• Ameaças às Crianças On-line: Perigo é Real

    A Internet faz muito tempo que deixou de ser um local apenas para pessoas adultas. As crianças de hoje em dia, são muitas vezes bem mais ativas como usuárias de Internet do que os seus pais. Mas será que é seguro o suficiente para as crianças usar a grande rede sem medo, mesmo ao deparar com material impróprio? Para saber mais sobre isso, foi realizada uma investigação de potenciais ameaças on-line para as crianças. A pesquisa é baseada em dados processados ​​pelo Kaspersky Security Network. Foram analisados ​​dados de mais de um milhão de clientes da Kaspersky Lab. Cada um desses clientes tinha encontrado conteúdo perigoso, pelo menos uma vez no último ano. Além disso, os resultados mostram que mais do que metade (59,5%) de utilizadores encontrou conteúdo pornográfico; mais de um quarto deles (26,6%) entrou em sites dedicados a jogos de azar; houve ainda uma parcela de usuários que deparou com sites que comercializam armas.




    Controle Parental

    Em termos geográficos, os países com as mais frequentes detecções de Controle Parental foram China, EUA, Alemanha, Reino Unido e Rússia. A França, o Vietnã, Brasil e Argélia também se classificaram entre os dez primeiros em termos de conteúdo inadequado - mas eram relativamente mais seguros devido a uma menor freqüência de detecção. Cada um dos dez países mais afetados tem suas próprias características distintas, quando se trata de ameaças on-line prevalentes para crianças. Por exemplo, conteúdo adulto era a maior ameaça para os usuários na Alemanha (com 172 detecções por usuário), China (apresentando 144,18 detecções por usuário) e os EUA (com registros de 126,16 detecções). Conteúdo sobre álcool, tabaco e drogas apareceu como uma grande ameaça para os usuários da Rússia, Alemanha, EUA e França. A freqüência de detecção foi especialmente elevada nesses países. Este tipo de conteúdo também foi muito popular no Brasil e no Reino Unido.


    Cyberbullying: Perigo Rondando e Necessidade de Atenção

    Os muitos perigos aos quais os seus filhos podem estar expostos devido às pessoas que os conhecem não são poucos. Habitualmente, isto significa que a criança pode sofrer algum tipo de "cyberbullying", o perigo online mais comum ao qual as crianças estarão expostas. As estatísticas nesse sentido variam, mas pelo menos 20 por cento das crianças irá receber mensagens de assédio, mensagens de ódio ou com insultos através das redes sociais, do correio electrônico, de mensagens instantâneas, vídeos e textos. De forma bastante curiosa, bem ao contrário do tipo de bullying mais tradicional, o ciberbullying permite que os papéis se invertam quase que de forma instantânea. A vítima pode tornar-se um agressor, pelo simples fato de responder a uma mensagem de e-mail usando um outro tipo de ataque verbal, o que poderá envolver palavras de baixo calão. Assim, existe muito trabalho a fazer nas nossas escolas e comunidades online com a intenção de promover o civismo e a amabilidade na Internet. Também é necessário promover as respostas apropriadas para quando uma criança for confrontada com cyberbullying.

    Uma excelente fonte de informações sobre todas as formas de bullying, pode ser encontrada em http://www.stopbullying.gov/ e especificamente sobre cyberbullying em http://www.cyberbullying.us/. Além de tudo isso, é preciso aconselhar os seus filhos a nunca partilharem palavras-chave, nem mesmo com um amigo próximo. Mas se já o tiverem feito, eles devem alterar as senhas compartilhadas o quanto antes. Existe também uma outra questão muito importante, que é ensinar aos seus filhos a finalizar a sessão nos computadores, quando estes não forem mais fazer os seus trabalhos, mesmo estando em casa. Dessa forma, eles impedem que um amigo ou irmão publiquem algo ou enviem algo por e-mail usando a sua conta, mesmo se tratando de algo irrelevante. Vale lembrar que, se o seu filho estiver sendo vítima de cyberbullying, ensine-o a não responder, a guardar uma cópia de todas as mensagens e a comunicar a situação à escola ou ao Website onde ocorreu a ofensa.

    Se as mensagens incluírem ameaças, comunique imediatamente o fato à polícia. Se for comunicar o cyberbullying à escola, certifique-se de que esta segue o caso pessoalmente e peça um plano escrito de como a escola irá responder ao problema em questão. A maioria dos estados tem leis contra esta forma de abuso, e as escolas têm a obrigação de tratar deste problema, assim que lhes é comunicado.


    Reputação On-line

    Uma outra categoria de risco online é o mal que provocamos a nós mesmos. Isso pode ter muitas formas, incluindo sexting, que é o envio de conteúdo sexual por fotografia, vídeo ou mensagem de texto, a publicação de informações ou imagens privadas, comprometedoras ou controversas ou até mesmo negligenciar a configuração das definições de privacidade. Sexting é sem sombra de dúvidas, algo em que os pais jamais vão querer que os seus filhos se envolvam. As leis de pornografia infantil, entre outras, podem exigir que os professores, pais e as autoridades participem, se tomarem conhecimento dessas mensagens. Além disso, as crianças pensam que estão partilhando essas imagens em uma relação privada, mas muitas vezes, o destinatário age de má fé e partilha as imagens pelas mais variadas razões. Talvez porque a relação tenha acabado, talvez o destinatário queira se exibir aos amigos ou talvez um amigo veja as mensagens no telefone e as reenvie para outras pessoas.

    A "Reputação online" é um termo para todas as informações disponíveis sobre si na Internet, quer seja por pesquisa ou visualizando o seu perfil através de uma rede social. Esse retrato composto de si é como um perfil cibernético que conta uma história que distorce os fatos reais sobre si. Além de tudo, ouvimos falar muitas vezes de jovens que destroem o seu futuro acadêmico, profissional ou mesmo o seu relacionamento com publicações estúpidas, fotografias de bebedeiras enquanto menores ou por causa de inscrições em grupos online controversos. Isso reforça que a questão da privacidade na Internet é uma preocupação cada vez maior para muitas pessoas. Portanto, cada um de nós tem que dar os passos necessários para manter as suas informações pessoais seguras, protegendo as contas online, limitando as informações que publicamos em fóruns públicos e desistindo de serviços não utilizados ou não pretendidos.

    Importante salientar que as nossas vidas estão sendo publicamente documentadas a um nível, que é cada vez mais desconfortável. Para constatar isso, faça uma pesquisa online do seu próprio nome e vai encontrar as informações da hipoteca da sua casa e as informações com tag da sua rede social. As informações privadas podem ser utilizadas de formas irritantes e prejudiciais, por isso, compensa cada vez mais prestar atenção às questões de privacidade, e transmitir os bons conselhos e hábitos aos seus filhos.


    Cuidado com Conteúdo Baixado da Internet

    Quando as crianças baixam jogos a partir de sites menos confiáveis ou por meio de links em e-mails, mensagens de texto ou mensagens instantâneas, podem também baixar conteúdo ofensivo, spam ou software mal-intencionado. Alguns jogos "grátis" exigem um perfil detalhado e, desta forma, os proprietários do jogo podem alugar ou vender ilegalmente os dados da criança. Assim, as crianças podem sofrer intimidações. Alguns jogadores jogam apenas para hostilizar e agredir outros jogadores usando palavrões, enganando-os ou atacando-os de forma inadequada. Nesta sequência de tanta insegurança, muitas pessoas fortemente mal-intencionadas podem fazer amizade com as crianças. E alguns adultos podem tentar ganhar a confiança dos jogadores fingindo-se também ser crianças, compartilhando dicas sobre como ganhar os jogos ou dando presentes, como pontos. Eles podem tentar dar um golpe, fazer uma ligação ou até mesmo marcar um encontro pessoalmente.

    Perigos das Amizades Virtuais

    De acordo com pesquisas feitas com ONGs focadas em proteção na Internet, os principais perigos dessas relações via Internet são as influências negativas dos amigos cibernéticos e o risco dos encontros pessoalmente. Uma pesquisa realizada no ano passado nos Estados Unidos, apontou que os jovens tendem a beber mais quando estão expostos a influências de pessoas que consumem álcool ou outras drogas. A pesquisa focava, especificamente, na Internet, e dessa forma apontou conclusivamente que o consumo de drogas realmente aumenta. Além disso, em outras pesquisas realizadas, mais da metade das crianças afirma possuir amigos virtuais (o que assusta os pais) e 27% delas já encontrou seus amigos da Internet pessoalmente. Dessa forma, é possível acreditar que o primeiro dado deve ser interpretado como um ponto de atenção, mas o segundo é um ponto de preocupação: o encontro com amigos virtuais pode trazer riscos sérios para a criança. Em face de tudo isso, antecipe os problemas que podem surgir nas redes sociais e nos games que seu filho joga. Nas redes sociais, saiba quais são os tipos de informação que seu filho pode compartilhar (endereço, foto, lista de amigos, nome da escola, etc) e entenda qual o risco desse compartilhamento. O mesmo vale para os jogos online: seu filho pode interagir com outros personagens, enviar fotos, etc? É muito importante ter ciência sobre todas essas possibilidades.



    Saiba Mais:

    [1] Secure List http://securelist.com/analysis/publi...anger-is-real/

    Sobre o Autor: Camilla Lemke


Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L