Ver Feed RSS

blog.dennyroger.com.br

Teste de Invasão em Redes Wireless

Avalie este Post de Blog
Realizar o teste de invasão na rede wireless da sua empresa, ajudará a minimizar os riscos e a entender, por exemplo, que filtros por MAC podem ser insuficientes contra um ataque de um hacker.

Vulnerabilidades em Redes Wireless

Basicamente, existem dois tipos de vulnerabilidades em redes wireless. A primeira e a mais comum é a instalação/configuração padrão da rede wireless. A segunda vulnerabilidade está na criptografia utilizada para proteger as informações.

a) Problemas de configuração: A configuração padrão de uma rede sem fio é insegura. Este tipo de configuração facilita o acesso indevido à rede sem fio. O atacante precisa apenas configurar sua placa de rede wireless para acessar a rede.

b) Auditoria no WEP, WAP e LEAP: O administrador de rede pode determinar o tipo de criptografia que será utilizada na rede wireless. O WEP foi o primeiro recurso de segurança disponibilizado para redes wireless. Existem diversas ferramentas gratuitas que “quebram” a criptografia do WEP. O Aircrack (Aircrack - aircrack for Linux main) é uma suíte de ferramentas que consegue descobrir a chave do WEP, permitindo que o teste de invasão seja realizado com sucesso.

O WPA e a solução proprietária da CISCO (LEAP) também estão vulneráveis. É possível durante o teste de invasão, realizar um ataque de dicionário para descobrir a chave utilizada para acesso à rede wireless. Caso a sua rede wireless utilize o WPA, o CoWPAtty(SourceForge.net: cowpatty) realizará um ataque offline de dicionário para descobrir a chave compartilhada. É possível conseguir através da própria internet, uma lista de palavras em vários idiomas para o ataque de dicionário. Para download, acesse SUNET's Index of /pub/X11/kde.

Caso a sua rede utilize o LEAP é possível realizar um ataque offline de dicionário. Isso ocorre devido ao LEAP trabalhar de forma semelhante ao MS-CHAPv2. Ou seja, assim como no MS-CHAPv2, o LEAP trabalha no esquema de pergunta e resposta, passando o usuário em texto claro pela rede. A vulnerabilidade foi descoberta em março de 2003. O engenheiro de redes, Joshua Wright (http://home.jwu.edu/jwright/), desenvolveu a ferramenta batizada de Asleap para realizar o ataque de dicionário sobre o LEAP.

Localizando sua Rede Wireless

Agora que você já conhece algumas vulnerabilidades das redes wireless é necessário escolher a antena correta para iniciar o teste de invasão.

Fundamentalmente, existem dois tipos de antenas que você pode utilizar durante o teste de invasão: omnidirecional e direcional. As antenas omnidirecional cobrem 360º no plano horizontal. Utilize este tipo de antena quando o teste de invasão for realizado em áreas amplas.

As antenas direcionais concentram o sinal em uma única direção. Este tipo de antena é utilizado quando você já identificou a rede wireless da sua empresa e precisa direcionar o sinal para esta rede. Ou seja, quando você executar os ataques para auditar a rede da sua empresa, todas as técnicas serão aplicadas na rede wireless correta. Utilize uma antena Yagi para o teste de invasão.

O próximo passo é interligar a antena ao seu laptop. Para mais informações, acesse Comunidade Warchalking.

Observação: O autor deste artigo utiliza um cartão PCMCIA Orinoco com um conector externo para a antena. A antena utilizada pelo autor deste artigo é uma direcional Corneta de polarização horizontal ou vertical para trabalhar na frequência de 2.4-2.48Ghz. O custo do cartão PCMCIA com a antena é de aproximadamente R$ 360,00 ou US$ 171,43. A antena tem aproximadamente 30cm e pesa 760g, excelente para levar dentro do carro ou mochila.

É importante observarmos a partir deste ponto, que existem diversas ferramentas para localizar uma rede wireless. Cada profissional deverá escolher a ferramenta que mais se identifica com o seu perfil técnico.

Wellenreiter

O Wellenreiter é uma excelente ferramenta, com interface gráfica, para localizar e monitorar redes wireless. Através do Wellenreiter é possível identificar diversas informações da rede wireless que está sendo monitorada, tais como: Canal de comunicação, o ESSID, MAC Address, se a rede utiliza ou não algum recurso de criptografia, o fabricante do Access Point, entre outras informações.
A ferramenta também registra todo o tráfego da rede wireless. Sendo assim, você poderá utilizar o Ethereal para abrir o arquivo que foi registrado todo o tráfego, para uma análise mais detalhada das informações.

“Diz a lenda” que as ferramentas disponíveis para monitoramento de redes wireless, não conseguem identificar se a rede está utilizando o WEP ou o WPA. As ferramentas apresentam a informação que a rede está utilizando o WEP. Isso obriga o profissional que está realizando a auditoria na rede wireless, a procurar (utilizando o Ethereal) o frame que contem “.P….”. Para facilitar o diagnóstico, o profissional poderá procurar nos “Tag information” por “WPA IE, type 1, version 1″.

Airodump

O Airodump é a ferramenta que ajudará o profissional a capturar o tráfego da rede wireless. O profissional deve utilizar esta ferramenta para capturar o tráfego porque é possível determinar qual será a rede monitorada. Ou seja, caso existam redes wireless de outras empresas próximas a rede wireless da sua empresa, você irá utilizar o Airodump para monitorar apenas o tráfego da rede wireless da sua empresa.

O Airodump também consegue identificar se a rede está utilizando o WEP ou o WPA, facilitando muito as técnicas de ataque para descobrir a chave utilizada na rede.

Observação: Utilize o tráfego capturado pelo Airodump em conjunto com as ferramentas que descobrem a chave utilizada em redes wireless com o WEP ou WPA. Antes de executar o Airodump, execute o Wellenreiter e deixe-o funcionando no seu laptop. Os dois programas irão trabalhar em conjunto.

Ferramentas e Procedimentos

Hardware para o teste de invasão (Amazon.com: Orinoco Gold WarDriving STARTER Set: Electronics)

Wellenreiter (wellenreiter.net)

WAP Cracking (http://www.crimemachine.com/Tuts/Flash/WPA.html)

Aircrack para Linux ou Windows (http://tinyshell.be/aircrackng/wiki/...itle=Downloads).

Asleap (Redirecting to willhackforsushi.com).

Procedimento de ataque ao WEP e ao WPA (http://www.grape-info.com/doc/linux/...crack-2.3.html).

Apresentação de Joshua Wright (http://home.jwu.edu/jwright/presenta...eap-defcon.pdf).

Mais informações sobre a vulnerabilidade no LEAP (Cisco Security Notice:*Dictionary Attack on Cisco LEAP Vulnerability).

Observações Finais

a) Ataques por dicionário: A lista de palavras disponíveis no site SUNET's Index of /pub/X11/kde é excelente para ataques de dicionário. O ponto positivo da utilização desta lista é que não existem palavras repetidas no arquivo. O ponto negativo é que não existe um dicionário para o idioma Português.

b) WEP: É necessário capturar um número grande de pacotes quando a rede wireless está sendo protegida pelo WEP. Durante os testes de invasão realizados pelo autor deste artigo, foi necessário a captura de um número superior a 300.000 IVs. Para capturar um número tão grande de pacotes contendo IVs, podem ser necessárias várias horas de monitoramento da rede alvo. Existem técnicas intrusivas (capturar e re-injetar pacotes ARP, desconectar as estações de trabalho do AP, etc) que forçam o tráfego de pacotes contendo IVs que não foram apresentadas ou discutidas neste artigo.

c) WPA: Não é necessário um número grande de pacotes. Porém, é necessário capturar o tráfego de pacotes TKIP para que as ferramentas consigam descobrir a chave utilizada na rede wireless.

d) WPA2: O autor deste artigo não conhece vulnerabilidades no WPA2. As técnicas e ferramentas descritas no artigo não funcionam em redes wireless que utilizam o WPA2.

e) Pacotes mal formatados: durante o monitoramento da rede serão capturados diversos pacotes mal formatados. As ferramentas utilizadas durante o teste de invasão não funcionaram corretamente com pacotes mal formatados. Utilizando o Ethereal você poderá identificar quais são os pacotes mal formatados.

f) KNOPPIX: para não prejudicar o HD do seu laptop, utilize o Knoppix (KNOPPIX Linux Live CD).

g) Modelos de placas PCMCIA:
RadioLabs || Wireless Notebook Card || Buffalo G54A

ENGENIUS EL-2511CD+EXT2

HardwareComparison - SeattleWireless

g) Antena utilizada pelo autor do artigo: :: Antenas Pluton ::.

Denny Roger é diretor da EPSEC, membro Comitê Brasileiro sobre as normas de gestão de segurança da informação (série 27000), especialista em análise de risco, projetos de redes seguras e perícia forense. E-mail: [email protected].
Categorias
Não Categorizado

Comentários

Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
  1. Avatar de byosni
    e o pior de tudo é que os programas funcionan mesmo, estava testando aqui em casa, porque acho que o meu vizinho estava usando minha net de graça, e procurando na net achei um destes programas para quebrar a criptografia e consegui quebrar a da minha rede, o modo mais seguro que consegui, foi colocando outra criptografia, esconder o ssid (trocando ele por uma frase) e amarrando o ip+mac, uso RB com MikroTik aqui. t+
  2. Avatar de Administrator
    boa! legal..
  3. Avatar de Jockerman
    Utilizo o Aireplay para gerar tráfego na rede, acelera a quebra de criptografia WEP.
  4. Avatar de klogdin
    Ler esse artigo é constatar Teoria/Links do google nota 10, pratica 0.
  5. Avatar de dennyroger
    Citação Postado originalmente por klogdin
    Ler esse artigo é constatar Teoria/Links do google nota 10, pratica 0.
    Olá, obrigado por acompanhar o meu blog.

    O artigo foi elaborado a partir de um projeto de teste de invasão realizado para uma grande multi nacional.

    Caso haja qualquer outra dúvida, favor entrar em contato.

    Abraços,

    Denny Roger
Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo

+ Enviar Comentário




Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L