• Epidemia de Trojans para Plataforma Android

    De acordo com informações divulgadas pela Kaspersky, o número de pragas desenvolvidas para atacar o sistema Android triplicou no segundo trimestre desse ano e agora apresenta um equivalente a 15.000 novas amostras, o que pode ser considerado alarmante. No entanto, a concorrente F-Secure viu apenas um aumento moderado de cerca de 40 novas amostras de malware para a plataforma móvel do Google. Essa diferença entre as estatísticas é fácil de explicar, porém, há um método deliberado para isso.


    Popularização do Sistema Android Favorece Ações Maliciosas

    Os números publicados pela Kaspersky são aqueles que, como a maioria das empresas anti-vírus, conta co os chamados "exemplares únicos". Tecnicamente, isto significa que quando uma nova praga aparece, um valor hash é gerado para o programa. Se essa ocorrência não for registrada no banco de dados da empresa, haverá uma nova amostra única. Na prática, porém, uma nova amostra única poderia ser gerada por substituição de um "A" com um "a" no código, caracterizando um novo valor de hash mesmo que o programa malicioso permaneça totalmente inalterado. Sendo assim, no segundo trimestre de 2012, 14923 trojans para Android apareceram nas estatísticas da Kaspersky. Esta contagem é considerada quase inútil, mas ainda é muito difundida por várias razões; a facilidade de implementação é uma delas.




    Sistema Android ganhou popularidade e favoreceu a propagação de trojans


    No entanto, a F-Secure, por algum tempo, traz uma abordagem mais sofisticada ao analisar as pragas cibernéticas para as suas estatísticas, como as que apresenta em seu trimestral "Relatório de Ameaças Móveis". Ele baseia seus números para a distribuição de malware em famílias de malware ou em suas variantes e assim, fornece uma medida muito melhor da ameaça real em comparação com os valores inflacionados de amostras exclusivas. Dessa forma, a F-Secure descobriu que no período de abril a junho desse ano, 40 novas famílias (ou variantes das famílias de malware existentes) surgiram, o que caracteriza uma estimativa completamente realista.

    Porém, ambos os fornecedores de soluções de segurança concordam em um ponto: o Android é a plataforma móvel preferida para a disseminação de pragas digitais. Isso devido à sua popularidade, que vem ganhando proporções cada vez maiores, registrando um número crescente de entusiastas.


    Saiba Mais:

    [1] Mobile Threat Report http://www.f-secure.com/weblog/archi...rt_Q2_2012.pdf
    [2] IT Threat Evolution http://www.securelist.com/en/analysi...lution_Q2_2012

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L