Página 1 de 2 12 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. #1

    Question Polarização

    Estava lendo sobre polarização e encontrei o seguinte:
    Toda onda eletromagnética é composta de dois campos, o elétrico e o magnético, sempre situados em planos ortogonais (planos fisicamente a 90 graus), e variando em fase (0 graus).

    Agora se adicionamos um polarizador na vertical (linear vertical).

    http://www.qsl.net/py4zbz/antenas/p1.gifhttp://www.qsl.net/py4zbz/antenas/p1v.gif

    As figuras animadas seguintes ilustram uma onda com polarização linear vertical, mostrando apenas o vetor do campo elétrico (o magnético está sempre presente e a 90 graus físicos)
    Não consigo entender, se você adiciona uma fenda na vertical, e digamos que o campo magnético esteja na horizonta, ele será removido?

    A combinação de duas ondas linearmente polarizadas, uma vertical e outra horizontal, e eletricamente em fase, resulta em uma onda linearmente polarizada inclinada, como pode ser visto nas figuras animadas seguintes:

    http://www.qsl.net/py4zbz/antenas/p3.gifhttp://www.qsl.net/py4zbz/antenas/p3v.gif

    Quando se fala em combinação, são duas ondas elétricas? ou apenas 1 é elétrica e a outra é magnética?

    Entendem, eu não estou conseguindo associar as ondas elétricas com as magnéticas com o uso de um polarizador, se utilizar polarizador, uma das duas é removida (elétrica ou magnética) pois elas estão a 90º... e todos os exemplos, as ondas só passariam se estivessem na mesma direção do polarizador...

    Ou, as ondas magnéticas, não contam, elas não são utilizadas, apenas as elétricas?

    ATT

  2. #2

    Padrão Re: Polarização

    Xi.... me parece que você está fazendo uma confusão danada.... Eu quando estudei física na década de 60 também não aproveitei muito as aulas de física... e por isso só vim a entender estes princípios fascinantes mais tarde na prática do radioamadorismo...

    Elas não são "removidas" como voce suspeitou. Elas existem sempre juntas quando existe uma emissão . E existe na natureza por exemplo na emissão de luz como a do sol. Apesar de aparentemente serem coisas diferentes, a origem física da luz do sol e das emissões de radioeletricidades são semelhantes. Só que a oscilação que existe nestas emissões é que cria resultados diferentes.
    No caso da luz, dependendo da frequência vai originar as cores.
    No caso dos equipamentos de rádio, vai originar emissões de sons e imagens...
    E é aí que nós entramos... Na verdade o que uma antena faz é captar estas ondas e encaminhar para um receptor para que sejam 'decodificadas' e tornadas utilizáveis por nós.
    Por isso que não concordo quando leio que "configurei minha antena....." por exemplo. Antena não é configurada. O máximo que se faz é montar com polarização horizontal ou vertical. O que se configura é o rádio.
    Então o mais correto seria "configurei meu equipamento....", o conjunto de rádio + antena.

    Agora, com relação as ondas eletromagnéticas entendendo os aspectos teóricos básicos, o que nos interessa mesmo é a prática... por exemplo, na construção de uma "Galena", que é um receptor primitivo de rádio. Você imagina receber o sinal de uma emissora de rádio local, ouvir toda a programação e nem ao menos ter uma fonte de energia física para alimentar este "rádio".
    Como isso é possível? É porque estão presentes no espaço ao nosso redor ondas eletromagnéticas que são captadas pela antena da galena e decodificadas vamos dizer assim em ondas elétricas que alimenta o circuito e ondas magnéticas que trazem as informações da estação de rádio, a música por exemplo.
    Isso em palavras simples. Existe toda uma complexidade nisso e era isso que fascinava o Nicola Tesla ao ponto dele sonhar com a transmissão de energia sem precisar de fios. Tudo wireless..

    Veja estes 3 links. O primeiro tem uma teoria explicada de forma bem didática e o segundo uma explicação da antena que é a rainha nesta estória.
    Sem ela não existe resultados práticos. Por isso o posicionamento correto da antena pode fazer toda a diferença.

    E o terceiro uma explicação sobre uma forma de ondas eletromagnéticas, as emissões de rádio.

    http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/...magneticas.htm

    http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/fisica/antena.htm

    http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/...ndas-radio.htm



  3. #3

    Padrão Re: Polarização

    Obrigado por ajudar @1929 ...
    Em relação a dúvida... Veja se não faz sentido... Todos os sites e vídeos da internet que li, dão exemplo parecidos:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         pola.jpg
Visualizações:	424
Tamanho: 	55,9 KB
ID:      	63232
    Se uma onda eletromagnética, possui o campo elétrico e o magnético, e estes estão a 90º... Não faria nenhum sentido os 2 campos passarem ao mesmo tempo no exemplo acima...
    Ou a magnética passa, ou a elétrica...

    Foi isso que gerou tanta dúvida...

    2º) Em relação a polarização circular, percebe-se que estas se utilizam de 2 ondas... Na minha ideia era 1 magnética e 1 elétrica... Mas pelo que vejo, é o uso de duas ondas Elétricas e 2 ondas Magnéticas... Mas fica a dúvida... uma não sobrepõe a outra? pois na vertical temos 1 magnética e outra elétrica e o mesmo ocorre na horizontal...

    ATT

  4. #4

    Padrão Re: Polarização

    tu vai precisar de uma aula mais didática. O @rubem é bom em explicações.



  5. #5

    Padrão Re: Polarização

    A "onda elétrica" só existiria num fio, num circuito puramente elétrico.

    A "onda magnética" só existiria num imã ou coisa assim.

    RF usa ondas eletromagnéticas e não tem como separar o componente elétrico do magnético (Até tem, isso se chama antena, passa do ar pro circuito elétrico, mas é outra estória).



    Sobre transposição, só haveria isso se as 2 elétricas estivessem na mesma polarização. Se 2 ondas chegam na mesma fase, cada uma com amplitude 1, vira uma onda somada com amplitude 2. Se uma tem amplitude 1, e a outra -1, há subtração, 1 + -1 = 0, isso é chamado de onda em contra-fase.

    O componente magnético sempre estará a 90° do elétrico, o sinal elétrico na pol. horizontal não é afetado pelo campo magnético na horizontal, o campo magnético precisa atingir em 90° o campo elétrico.


    Imagina uma onda na água:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         399991_964x638.6666666666667.jpg
Visualizações:	126
Tamanho: 	898,8 KB
ID:      	63234
    Essas ondas estão "indo" daqui pra lá, você vê as ondas seguindo na horizontal, talvez assim veja melhor as ondas andando pros LADOS:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         pond.jpg
Visualizações:	184
Tamanho: 	13,6 KB
ID:      	63235

    Mas imagina que tem uma canoa nessas águas, você vê as ondas seguindo pros LADOS, mas a canoa vai SUBIR E DESCER, ou seja, a canoa vai oscilar VERTICALMENTE enquanto você vê as ondas seguindo HORIZONTALMENTE.

    A relação entre onda magnética e elétrica é mais ou menos essa, não tem como separar uma da outra no ar.

    Agora sobre a dutagem de ondas, se você quiser fazer um guia-ondas físico pra 2,4GHz, precisa um tubo retangular com uns 70mm (Tem que calcular, mas acho que é por aí), mas... na LARGURA ele tem que ficar na casa dos 35mm.
    O tubo será mais alto que largo, isso atenuará as ondas na horizontal, mas ele não pode ser muito menor que 35mm justo pela onda magnética.
    Se for um duto circular (Um tubo), ele precisa uns 70mm de diâmetro interno. Sendo redondo, vai passar ambas as polarizações.

    Ou seja, no duto pra atenuar a outra polarização, a largura não pode ser mínima, se for pequena demais e o duto longo, o campo magnético é afetado e a atenuação é grande demais. Com tamanho correto a atenuação é mínima.
    (Em 70x35mm a 2,4GHz a atenuação é minúscula, mas na outra polarização será tudo atenuado fortemente, provavelmente vai isolar uns 20dBm a outra polarização)

    E sobre a ortogonalidade citada, em wifi se usa OFDM, um sistema de multiplexação com divisão ortogonal de frequência, tem ortogonal no nome, usamos 2 polarizações em wifi, mas são coisas diferentes. Usamos a ortogonalidade pra multiplexar e demuxar/demultiplexar a divisão com portadoras e cia, usamos essa divisão ortogonal na multiplexação com apenas 1 polarização mesmo. Nos sistemas com dupla-polarização são literamente 2 sistemas INDEPENDENTES, cada um na sua polarização, apesar de saírem/entrarem na mesma antena são 2 sistemas independentes um do outro.

    Esse esquema ortogonal físico, com 2 polarizações no mesmo esquema de dados, que lê vertical e horizontal, não sei se é usado em alguma coisa hoje.


    Enfim, a ortogonalidade em wifi não tem a ver com a polarização do sinal físico, OFDM funciona com 1 polarização apenas.

  6. #6

    Padrão Re: Polarização

    Citação Postado originalmente por 1929 Ver Post
    tu vai precisar de uma aula mais didática. O @rubem é bom em explicações.
    Eu tinha respondido ontem de noite, gastei meia hora escrevendo, cliquei no Enviar... aí olhei pro relógio e o ícone de internet tinha um ponto de interrogação :-)

    Claro que perdi tudo que escrevi.

    Ano passado isso acontecia 12x por semana (A Oi é linda, só me dá alegrias) então eu sempre escrevia tudo no bloco de notas, mas parou de acontecer então perdi o hábito, agora no máximo 1x por semana perco uma resposta.



  7. #7

    Padrão Re: Polarização

    Então está aí @abcd . Resumindo, na radioeletricidade, as duas ondas convivem e são necessárias. Senão não haveria o "milagre" da transmissão.

    Nicola Tesla, Marconi e Padre Landel de Moura eram fanatizados por esta área da física que foi estudada na teoria por Maxwell alguns anos antes.

    Há até uma polêmica a respeito de quem realmente inventou o rádio. Landel de Moura teria sido o primeiro, mas vivendo numa "província" no sul do Brasil, longe do que se considerava um centro avançado e com poucos recursos não teve a projeção necessária na época.
    Conta-se que ele inclusive propôs uma transmissão telegráfica da Ilha Naval para um navio ancorado na baia de Guanabara. Coisa que a chefia naval da época não permitiu, alegando que benefício teria isso.. e deste modo mais uma vez o "bonde passou" e ficamos a revelia da história.
    Logo depois disso, Marconi com todo aparato publicitário provou a veracidade dos estudos de Maxwell e Tesla. E tudo isso, longe dos centros científicos, encravado na província esquecida do Rio Grande do Sul, Landel de Moura já sabia de tudo isso...e tinha "inventado" os meios práticos para tornar realidade.

  8. #8



  9. #9

    Padrão Re: Polarização

    @1929 , @rubem e @icesargc obrigado pela ajuda...
    Só para finalizar, a onda elíptica, em quais frequências possuem uso comercial (direita e esquerda), pois a anatel e mc citam, mais não indicam o uso em nenhum lugar... ATT

  10. #10

    Padrão Re: Polarização

    lembro quem usava polarização circulares no Brasil era a directtv. depois nunca mais ouvi falar disso no Brasil



  11. #11

    Padrão Re: Polarização

    Citação Postado originalmente por lcesargc Ver Post
    lembro quem usava polarização circulares no Brasil era a directtv. depois nunca mais ouvi falar disso no Brasil
    Só uma correção @lcesargc, a pergunta foi em relação a ondas elípticas... Para acrescentar, a polarização circular é muito utilizada principalmente na banda C, ex: SES 6 (40,5º) e NSS 806 (47,5º).
    ATT

  12. #12

    Padrão Re: Polarização

    Até a banda KU usa pol. circular.

    Ou seja, a TV de todo mundo (Mesmo quem não tem parabólica, já que o sinal das geradoras chega até as emissoras locais via satélite) passa por polarização circular.

    Mas é um mundo bem diferente de wifi, é unidirecional e perdas de partes dos pacotes é aceitável então conseguímos usar com sinal baixo, perto do limiar inferior (Em situação onde uma mísera nuvem derruba a qualidade do sinal a ponto de ficar sem imagem). Mas em wifi todo pacote precisa ser enviado e respondido corretamente, pra cada ação de um lado existe a resposta do outro, então a qualidade geral da comunicação precisa ser duzias de vezes melhor.

    Imagem mpeg em qualidade SD (480p) via satélite gasta mal e mal 1Mbps, e é unidirecional então o chipset que recebe apenas processa o que recebe, enche o buffer e forma a imagem, ele não precisa formar o pacote de resposta (Como TV via web exige), TV via satélite é coisa muito tranquila comparado a internet via wifi.



    ============================
    Edit:
    Parece que não é regra, nem todo LNBF de banda KU usa pol. circular, não mexo muito com isso, o pouco que tenho e abri era circular, nesse estilo:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         hqdefault.jpg
Visualizações:	85
Tamanho: 	13,9 KB
ID:      	63246

    Os lineares seriam assim, com o monopolo vertical e horizontal visível sem obstrução:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         LNB_dissassembled.JPG
Visualizações:	83
Tamanho: 	1,36 MB
ID:      	63247


    Até onde eu saiba, se tem o semi-pino, é circular:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         semi.jpg
Visualizações:	122
Tamanho: 	100,1 KB
ID:      	63248

    Se se tiver o pino fora a fora é linear:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         pino.jpg
Visualizações:	259
Tamanho: 	101,6 KB
ID:      	63249

    Todos os banda KU que vi eram com semi-pino, e com uma chapa de atressada na frente, tipo a primeira imagem, ou antigamente algo mais grosso tipo:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         6yo07o.jpg
Visualizações:	159
Tamanho: 	29,7 KB
ID:      	63250



  13. #13

    Padrão Re: Polarização

    @rubem me corrige a minha falta de conhecimento em relação a sinais de tv via satélite...
    Eu imagino cada TP com frequências diferentes, então, se um TP é de 4668 H... seriam 4468 MB por segundo...

    Se imaginarmos um filme de 90 minutos FULL HD avi, temos em torno de 800MB...
    teríamos em torno de 148KB por segundo...

    A questão é: Qual a parte da frequência pode ser utilizada, pois 4.468 MB são 4.668.000.000 hertz , se cada hertz fosse 1 byte, necessitaríamos de 151.552 hertz por segundo no caso do filme acima... No exemplo acima, poderíamos passar 31 filmes aleatoriamente nesta mesma frequência...

    Daí a banda C temos 800 Mhz - 3400 a 4200... Existem TPs com diferença de 2 Mhz... Então 800 / 2 = 400 ... Daí temos que lembrar da polarização , V e H ... Então temos 800 TPs ...

    Se cada TP, poderíamos passar 31 vídeos ... teríamos 24.800 vídeos FULL HD apenas na banda C de 1 determinado satélite...

    Obviamente que este cálculo é ridículo, pois sabemos que existem pouco mais de 100 canais na banda C nos satélites, sendo que apenas 1 satélites daria conta de todos os sinais...

    Como que é realizado a transmissão via satélite, pois como disse acima:
    Imagem mpeg em qualidade SD (480p) via satélite gasta mal e mal 1Mbps

    ATT

  14. #14

    Padrão Re: Polarização

    @rubem Na Anatel não encontrei nada em relação ao uso de banda circular em KU...
    Já Banda C e Ka, tem uma norma que específica as antenas...

    Resolução nº 288, de 21 de janeiro de 2002, que Aprova a Norma das Condições de Operação de Satélites Geoestacionários em Banda Ku com Cobertura sobre o Território Brasileiro. Diz que:

    3.5 As estações espaciais e terrenas devem utilizar antenas com polarização linear.

    E:
    8.5 Excepcionalmente, e sujeitas à coordenação conforme item 5, as estações terrenas podem utilizar polarização circular.

    Já em relação a Banda C, usasse muito placas de teflon entre outros materiais, para converter a polarização circular em linear, como a imagem mostrada por você acima...

    ATT



  15. #15

    Padrão Re: Polarização

    É possível que no brasil seja legal o uso apenas de linear, o que tenho de KU é antigo mesmo, equipto Quasar por exemplo (Americana, que faliu tem uns 10 anos).

    Os satélites brasileiros então devem operar com pol. linear. Vai ter algum equipto circular a venda porque a maioria disso é importado mesmo (Última vez que procurei, achei LNBF Ku de várias marcas de R$ 10 a 50, os mais baratos devem ser importados com desempenho ruim no brasil).


    Agora sobre a banda, no exemplo dado, 4668MHz é a frequencia do canal.
    A largura do canal depende, em banda KU tem até canal de 5MHz de largura, se fosse o caso, com o centro a 4668MHz e largura de 5MHz, o canal iria na verdade de 4665,5MHz até 4670,5MHz.
    Numa largura de 5MHz, seriam 5Mbps em teoria. Mas tem aqueles esquemas de modulação QPSK, um QUAD-psk, são 4 pontos na constelação, é quase um 4QAM. Isso em tese dá 4x a banda original. Mas na prática depende de temporizações e cia, de modo que até daria pra conseguir mais de 5Mbps em situações ideais, mas deve usar só metade dos pontos com dados válidos, seria um coding rate de 1/2, ou seja, QPSK 1/2, vai dar um datarate de uns 3Mbps em 5MHz de largura, dependendo das temporizações (Tempo pro chipset processar cada pacote).

    E com 3Mbps até dá pra passar vídeo de resolução 720p se usar codec tipo H264.
    Em mpeg (Padrão antigo, dos anos 90) tinha satélite antigo que só conseguia 480p com esse throughput.

    Pra conseguir mais banda, ou usa um esquema de modulação melhor (Mas isso implica reprojetar satélite e receptores), ou usa canal mais largo. Em 10MHz de largura (Caso o canal vá de 4663 a 4673MHz, com o centro em 4668MHz) vai dar uns 6Mbps, mas pode ser que usem mais pontos com dado válido, um codec rate tipo 3/4 ou 5/6, isso daria quase 10Mbps, que até dá pra vídeo h264 a 1080p (E dá pra 1080i tranquilo).

    Em banda C a largura dos canais é bagunçada, nos receptores dos anos 90 tinha o filtro de 18 ou 27MHz pra ligar ou desligar, pros canais "dividos". Um canal típico teria 40MHz de largura, sendo analógico não tem banda digital pra medir. Com 40MHz de largura dá pra um canal bem limpo, mas uns canais dividiam o uso, digamos a TVE com a TV Escola dividindo o mesmo canal de 20MHz, é algo tipo 1380MHz um e 1400MHz o outro, o canal de 40MHz é dividido em 2 de 20MHz, na prática o filtro limita a 18 ou 27MHz de largura. E 18MHz de largura, incluindo áudio, não dá pra uma imagem pra lá de linda, ela fica mais deficiente que um canal de 27MHz de largura.

    Em banda KU não sei largura e numero de portadoras, mas notei que a frequência dos canais é bagunçada, não é com múltiplos exatos, então devem ter canais de larguras diferentes. E realmente, quando uma árvore cresce um palmo na frente de uma antena KU só alguns canais falham, geralmente os canais que usam banda mais larga (Os canais HD), conforme a obstrução aumenta, no final só pega alguns canais SD de imagem ruim (Provavelmente os que usam canais mais estreito).

    Não sei se isso explica o suficiente sobre os esquemas digitais de modulação:
    https://www.linuxtv.org/wiki/index.p...ulation_Scheme

    Talvez algum dos tutoriais do Teleco ajude mais (Ainda que tratem sobre ADSL ou Wimax, os esquemas digitais de modulação tem as mesmas bases):
    http://www.teleco.com.br/tutoriais/t...l/pagina_3.asp
    http://www.teleco.com.br/tutoriais/t...2/pagina_2.asp
    http://www.teleco.com.br/tutoriais/t...2/pagina_3.asp
    http://www.teleco.com.br/tutoriais/t...2/pagina_4.asp


    Eu até costumo olhar legislação, mas NESSE CASO não, porque os satélites atendem vários países, eu sempre acabo olhando o que tem nos satélites e não na legislação, e tem satélite com tudo que é modulação, com tudo que é codec digital (H264 é recente), com tudo quanto é largura de canal, é bem variado.


    Alias... meu receptor banda KU é um American Bird AB5700, acho que minha irmã comprou em 1994 (Pra usar em banda C), até 2000 eu usei ele nalguns satélites em banda KU, hoje precisaria um receptor com H264 pra pegar muita coisa nacional, como se vê eu tô "meio" desatualizado nos satélites brasileiros.

    (Até porque mesmo receptor barato tipo Lemom, se a antena estiver apontada, é mandar fazer a busca cega de canais e milagrosamente tudo se ajusta, isso emburrece a gente. Eu decorei os canais em banda C porque nos primeiros receptores digitais tinha que digitar a frequencia do canal, a largura, áudio (O do canal sempre 5.8MHz), nos receptores de girar o dial não precisava disso mas podia ler a frequencia escrita e sempre sintonizar certo, com os receptores com busca cega isso morreu, ninguém mais sabe largura de canal ou a frequencia central dos canais)

  16. #16

    Padrão Re: Polarização

    Ah, e sobre um canal usar 4668MHz na vertical, ele não tem NADA a ver com o canal que usa 4668MHz na horizontal.

    É como se fosse OUTRO SATELITE, chegando em OUTRA ANTENA. São 2 monopolos, um só envia e recebe sinal vertical, e outro só hozitontal, são 2 antenas diferentes, cada uma recebe sinal da antena na mesma polarização no satélite.

    Ou seja, o satelite tem antena vertical, esse sinal é recebido na antena vertical na parabólica.

    E SEPARADO disso tem a antena horizontal no satélite, o que ela transmite é a antena horizontal da parabólica que capta. São canais diferentes porque são ANTENAS diferentes em uso.

    É tipo a imagem 3D numas telas, a imagem vermelha e a azul, ela está na mesma tela mas com o óculos adequado você enxerga 2 imagens DIFERENTES (Elas são minimamente diferentes mas poderiam ser 100% diferentes) na mesma tela, não é bem questão de polarização da luz, é só exemplo.

    (Radio FM stereo tem sistema que divide o tempo, hora transmite o canal esquerdo, hora o direito, no mesmo canal da rádio você tem 2 áudios, eles poderiam ser separados totalmente, é outro exemplo nada a ver com polarização mas é só pra indicar outro tipo de divisão do espectro que passa desapercebido)



  17. #17

    Padrão Re: Polarização

    @rubem aqui tem muitos detalhes sobre banda C e KU de cada satélite:
    http://www.portaleds.com/satelites/index.php

  18. #18

    Padrão Re: Polarização

    @rubem, quando você falou sobre canal, não seria mais interessante manter uma frequência única e de acordo com a Tensão de amplitude dizer se 0 ou 1.

    Digamos, 10 hertz... Iriamos mantes esta frequência... caso a tensão de amplitude fosse 5 (true), 0 (false)...

    Dai digamos que teríamos em 1 segundo: 0100110001

    Daí se tivéssemos apenas a capacidade 9 hertz em 1 segundo: 011100110

    Dessa forma não iriamos aproveitar toda a frequência, ao invés de pegarmos canais:

    canal de 5 a 8 hertz = 1010

    1º) Temos aparelhos para analisarmos apenas determinada frequência?

    2º) temos aparelhos para verificarmos determinada tensão de amplitude?



  19. #19

    Padrão Re: Polarização

    Hum, uns canais listados nesse site são 8PSK, são 8 pontos na quadratura (Tipo 8QAM), com coding rate 2/3, ou seja, 2/3 dos pontos (Ou 66,6% deles) tem dado válido. Com 20MHz de largura isso dá mais de 20Mbps. Em mpeg2 isso dá pra 3 ou 4 canais SD.

    Se pegar esse canal:
    http://www.portaleds.com/satelites/t...3195&fre=4544R
    O canal abaixo é 4196, o acima é 4581, então esse canal deve ter uns 40MHz de largura. Um 8PSK com coding rate 2/3 deve dar mais de 60Mbps, e em H265 (HEVC) um vídeo 4K típico (Tipo o que o Netflix disponibiliza) come uns 15Mbps (10 a 16Mbps, o Netflix não tenho certeza quanto é certinho). Ou seja, cabe exatamente 4 canais 4K nesse throughput.

    Um canal mais abaixo, no mesmo satélite:
    http://www.portaleds.com/satelites/t...3195&fre=4176L
    O canal anterior é 4173, o posterior é 4179, então esse canal tem 3MHz de largura, vai dar em 8PSK com 2/3 uns 3Mbps, como é 3/4 seria uns 4Mbps, e em MPEG2 (Padrão antiquado, de DVD) isso dá só pra SD (720x480), alias, DVD geralmente fica por aí, uns 4Mbps, é "qualidade de DVD" então, mas em 4:3, seria uns 720x576 entrelaçado, que na verdade passa até com 2Mbps mesmo no velho mpeg2 dos anos 80.


    Em outros satélites tem canal de 40MHz com 30 canais digitais, todos SD em mpeg4 ou h265, com 8psk com 2/3 passando 60Mbps isso dá uns 2Mbps por canal, mas SD já fica ótimo até com 1Mbps se usar h265, com mpeg4 não tenho tanta certeza mas sei que com 2Mbps já dá imagem muito mais nítida que o normal na TV paga via satélite, então suspeito que eles usam algo tipo 1Mbps por canal nesses pacotes.
    Parece ser o caso do mais usado no brasil, o StarOne C2:
    http://www.portaleds.com/satelites/l...at=2900&ban=ku
    Tem pelo menos canais (28 a 33) em cada canal de 40MHz.

    Mas como tem uns 1080i no meio, e tem bastante canal numa faixa de 40MHz, acho que eles usam uma temporização baixa, e conseguem uns 80 ou 90Mbps em 8PSK com coding rate 3/4, em 80Mbps realmente dá tranquilo pra passar duzias de canais SD de mal e mal 1Mbps, e alguns 1080i de uns 2Mbps (Talvez 2,5Mbps, duvido que passe disso, a imagem não é tão boa).




    Agora vi que estou bem desatualizado, eu lembro de fazer apontamento pros BrasilSat A1 e B1, que nem existem mais faz algum tempo. Já vi que vou precisar receptores novos e LNBF mais novo, minhas porcarias dos anos 90 não pegariam nenhum dos satélites desse site.
    (E esses satélites não vivem muito pelo visto, tinha um punhado de BrasilSat, agora só tem listado 3)

  20. #20

    Padrão Re: Polarização

    @rubem, um satélite tem em média 15 anos, se os seus LNBFs são da década de 90, tem grande chance de possuir motor, vertical, horizontal, quase que manual... Essa semana estava mexendo em um que esta jogado fora aqui em casa...

    Acredito que teria sucesso apenas no Star One C2... apenas os 31 canais analógicos...

    http://www.portaleds.com/satelites/l...&sis=Analogico