Página 2 de 8 PrimeiroPrimeiro 1234567 ... ÚltimoÚltimo
+ Responder ao Tópico



  1. Obrigado @rubem e @marcioelias por responderem.

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Imagina o seguinte pra esses auto-sustentados: Saindo do seu provedor usa o de 12 vias, em certo ponto você divide uma pra um cliente (Com acoplador, não com fusão, porque fusor é caaaaaro), mais a frente outra fibra pra outro e etc.
    Deixa eu ver se entendi como funciona esse acoplamento: saindo do provedor, todas fibras vão estar transmitindo os mesmos dados. Quando precisar dividir a rede é colocado um acoplador, que vai pegar o sinal de uma fibra e enviá-lo para outras duas ou mais, onde uma dessas fibras resultantes será a continuação da original e a(s) outra(s) a(s) ramificação(ões), é isso?

    E se, em algum ponto, eu quiser fazer uma ramificação com 6, ou mesmo 12 fibras, há acopladores com essa quantidade de saídas? Ou teria que fazer separadamente, de 2 em 2, por exemplo?

    Cortar a fibra e colocá-la adequadamente nesse tal acoplador deve dar um trabalho enorme...

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    então você pode usar multi-lambda e ir reduzindo o numero de lamdbas conforme tem T's no meio do caminho.
    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Puxar uma fibra pra cada cliente sai caro, e ter muitos acopladores reduz demais o alcance, tem que fazer um meio termo entre os 2, com fibras de diversas lambdas ao longo do trajeto todo.
    E como assim multi-lambda/diversas lambdas, cada fibra vai estar transmitindo os mesmos dados, porém em comprimentos de onda diferentes? Ou no mesmo comprimento?

    Só faz sentido para mim se for o mesmo comprimento em todas vias, assim, a partir de um determinado ponto onde uma delas já estiver saturada por causa da atenuação dos acopladores, passa-se a usar outra via, e assim sucessivamente. É isso mesmo?

    A redução do número de lambdas é simplesmente abandonar (não fazer mais acoplamentos a partir de um ponto) a via que já estiver saturada? Como é que alguém vai saber qual já está saturada quando for adicionar um novo acoplamento? Medindo o nível de sinal?

  2. Multi-lambda você usa com conversor com muitas portas SFP, não usa um divisor de, digamos, 1 porta pra 6 lambdas.

    Pra dividir uma luz em 6, cada uma das luzes resultantes terás 1/6 da luz original, você usa lentes pra focalizar, mas as lentes não "aumentam" o nível de luz. Ter 6 fibras com 1/6 do nível de luz não é lucro, você manda 6 lambdas, cada uma ligada numa porta SFP, e cada atenuador na frente (Seja emenda, seja T) vai piorar apenas 1 lambda, hora que ela ficar com nível baixo demais você passa a usar a 2ª lambda, e assim vai, porque não basta ter alcance, tem que permitir clientes pelo caminho (E acoplador tipo T atrapalha o alcance).

    Conversor multimodo (RX e TX na mesma lambda) custa algo na casa dos R$ 100, 6 deles ligados numa RB 1100 X2 nem sai tão caro, são conversores pra 2 ou 3Km, com T deve cair uns 100m por T, então digamos cada lambda atenderia 1500m com 10 clientes no meio, talvez 8. Vantagem? 100Mbps em cada lambda com ping <1mS. Adaptador gigabit talvez fique um pouco mais caro, teria cerca de 1Gbps a menos de 1mS, isso nenhuma rede wifi barata terá. No cliente vai também um conversor multimodo barato, de R$ 100, nem é tão caro, se o cliente tive banda menor que 100M pode usar conversor 10/100 no cliente, e conversor gigabit no provedor.

    Fibra mono-modo (Par, 2 lambdas, 1 com TX outra com RX) tem adaptador na casa dos R$ 200-300, esses são ppra 10, 15 ou 20Km, cada T dá a mesma atenuação, então numa rede mono-modo (Um par de lambdas) você terá maior alcance, o custo é maior, mas varios equip. Mikrotik e UBNT já tem portas mono-modo, economiza na base. Numa fibra de 6 lamdbas você terá 3 mono-modos, MK e UBNT tem portas pra 10G, com alcance tipo 10Km, então com uma RB2011 no provedor, um par de lambdas auto-sustentado, e conversores mono-modo no cliente, desses:
    http://produto.mercadolivre.com.br/M...10cs-10100-_JM
    Imagina quantos clientes você atende! Diria que uns 100 clientes em 5Km. Que hardware wifi você precisaria pra atender 100M pra cada usuario wifi com resposta tipo 1mS? (10G / 100 usuarios = 100M pra cada)

    Infelizmente a rede dum provedor é mais tipo estrela, o provedor fica no meio e sai fibra pra todo lado, uma RB2011 com apenas 1 porta mono-modo não é uma boa, acaba sendo melhor algo tipo RB1100 e em cada lan colocar um conversor gigabit em cada uma das 13 portas, isso te permitiria 13 "redes" gigabit, 13G ao todo, cada "rede" feita por um par de lambdas, com alcance dependendo do conversor usado, e mesma coisa, pode usar conversor gigabit no provedor e conversor 10/100 no cliente, que é mais barato, mas tem que ser conversor de potencia compatível com a distancia (O mais proximo pode ter conversor pra 550m, depois pra 2Km, pra 10Km, etc).

    Conversor 10/100 no provedor não é tão vantajoso, hoje 802.11N e AC permitem mais banda, mas com fibra gigabit ou 10G não tem como comparar wifi acessível (Veja o custo do cabo multi-fibra, R$ 2 por metro com 2 lambdas, R$ 100 o conversor pro cliente, R$ 5 o conector, R$ 15 o T, R$ 360 o conversor pro provedor, EU vejo um custo bem menor que rede ethernet, não só a longo prazo (Vender 100M no futuro) mas sim a medio prazo, já nessa época da chuva uma rede ethernet teria duzias de switch queimados, fibra não tem esse problema, é eterna até que um rato ou um peão roam...



  3. Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Multi-lambda você usa com conversor com muitas portas SFP, não usa um divisor de, digamos, 1 porta pra 6 lambdas.

    Pra dividir uma luz em 6, cada uma das luzes resultantes terás 1/6 da luz original, você usa lentes pra focalizar, mas as lentes não "aumentam" o nível de luz. Ter 6 fibras com 1/6 do nível de luz não é lucro, você manda 6 lambdas, cada uma ligada numa porta SFP, e cada atenuador na frente (Seja emenda, seja T) vai piorar apenas 1 lambda, hora que ela ficar com nível baixo demais você passa a usar a 2ª lambda, e assim vai, porque não basta ter alcance, tem que permitir clientes pelo caminho (E acoplador tipo T atrapalha o alcance).
    A distância que esses 1/6 de luz vão alcançar vão ser 1/6 da original também? Ou a luz, tanto fraca quanto forte, vai ter o mesmo alcance?

    O que é melhor? Essa técnica das várias lambdas, ou amplificadores ópticos no meio do caminho?

    Citação Postado originalmente por rubem Ver Post
    Infelizmente a rede dum provedor é mais tipo estrela, o provedor fica no meio e sai fibra pra todo lado, uma RB2011 com apenas 1 porta mono-modo não é uma boa, acaba sendo melhor algo tipo RB1100 e em cada lan colocar um conversor gigabit em cada uma das 13 portas
    13 conversores de mídia... não é melhor pegar logo um switch para fibra óptica gerenciável? Até Planet e TP-Link já tem desses com 12 e 24 portas Gigabit SFP, alguma dessas marcas baratas deve ter algum que preste.

  4. 1/6 da luz vai ter menos que 1/6 do alcance, quando mais fraca a luz maior a atenuação que existe em emendas, T, ou variação no proprio material da fibra. Esses divisores são péssimos, acho que ninguem usa isso na prática, um coisa é um T pra puxar um ramal pra um cliente, mas dividir de maneira passiva (Encaixe e lente) um sinal em 2 ou mais lambdas é péssimo.

    Amplificador é meio caro, acho que vale mais a pena fazer isso de usar cabo multi-lambda e quando o primeiro cabo (Ou par) ficar com sinal deteriorado demais você simplesmente o corta e passa a usar outro daquele trecho em diante.
    Claro que em 20Km de fibra um amplificador fica mais barato que R$ 20.000 a mais por usar cabo com mais lambdas sobressalentes, mas pra provedor que vai usar 2 ou 3Km de rede ao todo um amplificador sai o preço da diferença 2 lambdas>6 lambdas.

    Uma RB1100 R$ 1500, 12 conversores de R$ 300: R$ 3600, totaliza R$ 5100. ACHO que um switch com 12 SFP (Cisco Catalist, pelo que eu saiba) está 4x esse preço.

    Na verdade RB11000 duvivo que suporte tanto trafego, teria que ser algo tipo CCR1036 ou melhor. O custo aumenta, mas de qualquer forma fica bem menor que switch com portas SFP.

    Mas isso é coisa pra bandas muito altas. Só que... a 13 anos pra mim era impensável ter 10M em casa, tinha ADSL de 128K e sonhava com algo tipo 512K.
    (Isso nem comentando sobre os 1200 bps que tinha nos modem Tropical, pra acessar BBS, o sonho na época era ter uns 9600 bps, ou 14,4Kbps, como muita gente fora do brasil já tinha)

    suspeito muito que o patamar pros proximos 10 anos será internet de 100M, que é o limite prático da maioria dos switches, notebooks e desktops de baixo custo no mercado. Fora que é um numero redondo, tipo "1M", se você falar que vende 2256Kbps é capaz do cliente não querer, mas se falar em "2 mega" ele contrata...
    Enfim, rede 100M via ethernet custaria demais ao longo de 10 anos, mas fibra só teria problemas em caso de rompimento mecanico tipo poste caindo, caminhão arrancando toda fiação, enfim, coisa não muito comum. Uma rede de fibra feita em 2014 vai estar 100% em dia em 2024.
    (Enquanto uma dslam ADSL (Não ADSL2 nem ADSL2+) instalada em 2004 está bem defasada hoje)
    Na fibra o gargalo hoje é o roteador que faz o gerenciamento. Um Cisco Catalist hoje está bem caro, o que temos é Mikrotik CCR, no futuro dá pra trocar se for o caso, ele é uma parte barata da infraestrutura.



  5. Vou simplificar seu entendimento, demonstrando os 2 casos mais comuns de uso para provedores.

    Interligação de pontos usando fibra.

    Basta vc interligar os pontos usando um par destes conversores por exemplo:
    http://www.cianet.ind.br/pt/produtos...idia-monomodo/

    O processo é bastante simples, existe um LXA e um LXB, a premissa básica é que vc use sempre estes 2 modelos para fechar um enlace. O tipo de fibra é monomodo e funciona com uma única fibra (SIMPLEX) usando o conectores SC/UPC.

    Outro cenário é a distribuição de internet até a casa de seus clientes (FTTH ou Fiber To The Home = Fibra até a casa).

    Para isso vc vai precisar de dois ativos (ativos são equipamentos energizados na rede).

    OLT (Optical Line Terminator) é o equipamento que vai injetar o tráfego na sua rede óptica, basta procurar por OLT (marcas FiberHome, CiaNet, OverTek, Parks, etc).

    Este tipo de rede pode ser empregado usando 2 tecnologias GPON e EPON (ou também conhecido como GePON).

    GPON é mais atrelado a fabricante, e é muito difícil vc trabalhar com fabricantes diferentes na sua rede, porém tem um tráfego total de 2.5Gbps de Down e 1,25 Gbps de Up por porta PON (Porta óptica da OLT).

    EPON (ou GePON) é mais tranquilo utilizar diversos fabricantes (ao contrário da GPON que é um padrão definido pela ITU-T, esta tecnologia é difinida pela IEEE) e tem um tráfego de 1.25Gbs de down e 1.25Gbps de Up por porta de OLT.

    Entre a OLT (que fica na sua sede) e o cliente final a rede é toda passiva (não energizada) por isso o nome PON (Passive Optical Network), e interligada da seguinte maneira.

    Para cada fibra que vc interliga a uma porta da sua OLT, vc usa passivos conhecidos como splitters que dividem a luz, ou seja, liga uma fibra vindo da OLT e saem 2, ou 4, ou 8, ou 16 ou até 32. O mais comum a ser utilizado é o emprego de 2 níveis de esplitagem, aqui usamos assim, saindo da OLT cada fibra é ligada a um splitter 1:8 (uma entrada 8 saidas) o qual chamamos de splitter de primeiro nível. Cada saída desse splitter se liga a outro splitter de 1:8 chamado de splitter de 2 nível, e por sua vez, em cada saída desse splitter de 2 nível levamos uma fibra até uma casa de um cliente.

    No cliente é instalado o outro ativo da rede a ONU ou ONT (Optical Network Unit, ou Optical Network Termination). Basicamente é uma espécie de router, onde a WAN é uma entrada óptica. Existem diversos modelos, com WiFi, com saídas FXS (para voip) etc.

    A grande sacada para isso tudo funcionar é que a OLT em geral joga luz até 20Km, e a rede toda trabalha em cima das perdas. Por exemplo, ONUS podem comunicar-se com perdas de até -28db, sendo que a OLT tem um ganho de ~5db, e cada splitter de 1:8 tem perde de 8 a 10db, bem como cada fusão, conectorização etc tem uma perda, conseguimos chegar até o cliente com uma perda em nossa rede de em média 16 a 18db.

    Bom leia esse texto, procure por palavras chave (tem aos montes) que vc vai encontrar oque procura.

    Dica, prepare o bolso!






Tópicos Similares

  1. Samba como PDC com varias interfaces e windows 98
    Por Trevão no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 2
    Último Post: 21-06-2005, 15:10
  2. Como fazer proxy transparente com ipchains
    Por linuxfull no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 4
    Último Post: 26-03-2004, 15:11
  3. Respostas: 2
    Último Post: 10-01-2003, 09:36
  4. como bloquear certos ips com iptables ???//
    Por MAJOR no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 2
    Último Post: 20-11-2002, 08:19
  5. Como enviar um email com um arquivo anexo?
    Por OsvaldoCruz no fórum Servidores de Rede
    Respostas: 2
    Último Post: 19-11-2002, 08:19

Visite: BR-Linux ·  VivaOLinux ·  Dicas-L