o desempenho do wifi não fica uma maravilha, e já que o gargalo será aquele, pode tirar um pouco de ram e de rom (Os CI's de menor espaço são mais baratos), e assim você vai capando o produto pra reduzir R$ 50 no preço.

    (Tem tanta reclamação em Oiwtech ou Elsys por isso, tem os MESMOS chipsets que MK ou UBNT, mas e os componentes ao redor? Tem Elsys que queima lan só de tirar foto com flash, por falta de proteções no chipset, e elas não existem porque o produto é pra quem quer BAIXO PREÇO (Lembro de pagar R$ 70 a menos em Elsys que em NS Loco M5), mas não tem como fazer um omelete sem quebrar uns ovos, pra ser barato tem que baratear circuito, e isso se faz com componentes mais baratos (Ram e Rom menor, chipset mais pobre) e com menos componentes (Menos filtros e proteções), só que isso afeta desempenho e durabilidade. A UBNT tenta manter desempenho (É empresa de ex-engenheiro da Apple, como tudo da Apple o foco é desempenho e beleza, que se dane o resto), acaba pecando na durabilidade (E pra mim a intelbras peca no desempenho))



  15. #35

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Hum, tava lendo agora que a Ralink no RT5xxx já está nos 45nm. Então se tem Intelbras resistindo mais que UBNT, não é pela litografia do chipset e sim porque aquela coloca mais proteções que esta.

    Mas talvez isso seja relativo, tem lugar que queima mais coisas mesmo. Tive cliente onde placa pci queimava em 2007, CPE's 2,4GHz tipo Kozumi e Krazer queimavam em 2009, CPE 5GHz Oiw e Elsys queimavam em 2012, claro que uma UBNT em 2015 vai queimar também, deve ter relação mais com o ambiente (Muitas descargas por perto ou algo assim) do que com o equipamento.

    Alias... tenho cliente que queima parabólica e portão eletrônico todo ano, outros tem esses equiptos a 10 anos e nunca queimaram. Se colocar CPE nos 2 a durabilidade será diferente, ambos na mesma rede elétrica teoricamente (A distancia até transformador (Onde o neutro é aterrado) muda, mas o que mais muda é arvores ou construções altas ao redor, aparentemente elas é que levam as pauladas ao invés da rede elétrica ou dos pontos metálicos altos (Nem toda descarga é na forma de raio, qualquer ferro sem contato com a terra junta estática, mas ela não se acumula até dar um raio, dá pequenas ionizadas numas pontas nalguns casos, ou pequenos vazamentos de tensão quando chove ou molha algum ponto, senão dá pequenas faíscas se estiver tudo seco.

  16. #36

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    A perca de potencia me informarão que o chip rf de potencia que aquece muito em alta potencia tipo 25 dbi direto setado numa pobre argrid nesse calor escaldante que e o brasil uma hora não suporta e pifa.Talvez desmontando a antena e colocando um dissipador em cima do chip de potencia possa diminuir esse problema causado por exemplo por tecnico ruim que deixa a antena em default no firmware que vem em 25 dbi nas argrids e outras.



  17. #37

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Ah sim, dissipador nunca faz mal.
    Tem UBNT com e sem dissipador sobre a CPU. Um EPMP, por exemplo, tem dissipador enorme (Quase toda a traseira). Os TPLink TL-WA também tinham dissipador enorme e não abri os 510N pra ver como é.

    Eu já queimei 3 roteador de mesa Airlive com 19dBm enquanto 7 viveram por anos com 18dBm! Sério, mudei 2 pra 19dBm e queimaram em poucas semanas, mudei mais 1 e deixei em casa e também durou poucos dias. E outros 7 que comprei juntos passaram anos em uso, mas no default em 18dBm. Nessa época aprendi (No bolso! Essas porcarias custavam uns R$ 180 na época) que 1dBm de potência faz diferença.

    Tem um amplificador depois do chipset de RF na maioria dos equipamentos hoje (Exceto roteador de mesa de R$ 50), seria bom ter dissipador neles também se for usar potência alta.

    Aqui a "descrição" do grosso das partes de um NanoBridge (Só porque foi o que achei rapidinho em resolução decente no google, qualquer coisa é só mandar uma imagem em resolução decente e sem a latinha sobre a parte de RF que é fácil marcar os componentes):
    Anexo 61832


    Mas o dissipador de calor pode estar do outro lado da placa.
    Não é o caso do NB, não tem nada de dissipador no outro lado:
    https://wiki.openwrt.org/_detail/med...uiti%3Aairmaxm

    Mas os Groove Metal da MK (E talvez a linha Titanium da UBNT) tem dissipador no outro lado da placa, assim:
    Anexo 61831



    "Ah, mas o meu não tem dissipador e queimou o chipset em raio e não sozinho por calor"
    Aí entra outra informação: Todo semicondutor fica mais frágil (Aguenta menos corrente ou menos tensão) quando está mais quente.

    Digamos um mísero diodo, a 25°C ele aguenta digamos 1A (1 ampere), já a 45°C a capacidade dele baixa pra uns 0,8A, e lá pelos 80°C ele aguenta só 0,5A.

    (Por isso as vezes você tira e coloca uma fonte na tomada e ela queima. É que a corrente inicial (Pra carregar os capacitores) é geralmente bem maior que a corrente do circuito já ligado, é tipo corrente de partida de motor, uma geladeira chega a pico de 1,5A quando liga, mas depois normaliza nuns 0,4A)

    Ou seja, se o chipset ou o amplificador já está quente (E com 25dBm ele vai estar bem mais quente que operando com 17dBm), aí surge uma descarga na vizinhança, seja por cabo desde longe ou por indução em cabo próximo surge alguma tensão parasita no circuito, o componente quente está bem mais suscetível a queima que o componente frio.

    Se olharem dissipador de calor em notebook (É bom limpar e/ou trocar pasta térmica a cada X meses, uns 20-30 meses, então todos já devem ter aberti) verão que o dissipador sobre o processador e chipset, mas TAMBÉM sobre uns mosfets do regulador de tensão do processador. Se o componente não recebe ventilação (Em desktop o fan sobre o processador ventila também o VRM ao redor do processador) então ele precisa ter um dissipador de calor, ou então usar tensão muito menor que o que o mosfet suporta.

    Digamos que um mosfet suporta 12A com dissipador, mas... sem dissipador nenhum ele mal suporte 2A, então o fabricante cuidadoso só coloca em ele circuito que consumirá só 1A (Pra ter 100% de margem de segurança). Produtos baratos tipo Philco, STI ou Positivo vão ter corrente tipo 2A nesse componente teórico, porque um mosfet que suportaria 4A é mais caro e eles vendem produto BARATO e não produto BOM. São detalhes bobos que afetam muito o preço, afetam pouco o desempenho, e também afetam muito a DURABILIDADE a ADVERSIDADES.

    Em uso "normal" tudo dura, mas o bicha pega é nas "adversidades", um calor de 5°C a mais, ou uma descarga atmosférica mais próxima, podem significar a queima de parte do circuito que em uso "normal" ia ser quase eterno. Os ambientes são muito diferentes, não tem como dizer "isso vai queimar aqui" sem ver 50 fatores no ambiente (Distancia até transformador na rede elétrica, grossura do fio do neutro, resistencia do solo, existência de objeto metalico alto na vizinhança, temperatura, uma barreira metálica ou que atenue campos eletromagnéticos por perto, diferença de potencial entre o mastro de ferro e o solo, existência de uma ponta no ferro cortado favorecendo a ionização pra diminuir a diferença de potencia com relação ao ar, a existência de outros objetos metálicos por perto que já trocam carga eletrostácia com relação ao ar, ih... tem bem mais de 50 fatores que podem tornar a queima mais comum ou não, isso SEM trocar o equipamento, imagina com diferentes versões do equipamento (O mesmo roteador tem 8 versões, as CPE's XS, XM e XW são visivelmente diferentes, mas dentro das XW tem umas variações pequenas).

    Mas dissipador não faz mal não, ao contrário, se tiver um sobre cada mosfet, amplificador, regulador, ou chipset, MELHOR.

  18. #38

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Quem puder interessar: usamos UBNT ha mais de 6 anos e nao temos esses problemas. !100% dos radios estao com estabilizador (aprox 200)



  19. #39

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Usa aterramento emilidani? Que regiao vc eh? Aqui no sul ta foda

  20. #40

    Padrão Re: Como anda a novela da ubnt sobre queima de portas lan e perca de potencia?

    Caraii to no cel, terceira vez.. mas vamos la.

    Wue a ubnt desenvolve pensando em aterramento nao eh sefgedo a ninguem, sem chance de fazer aterramento em cada cliente, pois aqui no sul ninguem usa..