+ Responder ao Tópico

  1. Citação Postado originalmente por surfinhu Ver Post
    Olha, a minha curiosidade BERRA! kkkkkkkk
    Pois é, @admirsch... os valores ainda são muito elevados. Em outros países, desenvolver/importar esse tipo de tecnologia é muito incentivado, em ambos os aspectos. Aqui, não. =/
    Mas acredito que esse cenário vá mudar logo, pois o BNDES já está olhando com carinho pra isso.

    Veja os links:
    http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bn...420_solar.html

    http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bn...vaenergia.html


  2.    Publicidade


  3. O problema é misturar os assuntos, converter alguma energia presente (Radiação solar, vento, força hidroelétrica, diferença de temperatura) em eletricidade é BILHÕES de vezes diferente de "gerar energia de graça". Converter é diferente de produzir a partir do nada.

    Moto contínuo não tem NADA a ver com outra fonte de energia, nada a ver com solar, eólica, hidroelétrica, menos ainda a ver com motores de Peltier e etc. Moto contínuo promete força a partir do nada, transformar 1 joule de força em 10 joules.




    O problema do motor de Bedini é que ele usa consumo em pulsos. Apesar de uns idiotas ficarem com papinho noob tipo "Eles não querem que você saiba, por isso não tem informaçãoes na web" é só googlar que se acha uma duzia de opções de circuito:
    https://www.google.com.br/search?q=b...=lnms&tbm=isch

    Basicamente o LM555 dá pulsos de consumo, libera tipo PWM (Mas de largura fixa) a alimentação pra espira. E... multímetro é péééééssimo com sinais variando, medir PWM com multímetro é simplesmente bobeira, nem um multímetro TRUERMS mediria com precisão, precisa osciloscópio ou um circuito que acompanhe a queda de tensão na bateria pra definir quanto dela está sendo consumido.

    Pra fazer esse suposto circuito que "transforma" 12W em 270W gasta o que, R$ 30? (Não precisa inversor) 270W em 24h dá 6,4kWh.dia, dá 192kWh no mês, metade das residências no Brasil gasta até menos que isso! Se essa baboseira funcionasse, quem constrói isso devia pelo menos colocar um desse na casa de uma tia ou avó que sofre pra pagar R$ 90 de conta de luz (Faz um LM555 acionando um rele em 30 minutos, com 2 baterias, um carregando e outra alimentando o circuito, e vai alternando pelo rele que o LM555 fecha ou abre. Se o consumo é de 12W vindo da bateria, precisaria menos de 16W pra carregar outra bateria, digamos que sobram 250Wh pra consumo, dá pra uma geladeira pequena, uma TV, um ventilador de mesa, umas lâmpadas. Mas quem constrói isso não usa nem em casa, só faz teste de poucos minutos pra fazer vídeo, se engana com valor que multímetro NÃO-truerms mede, e não faz teste real com consumo na saída.

    (Bota uma lâmpada incandescente de 100W onde supostamente teriam 277W pra ver se a carga resistiva não faz a tensão cair pra quase nada! Medir tensão em circuito aberto é coisa bem amadora, isso só se faz quando a intenção é enganar, ou quando não se sabe o que está fazendo)

    Você pode usar um joule thief pra pegar toda a energia de 1 pilha e até converter pra 10V, ou pode usar ela pra gerar picos de tensão mais alta tipo 200V, isso não é difícil (Alias, taser (Arma de choque) usa bateria de 9V, o circuito que inverte pra mais de 600V drena ela em segundos caso haja consumo nessa saída de alta tensão (Soltar faísca no ar não é consumo, consumo é ligar numa lâmpada fluorescente tubular, uma de 16W ioniza com 600V, veja quantos 3 segundos uma bateria de 9V mantém uma dessa acesa num taser comum), é um circuito simples e fácil de achar). Mas ter alta tensão não tem NADA a ver com ter alta potência, dá pra carregar um campo magnético de uma bobina e tirar picos de alta tensão (Pra dar um choque) até com pilha de relógio de 1,5V que tem mal e mal 3mm de diâmetro. 1,5V 10mA é 1,5 * 0,001 = 0,0015W. Se passar pra 200V pra dar choque, 0,0015W / 200V = 0,000007mA de corrente. Se pegar nalguns pontos da pele com maior condutividade (Local úmido tipo boca, ou pele macia) isso será um choque incômodo, mas estamos falando de um pico de poucos milisegundos.


    Flash de máquina fotográfica por muitos anos usava 1 ou 2 pilhas AA ou AAA, e eles acionam uma lâmpada de neon de brilho alto. Basicamente um inversor ficava carregando um capacitor de 400V ao longo de quase 10 segundos, e quando você apertava o botão ele descarregava os 400V do capacitor na lâmpada de neon, dava uma piscada de algo tipo 30mS (Ou seja, o circuito consumia por 10s carregando o capacitor, que se descarregava na lâmpada gerando luz por 0,03s). Lembro de aparelho que falava coisa tipo "Até 100 fotos por par de pilhas". Oras, de multiplicas, 100 * 0,03 = 3s de luz com um par de pilhas! Não é porque tem picos de alta tensão que isso implique em ter alta tensão por um período prolongado. Um leve choque nalgum circuito a pilha é perfeitamente possível se tiver bobinas no circuito, e se tocar nalguns pontos da pele (Colocar a língua numa bateria 9V dói, mas tocas os dedos não, e isso tem a ver com a resistência da pele, na língua a resistência é mais baixa, há o choque com tensão muuuuuuito mais baixa, e isso também não tem nada a ver com transformação de energia, apenas de que é muito fácil enganar um noob com um circuito que passa de 1V pra 9V em eletrodos na língua, depois de levar um choque na língua qualquer noob acredita que foi um choque de 127V e que poderia alimentar uma casa toda).




    Agora esquecendo esses fakes pra enganar trouxa e vender kits, gerar eletricidade a parte de algumas fontes de energia é complicado. Se tiver uma fonte de calor há uma energia térmica gigantesca, um fogão a lenha na roça tem joules e joules, mas... a conversão hoje terá rendimento muito baixo. Motor Stirling e pastilhas de Peltier, é o que temos hoje. Fazer um motor Stirling girar é muito simples, mas o torque é minúsculo, se colocar um magneto qualquer (Pode ser neodímio, tanto faz) ao passar na frente da bobina, se houver uma carga resistiva nessa bobina (Ou seja, algo consumindo a energia gerada) ela dá uma freada no ímã passando, reduz a velocidade. Se a cada passada do ímã há uma freada, em 2 ou 3s o motor para. Se afastar a bobina o arrasto é menor, se afastar o suficiente não há diminuição significativa na velocidade, mas... gera quanto? No caso do motor stirling do Manual do Mundo no Youtube duvido que gere 0,3Wh.

    Aerogerador teria tudo pra ser ótimo, mas... geralmente em baixa velocidade (Com vento tipo 3m/s) a geração é minúscula, só há geração significativa com ventos tipo 7 ou 8m/s (Um vento razoável), ter rajadas assim não adianta, pra gerar 5kWh por dia num aerogerador de R$ 2 mil precisa uma média de 5m/s de vento, e se for contar com rajadas de 10m/s, precisa 3 HORAS CONTÍNUAS de vento a 10m/s (Uns 36km/h, anda de carro ou moto a 36km/h e põe a mão pra fora/pro alto pra sentir que vento é isso, se uma leve brise chega perto disso) pra chegar nesses 5kWh.dia (Valor que dá 150kWh no mês, que provavelmente é muito menos que todo mundo aqui no fórum consome na conta de luz). Tem vendedor que vem com papinho tipo "A 500RPM meu gerador fornece 1000W". Pombas... mas que vendaval precisa pra fazer chegar a 500RPM? O design das pás muda o aproveitamento, precisa informar a produção conforme o vendo, quantos watts a cada velocidade (Em m/s ou km/h) há geração, tem que fazer tabela tipo:
    http://us00.i.aliimg.com/img/pb/545/...155545_960.jpg

    Ou pelo menos informar valores típicos, tipo 150W a 5m/s, 500W a 10m/s, etc. Porque tem muito leigo comprando aerogerador de 2000W sem ver isso, e só depois descobre que esse aerogerador com vento de 5m/s gera mal e mal 200W, e... 5m/s é a média de vento em talvez 80% do Brasil, 5m/s é suficiente pra alguém parar de suar quando senta na varanda, é um vento que eu queria ter na minha varanda, mas é uma vento ridiculamente baixo pra quase todo gerador eólico a venda.

    Digo isso porque "projeto de gerador de X mil watts" é um item bastante vendido num sites de ecommerce. Muito leigo compra (Como se não houvessem centenas de projetos abertos publicados na web disponíveis de graça) achando que vai resolver toda a sua conta de luz, ou achando que vai ligar o aerogerador na tomada e ele vai milagrosamente gerar 127VAC na fase certinha pra alimentar uns eletrodomésticos. Pessoal que economizar dinheiro mas não quer gastar neurônio, é justo que desperdicem dinheiro com kits e bugigangas feitas pra enganar. No caso dos aerogeradores e painéis fotovoltaicos muita gente compra errado porque SE enganou, não leu dado técnico e achou que geração de pico (Um pico de 2000W num aerogerador, ou de 100W num painel fotovoltaico) é a média, ou achou que teria sol no ângulo certo umas 12h por dia, ou que teria vento suficiente mais que umas 10h por SEMANA. Se enganar comprando esses equipamentos insuficientes não tem nada a ver com ser trouxa de acreditar em moto contínuo/perpétuo, um caso é desinformação e o outro é burrice mesmo.

    (Digo que é burrice porque já ouvi sobre motor de Bedini absurdo tipo "Meu nobreak passa de 12V pra 220V, então porque o motor de Bedini não pode passar de 12W pra 220W?". E pra mim a burrice é a preguiça de se informar, tem milhares de projetos desses motores de bedini na web, e outros milhares de apostilas, cursos e conteúdos de eletrônica e física, não é difícil tirar 1h por noite pra ler sobre isso e entender como se engana um multímetro comum com pulsos e picos intervalados, e a bobeira de medir tensão em circuito aberto, sem consumo)

  4. Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    O problema é misturar os assuntos, converter alguma energia presente (Radiação solar, vento, força hidroelétrica, diferença de temperatura) em eletricidade é BILHÕES de vezes diferente de "gerar energia de graça". Converter é diferente de produzir a partir do nada.

    Moto contínuo não tem NADA a ver com outra fonte de energia, nada a ver com solar, eólica, hidroelétrica, menos ainda a ver com motores de Peltier e etc. Moto contínuo promete força a partir do nada, transformar 1 joule de força em 10 joules.




    O problema do motor de Bedini é que ele usa consumo em pulsos. Apesar de uns idiotas ficarem com papinho noob tipo "Eles não querem que você saiba, por isso não tem informaçãoes na web" é só googlar que se acha uma duzia de opções de circuito:
    https://www.google.com.br/search?q=b...=lnms&tbm=isch

    Basicamente o LM555 dá pulsos de consumo, libera tipo PWM (Mas de largura fixa) a alimentação pra espira. E... multímetro é péééééssimo com sinais variando, medir PWM com multímetro é simplesmente bobeira, nem um multímetro TRUERMS mediria com precisão, precisa osciloscópio ou um circuito que acompanhe a queda de tensão na bateria pra definir quanto dela está sendo consumido.

    Pra fazer esse suposto circuito que "transforma" 12W em 270W gasta o que, R$ 30? (Não precisa inversor) 270W em 24h dá 6,4kWh.dia, dá 192kWh no mês, metade das residências no Brasil gasta até menos que isso! Se essa baboseira funcionasse, quem constrói isso devia pelo menos colocar um desse na casa de uma tia ou avó que sofre pra pagar R$ 90 de conta de luz (Faz um LM555 acionando um rele em 30 minutos, com 2 baterias, um carregando e outra alimentando o circuito, e vai alternando pelo rele que o LM555 fecha ou abre. Se o consumo é de 12W vindo da bateria, precisaria menos de 16W pra carregar outra bateria, digamos que sobram 250Wh pra consumo, dá pra uma geladeira pequena, uma TV, um ventilador de mesa, umas lâmpadas. Mas quem constrói isso não usa nem em casa, só faz teste de poucos minutos pra fazer vídeo, se engana com valor que multímetro NÃO-truerms mede, e não faz teste real com consumo na saída.

    (Bota uma lâmpada incandescente de 100W onde supostamente teriam 277W pra ver se a carga resistiva não faz a tensão cair pra quase nada! Medir tensão em circuito aberto é coisa bem amadora, isso só se faz quando a intenção é enganar, ou quando não se sabe o que está fazendo)

    Você pode usar um joule thief pra pegar toda a energia de 1 pilha e até converter pra 10V, ou pode usar ela pra gerar picos de tensão mais alta tipo 200V, isso não é difícil (Alias, taser (Arma de choque) usa bateria de 9V, o circuito que inverte pra mais de 600V drena ela em segundos caso haja consumo nessa saída de alta tensão (Soltar faísca no ar não é consumo, consumo é ligar numa lâmpada fluorescente tubular, uma de 16W ioniza com 600V, veja quantos 3 segundos uma bateria de 9V mantém uma dessa acesa num taser comum), é um circuito simples e fácil de achar). Mas ter alta tensão não tem NADA a ver com ter alta potência, dá pra carregar um campo magnético de uma bobina e tirar picos de alta tensão (Pra dar um choque) até com pilha de relógio de 1,5V que tem mal e mal 3mm de diâmetro. 1,5V 10mA é 1,5 * 0,001 = 0,0015W. Se passar pra 200V pra dar choque, 0,0015W / 200V = 0,000007mA de corrente. Se pegar nalguns pontos da pele com maior condutividade (Local úmido tipo boca, ou pele macia) isso será um choque incômodo, mas estamos falando de um pico de poucos milisegundos.


    Flash de máquina fotográfica por muitos anos usava 1 ou 2 pilhas AA ou AAA, e eles acionam uma lâmpada de neon de brilho alto. Basicamente um inversor ficava carregando um capacitor de 400V ao longo de quase 10 segundos, e quando você apertava o botão ele descarregava os 400V do capacitor na lâmpada de neon, dava uma piscada de algo tipo 30mS (Ou seja, o circuito consumia por 10s carregando o capacitor, que se descarregava na lâmpada gerando luz por 0,03s). Lembro de aparelho que falava coisa tipo "Até 100 fotos por par de pilhas". Oras, de multiplicas, 100 * 0,03 = 3s de luz com um par de pilhas! Não é porque tem picos de alta tensão que isso implique em ter alta tensão por um período prolongado. Um leve choque nalgum circuito a pilha é perfeitamente possível se tiver bobinas no circuito, e se tocar nalguns pontos da pele (Colocar a língua numa bateria 9V dói, mas tocas os dedos não, e isso tem a ver com a resistência da pele, na língua a resistência é mais baixa, há o choque com tensão muuuuuuito mais baixa, e isso também não tem nada a ver com transformação de energia, apenas de que é muito fácil enganar um noob com um circuito que passa de 1V pra 9V em eletrodos na língua, depois de levar um choque na língua qualquer noob acredita que foi um choque de 127V e que poderia alimentar uma casa toda).




    Agora esquecendo esses fakes pra enganar trouxa e vender kits, gerar eletricidade a parte de algumas fontes de energia é complicado. Se tiver uma fonte de calor há uma energia térmica gigantesca, um fogão a lenha na roça tem joules e joules, mas... a conversão hoje terá rendimento muito baixo. Motor Stirling e pastilhas de Peltier, é o que temos hoje. Fazer um motor Stirling girar é muito simples, mas o torque é minúsculo, se colocar um magneto qualquer (Pode ser neodímio, tanto faz) ao passar na frente da bobina, se houver uma carga resistiva nessa bobina (Ou seja, algo consumindo a energia gerada) ela dá uma freada no ímã passando, reduz a velocidade. Se a cada passada do ímã há uma freada, em 2 ou 3s o motor para. Se afastar a bobina o arrasto é menor, se afastar o suficiente não há diminuição significativa na velocidade, mas... gera quanto? No caso do motor stirling do Manual do Mundo no Youtube duvido que gere 0,3Wh.

    Aerogerador teria tudo pra ser ótimo, mas... geralmente em baixa velocidade (Com vento tipo 3m/s) a geração é minúscula, só há geração significativa com ventos tipo 7 ou 8m/s (Um vento razoável), ter rajadas assim não adianta, pra gerar 5kWh por dia num aerogerador de R$ 2 mil precisa uma média de 5m/s de vento, e se for contar com rajadas de 10m/s, precisa 3 HORAS CONTÍNUAS de vento a 10m/s (Uns 36km/h, anda de carro ou moto a 36km/h e põe a mão pra fora/pro alto pra sentir que vento é isso, se uma leve brise chega perto disso) pra chegar nesses 5kWh.dia (Valor que dá 150kWh no mês, que provavelmente é muito menos que todo mundo aqui no fórum consome na conta de luz). Tem vendedor que vem com papinho tipo "A 500RPM meu gerador fornece 1000W". Pombas... mas que vendaval precisa pra fazer chegar a 500RPM? O design das pás muda o aproveitamento, precisa informar a produção conforme o vendo, quantos watts a cada velocidade (Em m/s ou km/h) há geração, tem que fazer tabela tipo:
    http://us00.i.aliimg.com/img/pb/545/...155545_960.jpg

    Ou pelo menos informar valores típicos, tipo 150W a 5m/s, 500W a 10m/s, etc. Porque tem muito leigo comprando aerogerador de 2000W sem ver isso, e só depois descobre que esse aerogerador com vento de 5m/s gera mal e mal 200W, e... 5m/s é a média de vento em talvez 80% do Brasil, 5m/s é suficiente pra alguém parar de suar quando senta na varanda, é um vento que eu queria ter na minha varanda, mas é uma vento ridiculamente baixo pra quase todo gerador eólico a venda.

    Digo isso porque "projeto de gerador de X mil watts" é um item bastante vendido num sites de ecommerce. Muito leigo compra (Como se não houvessem centenas de projetos abertos publicados na web disponíveis de graça) achando que vai resolver toda a sua conta de luz, ou achando que vai ligar o aerogerador na tomada e ele vai milagrosamente gerar 127VAC na fase certinha pra alimentar uns eletrodomésticos. Pessoal que economizar dinheiro mas não quer gastar neurônio, é justo que desperdicem dinheiro com kits e bugigangas feitas pra enganar. No caso dos aerogeradores e painéis fotovoltaicos muita gente compra errado porque SE enganou, não leu dado técnico e achou que geração de pico (Um pico de 2000W num aerogerador, ou de 100W num painel fotovoltaico) é a média, ou achou que teria sol no ângulo certo umas 12h por dia, ou que teria vento suficiente mais que umas 10h por SEMANA. Se enganar comprando esses equipamentos insuficientes não tem nada a ver com ser trouxa de acreditar em moto contínuo/perpétuo, um caso é desinformação e o outro é burrice mesmo.

    (Digo que é burrice porque já ouvi sobre motor de Bedini absurdo tipo "Meu nobreak passa de 12V pra 220V, então porque o motor de Bedini não pode passar de 12W pra 220W?". E pra mim a burrice é a preguiça de se informar, tem milhares de projetos desses motores de bedini na web, e outros milhares de apostilas, cursos e conteúdos de eletrônica e física, não é difícil tirar 1h por noite pra ler sobre isso e entender como se engana um multímetro comum com pulsos e picos intervalados, e a bobeira de medir tensão em circuito aberto, sem consumo)
    Outra aula!


  5. Esse caso do "Keppe" é complicado, tem essa baboseira toda sobre metafísica (Putz, e eu fiz 4 períodos de teologia, depois uns de letras, história, e até administração, eu devia gostar de encheção de linguiça sem utilidade nenhuma) que complica tudo.

    Mas esse está mais perto da realidade.

    Na prática só tem ventilador de teto a venda com eles. E o mercado de ventiladores de teto é cheio de lixos que se focam em futilidades tipo estilo ou design. Tem de fato muito lixo consumindo 130W e dando só 1,5m³ por segundo de vento.

    Mas... também não é assim que TODO modelo é assim. A MINORIA hoje é uma lixo, tem muito ventilador ótimo, a Hunter faz ventilador de teto a mais de 1 século e na maioria dos modelos a velocidade baixa gasta só 10W, e circula 1m³ por segundo!

    O modelo com esse Keppe que tem 0,9m³ por segundo de vento circulando consome 3,2W. Em baixa velocidade sempre foi difícil ventilador de teto ter bom rendimento porque eles são feitos pra uso na alta velocidade, e o rendimento (m³ de vento por watt consumidos) dos ventiladores com keppe motor em alta velocidade é 4x pior que em baixa velocidade! Esse sistema deles tem rendimento fantástico apenas em baixa velocidade, na alta velocidade eles ficam nos 0,09m³/s que é a mesma eficiência de uns Hunter em baixa velocidade.

    Eu SUSPEITO que esses Keppe tem rendimento melhor em baixa velocidade porque o fator de potência é baixo nesse uso. Com um fator de potência de 0,25 o equipamento consome 10VA mas apenas 2,5W! Se o fator de potência em outra velocidade for de 0,75 ele consome 33VA ou 25W.

    A explicação mais divertida sobre o que é o fator de potência é com cerveja:
    Clique na imagem para uma versão maior

Nome:	         aumento-fator-de-pontecia.jpg
Visualizações:	24
Tamanho: 	54,4 KB
ID:      	64677
    http://www.empalux.com.br/images/not...e-pontecia.jpg

    Essa é minha suspeita pro alto rendimento POR WATT nas baixas velocidades.
    O rendimento de 0,09m³/s por watt que eles tem na alta velocidade acho plenamente possível e até comum, vários fabricantes tem eficiência similar nalguma ou outra velocidade.

    Como eles não divulgam qual é o fator de potência dos ventiladores ( http://produto.mercadolivre.com.br/M...eppe-motor-_JM ) fica complicado, mas o vento deles na velocidade mais alta, com 28W de consumo, acho plenamente aceitável, esse mercado de ventiladores tem muita porcaria de baixo rendimento mesmo.

    Mas ainda prefiro os Hunter, na velocidade baixa consome 10W, mas se quiser sair voando é só colocar na velocidade mais alta, que chega a mais de 3m³/s de vento!


    No caso do motor 24V deles, ainda não tem a venda pelo visto, seria esse:
    http://www.keppemotor.com/institucio...pemotor-solar/
    (Eles comparam com modelo com uso de inversor, mas tem que levar pro hospício quem usa energia solar e inversores. Qualquer provedor com juízo já usa 12V, 24V ou 48VDC direto nos equipamentos, sem inversor, desde sempre, e não sai por aí dizendo que está "salvando a natureza"...)

    E não tem nada de fantástico a princípio, consome 24W mas... já tem a venda ventilador de teto de baixa tensão com consumo nessa casa, esse consome 25W e é 12V, também dá pra dizer que a água é molhada, digo, que não precisa inversor:
    http://produto.mercadolivre.com.br/M...tovoltaico-_JM

    Na verdade me surpreendi com o vento dessa porqueirinha:
    http://produto.mercadolivre.com.br/M...inel-solar-_JM
    Por 5W de consumo isso faz um ventinho legal! (Vai demorar pra parar de suar, mas poxa, são 5W!)

    Sacanagem eles não informarem a vazão (Em m³/s, ou em pés cubicos por minutos (Cubit feet per minute, CFM nos fan's de coolers em informática, fácil converter os 2: http://www.calculatoredge.com/optica...air%20flow.htm ), mas um ventinho tipo 0,8m³/s é o normal de ventilador de mesa em velocidade ALTA, a diferença é que ventilador de teto fica no alto mais longe das pessoas, eles precisam vazão maior pra sentir o vento mas em alguns ambientes a velocidade baixa dos ventiladores de teto é suficiente. Esse 12V 5W parece ter uns 0,4m³/s, é basicamente o mesmo que ventilador de mesa de 30cm em velocidade baixa, pra quem está a 1m de distância tá ok.



    Sobre o motor mais parudo que a keppe diz ter desenvolvido:
    http://www.keppemotor.com/institucio...motor-de-1-cv/

    Tem um pouco de exagero, eles escolheram os motores WEG de pior rendimento pra comparar! A WEG também tem linha de alto rendimento, o modelo de 1cv da linha alto rendimento tem rendimento de 81%. Na página 24 do PDF tem o rendimento dele:
    http://www.coe.ufrj.br/~richard/Acio...%20Motores.pdf

    Passar de 81 pra 88% de rendimento é de fato uma melhoria, mas... isso não é nada nem perto de "90% de economia".
    90% de economia existe até quando você troca um velho LorenSid que gasta 130W por um Hunter e usa em velocidade baixa gastando 10W, e a Hunter nem faz propaganda do modo de baixa velocidade dos modelos de 5 pás dela (Putz, 1m³/s é vento pra caramba pra um ambiente comum doméstico!).

    O motor de 1cv com rendimento de 88% é aceitável, o ventilador com 2,6m³/s de vento gastando 28W é aceitável, mas essa lenga-lenga de nova física não dá, precisa fumar alguma coisa pra ter saco pra ler isso. Digamos que nos ventiladores de teto ela está fazendo o que uns fabricantes não tiveram culhões, esquecer custo e firulas tipo visual pra se focar em rendimento.

    (Exceto se a pegadinha do vento em baixas velocidades for o fator de potência bem baixo tipo 0,2 ou 0,3, essa parte dos ventiladores deles eu não comprei, talvez 0,1m³/s por watt eu tope, mas eles falam em 0,4m³/s por watt, isso é demais, eu acredito piamente que tem uma pegadinha nessa parte, tipo um fator de potência de 0,95 na alta velocidade mas caindo pra 0,3 na baixa velocidade. Sempre que colocam essas lenga-lengas místicas e comparações com defuntos (Tesla, Newton...) é um argumento emprestando autoridade alheia, "Tesla foi um gênio incompreendido no seu tempo então eu também o serei", pra mim perde totalmente a credibilidade quando sai da ficha técnica do aparelho. E... nesse caso o fator de potência não é informado na ficha técnica. GERALMENTE o tipo de motor em ventilador tem FP nuns 0,6 ou 0,65, mas em baixa velocidade é normal realmente ele cair pra 0,3, digamos nos que em alta velocidade usa um capacitor de 6uF e em baixa um de 2uF. A rotação reduz, reduz o consumo, mas o fator de potência reduz também, e se ele é baixo a potência em VA é muuuuito maior que em W, aí fica fácil ter maior vazão de ar por watt consumido)




Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L