Ver Feed RSS

acris

O livro que comprei é meu?

Avalie este Post de Blog
Segundo o texto que acabei de ler no Slashdot (veja na underlinux), não. E fiquei pensando: é meu o livro de papel que tenho na minha prateleira de livros? Não. Ele também está sujeito a leis de direito autoral. Assim, eu comprei somente o direito de ler. Se eu quiser posso passar esse direito adiante, posso vender esse direito, mas não posso copiar o livro, reproduzir partes dele (coisa que na faculdade se faz todo dia, nossa, somos todos piratas!!!). Bom as licenças restritivas seriam, então diferentes das licenças livres? Sim, porque a licença livre pode me permitir copiar, desde que citada a fonte. Mas e quando eu copio um trecho do livro de papel e cito a fonte? Não é a mesma coisa? Fazemos isso todo dia em trabalhos escolares. Estou confusa...
Bom, já ouvi falar de trabalhos que precisaram comprar o direito à reprodução (especialmente em textos visuais ou sonoros) para fazer as tais citações.
Se fossem creative commons, não seria preciso comprar. Estaria bem mais de acordo com a finalidade: não fazemos trabalhos científicos para vender, eles servem para partilhar o conhecimento.
O conhecimento está retaliado e compartimentado em caixinhas privadas. Cadê a univers-idade?
Categorias
Não Categorizado

Comentários

  1. Avatar de Não Registrado
    Não é meu, mas também não é de quem detém do chamado "direito autoral". Para mim, o livro, dotado de um conhecimento implícito, somente atinge o seu objetivo quando é explicitado, fruto da interação entre destinador e destinatário. Ou seja, como alguém pode falar que aquele livro me pertence? Vejo o livro como um veículo, que permite usar e abusar, desde que faça jus à sua concepção e a quem o concebeu, ao citar a fonte. Quando utilizamos os pronomes possessivos "meu" ou "seu", no que tange à detenção do conhecimento, estamos cometendo um pecado mortal com a sociedade.
  2. Avatar de Não Registrado
    É meu sim, se levar em consideração o objetivo de partilha de conhecimento, pois a informação que ele repassa não está sujeita as leis autorais, mas sim aquele discurso, o modo como ele é feito. A informação chega a nós de uma maneira, mas devido a uma serie de fatores culturais e sociais, ela é interpretada e traduzida para nosso entendimento. Quando ela é repassa com a mesma essência, mas com a forma diferente.
  3. Avatar de acris
    Talvez tudo seja uma questão de saber em qual sociedade estamos (aquela que o direito é de quem produz, geralmente não o autor, mas a editora, só para dar um exemplo), e em qual sociedade gostaríamos de estar... Existem diferentes formas de mudar o mundo.

+ Enviar Comentário




Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L