Página 1 de 3 123 ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Maceió, 13/07/2011 – Acatando tese da Defensoria Pública da União em Alagoas (DPU/AL), a 4ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região decretou o trancamento de ação penal contra assistida por considerar que o fornecimento não licenciado de serviço de internet de que era acusada não está tipificado como crime de desenvolvimento clandestino das atividades de telecomunicação. A decisão do TRF5 atendeu a habeas corpus apresentado pelo Defensor Público Federal Angelo Cavalcanti Alves de Miranda Neto, que contestou decisão de juizado federal de primeira instância de Maceió. O magistrado aceitou a denúncia do Ministério Público Federal e abriu processo penal contra a assistida M.S.D.M. por prática criminosa de desenvolvimento de atividade clandestina de telecomunicação. A assistida era proprietária de um pequeno provedor identificado em inspeção da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), instalado na sua residência em bairro popular de Maceió e pelo qual fornecia acesso wi-fi para as vizinhanças. Confirmada a continuidade do processo, M.S.D.M. estaria sujeita a detenção de dois a quatro anos, com pena aumentada da metade se houvesse dano a terceiro. A conduta criminosa, prevista no artigo 183 da Lei 9.472/97, conhecida como Lei Geral das Telecomunicações, estaria comprovada, de acordo com a peça acusatória, pelo fornecimento de serviço de internet pela acusada sem autorização da Anatel. O Defensor conseguiu demonstrar, no entanto, que um provedor desse tipo é descrito como “serviço de valor adicionado à comunicação”, conforme expressa o artigo 61 do mesmo diploma legal, diferenciando-se do serviço típico de telecomunicação. Reconhecimento de atipicidade O Desembargador Federal Ivan Lira de Carvalho, relator do HC, já havia concedido liminar, em junho passado, determinando a suspensão do curso da ação penal, ante a atipicidade do fornecimento de acesso à internet sem licença, que se dá quando a conduta não está descrita por um tipo penal. “O direito penal é regido pelo princípio da reserva legal, o que impede que alguém seja acusado e condenado por um fato não previsto em lei como crime”, explicou o Defensor.
    A mesma interpretação quanto ao que seja serviço de telecomunicação em senso estrito, segundo Angelo Neto, tem o Superior Tribunal de Justiça (STJ), conforme entendimento firmado na Súmula 334. De acordo com o texto, não incide ICMS sobre os serviços prestados pelos provedores de acesso à internet, uma vez esses que não possuem natureza de serviço de telecomunicação. No acórdão, o relator Ivan Lira de Carvalho faz referência ao entendimento do STJ. De acordo com o parágrafo único do artigo 184 da Lei Geral das Telecomunicações, que trata do crime de desenvolvimento clandestino de atividades de telecomunicação, a conduta se caracteriza como “a atividade desenvolvida sem a competente concessão, permissão ou autorização de serviço, de uso de radiofreqüência e de exploração de satélite”. Artigo seguinte estabelece que esse crime é de ação penal pública incondicionada. O artigo 61, no entanto, define serviço de valor adicionado como “a atividade que acrescenta, a um serviço de telecomunicações que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utilidades relacionadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movimentação ou recuperação de informações”. O parágrafo primeiro afirma que tais atividades não constituem serviço de telecomunicações, “classificando-se seu provedor como usuário do serviço de telecomunicações”. Comunicação Social DPGU
    Provedor sem licença não pratica crime contra telecomunicações

  2. Bom. Estado criminal , e posterior as normas internas e aplicaçoes imediatas pela anatel a empresas ou intidades que nao se adequaram as leis internas da reguladora nacional de telecomunicaçao, o importante e que anatel chega fecha e lacra depois se vai para justiça e outra historia ........por que nesse pais nada se prende e tudo fica como estava antes kkkkkkkkkkkkkkkkkk.......... MAIS que e muita cara de PAU e nego estando errado e diferentes dos demais que paga impostos e tentam a todo custo se encaixar tem todos os requisitos . ... ter coragem de entrar na justiça com esse papo fura do de serviço agregado .kkkkkk

    mas justiça e para isso .. mente quem quer e acredita quem quizer tambem.



  3. Ai tem dinheiro envolvido no bolso de alguem

  4. Como um advogado me falou uma vez tudo é uma questão de Interpretação rsrs



  5. kkk e brasil onde lei nao e lei e questao de interpretacao kkkkk






Tópicos Similares

  1. Pequenos provedores de Internet poderão funcionar sem licença - Teletime
    Por GilsonBarbosa no fórum Assuntos não relacionados
    Respostas: 24
    Último Post: 24-06-2017, 18:34
  2. rede cabeada navega normal e sem fio nao
    Por edcomrocha no fórum Redes
    Respostas: 5
    Último Post: 14-12-2007, 23:52
  3. Navegador sem proxy não acha internet na primeira, demora
    Por celsoboy no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 0
    Último Post: 15-08-2006, 08:31
  4. como altenticar no provedor sem passar pela telemar
    Por diegofsousarn no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 7
    Último Post: 16-12-2005, 07:22
  5. Respostas: 3
    Último Post: 09-05-2005, 12:17

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L