Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Gostaria de compartilhar com os amigos este assunto que esta rolando na internet e acredito que sera muito valioso para nutrir nosso conhecimento, gostaria que voce analizase nao somente como um empreendedor do ramo de provimento mas tambem como um usuario da internet brasileira.
    Bom recebi este email sobre o assundo, segue na integra o email.

    Rubens Queiroz de Almeida.

    Data de Publicação: 09 de novembro de 2011
    Participei na semana passada do I Fórum da Internet do Brasil, e me surpreendi ao ver um representante do SindiTelebrasil ler em uma das salas de debate (Trilha 5, onde Neutralidade era um dos temas), um comunicado do Sindicato defendendo a flexibilização na definição de Neutralidade da rede no Brasil. O conteúdo do texto (ou parte dele) pode ser encontrado no site da instituição aqui.
    Basicamente o que eles pedem é que o conceito de neutralidade a ser adotado no Brasil (por regulamentação da ANATEL, brecha já introduzida por eles no projeto de lei do Marco Civil), seja expandido para que permita " ... às prestadoras ofertar serviços customizados que atendam a perfis de consumo específicos e adotar medidas para gestão e diferenciação de tráfego, inclusive aquelas que envolvam diferenciação de custos, preços e priorização por tipo de trafego."
    Pode parecer algo simples, mas impacta e muito a vida e o bolso de todos os internautas brasileiros, e vou explicar o motivo.
    Em 2009, o Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), aprovou e publicou uma resolução onde define os "Princípios para a Governança e uso da Internet no Brasil". A resolução apresenta 10 pontos que deve ser considerados como base para a governança da Internet em nosso país, e o item 6 do documento fala sobre a Neutralidade da Rede:
    6. Neutralidade da rede

    Filtragem ou privilégios de tráfego devem respeitar apenas critérios técnicos e éticos, não sendo admissíveis motivos políticos, comerciais, religiosos, culturais, ou qualquer outra forma de discriminação ou favorecimento
    Explicando o assunto de forma simplificada, imagine que a Internet seja uma grande estrada por onde passam diversos veículos, cada um deles carregando um pedaço de uma carga entre dois pontos. O que o princípio aprovado pelo CGI diz, é que "critérios técnicos e éticos" devem ser utilizados para se controlar o fluxo deste tráfego, não permitindo que critérios "políticos, comerciais, religiosos, culturais, ou qualquer outra forma de discriminação ou favorecimento sejam aplicados."
    Se os princípios do CGI forem seguidos, o tráfego de dados na Internet será regulado de forma muito parecida com o tráfego de veículos pelas estradas, onde critérios técnicos e éticos são usados para "dar preferência" ao tráfego de determinados tipos de veículos (como veículos de emergência). Este é o princípio da isonomia no tratamento de pacotes.
    Na Internet, ao invés de termos veículos carregados, temos pacotes de dados transportando os dados das aplicações que utilizamos no dia a dia, como páginas web, imagens, áudio e vídeo, que são necessários para podermos utilizar serviços como VoIP (Skype), vídeos (YouTube, NetFlix e similares), redes P2P (Torrent) e todo o resto que usamos no dia a dia em nossos computadores e celulares.
    A proposta do CGI pede simplesmente que o controle de fluxo destes dados sejam feitos por critérios técnicos e éticos, como por exemplo a priorização do tráfego de áudio e vídeo, pois qualquer demora na entrega destes pacotes faz com que a experiência do usuário ao utilizar o serviço seja muito prejudicada.
    O que o SindiTelebrasil quer é o oposto disso. Querem que as regras lhes permitam aplicar "outros critérios" para o controle deste fluxo de dados, permitindo que cobrem do consumidor de acordo com o tipo de uso que ele faz da rede. Já imaginou onde isso pode chegar?
    Se não fizermos nada para lutar contra esta proposta apresentada por eles, que têm um poder enorme nas mãos, vamos ver em mais alguns meses a internet sendo fragmentada no Brasil, de acordo com o poder aquisitivo do Internauta. Teremos sim a Internet dos ricos (com áudio, vídeo e redes P2P) e a Internet dos pobres (páginas e no máximo imagens)? Não vou nem mencionar aqui a "falta de interesse" das empresas de telecom em ver serviços como o Skype funcionando bem no Brasil ou das operadoras de TV a Cabo (que também vendem conexões banda larga) em ver serviços como o NetFlix e similares chegando a todo o vapor no Brasil, oferecendo uma alternativa barata aos caríssimos pacotes de TV por Assinatura que temos por aqui.
    As teles justificam seu pedido dizendo que sem esta "regulamentação", a Internet brasileira vai entrar em colapso e que se todo mundo resolver usar a banda que lhes é vendida, a Internet brasileira sai do ar? Fico aqui me perguntando se sou o único a achar isso um absurdo sem tamanho. Como disse um amigo meu, mais uma vez eles querem privatizar o lucro e socializar o prejuízo.
    Vale a pena dizer que a luta que teríamos que travar no momento é para que as Teles entreguem de verdade a banda de internet que nos vendem, pois pasme você, em muitos contratos de "Banda Larga" no Brasil, a banda "garantida" é 10% da banda contratada. Sim, neste exato momento pode ter gente te fazendo de otário te vendendo uma conexão de 2 Mbps e te entregando apenas 200 Kbps.
    Já existem diversos grupos de ativistas na rede se articulando para defender os nossos direitos frente a este ataque à nossa liberdade na rede (sim, eles podem decidir que você não vai mais usar o Skype, ver vídeo ou usar redes P2P e pronto), e por isso eu convido você internauta a procurar mais informações em grupos como o Mega Não e descobrir como você pode colaborar para manter nossa rede como é. Se não for por você, faça pelos seus filhos, para que tenham no futuro uma rede como aquela que você teve e que te trouxe até aqui.


    Fontes na internet

    Not
    O que é neutralidade da rede e porque você precisa se preocupar com isso | void life(void)

  2. Isso também me preocupa e muito!!! Se os colegas que teem o poder de tomar as decisões a respeito do assunto, deixarem isso correr frouxo, realmente a internet que ainda não é para todos no Brasil, ficará ainda mais elitizada do que já é hoje. Os motivos alegados pelas Teles de que se a politica que o CGI determina for mantida, a internet do Brasil não dará conta de atender aos usuários, é por que querem explorar a rede legada ao máximo sem investir no seu crescimento. Com a tendência de convergência das mídias isso se tornará cada vez mais patente e claro para os usuários, a baixa qualidade dos serviços com que somos atendidos hoje no Brasil, a falta de investimento necessária ao crescimento da rede de Backbones Nacionais e links com a rede Mundial.

    Tomara que haja alguém com poder suficiente e coragem para dizer não aos interesses do Capital, e que o tráfego Internet continue livre nos moldes que ele é hoje, que o CGI tenha o poder de determinar as Teles o quanto investir anualmente e que tenha o poder de fiscalizar isso e cobrar para que torne realidade.

    Saudações.



  3. Citação Postado originalmente por cmattos Ver Post
    Isso também me preocupa e muito!!! Se os colegas que teem o poder de tomar as decisões a respeito do assunto, deixarem isso correr frouxo, realmente a internet que ainda não é para todos no Brasil, ficará ainda mais elitizada do que já é hoje. Os motivos alegados pelas Teles de que se a politica que o CGI determina for mantida, a internet do Brasil não dará conta de atender aos usuários, é por que querem explorar a rede legada ao máximo sem investir no seu crescimento. Com a tendência de convergência das mídias isso se tornará cada vez mais patente e claro para os usuários, a baixa qualidade dos serviços com que somos atendidos hoje no Brasil, a falta de investimento necessária ao crescimento da rede de Backbones Nacionais e links com a rede Mundial.

    Tomara que haja alguém com poder suficiente e coragem para dizer não aos interesses do Capital, e que o tráfego Internet continue livre nos moldes que ele é hoje, que o CGI tenha o poder de determinar as Teles o quanto investir anualmente e que tenha o poder de fiscalizar isso e cobrar para que torne realidade.

    Saudações.
    e verdade amigo, e uma preocupacao por que nem o nosso proprio link dedicado estaria fora disso.

  4. Gente...A internet não tem dono!!!
    Quem é o dono da internet?
    E esses caras querem criar maneiras para favorecerem as grandes.

    Aff...



  5. Olha acho dono " " nao tem mas cada provedor tem um fatia da rede, e as grandes tem uma fatia bem maior e pode sim controlar o pedaço dele, se isto se tornal realidade as grandes como oi, embratel, gvt e ai vai um lista enorme vao controlar, e ai como ficamos, ate nossos link dedicados que nos compramos e pagamos caro pode ser tambem controlado.






Tópicos Similares

  1. Respostas: 3
    Último Post: 28-05-2013, 13:54
  2. Respostas: 22
    Último Post: 02-11-2010, 17:51
  3. Respostas: 3
    Último Post: 02-09-2009, 01:07
  4. Como evitar que os micros da rede se enxerguem?
    Por drv no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 35
    Último Post: 03-11-2006, 11:03
  5. Enchergar um site que está na lan (rede 10) da internet
    Por cuque no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 6
    Último Post: 16-12-2005, 08:39

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L