Página 6 de 15 PrimeiroPrimeiro ... 234567891011 ... ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. #101

    Padrão

    http://www.getec.cefetmt.br/~luizcarlos/Tele/Ondas%20Eletro%20Mag/apostila_de_ondas_eletromagneticas_engenharia_usp/lt7_1.PDF

    link quebrado

  2. #102



  3. #103

    Padrão

    Na "prática" pode-se medir a ROE e por consequencia estabelecer o melhor casamento da impedância, com o uso de um medidor de ROE para a frequencia de 2.4.

    Isso é muito comum em baixas frequencias, mas para altas, é muito difícil de encontrar no comércio.

    Eu só vi num site dos "gringos".

  4. #104

    Padrão PESSOAL E A PERGUNTA DO GILVAN QUEM IRÁ RESPONDER ?

    Citação Postado originalmente por GilvanEnriconi Ver Post
    Tenho dito que há muita diferença entre Fenômeno físico e Modelo. Falei até dos artifícios que se cria para interpretar o fenômeno físico. Quem compreendeu isso, deverá embarcar no trem deste novo tópico. Lá vai:
    Enlace Ponto a ponto existe!
    Enlace Ponto Multiponto não existe!
    Continuam bem sentados?
    Pois é. Precisamos explorar este conceito junto. Uma antena quando está ligada num AP, temos por definição ser uma antena multiponto. Porém, esta antena nunca estará ligada ao mesmo tempo com outras duas. Nem estará recebendo e transmitindo ao mesmo tempo. O roteator não deixa. É sempre uma coisa de cada vez. Logo, no domínio do tempo, para dada posição do roteador a antena do AP está se comunicando com apenas outra antena de cliente. Sendo assim, só existe ponto a ponto.
    Concordam?
    O radinho pode ser multiponto e leva o apelido de AP. Ou então o radinho pode ser cliente. Entre as antenas só existe ponto á ponto.
    Este conceito é muito importante para estudos que faremos posteriormente. Pergunto:
    Que tempo existe entre o envio de dois pacotes? Não sei essa resposta, quem souber, por favor, me responda. Acredito que seja uma constante de tempo determinada pelo TCP/IP, alguém sabe me responder em unidade de tempo?

    Vejam como é importante: Se o cabo coaxial tiver um comprimento tal que a onda para percorre-lo demore mais que o tempo entre dois pacotes, podemos determinar um comprimento mínimo do cabo coaxial, de tal forma que a onda refletida não encontre a onda fundamental. Logo nesta instalação não haveria onda estacionária. Este será um dos temas do próximo curso.
    Mandem por favor a resposta sobre este tempo. Esta resposta está na área de conhecimento de vocês.
    Um abraço.
    Gilvan
    Pessoal agora é a nossa vez mas quem se candidatar a responder ?


    Marcelo Alexandrino
    Consultor Tecnológico



  5. #105
    Eng. Eletricista/Eletrôni Avatar de MarceloGOIAS
    Ingresso
    Feb 2007
    Localização
    Goiânia
    Posts
    2.120
    Posts de Blog
    2

    Padrão

    Citação Postado originalmente por Alexandrino Ver Post
    Pessoal agora é a nossa vez mas quem se candidatar a responder ?


    Marcelo Alexandrino
    Consultor Tecnológico

    Olá,

    por um momento pensei em responder aos questionamentos do colega, mas desisti. São conceitos meio estranhos na área de elétrica, bem como na área de rede. Exemplo: é a primeira vez que vejo alguém afirmar que ponto multiponto não existe. Fiquei curioso em saber em qual universidade que o nobre colega engenheiro se formou..... ..... muito curioso.

  6. #106

    Padrão

    Transmission Control Protocol (Tcp)

    O TCP é um protocolo da camada de transporte da arquitetura Internet TCP/IP. O protocolo é orientado a conexão e fornece um serviço confiável de transferência de arquivos fim-a-fim. Ele é responsável por inserir as mensagens das aplicações dentro do datagrama de transporte, reenviar datagramas perdidos e ordenar a chegada de datagramas enviados por outro micro. O TCP foi projetado para funcionar com base em um serviço de rede sem conexão e sem confirmação, fornecido pelo protocolo IP.
    O protocolo TCP interage de um lado com processos das camadas superiores de aplicação e do outro lado com o protocolo da camada de rede do modelo da Internet. A interface entre o protocolo e a camada superior consiste em um conjunto de chamadas. Existem chamadas, por exemplo, para abrir e fechar conexões e para enviar e receber dados em conexões previamente estabelecidas. Já a interface entre o TCP e a camada inferior define um mecanismo através do qual as duas camadas trocam informações de maneira assíncrona.
    Este protocolo é capaz de transferir uma cadeia (Stream) contínua de Bytes, nas duas direções, entre seus usuários. Normalmente o próprio protocolo decide o momento de parar de agrupar os Bytes e de, conseqüentemente, transmitir o segmento formado por esse agrupamento.
    Porém, caso seja necessário, o TCP pode requerer a transmissão imediata dos Bytes que estão no buffer de transmissão, através da função push. Vale a pena enfatizar que esta função push deverá estar previamente habilitada no código fonte da aplicação em questão para que o TCP saiba como agir.
    Conforme mencionado, o protocolo TCP não exige um serviço de rede confiável para operar, logo, responsabiliza-se pela recuperação de dados corrompidos, perdidos, duplicados ou entregues fora de ordem pelo protocolo de rede. Isto é feito associando-se cada Byte a um número de seqüência. O número de seqüência do primeiro Byte dos dados contidos em um segmento é transmitido junto com o segmento e é denominado número de seqüência do segmento. Os segmentos carregam "de carona" (Piggybacking) um reconhecimento.
    O protocolo TCP realiza, além da multiplexagem, uma série de funções para tornar a comunicação entre origem e destino mais fiável.
    São responsabilidades do protocolo TCP:
    O controlo de fluxo,
    O controlo de erro,
    A seqüência e a multiplexagem de mensagens.
    A camada de transporte oferece para o nível de aplicação um conjunto de funções e procedimentos para acesso ao sistema de comunicação de modo a permitir a criação e a utilização de aplicações de forma independente da implementação. Desta forma, as interfaces socket ou TLI (ambiente Unix) e Winsock (ambiente Windows) fornecem um conjunto de funções-padrão para permitir que as aplicações possam ser desenvolvidas independentemente do sistema operativo no qual funcionarão.


    Estados De Uma Conexão TCP

    Devido a que toda conexão TCP cria uma máquina de estados para o correto funcionamento da transferência de informação ponto é que vamos explicar em detalhe os diferentes estados de uma conexão TCP para viabilizar a análise do resultado da captura de pacotes na rede.
    O TCP corresponde ao protocolo da camada de transporte do modelo de referência OSI que é orientado a conexão. Por ter essa característica, antes de ocorrer a transmissão de dados deve-se estabelecer uma sessão de comunicação entre as duas partes participantes. Essa sessão é estabelecida através de um processo chamado 3-Way Handshake, que irá sincronizar os números de seqüência e oferecer informações de controle necessárias para estabelecimento da conexão.
    Como o início e o fim de uma sessão de comunicação são bem definidos e o TCP acompanha o estado de suas conexões mediante flags é importante saber quais são os muitos estados que uma conexão TCP passa.
    A tabela mostra o processo de 3-Way Handshake para o estabelecimento de uma conexão TCP.
    http://wiki.pm.sc.gov.br/images/Tabela1.png


    O reconhecimento (ACK) constitui-se no número de seqüência do próximo Byte que a entidade TCP transmissora espera receber do TCP receptor na direção oposta da conexão. Por exemplo, se o número de seqüência X for transmitido no campo Acknowledge (ACK), ele indica que a estação TCP transmissora recebeu corretamente os Bytes com os números de seqüência menores que X, e que ele espera receber o Byte X na próxima mensagem.
    http://wiki.pm.sc.gov.br/images/Tabela2.png


    Os estados possíveis (em vermelho) de estabelecimento da conexão TCP são os seguintes:
    LISTEN: esse é o estado verdadeiro de uma conexão TCP, ele ocorre quando um computador está esperando um pedido para iniciar uma conexão.
    SYN-SENT: esse estado indica que o computador enviou um SYN para iniciar a conexão e está aguardando a resposta SYN-ACK adequada.
    SYN-RCVD: esse estado indica que o computador enviou a resposta SYN-ACK depois de ter recebido o SYN.
    ESTABLISHED: esse estado (em verde) indica que a conexão foi estabelecida. O computador que iniciou a conexão entra nesse estado depois de receber o SYN-ACK e o computador que responde depois que recebe o ACK.
    Como verificamos na tabela acima esses são os estados que os computadores passam no processo de estabelecimento da conexão TCP no processo chamado 3-Way Handshake. Existem outros estados (em azul) que acontecem na hora de finalizar uma conexão TCP:
    FIN-WAIT-1: O estado que um computador se encontra após ter enviado um pacote FIN inicial pedindo um fechamento correto da conexão TCP.
    CLOSE-WAIT: O estado da conexão do computador que recebeu um FIN inicial e envia de volta um ACK para confirmar o FIN.
    FIN-WAIT-2: O estado da conexão do computador que recebeu a resposta ACK para seu FIN inicial, e indica que agora está esperando um FIN final.
    LAST-ACK: Esse estado indica que o computador acabou de enviar seu segundo FIN, que é necessário para encerramento correto da conexão TCP, e está aguardando uma confirmação.
    TIME-WAIT: Nesse estado encontra-se o computador iniciador que recebeu um FIN final e enviou um ACK para fechar a conexão. Nesse momento ele não irá mais receber nenhuma confirmação do ACK que acabou de enviar, portanto espera um período de tempo para fechar a conexão.
    CLOSED: pode-se considerar como “sem estado”. Esse estado existe antes que uma conexão seja iniciada ou quando ela é finalizada.
    Estes estados estão ilustrados na tabela abaixo e eles ocorrem dessa forma para o correto fechamento da conexão TCP, onde n indica que o tempo de vida da conexão demorou n intervalos de tempo.

    referencia: Wikipom - O Base de Conhecimento da Polícia Militar de Santa Catarina

    Assim pessoal, o tempo que o tcp demora pra enviar novo pacote depende da resposta (ack) da máquina de destino.

    O ack time out que setamos nos radinhos wireless, é o tempo máximo em que se espera uma resposta, mas não é um resposta a nível de protocolo TCP/IP, embora tenha certa semlhança na função que exerce dentro da conexão, este ack é do protocolo 802.11 utilizado na comunicação wireless.
    Última edição por JHONNE; 23-02-2009 às 19:53.



  7. #107
    Eng. Eletricista/Eletrôni Avatar de MarceloGOIAS
    Ingresso
    Feb 2007
    Localização
    Goiânia
    Posts
    2.120
    Posts de Blog
    2

    Padrão

    Colega,

    ir a Wikepedia copiar e colar aqui tantas informações não ajuda muito. Tem como resumir, sintetizar e demonstrar causas e efeitos de cada item colado em sua mensagem?

  8. #108

    Padrão

    Citação Postado originalmente por MarceloGOIAS Ver Post
    Colega,

    ir a Wikepedia copiar e colar aqui tantas informações não ajuda muito. Tem como resumir, sintetizar e demonstrar causas e efeitos de cada item colado em sua mensagem?
    Tá ficando muito complicado para minha humilde cabeça.
    Mas tive a coragem de ler até o fim.

    Não sei se era isto que ele queria ao transcrever, mas quando o Gilvan perguntou sobre o tempo, a resposta estaria relacionada com o ACK?



  9. #109

  10. #110

    Padrão

    Quanto a não existir multiponto, concordo com o Gilvan, pois, assim como a "interferencia", multiponto é apenas um modelo (não fisico) que criamos para poder expressar o que acontece quando temos 1 ap e vários clientes, ou seja, na unidade de tempo um ap só atende um cliente por vez (ponto a ponto), ou seja:

    1 ap atenderá os clientes A ,B ...X

    Se fizessemos um algoritimo simplificado ficaria +- assim...

    INICIO
    O ap Verifica se há clientes a atender...
    Se sim ....
    O Ap modula, sincroniza e atende o cliente x
    Para de atender o cliente x e volta para o INICIO
    Se não..
    Volta para o INICIO
    FIM

    Não sei se consegui expressar meu entendimento, mas dessa forma o AP só atendera 1 cliente por vez, portanto só temos enlaces ponto-a-ponto embora o correto seria dizer temos centenas de enlaces ponto-a-ponto, portanto para expressar melhor usamo a expressão "multiponto" .

    Quanto ao tempo estou ná duvida, mas acho que esse tempo é váriavel, pois vai depender de:
    * qualidade da conexão,
    * qualidade da máquina do cliente (lenta, rápida ou se esta com virus... etc)
    * qualidade do AP (pode estar sobrecarregado)

    enfim .... depende de vários fatores ...

    Abraços.

    Jodrix.
    Última edição por jodrix; 23-02-2009 às 21:12.



  11. #111

    Padrão

    Citação Postado originalmente por jodrix Ver Post
    Quanto a não existir multiponto, concordo com o Gilvan, pois, assim como a "interferencia", multiponto é apenas um modelo (não fisico) que criamos para poder expressar o que acontece quando temos 1 ap e vários clientes, ou seja, na unidade de tempo um ap só atende um cliente por vez (ponto a ponto), ou seja:

    1 ap atenderá os clientes A ,B ...X

    Se fizessemos um algoritimo simplificado ficaria +- assim...

    INICIO
    O ap Verifica se há clientes a atender...
    Se sim ....
    O Ap modula, sincroniza e atende o cliente x
    Para de atender o cliente x e volta para o INICIO
    Se não..
    Volta para o INICIO
    FIM

    Não sei se consegui expressar meu entendimento, mas dessa forma o AP só atendera 1 cliente por vez, portanto só temos enlaces ponto-a-ponto embora o correto seria dizer temos centenas de enlaces ponto-a-ponto, portanto para expressar melhor usamo a expressão "multiponto" .

    Quanto ao tempo estou ná duvida, mas acho que esse tempo é váriavel, pois vai depender de:
    * qualidade da conexão,
    * qualidade da máquina do cliente (lenta, rápida ou se esta com virus... etc)
    * qualidade do AP (pode estar sobrecarregado)

    enfim .... depende de vários fatores ...

    Abraços.

    Jodrix.
    o que eu sempre entendi sobre multiponto é isso ai, é como se fosse um apelido pra nos expressar!

  12. #112

    Padrão

    Citação Postado originalmente por GilvanEnriconi Ver Post
    TRIADE

    O número (3) está entre o dois e o quatro. É o primeiro número impar de uma seqüência infinita. Mas não para ai. O número 3 simboliza união e equilíbrio. Querem ver?
    Qual o banco mais estável? O que tem três pés! Quantos são os poderes da democracia? Três, executivo legislativo e judiciário! Quantas são as figuras divinas? São três, Deus, Filho e Espírito. Outras religiões são similares! Qual o mínimo de pessoas necessário para uma decisão democrática? Três! Quais as estrelas mais bonitas no céu? As três marias.
    Chega? Acham que é coincidência? Pode ser, mas pode ser algo maior. Olhem na natureza estas tríades:
    1. CINEMÁTICA: A aceleração, com a velocidade e com o tempo. Três.
    2. ESTÁTICA: Força, maça e aceleração. Sempre três.
    3. TERMOLOGIA: Quantidade de calor, massa e temperatura. Três.
    4. OPTICA: Reflexão, refração e difusão. Três.
    5. HIDROSTÁTICA: Pressão, força e área. Três.
    6. ELETROSTÁTICA: Carga elétrica, carga do elétron, numero de elétrons. Três.
    7. ELETRODINÂMICA: Resistência, voltagem e corrente. Três.
    8. RELATIVIDADE: Energia, massa e velocidade da luz. Três.
    9. ONDAS: Velocidade da luz, freqüência e comprimento de ondas. Três.
    Conhecidências? Não acho, acho que há um relacionamento triangular na natureza. Parece que nunca se consegue relacionar duas grandezas sem que uma outra apareça.
    Vejam só, se não fosse o sol, a vida na terra morreria. A vida precisa do calorzinho que vem de lá. O sol então, bondosamente nos manda todos os dias, uma quantidade de calor. Tai, energia por unidade de tempo se chama potência. Essa potência calorífica chega no nosso planeta e nos revitaliza. Mas, parte desta potência é rejeitada pelo planeta. Coisa da camada de ozônio, dos pólos gelados e dos vulcões enciumados. Parte desta potência mandada pelo sol é refletida e mandada de volta. Um equilíbrio sábio se mantém entre o sol a terra e a energia. Tres, sempre tres. Potência de mais nos mata. Potência de menos nos mata também. Qual é a quantidade certa? Ora a quantidade certa é o terceiro elemento da potência. Como ele aparece?
    Pegue a potência calorífica que o nosso planeta refletiu, divida pela potência que o sol enviou. Vocês devem concordar que esse número nunca vai ser maior que um. Piorem um pouquinho, tirem a raiz quadrada da divisão. Pronto, criamos um resultado que pode ser chamado de coeficiente de reflexão. Vou apelida-lo de coeficiente de reflexão vital. O CRV é o terceiro elemento. Legal né? Voltamos para a tríade.


    Qualquer semelhança com acoplamento, não é mera coincidência. O radinho é o sol o cabo coaxial é o meio de transporte da energia e a antena é o planeta terra. Se chamarmos a potencia enviada pelo radinho de Pd e a potência refletida pela antena de Pr. Temos:



    Legal né? Mas inútil. Este coeficiente não dá para medir. É uma grandeza adimensional, ou seja, não tem unidade, é uma constante e constante não se mede, se calcula. Daí vem aquele pulinho do gato. Na antena se relaciona o coeficiente de reflexão com a voltagem na antena e daí sim. Voltagem dá para medir. Esta grandeza é chamada VSWR (voltage standing wave radio). Existe aparelhos que medem esta grandeza. São aparelhos baratos e de muita utilidade.
    Porque tudo isso? Porque quem não sabe qual o VSWR da sua instalação, não sabe o quanto sua antena está irradiando, a antena com VSWR muito alto pode matar toda a potência do rádio. Porque é fácil mexer no VSWR da sua antena e corrigir para um valor excelente. Porque você quer ser um anteneiro, e não um cortador de fio e apertador de parafuso. No bom sentido.
    Se quiserem aprender como fazer isso, estou esperando vocês dia 28. Para quem quiser aprender sem vir aqui, este é o caminho.
    http://www.getec.cefetmt.br/~luizcarlos/Tele/Ondas%20Eletro%20Mag/apostila_de_ondas_eletromagneticas_engenharia_usp/lt7_1.PDF
    Gilvan
    Olá colega, fiz por dois anos física na UFPR, e sou formado em matémática, posso te garantir uma coisa, concordo com tua Teoria, Já que sabemos que pra, provar que um hipótese está errada, tem que apresentar um contra-hipótese,por enquanto ela se torna verdadeira, e com relação a emissão de ondas,isto é verdade. Não existe interferência mas sim sobreposição de ondas eletromagnéticas.

    Podemos pensar assim: A vóz, todo as pessoas não falam iguais,(emiteir sons com mesma vibração) cada um tem denho de sua " garganta " desenhos diferenciados, mas podem ter o mesmo timbre.A onda nada mais é que um deslocamento. Sem carregar ou levar a matéria.
    Ele pode ser Mecânica ou Elétromagnética, nosso caso. Os radio por si só, não emitem ondas iguais, mesmo sendo feitos por um mesmo fabricante, assim como as antenas, por isso ocorre as sobreposições e não a interferência entre as ondas. Para ocorrer a interferencia seria necessário Pensar em: Um mundo aonde tudo fosse perfeito, e a gravidade neste mundo não variasse de acordo com a altitude, as temperaturas fossem iguais, a onda eletromagnética não mutasse com o passar dos tempos, os períodos em que as ondas saem dos radios, fossem semelhantes, o miléssimo de segundos neste caso não poderiam existir, ai sim, eu teria uma situação ideal, aonde todos os mais pontos irradiantes iriam interferir diretamente nos pontos irradiados., prova -se todos os corpos independente de sua massa, tipo ou formatação, mesmo tendo a mesma geração, e criação não podem responder da mesma forma, pois a 1mm de distância um do outro o ambiente se torna, outro: gravidade diferente, calor diferente, altitude diferente. Logo nosso ensaio, se torna inexplicável.

    O laboratório de acústica da usp tem detalhes e estudos bem profundos a respeito de ondas, Eu diria: coitado de mim afirmar que existe interferência entre pontos sendo que, existem estudos de mais de 5 décadas sobre o assunto.

    E não adinata usar Eciclopédias.

    Espero não ter confudindo mais.



  13. #113

    Padrão

    pelo pouco que entendi, parece que o rádio tenta entender todas as ondas que nele chegam atraves da antena, causando uma certa lentidão
    , dando a resposta assim que acha a onda certa, e no cliente funcionaria do mesmo jeito..
    é isso?

  14. #114

    Padrão CONSTRUINDO UM CASTELO

    Olá rapaziada.

    As ferramentas ou condimentos, foram cinco artigos, com elas, fiz magia.
    Com “Onde Nasce o Problema”, fiz o projeto. Com o “Anteneiro” escolhi os operários da obra. Tocando Piano, fiz a fundação. Com Quatro Fantasmas, erigi as paredes. Finalmente com a Tríade cobri o castelo com um magnífico telhado. Agora vamos fazer a muralha do castelo, vamos botar “eficiência” neste trabalho.
    Para se realizar um trabalho, gasta-se energia. A única coisa que realiza trabalho sem gastar energia é o milagre. Mas deste eu não entendo, se entendesse, iria salvar o mundo ao invés de fabricar antenas, se bem que o mundo estaria nas trevas se não houvesse as antenas. Ai está um paradoxo para se pensar.
    Mas vamos lá. Um automóvel, para ir daqui até ai, realiza um trabalhão. Como vocês ainda estão longe! Para fazer esta viagem, o automóvel precisa gastar energia. E gasta. Se nós relacionarmos matematicamente o trabalho do automóvel com a energia que ele gastou para realizar este trabalho, criamos um conceito chamado eficiência. Antena sem eficiência é como um castelo sem parede. Ef = W / E . Eficiência é igual a trabalho dividido por energia.
    O que nos interessa realmente num castelo é sermos o dono, mas num equipamento como um carro ou uma antena o que nos interessa? Ora o que nos interessa neles é a eficiência. Perfeito seria, se eu pudesse embarcar no meu carro e fosse visitar vocês sem gastar energia. A eficiência seria infinita. Trabalho ÷ 0 = infinito. Tai uma definição de milagre. Mas no meu caldeirão onde eu coloco minhas porções, gasto muita energia para realizar o trabalho. Ou seja: Não existe trabalho sem queima de energia.
    Pouquíssimos equipamentos possuem eficiência alta. Dizem que o transformador é o campeão, que trabalha com uma eficiência de 95%. Quase um milagre. Um bom automóvel fica em torno de 40%. E uma antena? Afinal a antena também trabalha. O trabalho de uma antena é transformar a energia em forma de corrente elétrica em energia irradiada em forma de ondas, ou o contrário.Legal né?
    Num castelo, a eficiência depende do operário, numa antena a eficiência depende da VSWR. Tão lembrado dela? Para os que não estão, voltem lá na Tríade e leiam de novo. Para os que estão lembrados, a fixa caiu.
    A ultima pedra a ser colocada é a compreensão de que a potência com que um radinho realmente está funcionando no acoplamento depende da eficiência da antena. Esta eficiência pode variar de quase zero a quase infinito. Gosto muito do quase, ele é muito capcioso. Você pode estar usando um radinho de 400mW de potência, mas se o VSWR por 8, a potência que realmente está sendo usada é de 39% da potência do rádio, ou seja, 156 mW o resto está sendo perdido. Vide tabela abaixo.
    Por isso eu digo, o cabo coaxial caro, tipo celflex, pode ser uma solução pior que o cabo RGC 213 se este estiver bem acoplado. Regra: Mal acoplado VSWR alto. Bem acoplado, VVSWR baixo.
    Não me culpem, foram os nossos ancestrais que inventaram os castelos e que decidiram também, estabelecer uma relação biunívoca entre eficiência e VSWR. Até que os veios não foram bobos. Eficiência é difícil para burro medir, VSWR é barbada. Estão, basta fazer uma tabelinha entre um e outro ou uma regrinha matemática,um programinha ou comprar um pen drive USB que mede.
    A eficiência é o segredo do reino, quem entender este conceito dominará antenas. O ganho da antena é o mesmo com a eficiência baixa ou com a eficiência alta. É preferível menor ganho com maior eficiência do que o contrário. Disse num outro tópico que ganho não era o mais importante, estou construindo a prova. Disse também que o melhor cabo não é o mais curto nem o mais caro. Comprar cabo Heliax ou Celflex para instalar antena de 5,8GHz? Só bobo faz isso.
    Quem nos olhar de longe, já poderá formar uma idéia. Somos cavalheiros templários defendendo o nosso castelo. Falta muito pouquinho para terminar. Depois, vamos decora-lo por dentro com adornos que lembrarão os druidas. Vamos pinta-lo de verde, para que seja ali o melhor lugar de se estar. Vamos colocar lençol nas camas onde queremos que ninguém de fora nos incomode. Como todo bom castelo, haverá um fantasma, e o nome dele será interferômetro. Mas não se assustem, como eu já disse noutro artigo ele é camarada.
    Dia 28 espero vocês, venham se deliciar com as provas. Nada de magia ou milagres, só laboratório e demonstração. Um medidor vale mais que mil programas. Alem disso ficaremos amigos quando estivermos girando a pá do caldeirão.

    Talvez seja pretensão minha querer construir esse castelo. Então, para aqueles que são melhores arquitetos que eu, aqui está à planta.

    http://www.getec.cefetmt.br/~luizcar..._usp/lt7_1.PDF

    Gilvan



    http://www.harepix.com/images/1671964838.jpg
    Última edição por GilvanEnriconi; 25-02-2009 às 10:21.



  15. #115

    Padrão

    Caraca, então desde o início da controvérsia, eu já estava com a cabeça que seria o estabelecimento de uma ROE mais baixa possível.
    Como minha "formação" é de radioamador, nunca me saiu da cabeça a ROE. Mas nestas frequencias altas não achei nenhum medidor. Só lá fora eu vi num site.
    Mas radioamador nunca corta um cabo coaxial de qualquer jeito. Vai lá de calculadora em punho, confere, confere de novo, alguns até usam um acoplador variável para acertar a ROE.

    Mas depois alguns me tiraram da cabeça essa preocupação dizendo que isso éra irrelevante em 2.4

    Mas daí vai que radiofrequencia é sempre radiofrequencia e tem leis que regem seu comportamento.

    Mas ainda fica a questão das estações vizinhas que estão entrando como interferencia ou sobreposiçaõ, como queiram. Eu só quero saber se em todos os casos dá para conviver harmoniosamente com isso ou não. Pois esta é a polêmica toda, desde o início. Elimina ou não elimina?

  16. #116

    Padrão

    Definitivamente não sei construir castelo sozinho é claro, é muito trabalho pra mim, talvez pela minha pouca eficiência, interessante saber que o transformador é muito eficiente, quase 95% é ótimo. Também conheço outro concito quando se trata de eficiência: "Sinegia", é quando 1 + 1 são mais 2, quando 2 + 2 são mais que quatro. Sim é dificil encontrar nas fórmulas matemáticas que trabalham com lógicas precisas, mas é fácil encontrar em um grupo únido com o mesmo objetivo.

    Convido vcs a estudar as plantas do castelo do Gilvan Juntos, quem sabe assim, mesmo não sendo arquitetos, surge uma sinergia, e possamos ser maiores ou mais fortes do que realmente somos.

    Quem sabe abriremos um outro tópico pra isso!



  17. #117

    Padrão

    Citação Postado originalmente por GilvanEnriconi Ver Post
    HELP! I NEED SOMEBODYHELP! NOT JUST ANYBODYHELP! YOU KNOW I NEED SOMEONEHELP!WHEN I WAS YOUNGER SO MUCH YOUNGER THAN TODAYI NEVER NEEDED ANYBODY´S HELP IN ANY WAYAND NOW THESE DAYS ARE GONEI´M NOT SO SELF ASSUREDNOW I FIND I´VE CHANGED MY MINDI´VE OPENED UP THE DOORS
    Preciso que vocês me ajudem. Estou as ordens para qualquer um se for serviços leves. O serviço pesado fica com vocês.
    Primeiro vou fazer uma boa afirmação, mas antes vou ser muito cauteloso. Porque posso receber mísseis vindo de alem fronteira destinados a explodirem na minha cabeça.
    Tenho dito que há muita diferença entre Fenômeno físico e Modelo. Falei até dos artifícios que se cria para interpretar o fenômeno físico. Quem compreendeu isso, deverá embarcar no trem deste novo tópico. Lá vai:
    Enlace Ponto a ponto existe!
    Enlace Ponto Multiponto não existe!
    Continuam bem sentados?
    Pois é. Precisamos explorar este conceito junto. Uma antena quando está ligada num AP, temos por definição ser uma antena multiponto. Porém, esta antena nunca estará ligada ao mesmo tempo com outras duas. Nem estará recebendo e transmitindo ao mesmo tempo. O roteator não deixa. É sempre uma coisa de cada vez. Logo, no domínio do tempo, para dada posição do roteador a antena do AP está se comunicando com apenas outra antena de cliente. Sendo assim, só existe ponto a ponto.
    Concordam?
    O radinho pode ser multiponto e leva o apelido de AP. Ou então o radinho pode ser cliente. Entre as antenas só existe ponto á ponto.
    Este conceito é muito importante para estudos que faremos posteriormente. Pergunto:
    Que tempo existe entre o envio de dois pacotes? Não sei essa resposta, quem souber, por favor, me responda. Acredito que seja uma constante de tempo determinada pelo TCP/IP, alguém sabe me responder em unidade de tempo?

    Vejam como é importante: Se o cabo coaxial tiver um comprimento tal que a onda para percorre-lo demore mais que o tempo entre dois pacotes, podemos determinar um comprimento mínimo do cabo coaxial, de tal forma que a onda refletida não encontre a onda fundamental. Logo nesta instalação não haveria onda estacionária. Este será um dos temas do próximo curso.
    Mandem por favor a resposta sobre este tempo. Esta resposta está na área de conhecimento de vocês.
    Um abraço.
    Gilvan
    Seria o tempo necessário até receber a resposta que o pacote enviado chegou ao destino...?

  18. #118

    Padrão

    Citação Postado originalmente por JHONNE Ver Post
    Definitivamente não sei construir castelo sozinho é claro, é muito trabalho pra mim, talvez pela minha pouca eficiência, interessante saber que o transformador é muito eficiente, quase 95% é ótimo. Também conheço outro concito quando se trata de eficiência: "Sinegia", é quando 1 + 1 são mais 2, quando 2 + 2 são mais que quatro. Sim é dificil encontrar nas fórmulas matemáticas que trabalham com lógicas precisas, mas é fácil encontrar em um grupo únido com o mesmo objetivo.

    Convido vcs a estudar as plantas do castelo do Gilvan Juntos, quem sabe assim, mesmo não sendo arquitetos, surge uma sinergia, e possamos ser maiores ou mais fortes do que realmente somos.

    Quem sabe abriremos um outro tópico pra isso!
    Principalmente que construir castelos está na moda. Pelo menos entre alguns (poucos?) deputados.



  19. #119

    Padrão

    Muito interessante o texto das tríades, só que o primeiro número ímpar é 1 e não 3

  20. #120

    Padrão

    Na tentativa de desvendar alguns enigmar do nosso amigo Gilvan, abri um novo tópico:

    Coeficiente de reflexão: Como medir?