Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Ola pessoal alguém tem uma solução ou técnica para amenizar a queima de equipamentos na torre por descarga atmosférica? Sempre que tem raios na região queima rb, lan da nanobean e da Rocket, isso com cabo blindado! Alguém aí tem um esquema pra evitar?

    Conto com vocês!

    Enviado via XT1033 usando UnderLinux App

  2. O esquema é pára raio conforme ABNT, aterramento bem feitos, Clamper nas fases da rede de energia. Mas minhas torres só queima se a descarga for excessiva e geralmente só os radios da torre. Equipamentos de pé de torre é dificil.

    Enviado via SM-J110L usando UnderLinux App



  3. Hoje eu posto umas dicas aqui.

  4. Amigo, já passei por isso, a solução no meu caso foi colocar tudo com energia solar, isso isola quase 100% esses problemas. É lógico que também deve fazer um excelente aterramento, utilize um terrômetro pra medir. Cabos blindados também ajudam muito na questão de lan queimada por descargas próximas. Boa sorte.



  5. Citação Postado originalmente por Globalnetrj Ver Post
    Ola pessoal alguém tem uma solução ou técnica para amenizar a queima de equipamentos na torre por descarga atmosférica? Sempre que tem raios na região queima rb, lan da nanobean e da Rocket, isso com cabo blindado! Alguém aí tem um esquema pra evitar?

    Conto com vocês!

    Enviado via XT1033 usando UnderLinux App
    Esse problema não é por causa de "Raios na Torre", esse problema é sobretensão na Rede Elétrica que se propaga pela fonte do rádio e queima na entrada do PoE. Provavelmente você na utiliza estabilizador ou nobreak.

    Por esse motivo quem utiliza energia solar se livra desse problema.

  6. Vc usa o coletor Franklin ou a própria torre para receber a descarga atmosférica?



  7. Aqui na minhas torre comecei a instalar apara RAIO isolado da torre, com 6 astes de 2,40 formando uma espécie de malha, todas interligadas ao APARA RAIO, a torre esta aterrada em outra aste de aterramento, e a energia elétrica também está em outra aste de aterramento, acrescentei também protetor de surto, com isso consegui amenizar muito os problemas com queima de equipamentos.

  8. torre 18 metros com para raios isolado da torre, aterramento da tomada 3 pinos conforme norma técnica, o aterramento de tomadas foi feito no mesmo da torre, nunca me queimou nada, digo nada em 7 anos ... 3 nobreaks 2200va apc, 3 servidores opteron 2U, 3 switch hp, 2 reguas poe, 2 fontes 24v 10a, 1 ar condicionado split 7500btu, um quadro vt800 volt, 10 rockets, 5 powerbeam, 4 radios alvariom, 1 nobreak lacerda 1500va, 3conversores de fibra, 1 switch cisco .... acho que é isso ... na época mesmo com pouca grana contratei a empresa http://www.raiobrasil.com.br/ , valeu cada centavo.
    Obs: anualmente faço medição de resistência ôhmica pra ver se esta tudo ok, ao ler este tópico lembrei que não fiz a deste verão . Semana passada caiu um raio que chegou a desligar 1 servidor, depois da chuva fui lá liguei e tudo ok ... pode até ser sorte, mas com o verão de 40° do RJ todo santo dia chove, tempestade braba, então prefiro acreditar na eficiência do para raio bem feito ..



  9. Vamos lá rapaziada.

    A questão de aterramento e pára-raios é muito deixada de lado pelo pessoal que monta torres. E tem muito erro por aí! O principal deles é utilizar a própria torre como pára-raios.
    Vejam exemplos de como não fazer:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         torre.jpg
Visualizações:	309
Tamanho: 	16,3 KB
ID:      	65951

    Este caso é um caso típico em que o pára-raios da torre é a antena.

    As descargas atmosféricas são "preguiçosas", pois elas tendem a achar o caminho mais fácil até a terra. Quando há pára-raio instalado na torre, a descarga desce pelo franklin até o aterramento. Quando não há, a descarga se dissipa pela estrutura metálica da torre até chegar ao chão.

    O que muita gente esquece, é que a vasta maioria das antenas fazem um "curto" com a malha de proteção dos cabos. Um painel setorial por exemplo tem a sua fixação em curto direto com a malha externa do pig tail. (utilize um multímetro e faça o teste pra ver). Isso significa que uma descarga atmosférica que porventura venha a se dissipar na estrutura da torre, pode, e geralmente faz, é achar o caminho da malha do cabo até as placas dos rádios.

    Outra coisa. Não adianta fazer qualquer tipo de aterramento. Existe um padrão cientificamente comprovado de estrutura de proteção de um pára-raios.

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         metodo-de-franklin-942470.jpg
Visualizações:	168
Tamanho: 	36,7 KB
ID:      	65952

    Então não adianta fazer esta merda aqui:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         torre1a.jpg
Visualizações:	172
Tamanho: 	48,4 KB
ID:      	65953

    Este aqui é uma instalação de antena de telefone rural. Mas de que adianta colocar uma haste de aterramento que descarrega na estrutura metálica da torre e dissipa na própria antena? E pior... Utilizar a haste do pára-raios como suporte de antena.

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Antenas, Torre (4).JPG
Visualizações:	149
Tamanho: 	168,4 KB
ID:      	65954

    Outro exemplo onde os pára-raios são as próprias antenas.

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         p3080157.jpg
Visualizações:	222
Tamanho: 	924,4 KB
ID:      	65955

    Estes são os erros mais comuns que os provedores comentem. Saem por aí montando torre igual armar barraca na feira e querem que a coisa funcione.

    Agora imaginem uma operadora de celular, com centenas de torres pelo Brasil/Mundo se tivessem que ficar trocando equipamento queimado o tempo todo? Não daria certo. Então vamos observar o padrão de uma torre de telecom projetada por Eng Civil+Eng Telecom+Eng Eletrico + etc..


    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         torrecel.jpg
Visualizações:	147
Tamanho: 	17,6 KB
ID:      	65956

    Esse tipo de instalação é praticamente padrão!

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         1 - Para-Raio.jpg
Visualizações:	432
Tamanho: 	586,0 KB
ID:      	65957

    Perceberam que há isolantes para separar o sistema pára-raios da estrutura metálica da torre?? Se é pra utilizar a torre como um pára raios gigante não haveria sentido em todo esses equipamentos não é verdade?

    _____________________________________________________________________

    Como eu faço?

    Dessa maneira:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         DPS.jpg
Visualizações:	153
Tamanho: 	62,6 KB
ID:      	65958

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Esquema.jpg
Visualizações:	169
Tamanho: 	68,0 KB
ID:      	65959

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aterramento-elétrico.jpg
Visualizações:	278
Tamanho: 	120,2 KB
ID:      	65960

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aterramento045.jpg
Visualizações:	328
Tamanho: 	41,8 KB
ID:      	65961

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         DSC04645.jpg
Visualizações:	427
Tamanho: 	724,8 KB
ID:      	65962

  10. Eu gostei mesmo foi do recurso utilizado para prender o cabo de cobre nú a haste de aterramento, já que os conectores apropriados para aterramento vendidos nas lojas de materiais de construção são frágeis e quebram com muita facilidade, e as soldas exotérmicas não são acessíveis para qualquer um...
    Mas o problema foi resolvido com essas abraçadeiras em U, as mesmas usadas para prender o cabo de aço do estaiamento das torres.



  11. Citação Postado originalmente por dmarcio Ver Post
    Eu gostei mesmo foi do recurso utilizado para prender o cabo de cobre nú a haste de aterramento, já que os conectores apropriados para aterramento vendidos nas lojas de materiais de construção são frágeis e quebram com muita facilidade, e as soldas exotérmicas não são acessíveis para qualquer um...
    Mas o problema foi resolvido com essas abraçadeiras em U, as mesmas usadas para prender o cabo de aço do estaiamento das torres.
    Esses grampos U são um pouco diferentes. Eles são feitos de latão ou bronze... Nesse padrão aqui:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         1484240224442.jpg
Visualizações:	56
Tamanho: 	9,9 KB
ID:      	65963

    Enviado via SM-J110L usando UnderLinux App

  12. Respeito as opiniões porem existem outras "verdades" que gostaria comentar;

    1) A diferença de potencial de um Raio que cai uma torre vindo desde as nuvens é na ordem de 400.000 voltios. Quando chega no para-raio ele desce por todo os condutores possíveis e divide as correntes conforme a condutividade de cada. Se a torre é inteiramente galvanizada é possui pelo menos três montantes de tubo 33,7 x 2.65mm o equivalente condutivo seria uma cordoalha de cobre de 8mm de diâmetro e a corrente , mesmo assim se dividiria entre a torre e o cabo de cobre do aterramento . Agora os isoladores são de plástico e com uma separação do suporte metalico de uns 10 a 20mm. Voces acham que isso protege alguma coisa????. De fato que não!!!! e isso se ve na pratica. Esse motivos pelo qual os equipamentos profissionais, vao no topo das torres, são todos metálicos 100% , para isolar a eletrônica das descargas.

    2) A malha dos condutores tem que ir sim aterrada na torre, isso por se acaso a faisca cair na borda ou alimentador da antena ela passe automaticamente para a estrutura e ajude dissipar a corrente. O raio vai cair sim e descer pela torre e pelo todos os condutores estão preso a ela, a diferença que a torre esta aterrada com os chumbadores e hastes adicionais ,mentras que os cabos coaxiais (caso celular) tem aterramento antes de entrar nos equipamentos e ai sim se produz a proteção

    3) A melhor forma de proteger seus equipamentos na torre é evitar que caia um raio nela, e para isso se estiver em um morro junto com outras varias torres , todas com para raios, deixe a sua sem!!!! o raio vai para a torre que tem menor potencial elétrico, aquelas que estão melhor aterradas!!!!

    4) meu primeiro emprego foi na manutenção de estações repetidoras de micro-ondas, todas elas no topo de algum morro, nunca queimavam transmissores, sempre os nobreaks que estavam conectados a rede elétrica. Como os nobreaks eram suficientemente parrudos, não deixavam passar para os equipamentos.

    5) As redes de energia elétrica fazem percurso por vários quilômetros. A grande maioria tem seus aterramentos furtados o não tem fio (um paralelo aos de energia)de Para-Raios. A chance de eles absorverem raios ou serem induzidos por raios caídos nas imediações ou postes é altíssima. Trabalhando com TV via Cabo detectamos que todas as TV queimavam o sintonizador, quando havia tormenta elétrica. Acontecia que a sobretensão entrava pela rede elétrica e saia pelo conexão da antena conectado a rede de TV via Cabo, que sim tinha farto aterramento . Conclusão, como queimava o conector do sintonizador que esta conectado ao cabo da rede tv a cabo, os leigos concluíram que a sobretensão vinha da rede de TV via Cabo!!!

    Conclusão:, existe norma NBR que fala de descida de aterramento a traves da estrutura metálica mesmo e que é utilizada pela maioria de instalações de telecom na atualidade e todas minhas torres estão desse jeito e todos os equipamentos com nobreaks. Em 5 anos , de 15 Rocket não queimou nenhum.



  13. Sendo no meio urbano, basta ter aterramento na torre com para-raio, rede elétrica com fio terra( aterramento não pode se melhor do que a concessionária)e um bom filtro de fase ou linha.
    No meio rural, além destes itens a chave de retardo, um transformador de isolação é a melhor opção, aumenta o consumo em até 30% mas acredito valer a pena.
    Eu uso, mesmo para meio urbano e com no-break e nada queimou.

  14. Esta historia de cabo de descida do para raio ser isolada da torre é conversa pode ser usado a própria estrutura.
    O problema não é cair o raio na torre e sim o raio passar , circuitar pelos equipamentos, como muitos falam o raio escolhe a melhor condutividade, ai se sua antena for a maior condutividade ferrou vai fritar tudo mesmo

  15. Caso alguém ache caros demais fazer o aterramento correto pra para-raios, seguindo digamos isso:
    https://www.mspc.eng.br/tecdiv/para-raios-210.shtml

    (Tem que fazer o cálculo ficar abaixo de 10 ohms. Na maior parte do Brasil a resistência dos solos passa de 100 ohms por metro, em boa parte do norte, nordeste e centro-oeste passa de 200 ohms se for terra argilosa. No meu caso precisa umas 40 hastes com malha enterrada! Implica perder um espaço de 12x12m com malha e hastes enterradas, com grama ou vegetação acima, pra manter umidade no solo (Nada de concreto! Solo seco tem resistência alta demais!)

    É importante entender que cabo exposto é atingido por diversos campos eletromagnéticos de alta intensidade criados por raios PRÓXIMOS, eles induzem alta tensão nos cabos e essa alta tensão queima equipamento. Raio direto é coisa extremamente rara em torre de telecom, mas indução por raio nas proximidades acontece todo dia. Pra descarregar essa alta tensão em baixa potência que foi induzida, no caso de 2 ou 3 equipamentos, um aterramento básico de 1 ou 2 hastes de 2,4 resolve (Dependendo do solo, claro. Arreia ou cascalho exigem umas 3. E tem que ser solo que pega chuva as vezes, nada de solo que fica seco o ano todo. Se for solo seco (Por ter concreto em cima) precisa meia duzia de hastes pra ter o efeito de 3 hastes debaixo da grama ou 2 debaixo de uma horta irrigada todo dia).

    Protetor de surto é proteção extra, a maioria dos equipamentos já tem alguns componentes internos chamados TVS na entrada de rede, eles mandam pro terra qualquer sobretensão nas linhas de dados do cabo ethernet. Mas... no caso de uma indução maior eles são insuficientes, as vezes vale a pena aterramento + protetor ethernet.

    Somente protetor, sem aterramento, é quase inútil, a alta tensão induzida nos cabos tem que ter onde sair, os centelhadores ou diodos zenes nos protetores ethernet dissipam algo na forma de calor mas é pouco, o mínimo seria 1 haste mesmo, e bem enterrada (Nada de 1 palmo pra fora, e sim 1 palmo abaixo do solo. Quanto mais fundo melhor), mas tem gente que acha que 1 mísera haste é um aterramento completo. NÃO! Isso é o aterramento mínimo que não serve pra quase nada! O mínimo a fazer é o mínimo, mas quem quer proteção efetiva tem que fazer mais que o mínimo.

  16. Citação Postado originalmente por Bruno Ver Post
    Esta historia de cabo de descida do para raio ser isolada da torre é conversa pode ser usado a própria estrutura.
    O problema não é cair o raio na torre e sim o raio passar , circuitar pelos equipamentos, como muitos falam o raio escolhe a melhor condutividade, ai se sua antena for a maior condutividade ferrou vai fritar tudo mesmo
    Para aqueles que tem aterramento separado da torre, vale ressaltar que caso um raio caia na torre, haverá um diferencial entre os aterramento.... dessa forma o raio irá descer por um lado e subir pelo outro lado. O correto é interligar tudo no mesmo aterramento.

  17. Citação Postado originalmente por sphreak Ver Post
    Vamos lá rapaziada.

    A questão de aterramento e pára-raios é muito deixada de lado pelo pessoal que monta torres. E tem muito erro por aí! O principal deles é utilizar a própria torre como pára-raios.
    Vejam exemplos de como não fazer:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         torre.jpg
Visualizações:	309
Tamanho: 	16,3 KB
ID:      	65951

    Este caso é um caso típico em que o pára-raios da torre é a antena.

    As descargas atmosféricas são "preguiçosas", pois elas tendem a achar o caminho mais fácil até a terra. Quando há pára-raio instalado na torre, a descarga desce pelo franklin até o aterramento. Quando não há, a descarga se dissipa pela estrutura metálica da torre até chegar ao chão.

    O que muita gente esquece, é que a vasta maioria das antenas fazem um "curto" com a malha de proteção dos cabos. Um painel setorial por exemplo tem a sua fixação em curto direto com a malha externa do pig tail. (utilize um multímetro e faça o teste pra ver). Isso significa que uma descarga atmosférica que porventura venha a se dissipar na estrutura da torre, pode, e geralmente faz, é achar o caminho da malha do cabo até as placas dos rádios.

    Outra coisa. Não adianta fazer qualquer tipo de aterramento. Existe um padrão cientificamente comprovado de estrutura de proteção de um pára-raios.

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         metodo-de-franklin-942470.jpg
Visualizações:	168
Tamanho: 	36,7 KB
ID:      	65952

    Então não adianta fazer esta merda aqui:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         torre1a.jpg
Visualizações:	172
Tamanho: 	48,4 KB
ID:      	65953

    Este aqui é uma instalação de antena de telefone rural. Mas de que adianta colocar uma haste de aterramento que descarrega na estrutura metálica da torre e dissipa na própria antena? E pior... Utilizar a haste do pára-raios como suporte de antena.

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Antenas, Torre (4).JPG
Visualizações:	149
Tamanho: 	168,4 KB
ID:      	65954

    Outro exemplo onde os pára-raios são as próprias antenas.

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         p3080157.jpg
Visualizações:	222
Tamanho: 	924,4 KB
ID:      	65955

    Estes são os erros mais comuns que os provedores comentem. Saem por aí montando torre igual armar barraca na feira e querem que a coisa funcione.

    Agora imaginem uma operadora de celular, com centenas de torres pelo Brasil/Mundo se tivessem que ficar trocando equipamento queimado o tempo todo? Não daria certo. Então vamos observar o padrão de uma torre de telecom projetada por Eng Civil+Eng Telecom+Eng Eletrico + etc..


    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         torrecel.jpg
Visualizações:	147
Tamanho: 	17,6 KB
ID:      	65956

    Esse tipo de instalação é praticamente padrão!

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         1 - Para-Raio.jpg
Visualizações:	432
Tamanho: 	586,0 KB
ID:      	65957

    Perceberam que há isolantes para separar o sistema pára-raios da estrutura metálica da torre?? Se é pra utilizar a torre como um pára raios gigante não haveria sentido em todo esses equipamentos não é verdade?

    _____________________________________________________________________

    Como eu faço?

    Dessa maneira:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         DPS.jpg
Visualizações:	153
Tamanho: 	62,6 KB
ID:      	65958

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Esquema.jpg
Visualizações:	169
Tamanho: 	68,0 KB
ID:      	65959

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aterramento-elétrico.jpg
Visualizações:	278
Tamanho: 	120,2 KB
ID:      	65960

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aterramento045.jpg
Visualizações:	328
Tamanho: 	41,8 KB
ID:      	65961

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         DSC04645.jpg
Visualizações:	427
Tamanho: 	724,8 KB
ID:      	65962

    Perfeita explicação, minhas torres são assim, minha redução com problemas em equipamentos foi grande depois do correto sistema de apara raios, e não querendo fazer desmerecer a opinião de alguns colegas. Mais um apara raio correto e dessa maneira ISOLADO da torre, tomadas aterradas, e a torre aterrada, tudo feito separadamente.

  18. Citação Postado originalmente por alextaws Ver Post
    Perfeita explicação, minhas torres são assim, minha redução com problemas em equipamentos foi grande depois do correto sistema de apara raios, e não querendo fazer desmerecer a opinião de alguns colegas. Mais um apara raio correto e dessa maneira ISOLADO da torre, tomadas aterradas, e a torre aterrada, tudo feito separadamente.
    Agora deixo a pergunta:
    Porque será que as Operadoras não descem um para-raio isolado da torre... elas aterram apenas a torre?

  19. Citação Postado originalmente por AndrioPJ Ver Post
    Agora deixo a pergunta:
    Porque será que as Operadoras não descem um para-raio isolado da torre... elas aterram apenas a torre?
    Não sei de onde tirou essa ideia amigo. Mas torre de operadora de celular todas tem para raio. E são isolados sim. A diferença é que geralmente o cabo condutor desce pelo centro da torre por dentro de um eletroduto.

    Enviado via SM-J110L usando UnderLinux App

  20. Tem que ver que nem toda torre é condutora.

    Pra torre servir de guia elétrico (E ela pode servir) tem que deixar os contatos entre os gomos/módulos sem tinta, ou pelo menos o contato dos parafusos. Seja autoportante ou estaiada.

    Só não dá pra pegar uma torre já fabricada e pintada e ACHAR que ela vai conduzir por cima da tinta. Torre PLANEJADA pra conduzir pode tranquilamente ter para-raios preso nela.

    Torre autoportante pelo tipo de montagem geralmente é uma boa condutora, os módulos tem encaixe com parafusos na horizontal então eles são sempre forçados pra baixo, fazem contato nos 2 módulos, no orifício sem pintura. Mas módulo pra estaiada geralmente tem tinta até na borda do orifício dos parafusos, e eles ficam na vertical, a arruela faz pressão sobre a tinta e não necessariamente vai ter condução elétrica (Na verdade só vai ter se a pintura for mal feita).

    Por aqui a Oi usa para-raios preso na torre, mas as torres feitas nas coxas pela Tim (Porque tinha a propaganda de "1 torre por dia", fez tudo coisa incompleta tipo colocar só 2 setoriais 90° por torre, tudo as pressas) tem cabo isolado pro aterramento. Tá mais pra questão de planejamento, faz a sapata da autoportante com umas hastes embaixo e na lateral do concreto e a maior parte do aterramento já tá feita, tem resistividade bem mais baixa em relação ao solo que cavar valetas de 40cm pra enterrar hastes depois que a torre já está pronta.






Tópicos Similares

  1. Para ráios na torre
    Por marcelorodrigues no fórum Redes
    Respostas: 28
    Último Post: 22-02-2017, 12:28
  2. Respostas: 10
    Último Post: 08-01-2007, 11:59
  3. Para-raio em torre
    Por Good_speed no fórum Redes
    Respostas: 18
    Último Post: 09-12-2006, 09:52
  4. Medir sinal/ruído/snr na torre
    Por _Th0r_ no fórum Redes
    Respostas: 0
    Último Post: 14-09-2006, 09:23
  5. Respostas: 6
    Último Post: 22-02-2005, 08:03

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L