+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Padrão Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Pessoal cada mais comum o compartilhamento de internet entre vizinhos, foi até reportagem no Jornal Hoje dessa semana.

    Pois bem, antigamente o compartilhamento era principalmente via CABO, e as principais vítimas eram as operadoras.
    Hoje com os roteadores wi-fi o compartilhamento nunca se tornou tão fácil e rápido, a vítima agora também somos provedores.

    Essa semana deixei de instalar alguns clientes por conta de meus próprios clientes que decidiram "dividir" a internet com os vizinhos.

    Venho reivindicar, acredito que é hora da classe de provedores se unirem, juntamente com as operadoras, e exigirem da Anatel algumas medidas para evitar esse fato, como por exemplo.

    # Não homologar roteadores domésticos com antenas acima de 2dbi e que não seja descartável (assim já reduz a potência do sinal emitido, pois atualmente existem roteadores que cobrem uma rua ou quarteirão inteiro).

    # Notificar algumas das principais marcas como (intelbras, tp-link, D-link, multilaser), para VIA firmware, nos novos modelos, manter a potência mínima travada, assim o sinal seria suficiente apenas para funcionar na casa do usuário, dificilmente alcancaria grandes distâncias.

    Essas medidas não iriam evitar o compartilhamento mais com certeza reduziria bastante pois com roteadores domésticos cada vez mais potentes essa pratica vai se tornando normal, e nos que pagamos nossos impostos, devemos exigir nossos direitos.

    É impossível a anatel fiscalizar rua por rua, casa por casa, mais cortar o mal pela raiz, no quesito potência dos roteadores já ajudaria bastante.

    Obrigado.

  2. #2

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Acho que uma maneira de minimizar isso seria limitar as conexões simultâneas, mas resolver não vai resolver nunca, estamos igual a dvd pirata amigo não é 100% mas funciona.



  3. #3

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Realmente as conexões simultâneas resolve bem. Pode se calcular um numero ideal para seus clientes.

  4. #4

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Citação Postado originalmente por megabyte Ver Post
    Realmente as conexões simultâneas resolve bem. Pode se calcular um numero ideal para seus clientes.

    Como?



  5. #5
    Avatar de Nilton Nakao
    Ingresso
    Sep 2013
    Localização
    Carlos Chagas, Minas Gerais
    Posts
    906

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Em testes que fiz, no meu caso com distância de 500 metros visada indireta(telhado) e com antena omni e de grade no cliente, consegui enlace o suficiente para assistir a filmes on-line em qualquer horário. Não é com qualquer roteador ou equipamento similar que consegui essa proeza, testei com Ubiquiti, Edimax, D-link, TPlink, Greatek, 3ctech, Krazer, Multilaser, Smartlan, todos homologados.
    Potência usada? a partir de 15 dBm na omni de 10dBi, e no cliente foi necessário 20dBm com antena de grade de 26dBi. Limitar a potência pouco resolve se formos analisar. E os novos roteadores já vem na maioria com 20dBm de potencia maxima, antes era de 26dBm.
    Limitar o uso de páginas simultâneas ou algo desse tipo pouco resolve mas já deixa como de costume, aquele IP mais lenta.
    Moro numa construção com dois pavimentos(130m²), e nenhum deles consegui acesso satisfatório para usar em minha casa e no comércio que fica no primeiro piso, sendo necessário o uso de 3 roteadores(devido ao custo) para garantir o sistema. Hoje com a aquisição de smartphones, tablets e notes, alguns deles têm uma conexão instável em alguns dos comodos da casa. O uso de 3 roteadores pode só piorar o sistema como um todo, e no meu roteador acho 22 APs com omni, e 27 com grade.
    Se quiserem que não exista o compartilhamento de Internet, baixe suas tarifas e nos forneça no minimo 1Mbps dedicado, fato que não acontece e o governo precisa fazer a sua parte.

  6. #6

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Nilton, suas considerações técnicas são perfeitas.
    Estes compartilhamentos na maioria não são estáveis. E mais dia menos dia o vizinho enche e resolve colocar sua conexão diretamente com a operadora.
    Eu tenho um conceito faz muito tempo e já expressei isso. As grandes operadoras são as mais interessadas nestes compartilhamentos. Mas isso já deve estar chegando no limite para eles também. Elas são interessadas na medida que mais usuários chegam ao mundo da internet e se viciam. Então o compartilhamento entre vizinhos só reforça o objetivo deles que é viciar o povo.
    Mais dia menos dia este vizinho vai ter sua propria assinatura.

    No entanto sua reivindicação de ter a conexão com dedicado, isso é inviável para todos os fornecedores. Basta ver como funciona a internet no mundo inteiro. Sempre é em ambiente compartilhado. Nenhuma empresa pode comprar um mega dedicado por um preço mais alto em relação ao link compartilhado e daí revender barato mas manter a característica de dedicado.
    Normalmente o que ouvimos na mídia e nos foruns de consumidores é que deveria ser fornecido este tipo de serviço. Ou seja: comprei 1 mega e quero 1 mega. O erro que acho no modelo é que as operadoras nos seus anúncios publicitários nunca colocam em evidência as características da conexão. Só falam em tantos mega de velocidade. E muitas vezes nem nos seus contratos são claros a respeito.
    Eu quando comecei pagava 1.400,00 por mega dedicado. Daí tu ia querer que eu vendesse assinatura de 1 mega dedicado por 60 reais?
    Hoje já baixou o preço do dedicado, mas ainda assim, só consegue bons preços quem tem volume de compra.
    No entanto reconheço que tem operadora que vende 10 megas mas não entrega isso. Pode até chegar em alguns momentos, mas momentos mesmo. Mas se entregar entre 1 e 3 megas variando dentro do plano de 10 mega, o assinante já está satisfeito.
    O provedor independente precisa então é calcular o número de clientes que vai colocar para cada mega, baseado no perfil de consumo dos seus usuários. Implementar algum serviço de cache para ajudar também é desejável. Assim o cliente se manterá satisfeito.
    E aquele viciado em reloginho de medição, que vá então procurar seu link diretamente com a operadora grande para ele ver o que é gastar com internet.

    Logicamente que estou defendendo os custos de provedor, mas reconheço que não podemos ficar naquela de fazer um plano de até 1 mega mas ficar sempre nos 200kbps. A própria Agência reconhece que isto não é bacana e já tem metas traçadas.
    Atualmente precisamos por resollução cumprir metas de 60% na média de medições e se não me engano de 20% em medição isolada. Mas para atingir 60% tu já deve imaginar que se o provedor não subir bem além dos 20%, não vai atingir os 60.
    E para 2015 a meta já deve subir para 80% na média das medições.



  7. #7

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Aqui nos proibimos e já adivertimos o cliente , caso abra uma O.S com reclamação de lentidão e for descoberto o compartilhamento , ele poderá pagar multa ou ter o serviço cancelado.

  8. #8

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Embora pareça oneroso, mas aqui funciona da seguinte forma: com o preço dos roteadores com preço de banana, colocamos o roteador em comodato pro cliente, alteramos o hardware para o cliente não resetar o roteador, filtramos os macs dos equipamentos que o cliente vai usar e ainda filtramos o mac do roteador na cpe do cliente, se colocar outro roteador não rola e aí damos a senha wpa2 pro cliente, se distribuir pra vizinhança de nada serve.
    Jmayer.



  9. #9

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Citação Postado originalmente por jmayer Ver Post
    Embora pareça oneroso, mas aqui funciona da seguinte forma: com o preço dos roteadores com preço de banana, colocamos o roteador em comodato pro cliente, alteramos o hardware para o cliente não resetar o roteador, filtramos os macs dos equipamentos que o cliente vai usar e ainda filtramos o mac do roteador na cpe do cliente, se colocar outro roteador não rola e aí damos a senha wpa2 pro cliente, se distribuir pra vizinhança de nada serve.
    Jmayer.
    Digamos que a tia do joão vem lá da amazonas com o hiper mega celular S4 com android, e wattsap, instalado doida para falar com os filhinhos dela de "graça" usando a internet do Joãozinho como fica ? rsrs

  10. #10

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    Isso fica claro pro cliente: nenhum outro equipamento vai funcionar, sempre perguntamos quais equipamentos ele vai usar?
    Se aparecer outro equipamento azar.
    Outra forma que estou estudando é deixar a cpe ligada na lan do roteador e não a wam , com dhcp desabilitado. Fazer uma dmz pra acessar o roteador do cliente.

    JMayer



  11. #11
    Analista de Suporte em TI Avatar de paullsoftware
    Ingresso
    Apr 2011
    Localização
    Cabo de Santo Agostinho / Pernambuco
    Posts
    530

    Padrão Re: Compartilhamento de WI-FI cada dia mais Comum.

    O debate ta interessante, aqui fazemos de duas maneiras e como já dito acima, não há como "impedir" o compartilhamento, porém, esse é um problema que muitas vezes acrescenta para nós.

    1. Trabalhamos com PPPoE e HotSpot vinculados ao mac do cliente rádio e cabo, limitamos o ranger de ip's dos roteadores dos clientes a no máximo 5 acessos (dependendo da quantidade de equipamentos e pessoas na casa podemos aumentar para 10).

    2. Cadastramos os macs do equipamentos existentes na casa do cliente no roteador interno e colocamos senha wpa2, porém quando o mesmo liga pedindo para liberar um equipamento a mais, além dos já liberados e, a primeira vez liberamos de nossa central mesmo.

    Até o momento já descobrimos uns 10 clientes que fazem o compartilhamento, e normalmente são os que compram planos acima de 3 megas...