Página 1 de 13 123456 ... ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. O ministro das Comunicações Paulo Bernardo comentou nesta segunda, dia 16, a entrada de operadoras como a TIM nas negociações para cumprimento das metas do Plano Nacional de Banda Larga. ele informou que a TIM está em negociações com a Telebras para participar da gestão e investimentos no projeto. Bernardo acredita que a participação da empresa italiana pode aumentar a concorrência e a oferta de serviço, baratear o preço e melhorar sua qualidade.

    Para ele, o preço de R$ 35,00 exigido pela presidenta Dilma para entrega de 1 Mbps de velocidade pode cair à metade. “É cada vez mais forte a concepção do crescimento potencial do serviço, com preço e qualidade – a banda larga vai bombar”, previu. Ele quer dobrar o número de assinantes até 2014, dos atuais 20 milhões para 40 milhões.
    Ao engatilhar futuros contratos, a Telebrás flexibilizou uma série de premissas relativas aos compromissos dos provedores de acesso à Internet que comprarem da estatal os links no atacado.

    A principal delas diz respeito a um dos pilares do Plano Nacional de Banda Larga – o valor do acesso aos consumidores. O preço de R$ 35 não será mais para todos os consumidores conectados a esse megabite. O preço ficará restrito à metade dos 20 assinantes que serão permitidos na conexão. O restante pagará um preço fixado, de acordo com o valor comercial do ISP.

    A mudança efetivada pela Telebrás tem relação direta com um dos pleitos apresentados ao governo pelas associações de provedores, sobre a quantidade máxima de clientes para cada megabit adquirido. A princípio, a ideia da estatal era manter a proporção de 1 para 10 – portanto, 10 clientes para cada megabit. A proporção ficou, mas de forma “dinâmica”.

    Isso significa que a regra de 1 para 10 valerá para clientes conectados – aceitando, portanto, o argumento dos provedores de que nem todos acessam a internet simultaneamente. Com isso, será possível incluir mais consumidores, até 20, desde que respeitada a regra de que, pelo menos, 10 clientes a cada megabit sejam do PNBL – ou seja, paguem os R$ 35 previstos no plano.

    “Há questões que são de mercado e que poderiam inviabilizar o interesse dos provedores pela dificuldade em cobrir os custos, se não da operação em si, mas dos investimentos realizados”, explica o diretor comercial da Telebrás, Caio Bonilha Rodrigues. Mas a Telebrás não informa como será feita a fiscalização e quais serão os critérios para eleger os 10 que irão pagar os R$ 35 definidos pelo PNBL.

    A estatal também eliminou a “regra” que obrigava os provedores a comprarem mais link caso ultrapassassem 75% do circuito adquirido. Ou seja, caso um provedor adquirisse link de 100 Mbps, ele precisaria ampliar essa capacidade quando a utilização chegasse a 75 Mbps.

    No lugar, a estatal estipulou um compromisso de ampliação de capacidade com base na demanda dos consumidores. Assim, quando houver sinalização dos clientes, inclusive diretamente à Telebrás, de queda na qualidade das conexões, será a senha para que os provedores ampliem a capacidade dos links.

    Ainda que sustente a qualidade da experiência dos internautas como fundamental para o PNBL, a Telebrás também se rendeu a outra “realidade de mercado” – a obrigação de que as conexões, na ponta, garantam pelo menos 10% da velocidade contratada. A prática, comum no mercado privado, significa que o compromisso efetivo será com velocidades de 51,2 kbps – 10% dos 512 kbps.

    A expectativa, porém, é que esse percentual consiga chegar a 20% - padrão mínimo considerado por entidades como o Comitê Gestor da Internet e o Inmetro. “Gradativamente isso será ampliado, assim como as velocidades. Nosso objetivo é de que elas sejam de 1 Mbps em quatro anos”, diz o diretor comercial da estatal.

    Até aqui, mais de 200 provedores de acesso, em 200 cidades, já sinalizaram à Telebrás sobre o interesse de adquirir os links, mantidos em R$ 230 por megabit. Os contratos efetivos ainda dependem da implantação da rede de fibras ópticas, mas já corresponderiam a 30 GB de capacidade.
    Dilma manda teles aumentarem velocidade da banda larga
    Da Redação, com informações da Folha de S.Paulo

    A presidente Dilma Rousseff alterou o PNBL (Plano Nacional de Banda Larga). Em vez de conexões de até 600 Kbps (kilobits por segundo), ela exige 1 Mbps (megabit por segundo) pelo mesmo preço, R$ 35. Nos estados que concederem isenção de ICMS nos pacotes vinculados ao PNBL, o preço será R$ 29,80.

    A nova orientação foi dada ao ministro Paulo Bernardo (Comunicações) na semana passada. Segundo Dilma, o plano original está atrasado em relação ao mundo. Nos EUA, o plano prevê conexões de 100 Mbps. Na Coreia, as velocidades variam de 1 a 2 Gbps (gigabit por segundo), até 20 vezes mais que nos EUA e até 2 mil vezes mais que no Brasil.

    Kbps, Mbps e Gbps são unidades de velocidade das conexões e representam a quantidade de informação trafegada por segundo. Com 1 Mbps, por exemplo, é possível baixar um CD com dez faixas de música em oito minutos, metade do tempo caso a conexão fosse de 600 Kbps.

    Justamente por isso, Dilma pediu que Bernardo informasse as teles do seguinte recado: “Vamos abolir esse negócio de kilobit, vamos falar em megabit”. Acrescentou que as operadoras terão de se adaptar à sua demanda e investir, em vez de ficar pedindo dinheiro ao governo. Avisadas, as teles já devem começar a negociar o novo PNBL com o governo nesta semana.

    --------------------------------------------------------------------------------

    PNBL: plano por R$ 35 não será bem assim

    Um dos principais atrativos do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL), o preço da conexão, não valerá para todos os clientes graças à flexibilização de regras do plano feita pela Telebrás.
    Com isso, informa o site Convergência Digital, os R$ 35 cotados para o plano serão restritos.
    De acordo com o portal, a ideia inicial da estatal, de manter a proporção de 10 clientes para cada megabit, foi alterada. Agora, a regra vale apenas para os conectados.
    Como nem todos acessam a internet simultaneamente, dizem os provedores, a estatal permite até 20 consumidores nos planos.
    Os provedores deverão manter pelo menos, 10 clientes a cada megabit no PNBL – ou seja, apenas metade deverá, obrigatoriamente, pagar os R$ 35 previstos no plano do governo.
    “Há questões que são de mercado e que poderiam inviabilizar o interesse dos provedores”, justificou o diretor comercial da empresa, Caio Bonilha Rodrigues, ao Convergência Digital.
    A Telebrás também cedeu à garantia de banda na ponta. Inicialmente, valerão os mesmos 10% da velocidade contratada em vigor no mercado atualmente.
    Uma das expectativas do PNBL era disponibilizar o serviço de 11,9 milhões de domicílios para quase 40 milhões de domicílios até 2014.
    O custo da tarifa deve ser de R$ 15, para o plano com incentivos, com velocidade de até 512 kbps (quilobits por segundo) e com limitação de downloads e de R$ 35 para o plano comum, com velocidade entre 512 e 784 kbps.
    Atualmente o brasileiro paga em média R$ 50 pela banda larga com velocidade de 256 kbps.
    Conforme o Convergência Digital, mais de 200 provedores de acesso, em 200 cidades, já sinalizaram à Telebrás o interesse de adquirir os links, mantidos em R$ 230 por megabit. Os contratos efetivos ainda dependem da implantação da rede.
    Boas

    - Agora pode colocar 20 clientes por mega

    Contras

    - Mega continua a 230,00
    - Preço tabelado de 35 reais, governo ainda deve estar querendo reduzir pela metade.
    - SCM ainda a 12 mil reais


    Resumo

    Pagar pra trabalhar.


    Fonte

  2. É por essas e outras que estou desistindo de provedor.... hoje virou um pessimo negocio.



  3. Citação Postado originalmente por FMANDU Ver Post
    É por essas e outras que estou desistindo de provedor.... hoje virou um pessimo negocio.
    Péssimo emho ainda não é; no momento que o governo se mete no negócio (onde há livre comércio de verdade isso não acontece) qualquer negócio se torna péssimo, infelizmente só se nota com o tempo.

  4. Citação Postado originalmente por bjaraujo Ver Post
    Péssimo emho ainda não é; no momento que o governo se mete no negócio (onde há livre comércio de verdade isso não acontece) qualquer negócio se torna péssimo, infelizmente só se nota com o tempo.
    Onde há livre comércio as coisas desandam... complicado fazer um meio termo...

    Vamos ver:
    20 por 1Mbps
    A principal delas diz respeito a um dos pilares do Plano Nacional de Banda Larga – o valor do acesso aos consumidores. O preço de R$ 35 não será mais para todos os consumidores conectados a esse megabite. O preço ficará restrito à metade dos 20 assinantes que serão permitidos na conexão. O restante pagará um preço fixado, de acordo com o valor comercial do ISP.
    Humm, 10 paga R$35 o resto é o preço que o provedor quiser.
    É isso? Tá tão ruim assim?
    Última edição por osmano807; 30-05-2011 às 17:39.



  5. Se fala tanto nesse PNBL ainda acho que tem muita gente "sonhando" que um dia isso vai existir!!!!!!
    Aqui em SP a unica coisa que foi iniciada apartir do PNBL foi a GVT (Empresa do filho do Lula) entrando interior a dentro com fibra óptica para brigar com a telefonica e Net.
    Ainda acho mil vezes mais fácil as grandes teles acordarem com o governo e fazerem as ofertas de ultima milha DIRETAMENTE, pois eles tem bala na agulha e FINANCIAMENTO para isso.
    Não acredito que será fornecido algum tipo de link aos provedores com facilitação do governo até que eu possa ver com meus próprios olhos!






Tópicos Similares

  1. Respostas: 4
    Último Post: 29-07-2011, 10:52
  2. Respostas: 75
    Último Post: 27-06-2011, 22:53
  3. Respostas: 62
    Último Post: 01-05-2011, 10:38
  4. Link adsl de 4 megas x 8 megas
    Por EngMatri no fórum Redes
    Respostas: 32
    Último Post: 03-06-2009, 01:13
  5. 1 Mega Full + 3 Megas Frame Relay
    Por cayusmatias no fórum Redes
    Respostas: 11
    Último Post: 13-12-2008, 00:28

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L