Página 1 de 7 123456 ... ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Bom aqui vai alguns detalhes sobre a configuração do AirOS. Como está resumido, apenas falarei sobre a opção WIRELESS e ADVANCED.
    Então começando por WIRELESS:Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         wireless.jpg
Visualizações:	644
Tamanho: 	5,9 KB
ID:      	18799

    Lembrando que tudo que esta aqui, foi retirado do google, wikipedia, manual do AirOS e ate mesmo do under-linux.org, então se alguém ler o que já escreveu em post anterior, não se assuste, é de sua autoria mesmo.
    O objetivo desse post, é colher informações do tipo, como vocês estão utilizando o rocket em modo AP, e como esta configurando. Eu configurei o meu assim, de acordo com que pesquisei, porem não sei ao bem se estou certo. Gostaria que postassem os macetes ou ate mesmo as experiências já presenciadas.
    Bom então em Wireless Mode:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         mode.jpg
Visualizações:	1159
Tamanho: 	5,5 KB
ID:      	18800

    Como vou utilizar modo Access Point ou Ponto de Acesso, irei selecionar a opção Access Point. Lembrado que estou utilizando um RocketM com uma BaseStation 90.
    Em SSID, é o nome da rede desejada, e se slecionar o HIDE SSID, a seu nome da rede ficará oculto para todos, inclusive para outros aparelhos da linha M.
    Mode IEEE:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         iee.jpg
Visualizações:	672
Tamanho: 	2,8 KB
ID:      	18793
    Aqui por padrão, o RocketM apenas trabalha em modo A/N Mixed.
    Channel Width:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         channel.jpg
Visualizações:	528
Tamanho: 	3,0 KB
ID:      	18801
    Canal Largura: Esta é a largura espectral do canal de rádio. Suportado larguras espectro wireless canal:

    • 5MHz – é o espectro do canal com a largura de 5 MHz (conhecida como Taxa de modo Quarter).
    • 10MHz – é o espectro do canal com a largura de 10 MHz (conhecida como Taxa de modo Half).
    • 20MHz – é o espectro de largura do canal padrão (selecionada por padrão).
    • 40MHz – é o espectro do canal com a largura de 40 MHz.

    Reduzir a largura espectral fornece duas vantagens e uma desvantagem.

    • Vantagem 1: Ela vai aumentar a quantidade de canais não-sobrepostos. Isso pode permitir que redes de escala mais
    • Benefício 2: Ela vai aumentar o PSD (densidade espectral de potência) do canal e permitir que a distância apontam para um aumento.
    • Desvantagem: Irá reduzir throughput proporcional à redução do tamanho do canal. Então, só o modo como turbo (40MHz) aumenta as velocidades possíveis em 2x, metade do canal do espectro (10MHz), vai diminuir as velocidades possíveis em 2x.

    Channel Shifiting:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         shifiting.jpg
Visualizações:	565
Tamanho: 	3,1 KB
ID:      	18796

    Channel Shifting: opção permite que os canais especiais que têm o desvio de frequência do 802.11b padrão e canais 802.11a. Esta é uma característica Ubiquiti proprietário desenvolvido. Os benefícios são redes privadas e de segurança inerentes. Usando o canal de mudança, as redes podem instantaneamente se tornam invisíveis para os milhões de dispositivos Wi-Fi em todo o mundo.
    É como se oculta-se o SSID, porem os produtos da linha M5 da ubiquiti se enxergam, já os outros fabricantes não.
    Frequency:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         freq.jpg
Visualizações:	560
Tamanho: 	2,6 KB
ID:      	18798
    Freqüência ou Canal qual o rocket irá trafegar. Faça sempre uma varredura com o AirView, e escolha o canal mais apropriado.
    Output Power:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         power.jpg
Visualizações:	565
Tamanho: 	5,2 KB
ID:      	18797
    Quanto menor a força, melhor o troughput e consequentemente qualidade de navegação. Procure trabalhar com 17dbm.
    Security:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         security.jpg
Visualizações:	595
Tamanho: 	6,4 KB
ID:      	18794

    Você pode escolher um criptografia, porem não recomendo. O que recomendo é no maximo o cadastro dos MACs dos clientes apontado para essa setorial, evitando que alguém conecte “a toa”.
    Ative a opção MAC ACL, e cadastre os MACs que deseja negar ou permitir, dependo do que escolher.
    Bom agora no proximo post, que sera de imediato, vou colocar sobre Advanced.

    Caso precisar, posso disponibilizar em pdf.
    Miniaturas de Anexos Miniaturas de Anexos Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         txrate.jpg
Visualizações:	674
Tamanho: 	3,6 KB
ID:      	18795  
    Última edição por Nks; 19-01-2011 às 00:05.

  2. Bom agora a opção ADVANCED:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         avancado.jpg
Visualizações:	376
Tamanho: 	6,5 KB
ID:      	18802
    Aqui em Advanced eu retrato com mais detalhes as opções RTS Threshold e Fragmentation Threshold e o Multcast Data, logo abaixo.
    Bom em AirMax Settings:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         airmax_setings.jpg
Visualizações:	559
Tamanho: 	7,0 KB
ID:      	18803
    AirMax: AirMax Ubiquiti é proprietária de votação da tecnologia TDMA (Aplicável somente para o AP ou WDS Modo AP). Se AirMax é ativado, o dispositivo só aceita estações AirMax. (Disable AirMax para compatibilidade com o legado 802.11abg dispositivos). AirMax também apresenta algumas configurações avançadas autodetecção QOS.
    Obs.: Este guia, foi realizado no modo Access Point, por isso não falarei sobre No ACK Mode fot PtP, pois é uma utilização mais exclusiva a PtP.
    Em Advanced Wireless Sittings:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         rts_fragmentation.jpg
Visualizações:	549
Tamanho: 	9,5 KB
ID:      	18804
    Fragmentation Threshold (Fragmentation Length): Esta opção determina o tamanho máximo de frame que será transmitido pelo ponto de acesso. Qualquer pacote maior do que o valor definido será fragmentado e enviado em frames separados. O valor default dessa opção é 2346 bytes (o que desativa a fragmentação de pacotes, reduzindo o overhead e garantindo a melhor taxa de transmissão possível), mas é possível reduzir o valor para até 256 bytes. O problema é que frames maiores resultam em mais erros de transmissão quando há interferência, ou quando o sinal está fraco. Nessas situações, reduzir o threshold para 1024 ou mesmo 512 bytes torna a transmissão mais estável (já que reduz o volume de frames corrompidos e torna as retransmissões mais rápidas), mas, em compensação, reduz a taxa máxima de transmissão da rede.
    RTS Threshold: Por utilizarem um meio de transmissão compartilhado, as redes wireless são susceptíveis a colisões, da mesma forma que as antigas redes com cabo coaxial. As colisões fazem com que os frames transmitidos simultaneamente sejam perdidos e as estações precisem esperar um tempo determinado antes de poderem recomeçar as transmissões.
    Para reduzir o problema, o padrão 802.11 implementa um segundo sistema de controle de colisões, o RTS/CTS, que consiste em um processo de verificação, onde o cliente envia um frame RTS (Request to Send), e aguarda o recebimento de um frame CTS (Clear to Send) antes de começar a transmitir.
    O uso do RTS/CTS praticamente elimina o problema de colisões, mas, em compensação, reduz a taxa de transferência da rede, já que passa a ser necessário transmitir dois frames adicionais para cada frame de dados.
    Por default, o tamanho máximo de frame (definido na opção Fragmentation Threshold) é de 2346 bytes e o RTS Threshold é de 2347 bytes. Esta é uma forma polida de desativar o recurso, já que se o RTS Threshold é maior do que o tamanho máximo dos frames, significa que a regra nunca será aplicada.
    Para ativar o RTS/CTS, você deve alterar a configuração, usando um valor mais baixo na opção RTS Threshold do que na opção Fragmentation Threshold.
    Em redes com muitos clientes, sobretudo em ambientes espaçosos, onde os clientes ficam distantes entre si, o uso de um RTS Threshold de 512 bytes pode aumentar a taxa de transferência da rede (além de tornar a transmissão mais estável), já que o ganho pela redução no número de colisões costuma ser maior do que a perda introduzida pelo processo de autorização.
    A pegadinha é que ativar o RTS/CTS no ponto de acesso não resolve o problema, pois faz com que ele (ponto de acesso) passe a pedir autorização antes de transmitir, em vez do contrário. Para que o TRS/CTS seja efetivo, você precisa ajustar o parâmetro na configuração das estações e não do ponto de acesso.
    Para saberem mais sobre RTS Threshold, aessem o link abaixo, foi de lá que eu tirei toda essa informação:
    Opções avançadas - Redes Wireless, parte 3: Configurando o ponto de acesso

    Em ACK
    :
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         ack.jpg
Visualizações:	451
Tamanho: 	5,8 KB
ID:      	18805

    ACK Timeout: especificar o tempo de espera ACK. Toda vez que a estação recebe o frame de dados que envia um quadro de ACK para o AP (se erros de transmissão estão ausentes). Se a estação não recebe ACK do AP no set timeout ele re-envia o quadro. O desempenho cai por causa dos muitos quadros de dados também são re-enviar, assim, se o tempo de espera for muito curto ou muito longo, o resultado será má conexão e desempenho de transferência.
    Alterar o ACK Timeout valor''vai mudar a Distância para a distância valor apropriado para o ACK Timeout.
    Ajuste automático de controle permitirão à ACK Timeout recurso de auto-configuração. Se ativado, ACK Timeout valor será obtida dinamicamente usando um algoritmo semelhante ao índice conservador Algorithm (usado em airos v3.4). É muito recomendado o uso de Auto Ajuste opção para 802.11n.

    Em Aggregation:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aggregation.jpg
Visualizações:	424
Tamanho: 	4,1 KB
ID:      	18806

    Agregação: Uma parte do padrão 802.11n (ou padrão de rascunho). Ele permite o envio de vários quadros por acesso único para o meio através da combinação de quadros juntos em um quadro maior. Ele cria o quadro maior pela combinação de quadros menores com a mesma fonte física e pontos de extremidade de destino e classe de tráfego (QoS, por exemplo) em um quadro grande com um cabeçalho MAC comum.

    Multcast:

    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         multcast_data.jpg
Visualizações:	354
Tamanho: 	2,4 KB
ID:      	18807
    Multicast:Em redes de computadores (LAN), multcast é a entrega de uma mensagem a um GRUPO de comutadores distintas, simultaneamente em uma unica transmicao.
    Multcast é frequentemente empregado em IP, em aplicações de streaming de midia e televisao pela internet.
    Ou seja, como um programa de televisao on-line ou sistema de cameras, onde a msm imagem da camera, sera visto por varios outros pontos da rede, simultaneamente.
    Entao no meu ponto de vista, se vc nao for utilizar o nano para cameras de circuito interno de tv, ou algum outro tipo streaming na sua rede, como tv on-line, vc nao fara u uso dessa opcao, entao o recomendado é deixar desativado.
    Eu peguei essas informações no wikipedia, o mais engraçado é que apareceu logo em cima essa frase:
    "Multicast" às vezes é usado incorretamente para referir a um multiplexed broadcast.”
    Entendendo mais sobre esse “multiplexed broadcast”:
    Multiplexed -> Multiplexação:
    É um processo em que varios dados trafegados analogico ou digital, sao combinados em um unico sinal. Como por exemplo, na telefonia, varios telefonemas poder transferidos atraves de um fio.
    Ou seja, em um Access Point Radio Base, cada radio trafega apenas em um canal, nesse canal passa dados de todos os usuarios on-line simultaneo, indiferente do seu uso, se um eh msn, outro é video... etc
    Broadcast -> Transmitir ou radiodifusao é o processo pelo qual se transmite ou difunde determinada informacao. Em Redes de computadores, um endereco broadcast é um endereco IP, que permite que a informacao seja enviada para todas as maquinas de uma LAN.
    Em relação a primeira frase já explica tudo, Multacast: “as vezes é usado incorretamente para referir a Dados Transmitidos por IP (usuário) para todas as maquinas de uma rede LAN, WAN.

    Reporting
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         extra_reporting.jpg
Visualizações:	370
Tamanho: 	2,2 KB
ID:      	18808

    Habilitar Extra Reportagem: O recurso irá relatar informações adicionais (nome do host, por exemplo) nos quadros 802.11 gestão. Esta informação é comumente usado para identificação de sistema e relatórios de status na descoberta utilitários e sistemas operacionais Router.

    DFS:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         dfs.jpg
Visualizações:	390
Tamanho: 	1,7 KB
ID:      	18809
    Enable DFS: isso eh bom ter ativo, ele escuta frequencia .. e muda automaticamente para uma frequencia que estiver melhor.. se esta estiver ruim ele altera para outra... no brasil se for utilizar algumas faixas de frequencia 5.1 .. 5.7 .. é obrigatorio o uso do DFS

    Isolation
    :
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         client_isolation.jpg
Visualizações:	358
Tamanho: 	2,3 KB
ID:      	18810
    Ativar Client Isolation: Esta opção permite que os pacotes só para ser enviado a partir da rede externa e vice-verso CPE (aplicável para AP / WDS AP apenas). Se o isolamento do cliente está habilitado estações sem fio conectado ao AP mesmo não será capaz de interligar em ambos os dois (MAC) e camada 3 (IP) nível de camada. Isto é eficaz para as estações de associados e colegas WDS também.


    Bom termina aqui a minha experiencia agora conto com a opnioes e experiencia de voces.



  3. Uma questão a respeito de não usar criptografia mas cadastrar os Mac autorizados.
    Eu nunca usei esta config, mas imagino que quando o instalador sai para instalar, já precisa saber em qual AP vai conectar. Mas às vezes em campo isso muda.
    Como contornar? Não usei, mas imagino que levar um notebook já cadastrado em todos os APs, seria uma solução.
    Outro detalhe que não sei, é quantos Mac cada rádio aceita cadastrar.

  4. acompanhando!!!!



  5. cara aqui na minha rede 2.4ghz eu nao cadastrei os macs desde o inicio, ai o que aconteceu,,, uma bagunca em relacao a mac nas setoriais, tem gente que conecta em 2, tem gente q conecta em setorial com sinal ruim,,,,, e td mais...... aqui com a rede N, vo comecar desde o inicio a cadastrar macs...... em relacao a sua pergunta, como contornar,,,,,, notebook nao tem como, pq eh o mac da antena no caso na linha ubiquiti, ja em 2.4ghz vc pode fazer isso msm, cadastra um note em tds as setoriais,,,,,,,

    agora na rede N, aqui eu to fazendo assim, liga na hora da instalacao, e fala qual setorial vai ser, q eh a que esta apontada na direcao do cliente.......






Tópicos Similares

  1. Programa C/C++ para roteador com aprouter ou AirOS
    Por marcosaferreira no fórum Linguagens de Programação
    Respostas: 2
    Último Post: 27-09-2010, 18:23
  2. Configuração do Access Point 3 Com
    Por bradroger no fórum Redes
    Respostas: 0
    Último Post: 27-10-2005, 14:06
  3. Informações sobre ambiente com no-break
    Por Drozzini no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 4
    Último Post: 04-06-2005, 10:56
  4. Material sobre voip com linux
    Por bandlinux no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 2
    Último Post: 19-04-2005, 13:09
  5. Duvida Sobre Iptables com Squid e NAT
    Por elton no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 9
    Último Post: 03-01-2005, 20:45

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L