+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Padrão Redundância em rede GPON/EPON

    Pessoal,


    > Tenho uma dúvida: é possível, de alguma forma, fazer redundância em uma rede GPON ou EPON/GEPON?

    > Em redes ponto a ponto, usando conversor de mídia ou switch com porta óptica, sei que dá para fazer usando RSTP, mas e em uma rede PTMP, de atendimento? Se um cabo principal romper, já era? Não há nada que se possa fazer para não parar a rede?

    Parece que há algumas ONUs que possuem 2 portas PON, a Parks está desenvolvendo uma inclusive, mas isso só provê redundância para cada cliente individualmente, e por tornar tudo mais caro, só é viável para algum cliente empresarial, por exemplo (além de ser tecnologia proprietária).

    Esse é o maior problema, falando de aspectos técnicos, que vejo em uma rede *PON: tolerância a falhas na infraestrutura.

    Pode ser que a sorte esteja contigo e, no caso de um rompimento, seja de um cabo que não é muito importante, ou não vá muito longe e só vai parar parte da rede (e mesmo assim, se houver rompimentos frequentes muitos clientes vão ficar insatisfeitos com o serviço), mas pode acontecer também de arrebentar os cabos em um ponto crítico, até antes do primeiro nível de splitting, por exemplo, ou que ilumine CTOs lá no extremo longe da cidade, desconectando todos ou quase todos clientes.

    Se não tiver como alguém ir no exato instante refazer as fusões (quem vai mexer em poste no meio de uma chuva?) ou forem umas 36 fusões para fazer (demora...), vai ficar nessa brincadeira de cai e volta com os clientes toda vez que um caminhão passar com 6 metros de carga, um big size técnico de concorrente pisar no cabo ou houver sabotagem?

    O único paliativo que encontrei (ainda há possibilidade de romper cabos da rede PON, mas afetará menos clientes) até agora é colocar algumas OLTs de menor porte espalhadas pela área de atendimento em armários na calçada (umas 3 devem bastar), recebendo o link por PTP óptico, com redundância por rádio ou por fibra em outra rota, por meio do RSTP. Mas aí vêm vários problemas, que incluem: maiores gastos (baterias, retificadores, etc. em cada armário) e dificuldade para fazer a alimentação energética desses equipamentos na rua, possibilidade de vandalismo contra os armários (os anti vandalismo são bem caros) e roubo de equipamentos e baterias, etc. Também há algumas vantagens (maior capacidade de clientes e de tráfego, mais fácil de expandir, mais fácil testar novas tecnologias em apenas algumas regiões...), mas acho que comparado às desvantagens só são lucrativas em cidades grandes, com grande concentração de assinantes.

    Diante disso, não achei solução alguma para o problema (ainda não tenho rede óptica, mas estou planejando uma e receoso quanto à tolerância a falhas). Fica pior ainda se vender link dedicado pela rede PON; MTBF e MTTR devem ir para o espaço.

    > Quem já trabalha com rede óptica tem tido problemas com cabos que rompem e param a rede PON toda?
    > Dá para fazer algum tipo de redundância?
    > Clientes tem dito que seu serviço para mais que via rádio?
    > Tem gente roubando cabo óptico achando que é cobre para vender? hahaha

    Desculpem-me pelo texto enorme, gosto de ter certeza que vão captar meu raciocínio.
    Até logo.
    Última edição por TsouzaR; 09-05-2015 às 01:59. Razão: Destacar questionamentos

  2. #2

    Padrão

    Puts.. Ngm respondeu... muito boa a duvida... alguem dar luz...
    Citação Postado originalmente por TsouzaR Ver Post
    Pessoal,


    > Tenho uma dúvida: é possível, de alguma forma, fazer redundância em uma rede GPON ou EPON/GEPON?

    > Em redes ponto a ponto, usando conversor de mídia ou switch com porta óptica, sei que dá para fazer usando RSTP, mas e em uma rede PTMP, de atendimento? Se um cabo principal romper, já era? Não há nada que se possa fazer para não parar a rede?

    Parece que há algumas ONUs que possuem 2 portas PON, a Parks está desenvolvendo uma inclusive, mas isso só provê redundância para cada cliente individualmente, e por tornar tudo mais caro, só é viável para algum cliente empresarial, por exemplo (além de ser tecnologia proprietária).

    Esse é o maior problema, falando de aspectos técnicos, que vejo em uma rede *PON: tolerância a falhas na infraestrutura.

    Pode ser que a sorte esteja contigo e, no caso de um rompimento, seja de um cabo que não é muito importante, ou não vá muito longe e só vai parar parte da rede (e mesmo assim, se houver rompimentos frequentes muitos clientes vão ficar insatisfeitos com o serviço), mas pode acontecer também de arrebentar os cabos em um ponto crítico, até antes do primeiro nível de splitting, por exemplo, ou que ilumine CTOs lá no extremo longe da cidade, desconectando todos ou quase todos clientes.

    Se não tiver como alguém ir no exato instante refazer as fusões (quem vai mexer em poste no meio de uma chuva?) ou forem umas 36 fusões para fazer (demora...), vai ficar nessa brincadeira de cai e volta com os clientes toda vez que um caminhão passar com 6 metros de carga, um big size técnico de concorrente pisar no cabo ou houver sabotagem?

    O único paliativo que encontrei (ainda há possibilidade de romper cabos da rede PON, mas afetará menos clientes) até agora é colocar algumas OLTs de menor porte espalhadas pela área de atendimento em armários na calçada (umas 3 devem bastar), recebendo o link por PTP óptico, com redundância por rádio ou por fibra em outra rota, por meio do RSTP. Mas aí vêm vários problemas, que incluem: maiores gastos (baterias, retificadores, etc. em cada armário) e dificuldade para fazer a alimentação energética desses equipamentos na rua, possibilidade de vandalismo contra os armários (os anti vandalismo são bem caros) e roubo de equipamentos e baterias, etc. Também há algumas vantagens (maior capacidade de clientes e de tráfego, mais fácil de expandir, mais fácil testar novas tecnologias em apenas algumas regiões...), mas acho que comparado às desvantagens só são lucrativas em cidades grandes, com grande concentração de assinantes.

    Diante disso, não achei solução alguma para o problema (ainda não tenho rede óptica, mas estou planejando uma e receoso quanto à tolerância a falhas). Fica pior ainda se vender link dedicado pela rede PON; MTBF e MTTR devem ir para o espaço.

    > Quem já trabalha com rede óptica tem tido problemas com cabos que rompem e param a rede PON toda?
    > Dá para fazer algum tipo de redundância?
    > Clientes tem dito que seu serviço para mais que via rádio?
    > Tem gente roubando cabo óptico achando que é cobre para vender? hahaha

    Desculpem-me pelo texto enorme, gosto de ter certeza que vão captar meu raciocínio.
    Até logo.



  3. #3

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    Cara se a gente for pensar desta forma não da pra trabalhar com tecnologia nenhuma ... se com a FIBRA ÓPTICA que não tem nenhum ativo pelo caminho tu conseguiu pensar no pior que seria somente um rompimento de cabo, e isso já te deixou com receios imagina outras tecnologias, a radio que depende de um monte de um monte de coisas pra funcionar bem, e cabeamentos UTP com SWITCH cada caixa ....

    Tenho hoje 600 clientes em uma cidade aqui e é tudo com cabeamento UTP, é um sossego, só que fico limitado nas pernas /100 e sem falar que os caras querem ver a bendita fibra na casa né ... rss ... mais enfim, optei por começar essa rede FTTH uma por causa da necessidade de não ficar para trás e dar brecha pra concorrência, segundo para soltar planos maiores com maior qualidade, terceiro pela pouca manutenção depois de pronta .... mais eu entendi a sua pergunta também, se tem como se prevenir mais de alguma forma né, se tiver será de bom proveito pra mim também pois estou começando já comprei o material só estou esperando chegar ....estou indo para o centro da cidade primeiro e ver o impacto que vai dar na cidade e retorno né claro ... rss

    valeu

  4. #4

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    Caro @TsouzaR, se você quer um pouco de tranquilidade em rede PON não pense em uma OLT atendendo uma grande quantidade de clientes, segmente sua rede em diversos pontos com diversas OLTs, e para ter redundância disso você faz um ou mais anéis com switch's de boa qualidade, tenho atendido projetos diversos, e vi algum futuro nesse caso de diversas OLTs pela cidade, um provedor que atendo já tem umas 15 OLTs pequenas até uns 300 ~ 400 usuários por caixa, cada OLT atende um bairro, no centro da cidade tem duas melhores, são dois "anéis", um ótico e um à rádio, pelo ospf eu defino o "cost" dos caminhos e funciona que é uma maravilha, já precisamos usar o rádio, fica show, nesse caso o tem um ponto que usamos rádio profissional, e para mandar para os bairros Rocket titanium, para rotear e fazer o gerenciamento do ospf, rb3011 ou rb1100ahx2! Fica bom cara!



  5. #5

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    Mas a redundância não é essa, é do circuito físico.

    Eu também me interesso em saber pois tenho um segmento beeeem grande de GPON e é fácil de algum caminhão ou cerol romper um cabo de 12FO aqui e fuder com parte da minha rede.

  6. #6

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    Caros, tem de pensar na redundância onde!!

    Vamos lá, se pensar a partir do cliente, redundância significaria uma duplicidade de rotas para ele, certo? Ou seja, em algum ponto entre o cliente e sua central deveria haver algum consolidador de 2 rotas.

    Como o GPON não tem isso, seria para trás da OLT, por isso o @andrecarlim sugeriu segmentar as OLTs.



  7. #7

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    Nesse vídeo ALAN Caldas mostra fazendo RSTP como redundância.



    Não sei se é a melhor solução...

  8. #8
    Moderador Avatar de Bruno
    Ingresso
    Nov 2002
    Localização
    Guarapuava-PR
    Posts
    3.928
    Posts de Blog
    1

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    Citação Postado originalmente por williankevenis Ver Post
    Nesse vídeo ALAN Caldas mostra fazendo RSTP como redundância.



    Não sei se é a melhor solução...
    este cara é comedia este titulo "esqueça ospf" é muito boa kkkkk
    deste vídeo ai ele mostra fazer redundância em l2 é uma ideia bacana até mais eu não usaria não
    sobre a redundância no GPON até hj nunca vi uma forma de fazer, já ouvi falar que a fiberhome tem um modo de fazer, como não sei, até pq estamos falando em ultima milha
    como as onu vai sincronizar etc vai saber



  9. #9

  10. #10

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    Citação Postado originalmente por Bruno Ver Post
    este cara é comedia este titulo "esqueça ospf" é muito boa kkkkk
    deste vídeo ai ele mostra fazer redundância em l2 é uma ideia bacana até mais eu não usaria não
    sobre a redundância no GPON até hj nunca vi uma forma de fazer, já ouvi falar que a fiberhome tem um modo de fazer, como não sei, até pq estamos falando em ultima milha
    como as onu vai sincronizar etc vai saber
    Exatamente Bruno, o pessoal só tá pensando em transporte de dados, nós estamos pensando em transporte físico, aqui a redundância na rede GPON é meu calcanhar de Aquiles.



  11. #11

    Padrão Re: Redundância em rede GPON/EPON

    2 years later... mas o assunto ainda é interessante. Na verdade, eu já até encontrei a solução para redundância em rede passiva: usando splitters 2xN e um recurso chamado "proteção tipo B", que já vi dizerem existir em FiberHome também. Parece que com esse recurso você usa 2 portas PON saindo por rotas distintas e faz os splittings com 2xN, com uma fibra de cada rota/porta, e quando há rompimento em uma delas, a OLT faz convergir para a outra dentro de 100ms (vai convergir só o downlink, porque o uplink fica funcionando pelas duas ao mesmo tempo). Vai usar o dobro de portas PON nessa topologia... Deve ser possível colocar esse 2xN tanto no primeiro nível de splitting, quanto dentro da CTO; não vejo como não seria.

    Algumas informações sobre isso:

    https://www.calix.com/content/calix/....htm?82365.htm

    http://www.fujitsu.com/downloads/TEL...Class-GPON.pdf (a partir da página 4)

    Existe também a proteção tipo A, que é o caso de ONU com 2 portas PON, e os tipos C e D, que estão descritos no PDF nesse último link.

    A forma descrita pelo @andrecarlim também é eficiente e, muitas vezes, até suficiente, além de ser a mais fácil de projetar e a única, além do tipo A, que suporta uso de splitters desbalanceados (parece que somente existe 2xN balanceado).