Página 2 de 2 PrimeiroPrimeiro 12
+ Responder ao Tópico



  1. #7

    Padrão Re: Quebra da Previdência - Falácia

    Citação Postado originalmente por Nilton Nakao Ver Post

    Existe ainda a fraude, onde algum tempo atrás, muitos pagavam sobre um salário mínimo e ao atingir 36 meses para se aposentar, elevava para 10 salários mínimos aposentando com esse teto, conta essa que ainda estamos pagando, mais aqueles que nunca pagaram e estão aposentados rindo da nossa cara( trabalhadores/contribuintes) e falando que são sujeitos mais honestos do mundo; Temos ainda acidentes de trabalho que são fraudulentas só para receber o benefício seja parcial ou integral.
    Nilton, nesta questão dos recolhimentos sobre 10 salários, antes era sobre 20 salários. Nem sei quando mas acho que foi no primeiro mandato do FHC que barrou os 20 e ficou o teto em 10.
    Tem gente sim recebendo daquele período mas de uma forma bem desonesta por parte do sistema. Quem contribuiu para 10 salários hoje não sei se está recebendo sobre 5.
    Porque? Primeiro porque o cálculo para o valor inicial da aposentadoria é feito sobre uma média dos valores de contribuição não mais dos 36 meses mas sim desde julho de 1994. Verdade que dá para desprezar 20% das piores contribuiçoes depois de tudo corrigido. Só que a correção é feita pelo menor índice de correção. Uma correção sobre a contribuição no período antigo sobre 5 salários não dá 3 salários hoje. Este é o primeiro fator negativo para o cidadão.
    O segundo é que desde o governo FHC foi eliminado o salário mínimo para correção das aposentadorias já vigentes. Criaram o Salário de Referência. Este sempre é corrido com percentual menor do que o salário mínimo. Este fato também contribui para que quem contribuiu sobre 10 receba metade hoje. E vai receber proporcionalmente menos a cada ano.
    Ponto a favor das contas da Previdência.

    Hoje o teto para contribuição é sobre 5 mil e alguma coisa. Ninguém pode contribuir sobre mais mesmo que queira. Uma forma de empurrar quem pode para a Previdencia Privada.

    E como o desemprego é crescente a base de recolhimento encolhe significativamente pois o sistema optou por recolher da grande massa mas desprezar as contribuições dos altos salários. Poderiam estes contribuir mas daí sim por serem altos salários terem um cálculo diferente sobre a parcela que passa dos 5 mil e poucos do teto. Assim a Previdencia continuaria recebendo estes valores mas pagando sobre eles proporcionalmente menos. Seria uma ajuda ao caixa.

    Mas ainda o problema que vejo é a formula de financiamento da Seguridade. Empregados recolhem, empresas recolhem ( ou deveriam) mas quem garante que o Governo está fazendo a sua parte neste financiamento? As tabelas publicadas no artigo que citei não são fictícias, são oficiais e mostram bem que o poder público está sendo relapso no dever de casa e pior ainda, fazendo apropriação indébita por não recolher sua parte e ainda usar a parcela da DRU que foi criada no gov FHC para gerenciar as contas do governo. É um crime contra a sociedade desviar "legalmente" estes recursos da Previdência e depois vir a público dizer que a culpa é dos que estão envelhecendo...

    Hipocrisia dos políticos.... Se há déficit que provem...

    Agora, a bem da verdade, se há necessidade de reformar pensando no futuro, que se faça. Mas de uma maneira clara e não desta forma punhalesca. (caraca, nem sei se existe esta palavra).
    Não sou contra a reforma da previdência, mas da maneira como apresentam não vai funcionar. Como o Rubem já citou, em poucos anos vai ter que reformar de novo. E daí a coisa sim poderá ser catastrófica.

  2. #8

    Padrão Re: Quebra da Previdência - Falácia

    Se as últimas reformas foram a cada 25 anos, as próximas acho que serão em 15 ou no máximo 20 anos.

    E vai ser interessante ver em 2032 a discussão sobre as superaposentadorias dos anos 90, pois quem ganha bem e tem tempo e dinheiro pra gastar com saúde, usufrui da aposentadoria por muito mais tempo que contribuiu, reflexo simples da qualidade de vida (Que vem crescendo e criando idosos numa taxa nem sonhada em 1970).

    Quanto ao deficit simples, considera-se só previdência, o nome é deficit da previdência, não deficit da seguridade.

    Juros pesam mais que previdência? Pesam, mas não existe a opção de legislação diminuir os juros pagos. Juro só some quando paga todas as dívidas. Tem juro sobre títulos do tesouro e cia que tem previsão de recebimento em 30 anos, o único jeito de convencer os compradores disso a resgatar antes seria dar alguma bonificação, ou seja, dar ainda mais dinheiro pra quem tinha dinheiro pra comprar títulos no passado, e desembolsar uma grana enorme de um ano pro outro.

    Desconsiderando seguridade social (E nunca ninguém falou em deficil da seguridade social, só se alguém for ainda mais maluco e colocar toda a área de saúde no meio disso, e saúde não atende só trabalhador e contribuinte, o U do SUS é de universal, atende até mais gente inativa que ativa!), e usando só os números da arrecadação previdenciária, temos algo na casa dos R$ 350 bilhões de arrecadação, vide digamos aqui junto com toda a seguridade social:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         receita.jpg
Visualizações:	45
Tamanho: 	127,5 KB
ID:      	66786

    Foco da linha de arrecadação previdenciária isolada, R$ 350 bilhões em 2014.

    Em 2° lugar na arrecadação entra COFINS, cujo S não é "Previdência" mas sim "Seguridade" (Se fosse pra isso SUSTENTAR a previdência devia ser o COFINP), ou seja, o dinheiro do Cofins NÃO PODE servir pra tapar buraco de previdência! O Cofins é pago por empresas, a principal função disso deveria ser a trabalhador ATIVO (Inativo não trabalha, não tem porque uma empresa de 2017 pagar previdência de trabalhador de uma empresa de 1987) ter seguridade social ok DURANTE sua vida ativa, ou seja, ter menos problemas de saúde e portanto faltar menos, e nisso não entra só o SUS, até segurança, mobilidade e entretenimento contribuem pra sanidade mental e rendimento do trabalhador. Confins devia antes se gasto com mobilidade, entretenimento e cultura do trabalhador, do que a cagada previdência.

    Mas tá, voltando ao foco da previdência, lá dentro da seguridade social a previdência entra com R$ 350 bilhões em 2014. E sai com quanto? Sai isso aqui, R$ 384 bilhões:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         despesas.jpg
Visualizações:	47
Tamanho: 	118,1 KB
ID:      	66787

    Lá dentro da seguridade social (Que é uma ideia muito burra misturar tudo) o Cofins e quem tapa o buraco da previdência!

    Como vocês querem reforma tributária primeiro tirando o imposto e depois tirando a despesa que usava esse imposto? Tirando do Cofins a necessidade dele sustentar a porca e burra previdência atual, essa grana poderá ser reduzida (Diminuir carga tributária de empresas, luta de muita gente faz tempo) ou contingenciada pra outros setores, R$ 200 bilhões pra saúde, segurança, educação de adultos, cultura (Trabalhador não vai em peça ridícula de teatro de faculdade pública, o uso disso não pode ser igual o MinC fazia, financiando um lixo mais ridículo e emburrecedor que o outro, cultura tem que ter um fim mais nobre (Educação!!!) do que essa burrice de arte pela arte, isso não gera riqueza e portanto só gasta COM FIRULAS recursos escassos de um país pobre), mobilidade de trabalhadores, enfim, R$ 200 bilhões é uma grana GIGANTESCA pra melhorar a vida dos trabalhadores ATIVOS.

    E... metade de quem é louco pra se aposentar é porque optou por uma vida de trabalho de merda, quer sair logo do setor ativo e ir pro inativo porque as condições de trabalho dos ativos são uma merda mesmo. Se é pra gastar esses R$ 200 bilhões, quem tem um pingo de inteligência vai concordar que é melhor gastar dinheiro com quem produz riqueza (Os ativos) do que com quem não mais produz (Os inativos). Tirando o Confins da previdência, a seguridade social terá efetivamente grana pra fazer algo que NUNCA fez: Melhorar a vida do trabalhador! Hoje a SS só atrapalha, obriga a você investir no investimento mais burro do mundo (FGTS), obriga a receber 1/12 do salário a menos e receber a bolada no fim do ano SEM JUROS (Chama 13°, é um empréstimo mensal sem juros), alias, idem pras férias, é um empréstimo sem juros! Mas o pior é não poder vender todas as férias (Como se os 100 milhões de brasileiros ativos tirassem férias todo ano! Duvido que mal e mal 30% dos 40 milhões com CTPS tirem férias de fato! O resto vai empurrando com a barriga e faz acordo depois de 2 ou 3 anos, faz acerto, recebe tudo incluindo férias atrasadas, e continua trabalhando, país pobre não tem dinheiro pra férias).

    Mantendo a previdência ROUBANDO os recursos dos outros setores lá dentro da SS, não dá pra reclamar da falta de reforma tributária (Afinal não pode tirar o Cofins senão a previdência quebram, não pode tirar ICMS senão os estados quebram, e por aí vai, cada tributação tem seu uso, não dá pra mexer em nenhum se for analisar caso a caso), nem da incompetência da SS em promover melhorias de vida aos trabalhadores (Afinal quase toda a grana da SS vai pra meramente pagar aposentadoria pra quem NÃO é mais trabalhador).

    Enfim, por isso se fala em quebra da previdência, não quebra da seguridade social. A SS só se mantém porque contingencia recursos, e a previdência tá quebrada (Dando prejuízo) faz tempo, não arrecada o que gasta então está quebrada (E CofinS não é CofinP. Nem FAT é FAA (Funde de amparo ao aposentado. O FAT sim pode pegar grana da Cofins porque é empresa com trabalhadores ativos pagando pra trabalhadores ativos que passaram por dificuldades imprevistas (Aposentadoria é prevista, qualquer um sabe que vai ficar velho)).

    Se é pra todo o setor de previdência ficar só sustentando aposentado, tem que mudar o nome do setor de SS pra Previdência logo. Mas se o nome é seguridade social, tem que não apenas gastar com saúde, previdência e doenças de todos, tem que cobrar isso de todos e não só de empresas e trabalhadores. A definição de SS é burra porque engloba tudo, seguridade social de todos, em saúde, doenças, aposentadoria, desemprego, mas... as verbas só vem do trabalhador e da empresa! Oras, se as verbas só vem do empregado e empregador, porque gastar elas com todos? Os pilares da SS, que são previdência, saúde, e assistência, deveriam receber recursos iguais já que NO PAPEL tem importância igual! Mas... a previdência está recebendo praticamente 2/3 da grana da SS, enquanto os outros 2 pilares ficam com só 1/6!

    Alias, bolsa família e cia devia sair da SS, devia disputar grana com a previdência, por lei são 3 pilares e a lei não fala nada que a previdência tem direito a mais dinheiro que outros setores! A legislação não fala nada sobre equalizar gastos entre os 3 subsetores mas tem os 3 são citados lado a lado, o óbvio é que eles devem ter igual importância!

    No passado precisou-se a CPMF porque a SS já não tinha grana pro pilar da saúde, já gastava quase tudo com previdência e por isso saúde pública quase não recebia nada! Ou seja, nem é de hoje que a previdência está roubando grana de outros setores que atendem ativos, não apenas inativos.
    Miniaturas de Anexos Miniaturas de Anexos Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         tabela-receitas-despesa.png
Visualizações:	35
Tamanho: 	80,6 KB
ID:      	66784  



  3. #9

    Padrão Re: Quebra da Previdência - Falácia

    @rubem, pelas tabelas pelo que entendi, o setor urbano não é o responsável pelo chamado rombo. Pois o que ele arrecada praticamente empata com o que paga em benefícios.
    O setor rural contribui pouco individualmente mas é pago muito mais para este setor.
    E não esta contabilizado nas planilhas os recursos arrecadados com o Funrural que pode amenizar este suposto déficit do setor rural.

    E faltou nas tabelas o setor público... Aí me parece que a caixa preta está "lacrada".

  4. #10

    Padrão Re: Quebra da Previdência - Falácia

    A previdência rural é um gigantesco poço de fraudes, só ao meu redor tem umas 8 ou 9 pessoas que passaram a maior parte da vida adulta em área urbana, mas que na hora de se aposentar residiam no campo, ou pior, fizeram tipo minha vizinha, vive em cidade a 30 anos, mas nunca contribuiu com nada e por isso a única aposentadoria que conseguiria é rural mesmo.

    Tanto que gera esse número maluco, praticamente 1/3 dos aposentados informaram vir de atividade rural:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         Nova_Imagem_10.jpg
Visualizações:	43
Tamanho: 	29,7 KB
ID:      	66788

    E desde quando mais de 1/3 do Brasil vive no campo?

    Segundo o IBGE cerca de 15% do Brasil é rural.

    Como tem 15% da população ativa no campo, mas 33% dos aposentados?

    Está muito claro que tem fraude pra todo lado, pessoal analfabeto e ignorante que passou a vida toda sem contribuir com INSS, na hora que chega nos 65 anos vai correndo pro INSS requerer sua aposentadoria e descobre que o único jeito é MENTIR dizendo que é trabalhador rural.

    Graças ao analfabetismo e ignorância nos interiores, vão ter que praticamente acabar com a aposentadoria rural sem ter pelo menos uns 10 anos de contribuição, quem vai se ferrar bonito é o analfabeto que acha que é só ter 65 anos e ir requerer, vai dar com a cara na parede e sair sem aposentadoria.

    O Brasil é um poço de economia informal na hora de PAGAR impostos, são sói 40 milhões de CTPS assinadas. Mas na hora de RECEBER ajuda aí todo mundo quer aposentadoria formal bonitinha. Trabalhar na informalidade, sem abrir CNPJ ou recolher nada todo mundo quer, mas depois dos 65 anos ninguém quer continuar informal e viver SEM o estado. E... o jeito mais simples de conseguir surrupiar um pouco do dinheiro do estado é como trabalhador rural, precisa comprovar pouquíssima coisa (Comparado a uma aposentadoria de uma profissão formal qualquer tipo mecânico, pedreiro e etc).

    Na sanha de defender os ignorantes (Que em sua minoria são mesmo pessoas sem nenhuma opção de mudança ou de busca de escolaridade) o estado sempre abre brechas enormes pros jeitinhos brasileiros, a aposentadoria rural é o jeitinho mais caro, dá só salário mínimo, mas o é para um número gigantesco de pessoas que no geral NUNCA contribuiu com a previdência (Donas de casa, agricultores de subsistência que mal vendiam algo e portanto nem geraram dividendos na forma de impostos, e principalmente trabalhadores informais que PROSTITUEM o mercado praticando preços 15% mais baixos (Que o mercado formal) apesar de não pagarem carga tributária equivalente a uns 22 a 25%! Cadê a porra dos compradores de MUAMBA pra pagar a aposentadoria dos MUAMBEIROS que trazem contrabando do Paraguai e vendem sem nota? Agora esse povinho pilantra some! Reclamam que a carga tributária é alta, mas na hora de sustentar os idiotas que passaram 35 anos vendendo muamba e nunca recolheram INSS, na hora de pagar a aposentadoria pra esse povo os muambeiros somem! Vão lá sustentar seus antigos atravessadores, pra ver qual o custo REAL dessa atividade CRIMINOSA de trazem muamba do Paraguai!

    Um dos pontos da reforma era a obrigação de contribuição individual de pelo menos 15 anos pra aposentadoria rural, isso diminuiria MUITO essas fraudes, provavelmente zerariam as fraudes se obrigasse a informar localização e produção, ou a ter inscrição estadual na propriedade. 15 anos pagando contribuição de um setor que não é o seu é muito tempo, duvido que muita gente perpetue a fraude por 15 anos digamos trabalhando em área urbana em funções informais. Ia atingir em cheio justo os mais ignorantes e desinformados, mas quando você afaga demais o ignorante na verdade você está é incentivando a ignorância. Não pode "estar tudo bem ser ignorante", senão você só incentiva o atraso ao invés de incentivar a informação e as melhorias.

    Em pleno 2017 o que mais tem é gente que gasta tempo com lixo tipo Facebook, mas se vê aos 64 anos sem ter contribuído NADA pro INSS, e por isso recorre a aposentadoria rural, que é mais simples burlar, é só alegar que você é um coitado analfabeto e nunca teve a chance de se informar, a chance de conseguir aposentadoria rural é quase 100%, é só ensaiar bem, arranjar chácara emprestado caso informem que irão fiscalizar sua moradia, e tá feito, vai passar 30 anos recebendo benefício sem nunca ter contribuído com NADA!

    (Ou nalguns casos, é só se filiar a um sindicato rural, a função de sindicatos quase sempre é tirar seu dinheiro e não ajudar em nada, mas nesse caso a filiação a sindicato rural serve de prova extra pra aposentadoria. Custa alguma coisa mas pessoal em sindicato é pior que vendedor, mostram mil vantagens (Que ninguém nunca usa, tipo 5% de desconto nalguma farmácia que é 6% mais cara que as outras, ou desconto em faculdade mequetrefe pra cursos toscos que nunca tem alunos tipo vitrinismo), convencem fácil o capiau a se filiar ao invés de convencer ele a pagar INSS)

    Enfim, o problema da aposentadoria rural não está ligado ao campo, está mais pra ignorância (Meio que ligado a área de educação e cultura) principalmente FORA do campo, de morador urbano partir pra aposentadoria rural porque esta sempre foi mais simples de burlar.

    (Alias, o Brasil segundo o IBGE teria 18 milhões de moradores rurais, 9,2 milhões de aposentados rurais. De cada 2 moradores rurais 1 seria trabalhador e 1 seria aposentado SE NINGUÉM MENTISSE! Mas na prática na maior parte do país os aposentados mal e mal são 20% do que tem no campo, o campo exige trabalho pesado, que gente de 70 anos não consegue fazer. No máximo esses aposentados estão em sítios ou agrovilas que não produzem nada (além da subsistência) que de qualquer forma não tem nada a ver com agronegócio, estes são a parte extremamente improdutiva e atrasada do campo, que talvez a previdência tem até INCENTIVADO, viver de subsistência por uns 15 a 20 anos porque sabe que depois dos 60 anos terá aposentadoria (1 salário mínimo, que no geral é o dobro do que um casal de idosos consegue tirar do campo sem tecnologia nem informação. Não precisa mais que subsistência porque a aposentadoria logo chega e paga muito mais que muita gente desinformada conseguiria ganhar no campo, logo, é só mais um incentivo á ignorância e ineficiência, que essa reforma ainda não vai resolver que o sentimentalismo burro de só pensar no 0,5% sem acesso a informação ainda reina na política, populismo barato puro e simples de foder com 70% da população na sanha de tentar defender 0,5% que praticamente opta pelo comodismo de ficar na sua terra santa e sagrada plantado como árvore esperando benefício cair do céu depois de certa idade))



  5. #11

    Padrão Re: Quebra da Previdência - Falácia

    mas e o dinheiro do "novo" Funrural, para onde vai? Não apareceu nas tabelas.

    E porque naquelas tabelas das receitas e despesas da Previdência não entraram as receitas e despesas com funcionalismo público?

    Concordo plenamente com todas as argumentações apresentadas. É fato que precisa ser feito algo para o futuro senão vai entupir tudo...
    l
    A minha alegação é com relação as contas apresentadas nos anos recentes que tem sido utilizadas como argumentos a favor da reforma... Se hoje tem esta receita de 600 e poucos bi e ainda não está dando (segundo as autoridades, mas não segundo as planilhas), o que vai ser daqui a 30 anos? Apesar de que nas planilhas as contas do setor urbano e rural mostram que o déficit não é tão grande quanto divulgado na mídia.
    Você encontrou alguma planilha que mostre receitas e despesas com a previdência pública?

    Outra questão que preocupa. Se a economia em 10 anos vai ser de 600 e poucos bi, não vai ajudar muita coisa pois se alega que em 2016 o déficit foi de 150 bi e vai ser próximo do 190 bi este ano. Então está me parecendo uma piada esta economia de 650 bi em 10 anos.

    Como eu já expressei antes, não acho de modo algum descabida uma reforma. Acho sim que precisa ser feita pensando nos próximos 30 anos. Só não concordo com os déficits apresentado na atualidade.

  6. #12

    Padrão Re: Quebra da Previdência - Falácia

    Essa previsão de aumento maluco em 10 anos é porque tivemos um aumento maluco nos últimos 10 anos.

    Graças a informatização, sonegação é mais difícil, aposentadoria sem muitos comprovantes está mais difícil, analfabetismo a ponto de nem saber que pode se aposentar está mais raro, enfim, está tudo mais legal ultimamente, a arrecadação aumenta mas as despesas também, menos gente aceita um "Não tem aposentadoria pra você".

    Nas tabelas lá em cima, a receita dobrou de 2008 a 2012, as despesas dobraram de 2008 a 2014, são anos diferentes mas o fato é que falamos de diferença de 100% em poucos anos! Um lento aumento de 10% ao ano parece inofensivo mas 10 sobre 10 e em apenas 7 anos soma aumento total de quase 100%, quase dobra!

    Se nos últimos 10 anos o acesso a informação, e a informatização, criaram essa mudança de 150 a 180% em 10 anos, tem potencial pra criar até mais que isso nos próximos 10 anos quando até indigente vai ter vida digital.

    O problema nem é só aumento populacional, mas sim população cada vez mais informada que tem o direito X ou Y e ir requerer esse direito! Ou recolher INSS por um período mínimo e estar apto a receber o benefício (Coisa que provavelmente em 1990 só meia duzia fazia).

    Informação é bom, mas a informação que boa parte da população tem é que tem direito ao benefício, mas não aceitam que tem a obrigação de pagar antecipadamente por ele (Tipo MEI que paga R$ 400 por ano e já acha que paga imposto demais! Não sabe o que pagar R$ 3 ou 4 mil de ICMS e Simples, pra sobrar mal e mal R$ 50 de lucro líquido numa pequena empresa), parece que a maioria das pessoas só retém a informação que lhes interessa, que tem direito a algum benefício (Ignoram as informações sobre as obrigações).



    Sobre previdência do funcionalismo público, deve ter muito lobby, mas existe um motivo real pra evitar ela: Quem mais seria atingido no funcionalismo público são as prefeituras, e o Brasil tem 5500 prefeituras, a maioria pobre, mal gerida, mal estruturada, em cidades cagadas ao invés de planejadas, enfim, tem umas 3000 prefeituras de fins de mundo sem futuro que só existem porque o FPM sustenta o município, lotadas de servidores, tipo professores de rede estadual que nem tem piso de trabalho e como tem carga horária menor que 30h por semana as vezes nem recebem salário mínimo, enfim, prefeitura pequena tem muito peão, na soma isso dá provavelmente 3x mais que o número de servidores federais. Uma reforma nesse setor ia ferrar MUITO os servidores dessas prefeituras mal estruturadas que nem deviam existir (Cidade que não arrecada o que o FPM devolve nem devia existir! Tem que retroceder a distrito)

    Militares também tem muito soldado recebendo salário base, ou pensões pra dependentes que pagam só o piso, no montante nem é tanto dinheiro (Porque é mixaria), as superaposentadorias pesam mais, e estas precisariam outra reforma pra serem modificadas (Alguma reforma que atingisse os benefícios já em vigor, não os futuros benefícios).

    Em tese a situação das prefeituras porcas e mal organizadas sempre vai melhorando, em 15 anos a maioria vai estar ok e vão poder passar por uma reforma decente, mas hoje teria que ficar abrindo mil exceções, modificar regras só pra servidor federal ou estadual com renda acima de R$ 8 mil seria lindo mas geraria algum milhão de processos de quem ganha mais querendo as mesmas regras (Quem ganha bem tem dinheiro pra muito advogado), o custo legal desses processos provavelmente seria igual o custo de empurrar com a barriga esses 2 setores até a próxima reforma.

    (Alias, no setor público também tem o problema de nos últimos anos cerca de metade das aposentadorias terem ocorrido entre 50 e 60 anos, ou praticamente 1/4 delas entre 51 e 54 anos de idade! Falamos de gente que trabalhou 25 anos, e provavelmente vai viver no mínimo até os 75, ou seja, contribuiu por 25 e vai receber por 20 anos! Contribui com 14%, mas recebe 80%, não tem como a conta fechar e o problema é o tempo de trabalho versus tempo de sobrevida, não o fator ou o valor)

    Outro fator positivo que tenho visto é que o piso da aposentadoria tem recebido correções percentuais maiores que as correções pro teto (R$ 5,5 mil hoje), em 10 anos o teto vai cair ainda mais no comparativo, pessoal classe B e C que precisa dinheiro pra ostentar não vai gostar, mas essas pensões e aposentadorias de R$ 4 mil impactam muito na previdência, com reajustes menores pra esse pessoal a previdência tem evitado de pagar alguns milhões de Reais por mês, já é algum milhão de benefícios no piso a mais.

    Me preocupa muito mais militares e servidores não terem o teto de R$ 5,5 mil (Precisa ser muito incompetente pra não conseguir viver com isso) hoje, sem reforma. Como eles hoje já tem uma situação muito agradável, uma reforma especial pra eles precisaria ser muuuuuito dura, geraria muito servidor público rico indo quebrar vidraça de câmara dos deputados e tal, a separação acho que foi boa porque lidar com servidor público de classe média é pior que lidar com o diabo, são muito mimados e não aceitam perder isso (Conhecem seus direitos de cor e salteado, mas os deveres não existem, só o estado tem que cumprir os deveres dos servidores de cargos mais altos com salários tipo 5 salários mínimos em diante). E essa reforma pra esse setor teria que ser muito bem especificada, pra não atingir quem recebe o piso, mas sim atingir em cheio quem recebe o teto (Digo, baixar pra um teto de R$ 5,5 mil junto com a previdência regular). Isso será uma reforma muito mais demorada e complicada, vão ter que escalonar muito mais ela, ir cortando os tetos aos poucos tal qual o teto da previdência regular teve o teto cortado (Acho que já foi algo tipo 10 salários mínimos).



    E as superaposentadorias não tem como atingir com reforma comum, aí é questão de reforma no judiciário mesmo, eles mesmos é que tem gigantescos salários e julgam os gigantescos benefícios de todos os setores, tem muito juiz mimado e alienado do mundo real, até essa velharada mimada morrer não vai ter como mudar isso, se hoje o teto de R$ 5,5 mil não é respeitado, nem o teto de servidores ativos que seria o salário do presidente da república, reduzir esses tetos legais não vai afetar nada do que o judiciário define ou acata fora dos tetos (Benefícios extras, tipo auxílio-moradia pra quem já tem casa própria). Graças ao modelos de autonomia dos 3 poderes, os supersalários e os superaposentadorias continuarão a existir enquanto não houve uma praxe de não os conceder. A praxe atual no judiciário é conceder de tudo, a grana não sai do judiciário e a maioria dos juízes é muito desinformado sobre o mundo real, acham que R$ 10 mil não dá pra viver com dignidade. Mas juiz não define aumento a revelia, um folgado mimado precisa pedir e pagar advogados pra isso, e o advogado (Outro mimado alienado) especialista nisso tem que embasar o pedido, uma praxe embasa a outra e o círculo não termina, então o que dá pro legislativo mudar é a previdência formal, o resto depende de esperar a velharada ocupando cargos públicos de altos escalão ou do judiciário ir morrendo (E ter a sorte de nenhum baladeiro idiota assumir esses cargos, playboy é quase pior que velharada tradicionalista apegada aos ritos e praxes).

    (E uma reforma política e tributária também não iria mudar essa mentalidade de servidor com supersalário de que precisa continuar recebendo 100% do supersalário na aposentadoria, isso é problema de índole de pilantra, NESSE CASO o legislativo não tem como fazer nada, é tipo o povo e sua mania de sonegar imposto sempre que pode, optar pela muamba mesmo quando o preço é similar, tá mais pra uma falha de caráter disseminada do que pra um problema legislativo. Senso comum leva décadas pra mudar, e não muda só com legislação, mas endurecimento de legislação e aumento na informatização tem sido um bom caminho, acho que leva 10 anos pra uma pessoa com índole meio pilantra entender que sonegar X ou Y não compensa a longo prazo, com o endurecimento das regras pra aposentadoria rural em 10 anos o número de fraudes parciais deve cair muito)