Ver Feed RSS

phess

“Liberdade não é liberdade de escolha” – assim falou Richard Stallman

Avalie este Post de Blog
Em sua atual passagem pelo Brasil, Richard Stallman concedeu à Linux Magazine uma agradável entrevista. Foi uma rara oportunidade de conversar cara a cara com o nem sempre palatável mestre maior do Software Livre, criador da GNU GPL e do conceito de Copyleft, autor do emacs e detentor de tantas outras qualificações, conhecido pelas respostas incisivas e correções a entrevistadores que escorregam na diferenciação dos termos “Free Software” e “Open Source”, ou que se esquecem de prefixar o termo “GNU” ao se referirem ao sistema operacional GNU/Linux.

Stallman falou à Linux Magazine sobre SCO, Sun, Oracle, a liberdade de software e o conflito com aqueles que desejam subverter o significado de “Free Software” (Software Livre), usando em seu lugar o termo “Open Source” (Código Aberto) – além de críticas à Microsoft e ao software proprietário como um todo, é claro.

Linux Magazine» Tivemos no Brasil recentemente o programa “PC Para Todos”, que vendeu aproximadamente 3 milhões de computadores equipados com Software Livre, mas que também continham softwares não livres na forma de drivers binários no kernel Linux. Boa parte desses computadores receberam cópias não autorizadas de sistemas Windows. Você não acha justificável esse uso de softwares não livres, pois ajuda na transição de um mundo primordialmente proprietário para o objetivo completamente livre que você propõe?

Richard M. Stallman» Uma ideia seria vender computadores que não fossem compatíveis com o Windows.

LM» Mas isso restringiria a liberdade de escolha dos compradores.

RMS» Liberdade não é liberdade de escolha. Ter a opção de se acorrentar reduz sua liberdade. É simples: engana-se quem identifica liberdade como liberdade de escolha, porque a liberdade de se permitir acorrentar não aumenta a sua liberdade – provavelmente a diminui.

Este argumento está sobre uma superfície que não existe. Veja bem, se o hardware tivesse sido escolhido com cuidado, não haveria necessidade desses drivers proprietários. Eles poderiam ter dito: “Queremos um computador que funcione perfeitamente com Software Livre. Quem quer construí-lo para nós?”. Com essa quantidade (3 milhões), eles teriam uma ótima oportunidade de resolver esse problema, caso tivessem se esforçado. Poderiam até ter dito: “Queremos comprar esses computadores (3 milhões) de quem também for vendê-los para o público em geral”. Quem quer vendê-los?

LM» Agora que a SCO parou de espernear, quem você considera o maior inimigo da liberdade? Quem mais faz propaganda ativa contra o Software Livre e pró-software proprietário?

RMS» Eu nunca achei que a SCO representasse grande perigo. Com essa definição de inimigo, creio que seja a Microsoft. Mas isso não significa que o nosso maior problema seja a Microsoft. O maior problema são as patentes de software, e elas não estão ligadas a nenhuma empresa em particular. Existem muitas empresas que nos apóiam de várias formas, mas são favoráveis às patentes de software. A IBM, por exemplo, tem ações que nos ajudam e outras que nos prejudicam. Ela quer que as patentes continuem existindo e faz lobby a favor delas.

Confira a entrevista na Linux Magazine Online.
Categorias
Não Categorizado

Comentários

  1. Avatar de RobertoLima
    O maior inimigo do Linux por exemplo é o propio linux. vide Debian x Ubuntu Dizendo de passagem que os caras do Ubuntu criticam o projeto Debian Mais o usam como base para o Ubuntu. sem contar que temos pelo menos umas 1000 distros no mundo.
    dessas umas 100 são bem conhecidas só no brasil devemos ter umas 10 conhecidas.
    se fosse uma só todo mundo conheceria e ficaria facil de usar. igual é windows todo mundo critica, mais é um sistema facil de usar, não por ser propietario, mais sim por ter milhões de usuarios facilitando assim que um passe pro outro seus conhecimentos sobre o software.
  2. Avatar de Não Registrado
    [quote=RobertoLima;bt3419]O maior inimigo do Linux por exemplo é o propio linux. vide Debian x Ubuntu Dizendo de passagem que os caras do Ubuntu criticam o projeto Debian Mais o usam como base para o Ubuntu. sem contar que temos pelo menos umas 1000 distros no mundo.
    dessas umas 100 são bem conhecidas só no brasil devemos ter umas 10 conhecidas.
    se fosse uma só todo mundo conheceria e ficaria facil de usar. igual é windows todo mundo critica, mais é um sistema facil de usar, não por ser propietario, mais sim por ter milhões de usuarios facilitando assim que um passe pro outro seus conhecimentos sobre o software.[/quote]

    Sinceramente,este foi o comentário mais idiota que já li ! Meu caro Roberto LIma,você definitivamente não conhece nada de Linux.
  3. Avatar de Não Registrado
    "igual é windows todo mundo critica, mais é um sistema facil de usar, não por ser propietario, mais sim por ter milhões de usuarios facilitando assim que um passe pro outro seus conhecimentos sobre o software."

    Essa citação é verdadeira,qualquer cachorro da rua tem um certificado microsoft, apesar de usar linux exclusivamente já há 10 anos confesso que volta e meia encontro uma distro que o cara resolve mudar tudo de lugar e mudar alguns nomes aqui e ali, ao mesmo tempo que a heterogeniedade ajuda atrapalha também, padrões são o que todos os usuários linux pedem, mas que é difícil de conseguir até mesmo pela natureza de liberdade do linux, melhorias são necessárias, mas temos que esquecer do windows e caminhar independentemente, se o linux ficar correndo atrás do windows ele nunca vai o alcançar, temos que inovar com coisas novas e inéditas.

+ Enviar Comentário



Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L