• Tecnologia Auxilia Área Educacional a Aperfeiçoar Conhecimentos

    Na semana que passou, como todo mundo sabe (exatamente no dia 15 de outubro), foi comemorado o Dia dos Professores, dia no qual também foram programadas diversas manifestações pelo Brasil. Desta vez a pauta dos manifestos foi a educação, e sendo assim, a Information Week trouxe através desse texto, uma reflexão sobre a democratização do acesso ao ensino, a partir de como a tecnologia, aliada à reformulação de políticas, pode desempenhar um papel fundamental na educação, como tem sido feito no estado de Utah, nos Estados Unidos.


    Desafios a Serem Enfrentados no Âmbito Educacional

    A área da educação em nosso país tem enfrentado diversos desafios atualmente, e esses desafios estão aumentando cada vez mais. Mesmo com o aumento da demanda no setor, vários obstáculos em relação a redução de cursos, qualidade e acesso às vezes parecem ser fatores impossíveis de transpor. Hoje em dia, em tempos em que o mercado de educação busca uma expansão ao acesso à oportunidades e melhorar a qualidade do ensino, os orçamentos estão sendo significativamente cortados.


    Porém, surge uma questão: e se houvesse uma maneira de proporcionar educação de qualidade para todas as pessoas, no mundo inteiro, a um custo marginal próximo a zero? Claro que isso pode parecer um simples idealismo, mas esta possibilidade existe sim. Com a utilização de ferramentas técnicas e de licenciamento do século XXI, para tornar o conteúdo educacional disponível gratuitamente, qualquer pessoa a partir de qualquer lugar, poderia ter acesso a recursos educacionais de alta qualidade.


    OERs - Open Educational Resources

    Os chamados open educational resources (da sigla em inglês OERs, que na tradução quer dizer algo como recursos educacionais baseados em padrões abertos), são conteúdos educativos, que envolvem livros didáticos, currículo, vídeos, dentre outros elementos, que são tanto disponíveis a nenhum custo quanto de licenciamento aberto. Além disso, os OERs permitem a reutilização livre, revisão, remixagem e redistribuição do conteúdo educacional. Isto é possível através de fatores importantes como a Internet, o uso de tecnologias digitais (que custam quase nada para armazenar, copiar e distribuir) e licenças abertas de direitos autorais como os da Creative Commons.

    Educadores de todo o mundo já estão usando OERs, com a intenção de melhorar o ensino. Eles não somente reduzem os custos, mas também permitem que professores e alunos disponibilizem conteúdos em vários formatos que melhor possam atender às necessidades individuais dos alunos, que podem ser atualizados e melhorados continuamente, além de possibilitar novas e criativas maneiras de organização e proposição de conteúdos.


    Criação, Recriação e Colaboração com o Aprendizado

    Há todo um interesse em querer que esses alunos formem conhecimento próprio, que eles venham a fazer suas próprias criações, podendo também recriar conteúdos existente em novos trabalhos, colaborando e orientando ativamente o seu próprio aprendizado. Este tipo de aprendizagem mais profunda, é muito mais difícil de alcançar a partir de um conteúdo fechado e estático.


    Livros, Economia nos Custos e Atualizações Anuais

    Além do mais, os programas de OER podem trazer benefícios em uma proporção de 1:1 computador em relação a aluno, mas mesmo sem contar com esses recursos abertos mais requintados e modernizados, podem entregar resultados surpreendentes. No estado de Utah, nos Estados Unidos, um programa piloto usou livros de padrões abertos com 4.000 alunos do ensino médio. Uma vez que maioria das escolas participantes não dispuseram de programas de tecnologia 1:1, muitos desses livros foram impressos. Dessa forma, o programa economizou mais de 50% nos custos através da utilização de livros, ao invés de utilizar mais licenças proprietárias. Além disso, esses livros "abertos" estão sendo atualizados anualmente, ao invés da atualização ocorrer a cada sete anos.


    Personalização dos Livros Didáticos

    Professores e alunos são perfeitamente capazes de personalizar seus livros didáticos. Os alunos não só podem levar livros para casa, mas são autorizados a destacar, anotar e tomar notas neles, o que resulta em um envolvimento mais direto. De um modo geral, o programa tem sido tão bem sucedido que foi expandido para todo o estado para as disciplinas de artes e matemática (Utah é um estado Common Core, tornando seus livros abertamente licenciados e úteis para os 45 estados, o Distrito de Columbia e quatro territórios que adotaram Common Core).


    Diferenciação no Ensino e Recursos para Melhorias nos Níveis de Leitura

    Outros distritos escolares dos Estados Unidos têm utilizado recursos de licença aberta como o principal conteúdo para os alunos que utilizam dispositivos móveis. Com a finalidade de diferenciar o ensino, essas escolas sabem que precisam de uma variedade de recursos para lidar com uma série de níveis de leitura, estilos de aprendizagem e interesses. Além disso, essas escolas precisam de recursos instrucionais que podem ser fácil e legalmente reformatados, e colocados em uma variedade de dispositivos, como tablets e e-books, que vem ganhando uma popularidade significativa.

    Os OERs permitem essas opções a um preço acessível, possibilitando que orçamentos sejam redirecionados de custos que seriam gerados com livros caros para o investimento em ferramentas de tecnologia, professores e desenvolvimento profissional. A resposta é que existe um um problema político. A maioria dos políticos – não só dos Estados Unidos, mas isso também pode ser aplicado no Brasil – não compreende de que forma as ferramentas técnicas e de licenciamento do século XXI podem permitir, coletivamente, maior acesso à educação. Sem isso, os decisores da política continuam a tomar decisões baseadas em concepções e modelos de negócios antigos.

    Caminhar para modelos mais novos e mais eficientes pode parecer uma medida óbvia, mas a esfera política é lenta para promover essas mudanças, além de entrincheirada e influenciada o suficiente por modelos existentes. Há um profundo investimento em fazer as coisas do jeito que elas sempre foram feitas.


    OERs, Exigências, Vendas, Conteúdo, Educadores e Estudantes

    Em todo esse cenário, podem ainda surgir algumas perguntas, como por exemplo: como modelo OER pode afetar a indústria comercial de livros didáticos? As políticas que suportam OERs não exigem qualquer alteração aos materiais produzidos comercialmente. Cada produtor de conteúdo decide vender seus bens sob qualquer licença, a qualquer preço que desejar. E os consumidores, educadores e estudantes neste caso, podem escolher qualquer material que acharem que melhor atenderão às suas necessidades. Portanto, esse sim, é o sistema de um mercado livre.

    Dr. Camble Green, diretor global de ensino da Creative Commons, responsável pelo surgimento desse artigo, conclui claramente que está defendendo uma mudança por uma política de material didático com financiamento público. Isso porque milhões são gastos, anualmente, pelos nossos governos, com recursos para educação; e esses recursos de financiamento público devem ser abertos e acessíveis ao público.
    A meta de gastos com a educação pública, deve ser a de maximizar o alcance e o impacto da educação da forma mais eficiente e equitativa.

    E não há melhor maneira de fazer isso do que realizando a abertura de licenças e compartilhar, publicamente, os recursos financiados para que mais professores, estudantes e cidadãos possam ter acesso a recursos de educação de alta qualidade.


    Saiba Mais:

    [1] ITWeb http://itweb.com.br/109750/educadore...e-aprendizado/

    Sobre o Autor: Camilla Lemke


Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L