Página 5 de 5 PrimeiroPrimeiro 12345
+ Responder ao Tópico



  1. #25

    Padrão Quantos clientes ? que sistema/soft ? que material?

    Citação Postado originalmente por ryiades
    Nataniel,

    Poderia citar onde se encontra essa informação? Nas resoluções que tratam de equipamentos de radiação restrita não encontrei.
    Outro detalhe: o D-Link DWL-900+ transmite com 17 dbm + 2dbi da anteninha = 19 db eirp.

    Resoluções Anatel nos. 397 (de 06/04/2005) e 365 (de 10/05/2004).

    Grato.
    Ryiades,

    Eu não lembro onde foi que vi isso, mas acho que foi em um congresso com a ANATEL patrocinado pela Rede Netoworks. Vou procurar no site da ANATEL também.

    Esse cálculo que tu apresentou, e que era o que eu usava até tomar um auto de infração, não funciona. Por exemplo eu usava uma antena de 24 dBi e um cartão PCMCIA Orinoco de 30 mW. Resultado que dava mais do que os 36 dB e.i.r.p. A conta é com log. Não lembro o calculo também.

    Depois desbcobri, no forum, que o que eu estava errado para a ANATEL era erro deles pq link PtP tem outro modelo de calculo.

  2. #26

    Padrão Quantos clientes ? que sistema/soft ? que material?

    Ok Nataniel,

    sem querer desmerecer ou desrespeitar sua opinião mas minhas afirmações são baseadas nas resoluções de radiação restrita citadas acima. Baseando-se nelas teremos certeza de nossas afirmações.

    - Verfique o certificado de homologação do dwl-900+ e vc verá que a potência dele é de 51,6 mw. Para transformar para dbm, o cálculo é:

    P = 10 x log mw => log 51,6 = 1,7126...
    P = 10 x 1,7126 = 17,126 dbm (17 dbm aproximadamente)

    - A resolução diferencia bem quanto às potências máximas e.i.r.p em aplicações multiponto das aplicações ponto a ponto do serviço fixo.

    Nos atendo à faixa de 2,4 GHz, e considerando que trabalharemos em cidades com MENOS de 500 mil habitantes, se utilizarmos uma instalação multiponto, ou seja, utilizando uma antena não classificada como direcional (uma omni-direcional por exemplo), a potência máxima de pico na saída do transmissor deve ser de 1 W (que é igual a 30 dbm) com uma antena de no máximo 6 dbi, o que dá um total de 36 db e.i.r.p, significando também que qualquer outra combinação rádio x antena dentro dos 36 dbm estará dentro da norma.

    Em sistemas utilizados EXCLUSIVAMENTE em aplicações PONTO A PONTO, pode-se utilizar antenas com ganho superior a 6dbi, desde que a potência do tx seja reduzida em 1db para cada 3db que o ganho da antena exceder os 6 dbi.

    Exemplo?

    Cartão Lucent/Orinoco 32 mw = 15 dbm
    Como a potência do tx foi reduzida em 15 db (30dbm - 15dbm = 15 dbm), o ganho excedente da antena pode ser de até 15 x 3db = 45 dbi, ou seja, poderia se utilizar uma antena direcional de até 45 + 6 = 51 dbi, portanto pode-se sim ter uma potência superior aos 36 db e.i.r.p. quando em aplicações PONTO A PONTO, desde que "do outro lado" esteja a respectiva estação direcional. Não pode-se utilizar este cálculo para um cliente de sistema omni, neste caso fica valendo o limite de 36 db e.i.r.p. (atenção para o art. 43, parágrafos 1º e 2º)

    Referência:

    Art. 43, inciso I do Regulamento 365



  3. #27

    Padrão Quantos clientes ? que sistema/soft ? que material?

    ryiades,

    Não te preocupa que eu não me ofendo por discordarem de mim...

    Acho que agora ficou mais do que bem explicado. Essas normas da ANATEL são confusas demais.

    Citação Postado originalmente por ryiades
    Ok Nataniel,

    sem querer desmerecer ou desrespeitar sua opinião mas minhas afirmações são baseadas nas resoluções de radiação restrita citadas acima. Baseando-se nelas teremos certeza de nossas afirmações.

    - Verfique o certificado de homologação do dwl-900+ e vc verá que a potência dele é de 51,6 mw. Para transformar para dbm, o cálculo é:

    P = 10 x log mw => log 51,6 = 1,7126...
    P = 10 x 1,7126 = 17,126 dbm (17 dbm aproximadamente)

    - A resolução diferencia bem quanto às potências máximas e.i.r.p em aplicações multiponto das aplicações ponto a ponto do serviço fixo.

    Nos atendo à faixa de 2,4 GHz, e considerando que trabalharemos em cidades com MENOS de 500 mil habitantes, se utilizarmos uma instalação multiponto, ou seja, utilizando uma antena não classificada como direcional (uma omni-direcional por exemplo), a potência máxima de pico na saída do transmissor deve ser de 1 W (que é igual a 30 dbm) com uma antena de no máximo 6 dbi, o que dá um total de 36 db e.i.r.p, significando também que qualquer outra combinação rádio x antena dentro dos 36 dbm estará dentro da norma.

    Em sistemas utilizados EXCLUSIVAMENTE em aplicações PONTO A PONTO, pode-se utilizar antenas com ganho superior a 6dbi, desde que a potência do tx seja reduzida em 1db para cada 3db que o ganho da antena exceder os 6 dbi.

    Exemplo?

    Cartão Lucent/Orinoco 32 mw = 15 dbm
    Como a potência do tx foi reduzida em 15 db (30dbm - 15dbm = 15 dbm), o ganho excedente da antena pode ser de até 15 x 3db = 45 dbi, ou seja, poderia se utilizar uma antena direcional de até 45 + 6 = 51 dbi, portanto pode-se sim ter uma potência superior aos 36 db e.i.r.p. quando em aplicações PONTO A PONTO, desde que "do outro lado" esteja a respectiva estação direcional. Não pode-se utilizar este cálculo para um cliente de sistema omni, neste caso fica valendo o limite de 36 db e.i.r.p. (atenção para o art. 43, parágrafos 1º e 2º)

    Referência:

    Art. 43, inciso I do Regulamento 365