+ Responder ao Tópico



  1. #19

    Padrão Re: Para ráios na torre

    Citação Postado originalmente por marcelorodrigues Ver Post
    Raio cai justamente onde é propício onde tiver pólo (-) terra

    Enviado via XT1033 usando UnderLinux App
    Esse tipo de raio é exatamente o inverso amigo.

    Raio negativo é formado na base da tempestade.
    Partículas com carga elétrica negativa (elétrons) correm por uma trilha invisível em direção ao solo. Pouco antes de tocarem o chão, atraem partículas elétricas de carga positiva.
    A carga positiva salta em direção ao céu e fecha o circuito elétrico.



    Sent from my iPhone using UnderLinux

  2. #20

    Padrão

    Citação Postado originalmente por marcelorodrigues Ver Post
    Raio cai justamente onde é propício onde tiver pólo (-) terra

    Enviado via XT1033 usando UnderLinux App
    Raio não "cai". A descarga eletrica se desloca conforme a diferença de potencial elétrico. Então ele pode descer pelo pára raios ou subir por ele, assim como ele pode se deslocar de um ponto a outro no ar sem a necessidade de ir a terra. Tudo vai da quantidade de carga eletrica potencial armazenada no ambiente. Fisica básica galera!!!!



  3. #21

    Padrão Re: Para ráios na torre

    E essa diferença de carga geralmente ocupam áreas de muuuuuitos km²!

    Tem uma área de 10km² aqui com solo do mesmo tipo, mesma resistividade ruim, uma núvem a 3km de altura se estiver passando por cima com carga oposta, e num momento que a carga do solo for alta assim como a da nuvem, isso vai gerar um raio em qualquer ponto dessa área de 10km². Uma torre de MÍSEROS 30m não faz efeito num trajeto de 3km! Faz efeito quando uma raio já está naturalmente se formando entre solo abaixo e nuvem acima dele, devido a alta resistência do solo a descarga nem "pula" pra torre caso comece por perto. Tipo esse perdido aqui pela condutividade da água salgada:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         8103778-3x2-940x627.jpg
Visualizações:	65
Tamanho: 	63,1 KB
ID:      	66237

    (E a água salgada faz a condutividade do solo abaixo subir, não é só pela capacidade da água salgada ter ions aos montes)

    Se tiver muita construção com pontas finas elas ionizam e tendem a equalizar a carga elétrica entre ar e solo, mas com construções retas sobre o solo a tendência é uma área enorme ter a mesma carga. Em cidades geralmente ocorre isso, tem poucas pontas finas fazendo ionização então um bairro todo (Ou uma cidade pequena inteira) vai ficando com a mesma carga elétrica em todo o solo abaixo, fica bem equalizado entre o ponto A e o ponto B do solo. O raio vai existir no ponto A ou no ponto B conforme a carga que estiver passando acima daquele ponto, se ao passar no ponto A a nuvem X tinha carga baixa ou altitude maior, e ao passar no ponto B ela já tinha aumentado de carga (Pelo vento circulando material particulado, "esfregando" nela) ou diminuído de altitude (Pelo vento ou diferença de pressão empurrando ou puxando a núvem pra baixo) ele vai cair no ponto B. E lá nos últimos 30 ou 40m perto do solo realmente uma torre de 30m faz diferença. Mas não tem mínimas condições de um torre no ponto B "atrair" uma descarga quando a nuvem está posicionada com sua região de maior carga sobre o ponto A.

    O aterramento só liga um mastro no alto da torre até a massa de terra. Vai ter alguns ohms de resistividade entre o mastro no alto da torre e a massa de terra por isso a área de proteção da torre de 30m não é exatos 30m pros lados em qualquer caso. A questão é que se a carga no solo abaixo da torre não tem diferença de potencial suficiente em relação à nuvem passando acima, NÃO VAI TER RAIO! A carga do solo e núvem é quem define o raio (Se ele vai existir, e onde vai), preciso o encontro dessas 2 cargas, digamos:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Raio.JPG
Visualizações:	59
Tamanho: 	42,9 KB
ID:      	66238

    A ponta do para-raios numa torre vai trocar com o ar praticamente a mesma carga que uma copa de arvore inteira, ou de um telhado metálico de 5m² ou telhado de cerâmica molhada de 100m², a diferença de altitude (Torre 30m mais alta que a vizinhança, digamos) pode parecer grandes coisas, mas com vento as nuvens se movimentam 30m em menos de 2s as vezes, tem raio que ocorre a partir de cargas de 25km de altura, eu falo em 3km porque é a menor altitude onde ele é comum no Brasil, mas é comum ter raio de 5 a 14km de altura. Nessa distância toda, com tanto vento mudando as cargas das nuvens (Esfregando material particulado um no outro de modo que esse material adquira carga), e com o solo abaixo da torre todo equalizado por muuuuitos km², a chance do raio se formar justo na torre não é muito maior que se não tivesse para-raios, e em tese só seria maior em dia sem vento significativo).

    Se a diferença de potencial entre solo e nuvem é suficiente pra criar uma faísca gigante, ela vai existir com ou sem uma torre ou um aterramento naquele ponto geográfico em que esse evento ocorreu. A torre só faz diferença quando isso naturalmente já está ocorrendo naquele ponto.

    Uma torre sozinha no meio de uma plantação de soja de 3km² sem pontas (Folhas redondas, sem pontas) vai ser o único grande objeto trocando carga com o ar, aí sim ocorre mais descarga CASO uma nuvem com carga oposta, e diferença de potencial suficiente, passe em cima. Só que se é uma plantação enorme e sem pontas vai ter pouca troca de potencial com o solo, o solo na vizinhança dessa torre não vai ter como juntar muita carga, e a nuvem provavelmente antes de passar por lá já vai ter passado por outras regiões com objetos de mais pontas ou saliências que trocam mais carga elétrica com o ar (Pelo vento esfregando os objetos), ou seja, a nuvem já vai ter descargas diversas antes de chegar nessa plantação hipotética e já vai estar com potencial mais baixo em relação ao da torre, a chance de raio é baixa igual.

    A nuvem tem muitos km², as massas de solo também, um para-raios de 0,03m² não vai "puxar" ou "atrair" descarga lá de longe. Caso o solo abaixo e a nuvem acima tenham diferença de potencial, a descarga iria ocorrer naquele ponto com ou sem antena, com ou sem aterramento (Mas circularia muita coisa por cabos e queimaria muita coisa).

    Ocorrem mais descargas em rede elétrica porque tem mais área exposta ao longo dos quilômetros. Um fio de 10km enrolado não faz efeito, mas se ele está esticado por uma extensão de 10km invariavelmente uma hora ou outra uma núvem de 3km³ vai passar sobre ele e vai ter descarga. Não é exatamente pela área exposta, e sim pela extensão linear da área, as nuvens tem cargas diferentes ao longos dos quilômetros então um objeto de extensão linear enorme tem mais chances de topar com uma nuvem de carga oposta o suficiente pra criar a descarga.

    (Mas usando trafo, ou fonte chaveada bem isolada, isolando AC da rua de DC rumo aos equipamentos, não terá descarga passando pela torre rumo a rede elétrica e vice-versa. Sem aterramento realmente é comum queimar a parte quente das fontes chaveadas (Porque é o ponto mais frágil do caminho, o negativo dos equipamentos é ligado na carcaça, em que caso de antena metálica é ligado na estrutura de aço da torre, e esse negativo na fonte as vezes é ligado no pino de aterramento da fonte e as vezes não (Em UBNT não é), se a descarga passou por 5km de ar, ao chegar na fonte pelo negativo, e não tiver pra onde ir, ela por acaso não vai pular os 2cm que afasta o negativo DC da corrente AC que vem da rua? Se venceu 5km de ar não são só 2cm numa fonte que vão ser um obstáculo! Vai pular pro circuito oscilador e queimar tudo mesmo com varistor AC (Porque a descarga não veio "da rua", simplesmente ocorreu de existir uma diferença de potencial alta entre o negativo DC e as linhas AC na entrada, estabilizador também não faz nem meio efeito nessa hora já que o ponto de "contato" entre um mundo e outro é a fonte chaveada. Aterrar esse negativo DC ajuda muito porque não vai ter diferencia de potencial suficiente pra pular os 5mm entre as trilhas numa fonte chaveada, ainda pode ser que queime um CI mais afrescalhado (Os amplificadores dos cartões eram mais porqueira no passado, só a segunda geração dos Atheros B/G passou a ter aquelas proteções antiestática tipo 5kV) mas 99% dos equiptos atuais já sobrevivem, aqueles TVS que as CPE's atuais tem já protegem o suficiente caso exista um aterramento mínimo evitando simplesmente GRANDES descargas (Eles lidam com as pequenas, que é o que sobra quando tem um aterramento simples e barato))

    Alias, outra situação de queima que não é culpa da rede elétrica é quando o negativo da fonte acaba unido ao neutro da rua (Tem fonte que une pino de terra ao negativo, e tem construção que une neutro e terra), o ponto onde a diferença de potencial entre solo e torre (Desligada no negativo quando se usa CPE de plástico) vai se encontrar será dentro da CPE, o cabo ethernet não se rompe (Precisa acho que 10 ou 15A pra derreter eles), os varistores não atuam (Já que eles atuam com diferença de potencial alta entre fase e neutro), fusível menos ainda, enfim, nada na fonte atua porque a questão não é com ela, o neutro está com a carga do solo na região, passa isso pro negativo da CPE, e de novo, o que passou por km de ar não vai deixar de passar por mais uns cm e afetar chipset, o ponto onde ocorre fagulha é o ponto de menor distância entre as 2 cargas, se esse ponto for o meio da CPE é lá que vai ser o dano. Se isolar da energia da rua ajuda (Com trafo isolador, ou com energia solar) mas não é questão de descarga vindo da rua, e sim o problema de você estar "ligado" a carga do solo, se seu equipamento é o ponto frágil da conexão ar-solo, é seu equipamento que vai queimar. Trafo isolador (Nada a ver com autotrafo) é tão barato que quem perde equipamento assim MERECE perder mesmo, eles são mais baratos que os lixos inúteis dos estabilizadores vendidos em todo canto.


    Se for uma torre de 300m sozinha no meio do nada concordo que vai ter mais descargas que o normal, mas aí o problema está também na quantidade de aço exposto sendo esfregado pelo ar, a torre "manda" pro solo mais carga estática gerada pelo vento, e também manda mais isso pro ar, é a situação em que ocorrem até raios fora da ponta do para-raios, tipo:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         269d80e64b834808200ec90065cba6d2.jpg
Visualizações:	61
Tamanho: 	76,0 KB
ID:      	66239
    Mas é meio difícil um provedor de internet ter uma maça de aço tão volumosa. Torre comum de 20-50m é fina, tem pouco aço, não interage tanto assim com o ar a ponto de criar mais raios naquele ponto do solo (Naquele 0,1km² digamos) caso ela não existisse.

    Pessoal que estuda raios e quer induzir eles precisa lançar foguete com 800m de fio de aço pra conseguir conduzir até o solo, porque uma torre não consegue fazer isso:

  4. #22

    Padrão Re: Para ráios na torre

    Citação Postado originalmente por sphreak Ver Post
    Raio não "cai". A descarga eletrica se desloca conforme a diferença de potencial elétrico. Então ele pode descer pelo pára raios ou subir por ele, assim como ele pode se deslocar de um ponto a outro no ar sem a necessidade de ir a terra. Tudo vai da quantidade de carga eletrica potencial armazenada no ambiente. Fisica básica galera!!!!
    @sphreak @rubem Já informou tudo que tinha sobre isso, coloquei dois links de vídeos sobre o assunto, mais que isso não tem o que explicar.
    E falar que é melhor não ter um sistema de proteção para descargas atmosféricas é brincadeira né !


    Sent from my iPhone using UnderLinux



  5. #23

    Padrão Re: Para ráios na torre

    Citação Postado originalmente por sphreak Ver Post
    Amigo... resumindo bem resumido, a função do para raios é fornecer um caminho até a terra para que a descarga não escolha fazer o caminho pelos equipamentos, antenas, radios, cabos, switches, RBs até achar o chão.
    Quanto a vir pela rede elétrica é só proteger a rede com Clamper e isolar o sistema.

    Enviado via SM-J110L usando UnderLinux App

    Assim de simples.

  6. #24

    Padrão Re: Para ráios na torre

    Você diz "A descarga vai ocorrer ali e o para-raios vai ser o "caminho mais fácil", apenas isso. "
    Se a descarga acontece no para-raio não quer dizer que ele atrai o raio? Se o taio escolheu esse "caminho" o que te za pensar que o "Caminho" não chamou o raio????

    Se não existisse o para-raio , o raio provavelmente cairia em uma das aristas da torre .
    Não é certo isso que uma torrinha de 30m não faz diferença, faz sim , porque quando se elevado solo diminui a distancia as nuvens (aumenta campo elétrico) e oferece as aristas (o solo normal não tem essa caraterísticas) e então oferece o caminho mais fácil para a ionização.

    Agora bem, se sua Torre esta em um morro , junto com outras torres e algumas mais altas, com certeza , quase absoluta, a ionização se inicia em torre mais alta com melhor sistema SPDA, então se a sua torre esta por baixo , vai ser protegida pelo "cone de sombra " da mais alta.









    Citação Postado originalmente por ShadowRed Ver Post
    O termo "Atrai raios" é que não concordo, parece que onde colocar o para-raios vai ter mais incidência deles e isso não é verdade.
    A descarga vai ocorrer ali e o para-raios vai ser o "caminho mais fácil", apenas isso.

    Agora deixar de instalar um porque eles "atrai raios" é loucura.

    E no caso da antena que postei, o raio foi nela e não da rede elétrica neste caso específico. E isso ocorreu apenas porque ali era o "caminho mais fácil" e não a 500 metros onde estava o "atraídor de raios".



    Sent from my iPhone using UnderLinux